Dilemas éticos como proposta metodológica para abordar temas transversais

Sansao Albino Timbane, Margarete Axt

Resumo


O presente estudo realça como o investimento em dilemas éticos pode contribuir como disparador da aprendizagem em Ambientes Virtuais voltados a aprendizagem, mais do que ao ensino. Foram realizados encontros presenciais, em sala de aula, e a distância, no espaço online (Forchat). Os alunos participaram proativamente das discussões com liberdade de decisão quanto à assunção de papeis e à proposição de temáticas de seu interesse ligadas aos tópicos em estudo, ora assumindo a função de moderador, ora à de contribuinte, sem interferência expressa da professora.

A problematização da realidade pela via de dilemas éticos apresentou como efeito relevante o engajamento proativo nas discussões dos assuntos propostos e gerados a posteriori, com ganhanhos para a construção conceitual e os posicionamentos metodológicos na pesquisa e na docência. Instigados pelo desafio de temas transversais discutiram, no ambiente virtual de aprendizagem, temáticas relacionadas com: prática docente, aprendizagem, formação profissional, avaliação, relação teoria-prática, atualizando debates e reflexões em torno de dilemas éticos, dando corpo a um texto coletivo que ao mesmo tempo respeitou a heterogeneidade das contribuições individuais e dos sentidos produzidos. 


Palavras-chave


Dilema ético; Educação; Cultura; Tema transversal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, Augusta Thereza et al. Histórico, fundamentos filosóficos e teórico-metodológicos da interdisciplinaridade. In JR, Arlindo Philippi; NETO, Antônio J. Silva (Org.). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. São Paulo: Manole, 2011. p. 3-68.

AXT, Margarete. Do pressuposto dialógico na pesquisa: o lugar da multiplicidade na formação (docente) em rede. Informática na Educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 91-104, jan./jun. 2008.

AXT, Margarete. Mundo da Vida e Pesquisa em Educação: ressonâncias, implicações, replicações. In: Revista Letras de Hoje. Porto Alegre, V. 46, Nº 1, p. 46-54, jan./mar., 2011a.

AXT, Margarete. Inter/transdisciplinaridade, complexidade e a perspectiva (Est)ética. Porto Alegre: UFRGS, 2014. (Comunicação oral)

BAKHTIN, Mikhail. Estética de Criação Verbal. 6ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Para Uma Filosofia do Ato Responsável. 2ª ed. São Paulo: Pedro & João Editores, 2012 – Org. Augusto Ponzio; Grupo de Estudos dos Gêneros do Discurso. Tradução: Valdemir Miotello; Carlos Alberto Faraco.

BISCHOFF, Tânia Gomes. O aprender como acontecimento na EAD: análise de práticas e experiências. Porto Alegre: UFRGS, 2015. 157 f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 setembro 2015.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia. 2ª ed. 5ª reimpressão Rio de Janeiro: Editora 34, 2007. Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. 48ª ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2014.

LEIS, Héctor Ricardo. Especificidades e desafios da interdisciplinaridade nas ciências humanas. In JR, Arlindo Philippi; NETO, Antônio J. Silva (Org.). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. São Paulo: Manole, 2011. p. 106-122.

MUTTI, Regina Maria Virini; AXT, Margarete. Para uma posição enunciativa no discurso pedagógico mediado por ambientes virtuais de aprendizagem. Revista: Interface - Comunicação, Saúde, Educação. Porto Alegre. v.12, n.25, p.347-361, abr./jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 junho 2014.

PARENTE, André. O Virtual e o Hipertextual: A rede como paradigma da conteporaneidade. Rio de Janeiro, 1999.

PENA-VEGA, Alfredo. Complexidade e Interdisciplinaridade: realidades e experiências de pesquisa. In JR, Arlindo Philippi; NETO, Antônio J. Silva (Org.). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. São Paulo: Manole, 2011. p. 694-712.

PRENSKY, Marc. Não me atrapalhe, mãe – Estou aprendendo!: Como os videogames estão preparando os nossos filhos para o sucesso no século XXI – e como você pode ajudar!. São Paulo: Phorte editor, 2010.

PONZIO, Augusto. A concepção bakhtiniana do ato como dar um passo. In: BAKHTIN, Mikhail. Para Uma Filosofia do Ato Responsável. 2ª ed. São Paulo: Pedro & João Editores, 2012. p. 9-38.

SOUZA, Cristian Wagner de. Polifonia, Dialogismo e Gêneros: A presença de Bakhtin nas aulas de Língua Materna. 2011. Disponível em: Acesso em: 20 setembro 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v1i02.101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Sansao Albino Timbane, Margarete Axt

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Qualis CAPES (2013-2016):

B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

e-ISSN 2016/Atual: 2525-7870 | e-ISSN 2015/2016: 2447-018X

Facebook - Twitter - Instagram

Realização:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

Endereço Eletrônico: relacult@claec.org


Contador disponível desde 05/2016.

universidades e ensino superior
contador de visitas