https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/issue/feed RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade 2021-03-06T00:53:23+00:00 RELACult - Comissão Editorial relacult@claec.org Open Journal Systems <p><strong><em>RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade | e-ISSN: 2525-7870</em></strong>. Criada em 2015 sob a denominação de Conexões Culturais - Revista de Linguagens, Artes e Estudos em Cultura| e-ISSN: 2447-018X, é um periódico quadrimestral multidisciplinar que abrange as áreas de Linguística, Letras, Artes, Humanidades e Ciências Sociais. É o principal instrumento de divulgação científica do <a href="http://www.claec.org" target="_blank" rel="noopener">Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura - CLAEC</a>, entre seus objetivos, destaca-se, o de explorar e desvendar as fronteiras territoriais e disciplinares na produção de conhecimentos que demonstrem a diversidade de costumes, ideias e modos de vida dos cidadãos dos países integrantes da América Latina. As edições terão como conceito propostas que debatam criticamente reflexões e estudos em cultura e sociedade.</p> https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2081 A A Formação Continuada de Professores da Educação Infantil no Contexto das Experiências de Movimento 2021-03-06T00:53:23+00:00 Marilete Lima Botelho mariletebotelho@outlook.com <p>Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa sobre a formação continuada de professores atuantes na Educação Infantil no contexto das experiências de movimento, realizado com professores atuantes de uma escola de Educação Infantil, situada na cidade de Arroio Grande - RS. O estudo apresentou como objetivo principal compreender como se dá a formação dos professores da Educação Infantil na escola quanto ao planejamento e desenvolvimento de experiências envolvendo o corpo e o movimento. Somam-se ao trabalho de construção da pesquisa os objetivos específicos: analisar e refletir sobre a formação continuada dos professores da Educação Infantil oferecida no âmbito da cultura de movimento; conhecer como os professores participantes planejam e estabelecem as experiências de movimento. Como instrumentos para coleta de dados foram utilizados o Plano Municipal de Educação de Arroio Grande (2015/2025) e o questionário. A análise de conteúdo foi empregada pela organização das informações obtidas. O marco teórico está alicerçado nos estudos sobre infância, Educação Física escolar e formação continuada de professores. Os resultados da pesquisa revelaram a oferta de formação continuada de professores baseada em formato vertical, com ausência de discussões sobre as ações pedagógicas relacionadas ao movimento e as práticas corporais.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2078 O RAP é PRETO: narrativas e discursos que nos expressam 2021-03-04T00:17:10+00:00 ELIANA CRISTINA PEREIRA SANTOS eliana.foz@gmail.com Janaína de Jesus Lopes Santana ninahh93@gmail.com Janaína de Jesus Lopes Santana ninahh93@gmail.com <p>Neste trabalho temos como objetivo analisar as narrativas poéticas que entrelaçam o fazer do rap, entendendo que esse faz parte dos três elementos que constitui o Movimento <em>Hip Hop</em>: o rap (música), <em>break</em> (dança) e o grafite / pichação (arte gráfica). Um movimento de expressões de especificidades estéticas musicais, poéticas, de protesto, entre outros ressaltando o que há de genuíno nas produções populares. Para esse trabalho, tomaremos como exemplo para essa análise o Rap: “O Rap É Preto” do <em>MC </em><a href="https://www.letras.mus.br/nego-max/"><em>Nego Max</em></a> (2018), deste pontuando alguns aspectos linguísticos, sócio históricos e político que são retratados no conjunto da obra. Para essa análise valemo-nos de estudos da antropológicos, educacionais, linguísticos-discursivos. Ou seja, nesse aspecto, ressaltamos a narrativa e os discursos presentes nesse rap que retratam a experiência e escrevivência (Conceição Evaristo, 2014); do <em>MC's </em>(Mestre de Cerimônia); <em>DJ's </em>(Disc-Jóquei); <em>BGIRLS </em>e <em>BBOYS</em> (quem pratica o <em>break</em>). São esses os responsáveis por construir uma conexão entre suas realidades e o público que escuta/ sente, com suas letras que abordam o racismo velado e religioso, gênero e sexualidade, o papel da mulher negra na sociedade e as diversas formas de se entender educação, principalmente uma educação equitativa. Mesmo possuindo uma diversidade interna em suas formas de manifestação artística e política, o Movimento <em>hip hop</em> desde sua raiz vem desenvolvendo um papel de reivindicação política e social e é sobre esta forma de manifestação artístico-cultural que a pesquisa aqui apresentada direciona sua discussão.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2077 UM ESTUDO SOBRE A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS NEGRAS EM PELOTAS NO PÓS-ABOLIÇÃO 2021-03-03T18:29:25+00:00 Adriana Barboza Roschild adrianaroschild@hotmail.com Adriana Duarte Leon adriana.adrileon@gmail.com <p>Esta pesquisa tem como finalidade analisar a educação dos negros no período pós-abolição. Especialmente, abordar como aconteceu a inserção das crianças negras na escola pública brasileira. Para a realização desta pesquisa utilizou-se a abordagem qualitativa, a partir da pesquisa bibliográfica. Desde a formação do Brasil, que data do período colonial, a população brasileira conta com um elevado número de indivíduos negros, muitos foram trazidos da África, para trabalharem no país como escravizados. No território brasileiro, o regime escravocrata ocorreu em diferentes regiões, em exemplo na cidade de Pelotas. A educação das crianças negras no Brasil e no município pelotense, foi realizada principalmente no intuito de formar trabalhadores para o mercado de trabalho, muitos sofriam vários tipos de violência, dentre elas, agressões físicas. Porém, mesmo com tais adversidades, a população negra nunca deixou de lutar pelos seus direitos, dentre eles, a educação.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2076 Representações sociais entre estudantes brasileiros e portugueses em Universidades portuguesas.REVISADO 2021-03-03T14:41:11+00:00 Aline Bazzarella Merçon alinebmercon@hotmail.com <p>Tendo em conta que a diversidade trazida pelos imigrantes é um fator de desenvolvimento cultural, econômico e social e que reforça a importância da harmonia e do entendimento entre os povos, é pertinente perceber como se desenvolve a relação dos universitários brasileiros e portugueses em Portugal. O interesse deste estudo surgiu a partir da observação de práticas discursivas e obstáculos aparentemente trazidos por memórias coletivas do colonialismo identificadas na experiência desses imigrantes no país. Este artigo, de caráter interdisciplinar e ancorado na área dos Estudos Culturais, teve como objetivo principal analisar as representações sociais mútuas de estudantes brasileiros e portugueses das Universidades de Aveiro, Coimbra e Minho. Para além de fundamentos teóricos com base em uma revisão sistemática da literatura, o estudo empírico, de natureza predominantemente qualitativa, desenvolveu-se a partir da aplicação do grupo focal, submetido à Análise de Conteúdo. Esta metodologia possibilitou uma reflexão crítica e discussão sobre a questão das identidades, diversidades e inter-relações culturais na era da globalização, ao mesmo tempo que também foram analisadas as potencialidades e dificuldades de natureza sociocultural que permeiam essas inter-relações no contexto lusófono.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2075 A escravidão africana no Brasil e a Igreja Católica 2021-03-03T00:45:31+00:00 christiano roberio batinga da silva christianobatinga@gmail.com <p>Este trabalho tem como objetivo contextualizar a relação da Igreja Católica diante da escravidão e sua posição quanto ao sistema escravista, tendo por base metodológica a revisão bibliográfica sobre o tema e alicerçado, entre outros, nos referenciais teóricos de BEOZZO (1984), AZZI (2005), HOORNAERT (1984), FREYRE (2003) e também os dispositivos das Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia de 1707. O sistema escravista iniciado no período colonial e que se estendeu até o fim do Brasil Império e a relação da Igreja com a Coroa portuguesa baseada no padroado demonstram a incompatibilidade da doutrina religiosa e o modelo produtivo amparado basicamente na exploração de mão de obra escrava. Esse processo teve como consequência uma sociedade altamente excludente e preconceituosa. Neste sentido, o trato dado pela Igreja Católica aos escravos africanos ou afrodescendentes, de forma geral, aponta para o descumprimento dos próprios preceitos religiosos caracterizados pela relação fraternal, mesmo que tenha ocorrido o surgimento de várias irmandades negras no meio católico, contrastando com o catolicismo romanizado.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2074 A discursividade em relação às tecnologias digitais como ferramenta potencializadora no processo de ensinar e de aprender em um coletivo de graduandos de Matemática 2021-03-02T16:01:58+00:00 DANIELE FONSECA danieleamaral4@gmail.com Daniel da Silva Silveira danielsilvarg@gmail.com <p>As tecnologias digitais no âmbito educacional provocam o repensar de práticas relacionadas ao ensinar e ao aprender na formação de professores de Matemática. O objetivo deste trabalho é de compreender a discursividade em relação às tecnologias digitais como ferramenta potencializadora no processo de ensinar e de aprender de com um coletivo de estudantes em processo de formação inicial do Curso de Licenciatura em Matemática da FURG. A pesquisa é de cunho qualitativo e os registros produzidos em fóruns de discussão originaram discursos que foram elaborados pela técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Neste trabalho é analisado o discurso coletivo intitulado “As tecnologias digitais como interfaces potencializadoras do processo de ensinar e de aprender” que convergiu para pensarmos sobre a importância da mediação e do uso das tecnologias em sala de aula em busca da equidade entre os indivíduos. Destarte, podemos concluir que é no refletir sobre os processos educativos que se potencializa a apropriação tecnológica tanto dos professores quanto dos estudantes em formação.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2073 Meio Ambiente Poluição do Meio Ambiente 2021-03-01T23:38:57+00:00 Celso Ricardo Pereira de Figueiredo Figueiredo cr-figueir@outlook.com <p>Exploração racional do Meio Ambiente&nbsp;</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2072 Meio Ambiente Gestão Ambiental 2021-03-01T23:30:50+00:00 Celso Ricardo Pereira de Figueiredo Figueiredo cr-figueir@outlook.com <p>Gestão Ambiental nas empresas consciente .</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2071 Meio Ambiente Licenciamento Ambiental 2021-03-01T23:21:34+00:00 Celso Ricardo Pereira de Figueiredo Figueiredo cr-figueir@outlook.com <p>Autorização para empresas explorarem de forma consciente e racaional o Meio Ambiente .</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2070 Quando se Faz Necessário uma Palavra para Lutar e Identificar um Mal (In)Visível 2021-03-01T18:41:27+00:00 Iris Nunes de Souza iris.souza@uesb.edu.br <p>O objetivo deste escrito, além de discutir as atrocidades em relação ao racismo, ao aborto, à misoginia e, por consequência, o feminicídio, aos imigrantes e refugiados pobres, ao trabalho análogo à escravidão e assassinato de jovens de periferia envolvidos ou não com drogas ilícitas, baseado no percurso histórico de atos e barbáries no Brasil e no mundo, à luz dos Direitos Humanos, das políticas públicas e a falta delas é de fomentar um debate sobre a necessidade da palavra para apontar as crueldades banalizadas no cotidiano. Para esse intento, utilizarei as reflexões de Cortina (2017)<em>, </em>Aiza (2002) Conselho Federal do Serviço Social (2016), ACNUR: Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (2018), Andrade e Marcolin (2002), Declaração Universal dos Direitos Humanos – DUDH (1948), Federici (2019), Hooks (2017), Maalouf (1983), Lerner (2019), entre outros. Serão demonstradas e analisadas falas reproduzidas em diversas mídias on-line, a exemplo do YouTube e manchetes de jornais, como BBC Brasil, G1, Extra, Carta Capital, entre outros que versam sobre os temas discutidos. Este trabalho que está inserido no aporte teórico da Linguística Aplicada, por seu caráter transdisciplinar e pela compreensão de língua como prática social, língua-cultura (MENDES, 2011, 2012); (PARAQUETT, 2018, 2020), é fruto de aulas elaboradas e aplicadas por mim, para a geração de dados de minha pesquisa de doutorado (em curso).</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2069 Uma batalha digna de Ogum e Tupã 2021-02-28T14:20:40+00:00 Fabiana Pomin fabiana.pomin@pdl.ifmt.edu.br Lucas Santos Café lucas.cafe@pdl.ifmt.edu.br <p>Este estudo analisa a inclusão da história e cultura afro-brasileira e indígena nas aulas de Educação Física, em consonância com as políticas educacionais. Observou-se a prática no Ensino Fundamental I e II e Médio, das redes municipal, estadual e federal da cidade de Primavera do Leste (MT). &nbsp;Realizou-se pesquisa descritiva quanti-qualitativa, tendo como instrumento de coleta de dados questionário virtual autoaplicado; a avaliação dos resultados ocorreu por meio de leitura flutuante (com análise de conteúdo). Constatou-se que, no Município e no Estado, há uma consistente presença do conteúdo, inclusive por variados eixos. Porém, na rede federal, em que os professores atuam apenas no Ensino Médio, não há desenvolvimento da temática étnico-racial.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2068 Monumentos religiosos de Foz do Iguaçu: Aspectos da multiculturalidade 2021-02-27T15:35:48+00:00 Mac Donald Fernandes Bernal mac.pub@gmail.com <p>O presente artigo tem como objetivo principal tecer análises sobre os monumentos religiosos presentes na espacialidade multiculticultural característica de Foz do Iguaçu. Para tanto, as observações demonstram indicativos de como se constituiu o imaginário da cultura plural na região, bem como seus elementos de representação. De forma metodológica é feita a observação empírica dos monumentos considerados como atrativos turísticos, bem como seu mapeamento na espacialidade do município, traçando conexões com suas representações religiosas. Como forma de sustentar as argumentações, são acionadas referências teóricas aderentes ao tema, alinhando reflexões conectivas entre o monumento, a memória e o patrimônio. O estudo aponta que elementos referenciais da cultura local tendem a se tornar atrativos turísticos inseridos em uma dinâmica mercadológica.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2067 Uma batalha digna de Ogum e Tupã 2021-02-24T18:25:22+00:00 Fabiana Pomin fabiana.pomin@pdl.ifmt.edu.br <p>Este estudo analisa a inclusão da história e cultura afro-brasileira e indígena nas aulas de Educação Física, em consonância com as políticas educacionais. Observou-se a prática no Ensino Fundamental I e II e Médio, das redes municipal, estadual e federal da cidade de Primavera do Leste (MT). &nbsp;Realizou-se pesquisa descritiva quanti-qualitativa, tendo como instrumento de coleta de dados questionário virtual autoaplicado; a avaliação dos resultados ocorreu por meio de leitura flutuante (com análise de conteúdo). Constatou-se que, no Município e no Estado, há uma consistente presença do conteúdo, inclusive por variados eixos. Porém, na rede federal, em que os professores atuam apenas no Ensino Médio, não há desenvolvimento da temática étnico-racial.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2066 OAP A Origem da Alma em Plotino 2021-02-23T22:50:20+00:00 Pedro Adilon da Cruz Oliveira Oliveira pedroadilon123@gmail.com <p>Esta pesquisa é uma estudo breve do pensamento do filósofo Plotino no Tradados das Enéadas, em torno da problemática da origem da alma. Pretende-se apresentar, em primeira instância, a influência e sua linha filosófica, fazendo um caminho utilizando como estrada, o silêncio e a contemplação que por fim nos levará a fazer um estudo das três hipóteses (princípios divinos), Uno, intelecto e alma, do qual buscaremos com afinco sua origem.</p> <p>Palavras – Chave: Origem, alma, estudo.</p> <p>&nbsp;</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2065 Resgatando o congresso de Milão?! 2021-02-19T18:09:02+00:00 QUELI DORNELLES MORAIS quelidornelles@gmail.com Claudete da Silva Lima Martins claudetemartins@unipampa.edu.br <p>Em meio a momentos tão obscuros proporcionados pela pandemia, a educação necessitou ser redimensionada, grande parte do professorado brasileiro repensou suas práticas, experimentou um novo fazer pedagógico. A distância necessita ser superada por momentos de estudo com aportes ainda mais afetivos, direcionados não só a criança, mas também a família, agora presente em diversas salas de aula em tempo integral. Não obstante, em meio a toda essa atipicidade e enorme gama de trabalho a que o professor tem se submetido a fim de cumprir com todas as rotinas e a busca desenfreada em reunir todos os alunos nos momentos síncronos, prover atividades aqueles que não tem acesso à internet; setores da educação na crença de que este exausto profissional não voltaria sua atenção ao cenário de desmonte gradual da educação que se assevera, bombardeia o cenário educacional, em momento anterior a pandemia com a implantação de um documento prescritivo representado pela BNCC, em seguida, faz emergir a nova Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. A criação desta Política, bem como as formas como prevê a educação das pessoas com deficiência e nesta reflexão com ênfase na educação de surdos, reproduz alguns efeitos do Congresso de Milão (1880) e mais uma vez a cultura ouvinte decide em lugar dos surdos, desrespeitando todas as conquistas oriundas de uma trajetória de lutas das pessoas com deficiência por direitos civis e contra o preconceito aludidas no PNE(BRASIL,2011), no decreto 5626 (BRASIL,2005), que lhes garante o ensino bilingue. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico que objetiva refletir os reflexos das mudanças educacionais no cotidiano da escola comum, num município do Sul do Brasil onde pesquisadores da área vem buscando compreender e auxiliar na continuidade do cenário de um processo inclusivo em vias de desmonte.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2064 Resgatando o congresso de Milão?! . 2021-02-19T09:07:23+00:00 QUELI DORNELLES MORAIS MORAIS quelidornelles@gmail.com Claudete da Silva Lima Martins claudetemartins@unipampa.edu.br <p>Em meio a momentos tão obscuros proporcionados pela pandemia, a educação necessitou ser redimensionada, grande parte do professorado brasileiro repensou suas práticas, experimentou um novo fazer pedagógico. A distância necessita ser superada por momentos de estudo com aportes ainda mais afetivos, direcionados não só a criança, mas também a família, agora presente em diversas salas de aula em tempo integral. Não obstante, em meio a toda essa atipicidade e enorme gama de trabalho a que o professor tem se submetido a fim de cumprir com todas as rotinas e a busca desenfreada em reunir todos os alunos nos momentos síncronos, prover atividades aqueles que não tem acesso à internet; setores da educação na crença de que este exausto profissional não voltaria sua atenção ao cenário de desmonte gradual da educação que se assevera, bombardeia o cenário educacional, em momento anterior a pandemia com a implantação de um documento prescritivo representado pela BNCC, em seguida, faz emergir a nova Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. A criação desta Política, bem como as formas como prevê a educação das pessoas com deficiência e nesta reflexão com ênfase na educação de surdos, reproduz alguns efeitos do Congresso de Milão (1880) e mais uma vez a cultura ouvinte decide em lugar dos surdos, desrespeitando todas as conquistas oriundas de uma trajetória de lutas das pessoas com deficiência por direitos civis e contra o preconceito aludidas no PNE(BRASIL,2011), no decreto 5626 (BRASIL,2005), que lhes garante o ensino bilingue. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico que objetiva refletir os reflexos das mudanças educacionais no cotidiano da escola comum, num município do Sul do Brasil onde pesquisadores da área vem buscando compreender e auxiliar na continuidade do cenário de um processo inclusivo em vias de desmonte.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2062 A Educação ambiental e o estado do Paraná 2021-03-01T14:52:40+00:00 Carina Merkle Lingnau carinadebeltrao@gmail.com PAULO HENRIQUE MAIA MACHADO phmm.paulo@gmail.com <p>O presente artigo faz parte do trabalho de conclusão do curso de Especialização em Direito Ambiental da Faveni - Faculdade Venda Nova do Imigrante. É uma investigação quali-quantitativa de dissertações nos programas de mestrado ofertados no Sudoeste do Paraná sobre a educação ambiental. Como resultados dos 19 cursos distribuídos entre a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) e Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) foram encontradas apenas 25 dissertações que contemplaram a educação sobre o meio ambiente como objeto de pesquisa. Especula-se como motivo do baixo interesse no assunto, a inexistência de editais de apoio voltados especificamente a projetos de educação ambiental, e atribui-se a contemplação da educação ambiental no Programa de Pós Graduação em Geografia ao Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE), cujos participantes são os professores da rede estadual de ensino.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2061 Quilombo de Buenos Aires 2021-02-13T15:55:24+00:00 Geraldo Barboza de Oliveira Junior geraldoantropos@gmail.com <p>Este artigo mostra um resumo do relatório antropológico e tem por objetivo a definição do território do quilombo de Buenos Aires, localizada no município de Custódia – PE, como parte do Programa de Desenvolvimento dos Territórios Quilombolas item 17, (PBA 17) no âmbito das ações do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional (Projeto São Francisco). A comunidade de remanescentes de quilombos de Buenos Aires está localizada a uma distância de 14 quilômetros da sede do município de Custódia. Lá habitam cerca de 250 famílias. O que mais caracteriza a comunidade é a heterogeneidade étnico-racial: convivem brancos, negros e mestiços. O discurso dos moradores é que todos se misturaram ao longo de uma convivência que conta mais de seis gerações.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2060 Produção e consumo de alimentos em 50 fatos históricos 2021-02-11T21:17:46+00:00 Jéfferson Malveira Cavalcante jmalveirac@gmail.com Julynara Alves Frota julynarafrota@gmail.com Michely Andreza Saraiva de Araújo michelyandrezas@gmail.com Juliana Magalhães da Cunha Rêgo nutrijulianarego@gmail.com <p>O trabalho tem como objetivo desenvolver uma linha cronológica de fatos relacionados com a história da alimentação. A metodologia utilizada foi uma pesquisa exploratória e documental nas mais diversas fontes, disponíveis em livros e bases de dados, além de portais de periódicos científicos. A literatura carece de registros, por ano, sobre diversos marcos históricos importantes, vinculados, de forma direta ou indireta, à alimentação e ao preparo de alimentos, como desde a criação de utensílios, molhos clássicos, cortes culinários e as mais diversas receitas clássicas. Entretanto, foi possível selecionar 50 acontecimentos que retratam o contexto histórico em que foram criadas e/ou desenvolvidas: Política do pão e circo, pato de Pequim, guardanapo, fogão, panela de pressão, crème brûlée, chantili, menu, sanduíche, lata de conservas, leite condensado, torta Sacher, Le Saint-Honoré, fermentação, pasteurização, margarina, coca-cola, doença celíaca, Le Cordon Bleu, crêpe Suzette, Michelin, Le Guide Culinaire, umami, batedeira, reação de Maillard, liquidificador, Pavlova, Academia dos gastronômos, as 3 estrelas Michelin, teflon, micro-ondas, Sirva-se, foie gras, Codex Alimentarius, Nouvelle cuisine, Guia Quatro Rodas, APPCC, Sous vide, sopa VGE, forno combinado, Slow Food, Sex on the beach, Código brasileiro de defesa do consumidor, Ofícios das Paneleiras de Goiabeiras e das Baianas de Acarajé, bolo de rolo, Produção Artesanal Queijo de Minas, Canvas e Selo ARTE. As etapas que envolvem o consumo de um determinado alimento são encantadoras, por envolver dos métodos no manejo de insumos de origens animal e vegetal até o consumo final, levando-se em consideração aspectos culturais, sociais, religiosos e econômicos.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2059 teste lucas 2021-02-10T14:07:52+00:00 Lucas da Silva Martinez lucasmartinez@claec.org <p>ffff</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2058 Entrelaçamentos entre Histórias de Vida de Mulheres Aprisionadas: Dar a Palavra, Aguçar a Escuta 2021-02-06T05:15:54+00:00 Juniélen Veleda Gomes junielenv@gmail.com Jaqueline Lidorio de Mattia jaquelinedemattia@gmail.com Viviane Castro Camozzato vicamozzato@gmail.com <p>O presente artigo parte do seguinte questionamento: De que modos mulheres aprisionadas em Bagé contam suas histórias de vida e, ao mesmo tempo, a partir de que condições estas mesmas histórias se entrelaçam? O objetivo principal é dar voz a essas mulheres privadas de liberdade para problematizar as condições sociais e culturais que se incorporam às histórias de vida das apenadas. O caminho metodológico partiu de autobiografias, cujas escritas foram efetuadas em cadernos pelas próprias detentas e posteriormente lidas e analisadas. Tivemos a intenção de dar voz a elas através de escritas individuais, tendo em vista que a escrita é uma das vias que possibilita a reflexão sobre suas próprias vidas. A pesquisa traz desde narrativas das vidas pré-cárcere até uma análise de suas vidas, enumerando alguns fatores quanto à ineficácia e ressocialização da prisão bem como a ausência de uma educação que qualifique essas mulheres. As marcas de gênero são algo presente no decorrer de toda a discussão, uma vez que as mulheres parecem submetidas ao domínio do “mundo masculino”, traduzido nas relações de violência estabelecidas por parte dos homens, pelo abandono afetivo, financeiro e, ainda, devido ao fato das mulheres aprisionadas estarem, em sua maioria, na prisão, devido a serem levadas a traficar a partir de figuras masculinas.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2057 A ludopedagogia no contexto brasileiro de pesquisas 2021-02-05T16:09:02+00:00 Letícia de Queiroz Maffei letimaffei@gmail.com <p>O presente estudo se propõe como uma pesquisa bibliográfica que buscou verificar como a ludopedagogia se apresenta no contexto dos estudos brasileiros dos últimos cinco anos. O objetivo é verificar a que os pesquisadores se referem quando se apropriam do termo ludopedagogia em suas escritas. A pesquisa ocorreu sob um viés fenomenológico movida pela interrogação - Como se mostra o conceito ludopedagogia no âmbito das pesquisas brasileiras? Foram selecionados e coletados estudos dos últimos cinco anos – período entre 2015 e 2019 – que apresentassem em seu título, palavras-chave e/ou resumo o termo ludopedagogia. Diante dos materiais selecionados foi feita uma seleção e unitarização em torno dos fragmentos de textos que faziam referência ao termo de modo a buscar mapear as concepções presentes em tais estudos. O que podemos perceber é que há uma preocupação por parte de muitos pesquisadores de que ao se fazer a apropriação do termo de fato seja mantida a intencionalidade educativa, porém sem o desprendimento do caráter lúdico e vice-versa.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2056 O USO DE ANGLICISMOS E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO FUNDAMENTAL 2021-02-02T19:19:21+00:00 Renata Carneiro Lemes lemes.renata9@gmail.com Solange Velozo mormsn@hotmail.com <p>Neste artigo propomos uma discussão morfológica sobre o uso de anglicismos no livro didático, manual do professor do EJA (Educação de Jovens e Adultos 2011, 2012 e 2013) de língua Portuguesa do ensino fundamental. Para tanto, mobilizamos como sustentação teórica, o conceito de “ideologia” da Análise de Discurso de linha francesa a partir de Orlandi ( 2007) e a ideia de que os empréstimos linguísticos são introduzidos de diferentes formas em uma determinada língua, e uma delas, resultantes do poder econômico de uma nação, como é o caso do anglicismo na língua portuguesa. Depreende-se que o uso do anglicismo, no livro didático, é tido como vernáculas da língua portuguesa, silenciando assim os fatores sócio-histórico-ideológicos dessas palavras.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2055 Escrevivências do corpo(política)fronteiriço 2021-01-31T22:06:35+00:00 Viviani Cavalcante de Oliveira Leite vivianicoleite@hotmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com <p>Este trabalho faz parte de um projeto maior (projeto de pesquisa de doutorado pelo PPGEL - Programa de Pós Graduação em Estudos de Linguagens) propõe uma teorização epistêmico-conceitual acerca da escrevivência (conceito cunhado pela escritora mineira Conceição Evaristo) respaldada pelos conceitos de exterioridade e fronteira por meio de uma teorização que emerge a partir da (MIGNOLO) fronteira geoistórica, conceitual e epistemológica e vai além do que a epistemologia moderna acampou afim de (des)arquivar (DERRIDA) as histórias (bio)locais que foram suprimidas, excluídas e invisibilizadas por ela. A ideia centralizadora do ocidentalismo excluiu e desprezou qualquer ser/saber/pensar que não fosse o do “modelo”, assim, os saberes e sujeitos fronteiriços foram excluídos e ficaram de fora por destoarem do padrão moderno do sistema-mundo. Esse discurso hegemônico, moderno e colonial da ordem da interioridade, criou a exterioridade e relegou os sujeitos/saberes fronteiriços para este lugar, este beco/lugar de despejo marginal a partir do qual, em contraproposta ao projeto ocidentalista, (re)surgem os seres/saberes/pensares fronteiriços. Valeremo-nos de uma epistemologia de cunho crítico biográfico fronteiriço, uma vez que pensamos a partir de lócus e de corpos específicos. Assim, as escrituras negras serão pertinentes para ilustrar tal teorização conceitual. A metodologia do presente trabalho será de caráter eminentemente bibliográfico, desenvolvida, dentre outros, por críticos como Walter Mignolo e Edgar Cézar Nolasco, através dos conceitos de exterioridade, desobediência epistêmica, fronteira, corpopolítica e geopolítica.</p> <p>Palavras-chave:&nbsp; <em>Escrevivência</em><em>; exterioridade</em>; <em>fronteira; desobediência epistêmica.</em></p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2053 Manifesto De’VIA de 1989 2021-01-31T21:29:15+00:00 Gabriele Vieira Neves gvneves@gmail.com <p>O presente estudo tem como objetivo analisar o Manifesto <em>De’VIA (Deaf View/Image Art)</em> como uma declaração política da comunidade surda no campo epistemológico das artes visuais. Para isso, utilizou-se o documento produzido em 1989 por um grupo de artistas surdos dos Estados Unidos, no qual estão descritas as características da arte <em>De’VIA</em>, bem como, o seu propósito político. Utilizou-se como referencial teórico os estudos sobre linguagem, política e subjetividade de autores como Jacques Ranciére, Michel Foucault e Gilles Deleuze. Após a tradução e leitura do documento, percebeu-se que o manifesto <em>De’VIA</em> explora a potência das artes visuais como dispositivo de subjetivação política dos sujeitos surdos e reconfigura a partilha do sensível, onde os surdos historicamente ocuparam o lugar de sujeitos sem voz e sem palavra. Concluiu-se que o movimento pode ser compreendido como uma batalha no campo da linguagem, uma vez que seu documento de fundação propõe a desnaturalização do termo genérico “arte surda” e sua substituição pelo termo <em>De’VIA</em>, uma palavra criada pela junção da língua americana de sinais e da língua inglesa.&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2050 TECER SABERES OUTROS 2021-01-31T21:24:32+00:00 Julia Evelyn Muniz Barreto Guzman juhguzman@gmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com <p>Este trabalho tem como objetivo uma reflexão acerca de saberes dos sujeitos pertencentes a um lócus específico, a América Latina, mais especificamente a Bolívia. As narrativas contadas a partir da/na fronteira buscam resgatar o que foi reprimido pelo discurso do colonizador. Se fomos lançados às margens, cuja história local é singular, resgatar esses saberes, ou seja, as epistemologias fronteiriças, tornam-se um ato de desobediência epistêmica necessário para desvincular-nos dos padrões impostos pelo poder hegemônico. Costura-se dentre as linhas deste trabalho experiências/memórias/resistências locais como por exemplo o testemunho/vida de Domitila Barrios de Chungara uma mulher boliviana, mineira e líder feminina. Para fomentar essa discussão proposta valemo-nos de estudos de teóricos como Walter Mignolo (2014), Edward W. Said (2003, 2005), Zulma Palermo (2008, 2010,2015), entre outros.</p> <p>Palavras-Chave: América Latina; Bolívia; Domitila Chungara; Epistemologias fronteiriças.</p> <p>&nbsp;</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2051 Em busca da Surdidade 2021-01-31T21:19:38+00:00 Gabriele Vieira Neves gvneves@gmail.com <p>Os termos “identidade” e “cultura surda” têm sido largamente utilizados nos últimos anos para se referir às experiências de pessoas surdas ao redor do mundo. Isso decorre do esforço coletivo de pesquisadores dos chamados <em>Estudos Surdos</em> para deslocar a surdez dos discursos clínicos da deficiência e da anormalidade. Entretanto, acredita-se que seja necessário repensar os usos desses termos sob pena de se cair em um essencialismo e num binarismo que não transcende os processos individuais de identificação. Cada vez mais se faz se necessário pensar em políticas de “identidades surdas” interseccionalizadas, em que se considerem também aspectos como gênero, etnia, classe social, etc, os quais também constituem as relações pessoais, sociais e determinam as formas dos sujeitos interagirem entre si e com o mundo. Nesse sentido, o objetivo deste estudo é compreender o entre-lugar da <em>surdidade</em> e da cultura surda na contemporaneidade. Utilizou-se como referencial teórico os estudos de autores como Paddy Ladd, Harlan Lane, Carlos Skliar, Zigmunt Bauman, Stuart Hall, Djamila Ribeiro e Judith Butler. Conclui-se que o conceito de <em>surdidade</em>, proposto por Paddy Ladd (2011) pode representar um avanço para um entendimento mais amplo das experiências de <em>ser-surdo-no-mundo</em>, sem enquadrar na categoria de deficiência auditiva toda a experiência de ser surdo.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2048 Viagem ao redor de Mama Gaia 2021-01-31T18:26:14+00:00 Jordana Avelino dos Reis jordanaavelinodosreis@gmail.com <p>O relato de nossa experiência envolve a construção do novo Documento Curricular Etapa Ensino Médio do Estado de Goiás, via proposição da lei 13.415/2017, sobre a reforma do Ensino Médio no Brasil. Os diversos estudos sobre o currículo revelam que a seleção de conhecimentos a serem estudados na educação tornam o nosso ensino eurocêntrico, patriarcal, LGBTQIA+fóbico e racista. Essa reflexão nos mobilizou a propor algo diferente para Goiás ao elaboramos uma proposta de material para compor o novo Ensino Médio. Trata-se do Itinerário Formativo “Viagem ao redor de Mama Gaia”, uma trilha de formação e aprofundamento das áreas de conhecimento Ciências Humanas e Sociais aplicadas e Linguagens e suas Tecnologias, com práticas de estudo e trabalho contra-hegemônicos, que objetivam ampliar os espaços às figuras femininas em suas diversas identidades e compõe a parte flexível do novo Ensino Médio. Nessa flexibilização, conforme lei da reforma educacional, estudantes terão autonomia para escolher qual trilha formativa desejam cursar. Estamos na etapa final de elaboração e homologação pelo Conselho Estadual de Educação em Goiás. Contudo, até chegarmos nessa etapa, passamos por uma longa jornada de estudos, entraves e aprendizados tais como: decolonialidade, feminismo, relações étnico-raciais e violência de gênero. Ressaltamos no documento que essa temática envolve a todas e todos, porque consideramos que a tratativa desses assuntos pode transformar as realidades sociais e educacionais, e essas transformações passam por uma abordagem pós-crítica e decolonial na qual são mobilizadas práticas contra hegemônicas e de resistência para empoderar as jovens e toda comunidade escolar.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2046 Corpos latinos: espaços biográficos que es/barram na/da fronteira epistêmica da exterioridade 2021-01-30T23:41:55+00:00 Marina Maura de Oliveira Noronha marina.m.noronha@gmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com.br <p>Pensar em corpo, a partir de corpo epistêmico fronteiriço, justifica-se refletir acerca uma epistemologia <em>outra </em>descolonial, diferente dos discursos hegemônicos coloniais/modernos, os quais geram cultura e conhecimentos de suas diferenças coloniais. Assim, a proposta basilar deste trabalho, o qual dá-se atravessado pela crítica biográfica fronteiriça (NOLASCO, 2013), recai na importância de discutir a condição de “corpos” da fronteira-sul com suas práticas epistêmicas culturais, levando-se em conta, sobretudo, uma visada traçada pela Epistemologia do Sul (SANTOS, 2009), cujos saberes partem de um lócus geoistórico, no que se refere ao lócus de onde penso e erijo meu discurso crítico latino. Neste caso, o corpo epistêmico fronteiriço, tomado como uma opção descolonial, es/barra nos projetos e nas epistemologias coloniais/modernas arraigadas nos espaços fronteiriços. Para tanto, enuncio meu discurso teórico a pensar do corpo da exterioridade, demonstrando minha desobediência epistêmica de <em>ser</em>, pensar e re-existir com meu discurso cultural, social, político e teórico na/da fronteira de Mato Grosso do Sul. Acerca disso, por meio de histórias locais e não globais contempladas pela <em>sapiência </em>moderna &nbsp;objetiva-se, uma epistemologia <em>outra </em>da fronteira-sul que encampe as particularidades de sujeitos com seus fazeres/saberes específicos, assim como o meu/nossos “corpos” situados de <em>onde se pensa,</em>e que, por conseguinte, re-existem no âmbito da latinidade fronteiriça. Nesse ponto, trato com os teóricos/críticos, tais como: Gloria Anzaldúa (2007), Walter Mignolo (2017), Edgar Nolasco (2013), Bessa-Oliveira (2020), Ramón Grosfoguel (2009), Aníbal Quijano (2009), Zulma Palermo (2010) e outros que dialogam com a epistemologia contemplada.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2042 Silviano Santiago e o discurso transgressor latino-americano: balbucios a partir da Fronteira-Sul 2021-01-30T21:23:48+00:00 DÊNIS ANGELO FERRAZ denisferraz_une@hotmail.com Edgar Nolasco ecnolasco@uol.com.br <p>Com esta reflexão que se erige como balbucio teórico (ACHUGAR, 2006), objetiva-se evidenciar uma leitura crítico-biográfica fronteiriça, a partir do discurso transgressor que é evocado pelo escritor mineiro, Silviano Santiago, sobretudo em sua conceituação do entre-lugar do discurso latino-americano, que aponta para uma abertura ao debate pós-colonial podendo se relacionar com a desobediência epistêmica de Walter Mignolo, esse discurso se erige a partir da cultura marginal e dos corpos que acabam por se tornarem inconvenientes (SANTIAGO, 2019) frente às normas instituídas socialmente. A partir de tais indícios é possível vislumbrar toda relevância de se erigir tal reflexão, engendrando nesse debate conceitual um pensamento outro, numa abordagem que se pauta a partir de estudos descoloniais, que leve em conta o bios e o lócus de onde se emerge esses discursos, incorporando assim o pensamento que emerge na e a partir da fronteira e meu próprio bios, minha condição de pesquisador e homem negro. Depreendendo-se à uma reflexão que se paute na desobediência epistêmica (MIGNOLO), por meio de uma discussão à luz das conceituações de Edgar Cézar Nolasco, Boaventura Santos e de Walter Mignolo. Com esse intento evidencia-se a importância de erigir leituras com base no pensamento fronteiriço, pois é nítido que a partir das inconveniências de corpos transgressores emergem vozes dissonantes como resistências políticas (SANTIAGO, 2019) em busca de (re)existirem, de modo que reforçam a urgência de se aprender a desaprender para assim reaprender de um modo outro.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2041 Silviano Santiago e o discurso transgressor latino-americano: balbucios a partir da Fronteira-Sul 2021-01-30T20:53:44+00:00 DÊNIS ANGELO FERRAZ denisferraz_une@hotmail.com <p>Com esta reflexão que se erige como balbucio teórico (ACHUGAR, 2006), objetiva-se evidenciar uma leitura crítico-biográfica fronteiriça, a partir do discurso transgressor que é evocado pelo escritor mineiro, Silviano Santiago, sobretudo em sua conceituação do entre-lugar do discurso latino-americano, que aponta para uma abertura ao debate pós-colonial podendo se relacionar com a desobediência epistêmica de Walter Mignolo, esse discurso se erige a partir da cultura marginal e dos corpos que acabam por se tornarem inconvenientes (SANTIAGO, 2019) frente às normas instituídas socialmente. A partir de tais indícios é possível vislumbrar toda relevância de se erigir tal reflexão, engendrando nesse debate conceitual um pensamento outro, numa abordagem que se pauta a partir de estudos descoloniais, que leve em conta o bios e o lócus de onde se emerge esses discursos, incorporando assim o pensamento que emerge na e a partir da fronteira e meu próprio bios, minha condição de pesquisador e homem negro. Depreendendo-se à uma reflexão que se paute na desobediência epistêmica (MIGNOLO), por meio de uma discussão à luz das conceituações de Edgar Cézar Nolasco, Boaventura Santos e de Walter Mignolo. Com esse intento evidencia-se a importância de erigir leituras com base no pensamento fronteiriço, pois é nítido que a partir das inconveniências de corpos transgressores emergem vozes dissonantes como resistências políticas (SANTIAGO, 2019) em busca de (re)existirem, de modo que reforçam a urgência de se aprender a desaprender para assim reaprender de um modo outro.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2038 A Atitudes Linguísticas no Falar dos Costarriquenses 2021-01-28T01:31:17+00:00 WANESSA RODOVALHO MELO OLIVEIRA wanessarmoliveira@gmail.com Antonio Carlos Santana de Souza acssuems@gmail.com <p>Este estudo propõe discutir sobre as atitudes linguísticas presentes na fala dos nativos do município de Costa Rica- MS, sendo este o <em>lócus </em>desta pesquisa por pertencer à Tríplice Fronteira entre os estados de MS, MT e GO. Nesse sentido, alguns objetivos específicos permearam o tema em questão, a fim de compreender como os costarriquenses percebem a própria língua; analisar como os falantes nativos desta cidade veem a fala e as influências dos imigrantes; identificar, a partir da perspectiva da Sociolinguística, o sotaque dos costarriquenses. Portanto, a proposta deste trabalho pauta-se na abordagem quali-quantitativa, a partir da aplicação de um questionário semiestruturado com 13 perguntas dirigidas a 20 costarriquenses entrevistados por meio do aplicativo <em>WhatsApp </em>em virtude da pandemia mundial causada pelo <em>Covid </em>19. A pesquisa constatou-se que os costarriquenses entendem a língua que falam como a de prestígio, contudo, ressalta-se que existem diferentes falares na região, sobretudo entre os próprios nativos. Não obstante, os dados da pesquisa também revelaram que a fala que consideram como a mais correta não é a deles, pois classificam-na como caipira, tendo o <em>r </em>e <em>s </em>puxados, que, segundo eles, isto se deve às suas raízes e às influências dos imigrantes, principalmente dos goianos e mineiros.</p> <p>&nbsp;</p> <p>Palavras-chave: Atitudes linguísticas. Costarriquenses. Os falares.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2036 O NEUROPSICOPEDAGOGO: UM ATOR ENTRE OUTROS ATORES NO AMBIENTE EDUCACIONAL 2021-01-26T18:10:08+00:00 Claudinei Santos claudinei727@hotmail.com <p>RESUMO<br>A deficiência Intelectual, em razão das dificuldades apresentadas, nas formas de se definir,<br>conceituar e nomeá-las, apresentam dificuldades relacionadas ao processo de identificação do<br>sujeito, como também; os entraves; nos processos de Ensino-aprendizagem. Este estudo tem<br>sua constituição a partir da intenção de compreender, o Neuropsicopedagoogo, como um dos<br>atores, entre e dentre, outros; no ambiente Pedagógico. Fazendo uso de uma revisão<br>bibliográfica; buscou-se verificar, o quanto se sabe a respeito do trabalho deste (ator)<br>profissional, sua relevância, atuação e envolvimento, na construção pedagógica, na<br>aprendizagem e nos processos educacionais, dentro das instituições de ensino. No entanto,<br>cabe ressaltar que este trabalho não esgota a temática acerca destes assuntos.<br>PALAVRAS-CHAVE: Neuropsicopedagogia, Neuropsicopedagogo, Escola, História,<br>Educação, Trabalho. Neurociências. Distúrbio. Transtorno.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2035 Pedagogia queer em tempos de “ideologia de gênero” e “kit gay” 2021-01-25T19:35:10+00:00 Melissa S Ruiz m__salinas@hotmail.com <p>Na sociedade brasileira contemporânea atuam grupos sociais contrários à expansão dos direitos sexuais e do debate sobre gênero e sexualidade.&nbsp; Tais grupos denominam essas discussões pejorativamente de “ideologia de gênero”. Esse fenómeno também alcança o sistema educativo, gerando críticas a professores e a instituições escolares que discutam aspectos de diversidade. Exemplo disso é o furor gerado pela crença no “kit gay”, o qual permite notar quão problemático é dialogar sobre o <em>queer</em> nas escolas brasileiras. Ao se pretender uma instituição onde impera a neutralidade de gênero, a escola acaba reproduzindo as rígidas normativas sexuais e de gênero. Torna-se necessário que esta se posicione de maneira contrária à cisnormatividade, uma vez que o ambiente escolar acaba segregando os corpos e sexualidades considerados dissidentes. Apesar das dificuldades, considera-se que a pedagogia <em>queer</em> é uma maneira relevante de tornar o sistema educativo mais capaz de receber a população LGBTQI. Portanto, o objetivo deste trabalho é apresentar algumas possibilidades para implementar uma pedagogia <em>queer</em> nas escolas brasileiras. Desse modo, explica o conceito de pedagogia <em>queer</em>, discute o fenómeno do “kit gay”, relacionando-o à crença na ‘ideologia de gênero” e apresenta estratégias para levar a cabo uma proposta pedagógica <em>queer</em>. Assim, espera-se minimizar o potencial problemático de discutir sobre gênero e sexualidade nas instituições escolares.</p> <p>Palavras-Chave: Pedagogia <em>queer</em>; Gênero; Escola; Sociedade;</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2034 Longe daqui, aqui mesmo 2021-01-24T17:02:48+00:00 Luciana Lima Silva limasilva.luciana@gmail.com <p>Ao longo das décadas, algumas pensadoras de origem latino-americana se posicionaram como vozes potentes de um pensamento favorável a uma real emancipação feminina, recebendo críticas muitas vezes mordazes às perspectivas que evidenciaram, desalinhadas aos sistemas de valores da sociedade tanto um século atrás quanto agora, em que as pautas conservadoras reassumiram o topo do poder em diferentes países e governos. Observando esse fenômeno, este trabalho se propõe a destacar algumas das proposições da brasileira Ercília Nogueira Cobra e da chilena Lina Meruane relacionadas a questões feministas, para debatê-las à luz da época em que essas escritoras estão inseridas. Para isso, serão analisadas as obras <em>Virgindade anti-higiênica </em>(1924), de Ercília Nogueira Cobra, e <em>Contra os filhos </em>(2018), de Lina Meruane.</p> <p>Palavras-chave: feminismo; mulheres; literatura brasileira; literatura latino-americana; Américas.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2032 A colonização como dispositivo de saber a partir da escrita de Gloria Anzaldúa 2021-01-20T15:48:07+00:00 JOAO PAULO MACHADO lajptinoco@gmail.com <p>As discussões que aqui emergem fazem parte dos estudos que são desenvolvidos no grupo de estudos <em>Celebração dos Sujeitos Periféricos</em>, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, <em>campus</em> de Três Lagoas, supervisionado pela professora Dra. Vânia Lescano Guerra. Além disso, esta pesquisa faz parte das reflexões de minha tese de Doutorado cujo objetivo geral é estudar o processo de constituição identitária da mulher Chicana, a partir da obra <em>Borderlands/La frontera: the new mestiza</em> (2012) escrita por Gloria Anzaldúa, sobretudo as possíveis representações de identidade, com o intuito de rastrear os efeitos de sentidos de disciplina colonizadora que a mulher Chicana ainda está enfrentando atualmente. Para isso, é necessário a crítica do estudo das relações de saber/poder (FOUCAULT, 2014), via Análise do Discurso. Buscamos também noções sobre o lugar geoistórico (NOLASCO, 2013), sob a visão discursivo-desconstrutiva (GUERRA, 2015; 2016), para rastrear como a colonização da mente/do saber é engendrada. Minha hipótese é que a escrita pode ser examinada como um palimpsesto em que marcas sobrepõem a outras e que não conseguem ser exauridas. Nas análises pude observar que a escrit(ur)a está permeada de dispositivos caracterizados por uma violência disciplinadora praticada pelo <em>homem branco</em> através da incitação ao ódio e pela discriminação étnica e sexual. O que pude examinar na escrit(ur)a analisada é que há marcas <em>visíveis</em> de controle e silenciamentos, que consolidam o sistema de colonização, na busca de uma excludente anulação, deslegitimando a autonomia da mulher Chicana.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2031 O Boletim de Ariel e sua abrangência no cenário literário e cultural brasileiro na década de 1930 2021-01-20T14:13:46+00:00 Andressa Marzani andressamarzani@gmail.com <p>Este artigo se propõe a refletir sobre a importância da publicação <em>Boletim de Ariel, </em>da Editora Ariel, sediada no Rio de Janeiro para o cenário cultural brasileiro. A revista era publicada mensalmente e trazia textos sobre literatura, artes e cultura em geral, apresentando lançamentos de livros, crítica literária, e até mesmo debates sobre política e religião. Conseguiu atrair escritores de diferentes estilos e vertentes, caracterizando-se como uma publicação heterogênea, que contou com a colaboração de diferentes autores, com opiniões e visões de mundo diversas. Nesse sentido, tentou-se demonstrar como a revista esteve inserida em importantes debates do período, que ultrapassavam as barreiras culturais, refletindo sobre a importância dos periódicos, a produção cultural modernista como um todo e sua relação com as discussões políticas e sociais da época.</p> <p>Palavras-chave: Boletim de Ariel; Editora Ariel; Literatura brasileira do século XX; Modernismo no Rio de Janeiro; Revistas literárias.</p> Copyright (c) https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2030 COVID 19 e o fechamento da Ponte Internacional da Amizade 2021-01-06T18:53:23+00:00 Milena Costa Mascarenhas milena.mk@gmail.com Samuel Klauck samuelk98@msn.com <p>O objetivo deste artigo é discutir a relação da covid-19, no período pandêmico de 2020, e os impactos com o fechamento da Ponte Internacional da Amizade, entre os meses de março e outubro, localizada sobre o rio Paraná na região binacional entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este. Para isso, apresenta-se a ponte como um local, historicamente, utilizado para práticas de diferentes manifestações públicas cuja tática adotada é o seu bloqueio, mas que, em 2020 viu-se fechada por uma determinação dos Estados Brasil e Paraguai, ocasionando um amplo movimento pela abertura da ponte devido sua importância nas áreas sociais e econômicas. A pesquisa baseia-se na análise de fontes jornalísticas, historiográficas e documentais.</p> Copyright (c) Milena Costa Mascarenhas, Samuel Klauck https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2029 Dos navios negreiros às balas perdidas: memória e decolonialidade na poética de Conceição Evaristo 2021-01-02T14:10:07+00:00 Ernani Silverio Hernani ernani.hermes@gmail.com <p>A Literatura Brasileira contemporânea constitui-se como um campo discursivo plural e heterogêneo do qual emergem vozes subalternizadas historicamente pelo poder colonial. Nesse cenário, destaca-se a obra de Conceição Evaristo que, em seu fazer literário, vocaliza as vivências da mulher negra periférica projetada como “escrevivência”, isto é, a articulação da experiência vivida pela escritora, e pelos que compartilham da identidade da mulher negra, na escrita literária. Ao partir desse contexto, tomo como objeto de estudo alguns poemas de Conceição, “Recordar é preciso”, “Vozes-mulheres” e “Certidão de óbito”, reunidos no livro <em>Poemas de recordação e outros movimentos </em>(2017). Para a análise, objetivo investigar as figurações da memória operadas pelo eu-lírico no resgate da matéria vivida e entender esse processo à luz da decolonialidade. Desse modo, procuro base teórica sobre memória em Paul Ricoeur, Michel Pollak e Maurice Halbwachs; ainda, para tratar da decolonialidade, recorro a Walter Mignolo, Aníbal Quijano, Eduardo Restrepo, Axel Rojas e Edward Said.</p> Copyright (c) Ernani Silverio Hernani https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2028 A memória cultural mukongo em face de colonialidade: decolonialidade com a desobediência epistêmica 2020-12-29T23:56:52+00:00 Gabriel Ambrósio ambrosionuni@gmail.com <h2>O presente trabalho visa abordar a minha memória cultural mukongo em face de colonialidade imposta pela assimilação cultural presente na sociedade do Zaire onde nasci. Tendo nascido fora da cultura latino-americana, dialogarei partindo do biolocal marcado por dois lócus enunciativos (Bessa-Oliveira, 2018, Nolasco (2013,2018). Quero abordar alguns conceitos como <em>nganga</em>, <em>muntu</em> dentro da língua afrikana kikongo, como também a invisibilidade dos rituais religiosos ancestrais contemporaneamente. Objetivo é de narrar e reviver reapropriando-me como nativo, repensar e naturalizar a cultura, escrevendo na perspectiva teórica do eu sujeito <em>muntu</em>, e dos imaginários de <em>lócus</em> e da memória ancestral no corpo e arte Achinté (2009). Será que tenho o imaginário ligado à cultura ritual ancestral? Penso que essa invisibilidade é o resultado da colonialidade, essa colonialidade nos faz esquecer ancestralidade na cultura mukongo. Assim penso na imigração na América latina Brasil, em 2011, conheci um terreiro numa periferia. Lá e agora nascendo à pesquisa refletindo o meu projeto, baseado em Frantz Fanon (2008) em <em>Pele Negra, Máscaras Brancas</em> que inspirou-me a refletir sobre a cultura do colonizador de um lado, e de outro lado, a minha cultura local. Sinto-me exilado da minha espiritualidade e parto da força inspiradora em Ramón Grosfoguel (2009), Nolasco (2019), Hugo Achugar (2006),e Achinté (2009). Pensar e transgredir a epistemologia dentro da minha cultura local e naturalizar os conceitos como o eu sujeito pesquisador. Nos procedimentos metodológicos inspirando-me em estudos descoloniais fronteiriços dos latino-americanos Nolasco (2013, 2019), para estabelecer a re-existência da cultura ancestral dentro do meu biolocal-espiritual na memória simbólica e pela desobediência epistêmica da subalternidade imposta e recusar a colonialidade de modo transdisciplinar para emigrar na perspectiva decolonial. Usar a reflexão metodológica a minha própria experiência nas leituras teóricas da pós-graduação, permite-me fazer essa viagem entre o lócus daqui, para refletir lá, sobretudo, o meu imaginário dos espaços simbólicos silenciados Mignolo (2008, 2003) na <em>decolonialidade</em> e <em>desobediência epistêmica </em>caminho para então pensar e repensar o lugar da cultura Kanda - comunidade no sentido local. </h2> Copyright (c) Gabriel Ambrósio https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2027 TECNOLOGIA ASSISTIVA E SUAS APLICAÇÕES NAS SALAS DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: ESTUDO COM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JAGUARÃO/RS 2020-12-17T18:07:18+00:00 Nestor Yoni Billafan nesbillafan.pedagogia@gmail.com <p>A tecnologia assistiva tem cumprido um papel de extrema relevância para os sujeitos com deficiência. A escolha pela temática se deu pela curiosidade despertada ao cursar a disciplina de Educação Especial e Inclusão, mais especificamente sobre a Tecnologia Assistiva (TA). Este trabalho objetivou conhecer como são utilizadas as TA nas salas de Atendimento Educacional Especializado (AEE), de duas escolas da rede pública municipal de Jaguarão/RS. A metodologia baseou-se em uma pesquisa de cunho qualitativo, no qual foram observadas, no contra turno, o trabalho com os alunos que necessitam do atendimento especializado nas salas de recursos multifuncionais, trazendo, como problema de pesquisa, como as tecnologias assistivas são aplicadas pelos profissionais dessa área nas salas de AEE. Quanto aos procedimentos, utilizou-se a observação e um questionário com doze perguntas direcionadas exclusivamente aos profissionais atuantes nas salas. A pesquisa perpassa por conceitos como Educação Especial (Mantoan e Prieto) e Tecnologias Assistivas (Bersch). Concluindo-se que, embora a luta seja árdua em prol da educação especial e inclusão, a realidade é que esta modalidade sofre com a precariedade de materiais, o pouco conhecimento por parte dos professores, passando pela baixa carga horária da temática nos cursos de graduação, além do descaso dos órgãos públicos.</p> Copyright (c) Nestor Yoni Billafan https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2026 Museu dos Direitos Humanos do Mercosul: Perspectivas e fronteiras no processo de criação de uma instituição cultural mercosulina 2021-01-06T18:50:55+00:00 Carolina Gomes Nogueira nogueiracarolina1996@gmail.com <p>O presente artigo traz como elemento fundamental a discussão sobre a criação do Museu dos Direitos Humanos do Mercosul como um elemento unificador para a construção da memória da violação dos direitos humanos no Cone Sul e para promoção do patrimônio cultural da região platina. Nesse sentido, o texto propõe uma reflexão sobre o que é um museu do Mercosul, e quais são as abordagens utilizadas por este aparelho cultural na construção de uma expografia voltada para os direitos humanos e que teve como missão divulgar a arte latino-americana. Este trabalho é parte resultante uma pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural. </p> Copyright (c) Carolina Gomes Nogueira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2025 Patrimônio imaterial no “Caminhos das Missões”: apropriações memoriais ou narrativas coloniais sobre as Missões jesuítico-guaranis? 2021-01-06T18:47:16+00:00 Ingrid Bomfim Gonçalves ingridbgoncal@gmail.com Larissa Conceição dos Santos larissasantos@unipampa.edu.br <p><span>O estudo investiga o patrimônio cultural missioneiro e as modalidades de apropriação e exploração turística realizadas pela operadora “Caminho das Missões”, que ofertava, inicialmente, roteiros de peregrinação pela região da Missões no Rio Grande do Sul, mas que desde 2012 passa a incluir um percurso internacional englobando os territórios argentinos e paraguaios. Nesse sentido, a pesquisa analisa a oferta turística comercializada pelo “Caminho das Missões”, tendo o patrimônio cultural missioneiro como principal atrativo, bem como reflete-se sobre a importância da memória e das narrativas propagadas ao longo do percurso, como elementos centrais na constituição imaterial desse patrimônio e de que maneira são retratados os seus personagens fundamentais, jesuítas e guaranis. Para isso, realiza-se uma pesquisa exploratória apoiada por metodologia bibliográfica e documental, além de entrevistas abertas com representantes da operadora turística, e pesquisa etnometodológica compreendendo pesquisa de campo, registro fotográfico e registro textual em diário de campo, realizadas em 2019. Como principais observações, identificou-se que a memória e os relatos dos povos indígenas são sistematicamente silenciados em parte do roteiro realizado em solo brasileiro, sinalizando a adoção de uma narrativa colonial hegemônica, que destaca e enaltece os jesuítas e retraça o seu percurso e suas práticas, em detrimento do legado guarani.</span></p> Copyright (c) Ingrid Bomfim Gonçalves, Larissa Conceição dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2024 Trajetórias da sobrevivência da arquitetura e do patrimônio cultural quilombola: memórias e interferências 2021-01-06T18:45:18+00:00 Luis Otavio Cunha Prado luis.prado@arquitetura.ufjf.br Dayane Máximo dayane.maximo@arquitetura.ufjf.br Leonardo de Oliveira Carneiro leo.ufjf@gmail.com <span id="docs-internal-guid-5566187b-7fff-35b6-406d-23f058b0b704"><span>A memória e a história são os componentes que difundem a identidade ao indivíduo, mas são regradas por interferências e transformações. Nesse sentido, este artigo tem como principal objetivo analisar de forma crítica de que modo a arquitetura e o patrimônio cultural quilombola tem sobrevivido. Desse modo, metodologicamente, foi feito uma análise, fazendo o uso do materialismo histórico dialético, a partir das seguintes categorias: história, contradição e trabalho. Com isso, foi obtido como resultado que as diversas formas de construir foram modificadas; tanto o método de trabalho como suas configurações arquitetônicas. Além disso, foi alcançado que parte da memória sofreu modificações, implicadas pela burguesia, o capital e o estado, mas se mantém em partes dada a oralidade e a dimensão territorial. </span></span> Copyright (c) Luis Otavio Cunha Prado, Dayane Máximo, Leonardo de Oliveira Carneiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2022 Ensino de História e as Memórias da/ na Cidade: Memória e Patrimônio na Educação Básica 2021-01-06T18:42:38+00:00 Kênya Jessyca Martins de Paiva kenya.paiva@hotmail.com Cássia Daiane Silveira de Macedo unipampacassia@gmail.com <p class="normal">Já é sabido que a Consciência Histórica das pessoas não é baseada apenas nos aprendizados do conteúdo do componente de História na escola. Mas, então, como a cidade pode nos educar? Como definir o que é ou não patrimônio? Quais são os sentidos, para além da importância material, que as pessoas dão para os espaços de memória de um local? Essas são algumas das perguntas que serão discutidas neste texto. Como proposta pedagógica para ensinar a História de Jaguarão, há a organização de uma exposição “Memórias em Jaguarão: O passado no presente”, na qual a população participou enviando fotografias e relatos através das redes sociais. A sugestão é uma, dentre várias, possibilidade de recurso didático a partir dessa exposição, que pode ser trabalhada junto a turmas de 5º anos e serve como instrumento para construção de uma prática pedagógica para aproximar a experiência das pessoas e da cultural local com a vida das e dos estudantes.</p> Copyright (c) Kênya Jessyca Martins de Paiva, Cássia Daiane Silveira de Macedo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2021 Análise preliminar do perfil do público frequentador do Teatro Rotary em Passos/MG 2020-12-15T16:58:15+00:00 Débora Augustinho debora_augustinho@msn.com Isabella Cristina Ribeiro Vieira isabellacrvieira@gmail.com Andressa Graciele dos Santos andressag.santos0@gmail.com Eduardo Meireles eduardo.meireles@uemg.br <p>Um dos principais papéis dos equipamentos culturais é a sua real e eficaz política de desenvolvimento dos públicos, portanto para verificar sua eficácia é necessário conhecer o seu público frequentador. Deste modo, esta pesquisa objetivou traçar o perfil do público frequentador do Teatro Rotary em Passos/MG. Para o seu desenvolvimento foi aplicado questionário da plataforma <em>Google Forms </em>que continha 20 perguntas, afim de verificar questões sobre moradia, renda familiar, estado civil, moradia e sexo, obtendo adesão de 174 pessoas em um período entre 08/11/2020 a 21/11/2020. Os dados foram organizados em planilhas do Excel para a geração de gráficos e no software ArcGis 10.5 que possibilitou a elaboração de um mapa de calor. Os resultados encontrados mostraram que o maior público frequentador advém de bairros de classe média alta, com renda familiar de 3 a 6 salários mínimos, sexo feminino e da cor branca. Com isto, foi verificado que mesmo o Teatro Rotary estando localizado em um bairro de classe baixa do município, seu percentual de frequentadores é baixo, não cumprindo assim sua função social no bairro e nas remediações, comprovando a existência de uma fragilidade na política pública cultural do município.</p> Copyright (c) Débora Augustinho, Isabella Cristina Ribeiro Vieira, Andressa Graciele dos Santos, Eduardo Meireles https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2020 Ensino de Língua Portuguesa para Migrantes na Pandemia: uma discussão necessária 2020-12-15T15:42:50+00:00 Anderson Bertoldi anderson.bertoldi@ifsc.edu.br Thaís Collet thais.collet@ifsc.edu.br Luan Luis Sevignani luan.sevignani@ifsc.edu.br Fernanda Neja Alves de Lima fernanda.lima@ifsc.edu.br <p>A pandemia causada pelo COVID-19 teve profundos impactos nas redes de ensino públicas e privadas do Brasil. A mudança das aulas para o formato de atividades não presenciais (ANPs) dividiu pais, alunos e professores. Quantos aos professores, muitos se opuseram às ANPs, por pensarem que esse formato poderia ser uma primeira iniciativa para a transformação dos cursos presenciais em educação a distância (EaD). Essa discussão é ainda mais delicada quando falamos de ensino de língua portuguesa para migrantes, sejam refugiados ou com visto humanitário. Esse grupo necessita ser integrado às comunidades em que vive, e para isso necessita do conhecimento do português. Assim, temos como objetivo, neste artigo, discutir a necessidade do ensino de português para migrantes, mesmo que em formato ANP, durante a pandemia. Em termos metodológicos, apresentamos um relato de experiência de ensino de língua portuguesa para migrantes em situação de vulnerabilidade social, durante esse período de quarentena, com ensino não presencial. A partir das experiências aqui descritas, defendemos a necessidade de atendimento dos grupos migrantes durante a pandemia. Se considerarmos que esses migrantes geralmente chegam ao Brasil sem muitos recursos financeiros e que o conhecimento da língua portuguesa acaba sendo um fator de inclusão social, pois facilita-lhes o acesso à saúde, ao trabalho e à educação no Brasil, a interrupção do ensino do português para esse grupo pode mantê-los, por mais tempo, em situação de vulnerabilidade.</p> Copyright (c) Anderson Bertoldi, Thaís Collet, Luan Luis Sevignani, Fernanda Neja Alves de Lima https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2019 Ensino de Língua Portuguesa para Migrantes na Pandemia: uma discussão necessária 2020-12-15T14:50:59+00:00 Anderson Bertoldi anderson.bertoldi@ifsc.edu.br Thaís Collet thais.collet@ifsc.edu.br Luan Luis Sevignani luan.sevignani@ifsc.edu.br Fernanda Neja Alves de Lima fernanda.lima@ifsc.edu.br <p>A pandemia causada pelo COVID-19 teve profundos impactos nas redes de ensino públicas e privadas do Brasil. A mudança das aulas para o formato de atividades não presenciais (ANPs) dividiu pais, alunos e professores. Quantos aos professores, muitos se opuseram às ANPs, por pensarem que esse formato poderia ser uma primeira iniciativa para a transformação dos cursos presenciais em educação a distância (EaD). Essa discussão é ainda mais delicada quando falamos de ensino de língua portuguesa para migrantes, sejam refugiados ou com visto humanitário. Esse grupo necessita ser integrado às comunidades em que vive, e para isso necessita do conhecimento do português. Assim, temos como objetivo, neste artigo, discutir a necessidade do ensino de português para migrantes, mesmo que em formato ANP, durante a pandemia. Em termos metodológicos, apresentamos um relato de experiência de ensino de língua portuguesa para migrantes em situação de vulnerabilidade social, durante esse período de quarentena, com ensino não presencial. A partir das experiências aqui descritas, defendemos a necessidade de atendimento dos grupos migrantes durante a pandemia. Se considerarmos que esses migrantes geralmente chegam ao Brasil sem muitos recursos financeiros e que o conhecimento da língua portuguesa acaba sendo um fator de inclusão social, pois facilita-lhes o acesso à saúde, ao trabalho e à educação no Brasil, a interrupção do ensino do português para esse grupo pode mantê-los, por mais tempo, em situação de vulnerabilidade.</p> Copyright (c) Anderson Bertoldi, Thaís Collet, Luan Luis Sevignani, Fernanda Neja Alves de Lima https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2017 Comunidades Quilombolas No Brasil: percursos históricos, processos de lutas e de ressematização de sentidos Quilombol Communities In Brazil: historical pathways, processes of struggle and ressematization of meanings Comunidades Quilombol En Brasil: caminos históricos, procesos de lucha y resematización de significados 2020-12-17T17:14:56+00:00 Maria Aparecida Ventura Brandão Ventura Brandão aparecida.brandao@upe.br Wbaneide Martins de Andrade wandrade@uneb.br Carlos Alberto Batista Santos cabsantos@uneb.br <p><strong>Resumo: </strong>Este artigo<strong> </strong> tem como objetivo focalizar os processos de formação e de afirmação histórico social de comunidades quilombolas. A tempo, o estudo perpassa por três ambiências em sua composição temática: na primeira parte é evidenciada, de forma geral, a evolutiva forma de organização dos seres humanos em comunidades ou sociedades. Essa retomada histórica traz suas repercussões nas sucessivas formações de comunidades tradicionais mencionadas neste estudo; a segunda parte traz a noção conceitual de quilombo a partir da afirmação/negação de remanescência e por fim, descreve o processo de formação e de resistência dos africanos ao escravismo colonial que se estende até os nossos dias, em cenas de intensas e vigorosas lutas. O estudo está ancorado numa metodologia de natureza qualitativa e foi gerado a partir da compilação do estado da arte sobre a temática em relevo passando por diversos tempos de produção científica dado que a problemática abordada entrelaça variados contextos históricos que dialogam, simultaneamente, numa sobreposição de fatos e aspectos que não podem ser vistos de forma isolada. As questões postas para análise buscam, ainda, focalizar, no âmbito da crítica, a lógica advinda do Estado-nação no que diz respeito aos direitos dos povos de quilombos e às formas de acesso e de conservação de seus bens simbólicos e materiais. O estudo apontou que os processos de lutas políticas e sociais dos povos quilombolas instaurados, ainda, no Brasil Colônia pela busca de visibilidade identitária e étnica continuam latentes em nossos dias, traduzindo-se em condutos de resistência e alteridade.</p><p>Palavras-chave: Quilombo. Qilombolas. Remanescência. Ressemantização.</p><p>Abstract: This article aims to focus on the processes of formation and social historical affirmation of quilombola communities. In time, the study goes through three ambiences in its thematic composition: in the first part, the evolutionary form of organization of human beings in communities or societies is evidenced in general. This historical resumption has its repercussions on the successive formations of traditional communities mentioned in this study; the second part brings the conceptual notion of quilombo from the affirmation / denial of remnant and finally, describes the process of formation and resistance of Africans to colonial slavery that extends to the present day, in scenes of intense and vigorous struggles. The study is anchored in a methodology of qualitative nature and was generated from the compilation of the state of the art on the theme in relief going through different times of scientific production given that the problem addressed intertwines various historical contexts that dialogue, simultaneously, in an overlap of facts and aspects that cannot be seen in isolation. The questions asked for analysis also seek to focus, within the scope of criticism, the logic that comes from the nation-state with regard to the rights of quilombo peoples and the ways of accessing and conserving their symbolic and material goods. The study pointed out that the processes of political and social struggles of quilombola peoples that were still established in Colonial Brazil by the search for identity and ethnic visibility remain latent today, translating into conducts of resistance and alterity.</p><p>Keywords: Quilombo. Qilombolas. Remnant. Resampling.</p><p> </p><p>Resumen: Este artículo tiene como objetivo centrarse en los procesos de formación y afirmación histórico social de las comunidades quilombolas. En el tiempo, el estudio pasa por tres ámbitos en su composición temática: en la primera parte, se evidencia la forma evolutiva de organización de los seres humanos en comunidades o sociedades en general. Esta reanudación histórica tiene sus repercusiones en las sucesivas formaciones de comunidades tradicionales mencionadas en este estudio; la segunda parte trae la noción conceptual de quilombo desde la afirmación / negación del remanente y finalmente, describe el proceso de formación y resistencia de los africanos a la esclavitud colonial que se extiende hasta nuestros días, en escenarios de luchas intensas y vigorosas. El estudio está anclado en una metodología de carácter cualitativo y se generó a partir de la recopilación del estado del arte sobre el tema en relieve pasando por distintas épocas de producción científica dado que la problemática abordada entrelaza diversos contextos históricos que dialogan, simultáneamente, en un traslape de hechos. y aspectos que no se pueden ver de forma aislada. Las preguntas solicitadas para el análisis también buscan enfocar, dentro del ámbito de la crítica, la lógica que viene del Estado-nación en cuanto a los derechos de los pueblos quilombos y las formas de acceder y conservar sus bienes simbólicos y materiales. El estudio señaló que los procesos de luchas políticas y sociales de los pueblos quilombolas que aún se instauraron en el Brasil colonial por la búsqueda de identidad y visibilidad étnica permanecen latentes hoy, traduciéndose en conductas de resistencia y alteridad.</p><p>Palabras clave: Quilombo. Qilombolas. Retazo o restos. Remuestreo.</p> Copyright (c) Maria Aparecida Ventura Brandão Ventura Brandão, Wbaneide Martins de Andrade https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2018 As representações do cinema lésbico no jornal Diario de Pernambuco (2016-2020) 2021-01-06T18:40:44+00:00 Ana Maria dos Santos Costa anamaria.histo@gmail.com Kalina Vanderlei Silva kalina.silva@upe.br <p>O presente artigo tem como objetivo analisar as representações sobre filmes com temática lésbica construídas pelo jornal recifense <em>Diario de Pernambuco</em> entre 2016 e início de 2020. Para tanto, focalizará resenhas críticas publicadas concomitantemente aos lançamentos de três filmes de diferentes nacionalidades: <em>Carol</em> (2015), dirigido por Todd Haynes, <em>Rafiki</em> (2018), de Wanuri Kahiu e<em> Retrato de Uma Jovem em Chamas </em>(2019), de Céline Sciamma. Considerando os contextos de produção e recepção das matérias e das obras cinematográficas, o artigo procura as representações sobre mulheres e identidades LGBT+ em artigos publicados em diversas editorias neste que é um periódico tradicional e influente, à luz da Teoria das Representações Sociais, como proposta por Denise Jodelet.</p> Copyright (c) Ana Maria dos Santos Costa, Kalina Vanderlei Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2014 La race noire dans les discours des politiciens et intellectuels du XIXe siècle en Haïti 2020-12-15T03:26:44+00:00 andré yves pierre andreyvespierre86@gmail.com <p>Une fois indépendant le Premier Janvier 1804, Haïti, devient le seul pays où une révolution d’esclave noir importé d’Afrique a connu une victoire sur le système colonial et esclavagiste imposé par les Européens. Cette victoire sur l’esclavage et la colonisation est aussi la victoire de la race noire contre les abus du système esclavagiste Européen. En effet, au lendemain de l’indépendance, les discours Pères Fondateurs allaient s’imposer comme príncipe pour garentir la cohésion sociale. Et plus tard les differents écrivains étrangers ont dressé un tablaeu sombre sur les rapports entre les races en Haïti. C’est ainsi que, des intellectuels volent au secours de la race en imposant une «race noire haïtienne» comme étant le modèle de fièrete pour les autres peuples noirs et aussi l’égalité entre les races puis d’autres intellectuels aussi ont pris la défense tous les discours racistes contre Haïti. Pour réaliser ce travail, nous utilisons la méthode qualitative en s’appuiyant sur des sources et documents du XIXe siècle pour voir et comprendre les discours des politiciens et intellectuels Haïtiens de cette époque. Et c’est ainsi nous avons conclut qu’il existe (3) types de discours, d’abord un discours politique, ensuite, un discours scientifique et enfin un discours de défense ou de réhabilitation du nègre haïtien.</p> Copyright (c) andré yves pierre https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2016 Les entreprises transnationales comme sujets de violations de droits humains au regard du droit international : coups dœil sur les situations des ouvriers haïtiens dans le secteur de sous-traitance. 2020-12-15T03:26:44+00:00 efterna kernensie Sterling efternasterlin7@gmail.com <p> </p><p> </p><p> </p><p>Cet article a pour objectif de trouver les moyens efficaces afin d'obliger les entreprises transnationales en Haïti à respecter les droits humains, surtout en ce qui concerne le travail des ouvriers dans le secteur secondaire. Malgré les conventions et les traités relatifs au droit international et les reglements internes, le Droit de l’Homme n’est pas respecté par les entreprises transnationales dans la majorité des cas en Haïti. A cet égard, il faut utiliser de nouveau mécanisme afin de prendre des mesures concrètes pour obliger les entreprises à respecter les Droits Humains. En fait, le travail est divisé en deux parties. Dans la première partie nous parlons à propos de l’irresponsabilté des entreprises transnationales et les causes. Et dans la deuxième, des mécanismes à entreprendre pour combattre ces violations. Dans le cadre de cet travail nous utilisons la méthode qualitative et déductive.Et nous avons en conclusion que l’Etat haïtien est le premier responsable et doit s’engager à protéger et à faire respecter le droit des ouvriers. Mais compte tenu de la faiblesse de l’Etat haïtien, qui parait impuissant dans cette situation, le système interaméricain des Droits de l’Homme doit intervenir comme un second secours afin d’obliger les entreprises à prendre leurs responsabiltés à l’égard de de ces ouvriers.</p><p> </p> Copyright (c) efterna kernensie Sterling https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2013 Da fronteira da invisibilidade para o discurso da legalidade: a Umbanda como patrimônio cultural de natureza imaterial 2021-01-06T18:36:47+00:00 Gracielle Rafaela Campos Baldiotti graciellebaldiotti@hotmail.com Terezinha Richartz terezinha@unincor.edu.br <p>Embora o Decreto nº 42557 de 2016 tenha estabelecido a Umbanda como patrimônio cultural de natureza imaterial do Rio de Janeiro, e ainda determinado, a criação do cadastro dos terreiros umbandistas, ela é colocada à margem pelo fato de muitos não acreditarem se tratar de uma religião, acarretando, então, uma intolerância religiosa desvendada em, por exemplo, destruição de templos e objetos que compõem as cerimônias, preconceito sofrido pelos praticantes e desrespeito aos rituais. Para tanto, objetiva-se no presente, resgatar memórias da religião umbandista, esquecidas ou reprimidas por valores hegemônicos da Igreja Católica, além de trazer conhecimento/informações face à valorização de expressão religiosa genuinamente brasileira, o que poderá garantir respeito e reconhecimento pela sua história, evitando assim, que essa não seja perdida/esquecida no tempo, devido ao fenecimento dos mais antigos que carregam suas vivências. Nesse contexto, trata-se de um estudo bibliográfico, que guiado por embasamento teórico, proporciona a elaboração de pressupostos variantes da abordagem proposta. Ao considerar a Umbanda como patrimônio cultural de natureza imaterial, o Estado, através do discurso da legalidade, cria condições para o levantamento de todos os terreiros existentes no Rio de Janeiro, e com ele, toda a tradição oral, juntamente com elementos materiais e imateriais que dão vida ao sincretismo experienciado em cada terreiro.</p> Copyright (c) Gracielle Rafaela Campos Baldiotti, Terezinha Richartz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2012 Presentacíon 2020-12-14T01:47:37+00:00 Susana Dominzain susanadominzain@gmail.com Luisina Castelli Rodríguez castelliluisina@gmail.com <p align="center"><strong>Notas sobre los rumbos de la investigación entre trabajo y cultura</strong><strong></strong></p><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-10-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Susana Dominzain, Luisina Castelli Rodríguez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2011 A memória coletiva como contribuição na (re)construção de um perfil do adolescente em conflito com a lei 2021-01-06T18:32:00+00:00 Thiago Pelegrinelli Engelage thiagoengelage@gmail.com Laura Duarte Marinoski lauramarinoski@hotmail.com <p>Objetiva-se compreender como a memória coletiva contribui na construção de uma identidade essencializadora do adolescente em conflito com a lei no campo judicial, especificamente nos processos de execução de medida socioeducativa. Para isso o caminho é o de evidenciar os mecanismos de atuação da memória coletiva na construção de um perfil institucional do adolescente ao ser reavaliado na execução da medida socioeducativa de internação pelos agentes estatais. Como objeto empírico foram utilizados documentos oficiais e processos que iniciaram tramitação na Vara da Infância e Juventude de Foz do Iguaçu em 2012. Espera-se com a pesquisa evidenciar a construção de uma memória coletiva essencializadora pelo aparelho estatal sobre o adolescente em conflito com a lei, que está ligada a pobreza e a marginalização espacial, e que conduzem os adolescentes a um tipo de perfil institucional associado a práticas definidas como “cultura do ilícito”.</p> Copyright (c) Thiago Pelegrinelli Engelage, Laura Duarte Marinoski https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2010 Socio-economic categorization of households: a new methodological approach in quantitative research 2020-12-10T05:24:43+00:00 Richardson BIEN-AIME richardsonbienaime3@gmail.com The position of individuals in the social hierarchy is recognized as being multidimensional, i.e. defined by various socio-economic factors, both individual (for example: level of education, situation vis-à-vis the job, occupation) that characterize the household (for example: household income). This article presents a description of different forms of categorization and presents a new methodology in quantitative household categorization research based on the calculation of a socio-economic status index for each household. This varies from 0 to 1 and depending on the level of its socio-economic status index, a household may belong to one of the following four (4) socio-economic categories: low socio-economic category (index[0, 0.25[), lower middle socio-economic category (index [0.25, 0.50[), upper middle socio-economic category (index [0.50, 0.75[) and high socio-economic category (index [0.75, 1]). Copyright (c) Richardson BIEN-AIME https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2008 Educação Científica e Ciência, Tecnologia e Sociedade 2020-12-03T18:45:08+00:00 Ana Luzia Chavez Gomes anachavezgomes@gmail.com <p>A diversidade de ciência e tecnologia faz com que a educação precise ser repensada, permitindo que a formação educacional seja voltada para uma alfabetização científica, desenvolvendo em seus alunos a capacidade de pensar criticamente e discutir o desenvolvimento tecnológico. Que essas crianças e jovens possam romper com os mitos que estão incutidos em seu entorno social, que compreendam que existe a necessidade de que participem ativamente do viver em sociedade. Esse ensaio apresenta a educação brasileira, fundamentada na legislação, voltada para uma junção dos conceitos de Ciência, Tecnologia e Sociedade, interdisciplinaridade e a necessidade da alfabetização científica, considerando a realidade social em que os alunos estão inseridos, estimulando sua participação; lembrando também que para que a educação CTS seja aplicada, é necessário que o currículo dos professores seja revisto e que se fomente a formação continuada.</p> Copyright (c) Ana Luzia Chavez Gomes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2007 Accordion traditions as Cultural Heritage in border regions of Portugal 2021-01-06T18:27:49+00:00 José Andreas Curbelo curbelo@gwu.edu <p>This article examines two emblematic musical forms that are found in the border regions of Portugal: chromatic accordion music in the Algarve in southern Portugal, and diatonic <em>concertina</em> music in northern Portugal. The object of this text is to reveal the processes of development and transmission of these border-area traditions, as well as reveal efforts to conceive these traditions as Cultural Heritage, whether it be on a local, national or supranational level, and the motivations of those efforts. The methodology employed in this study involved <em>in situ</em> oral history collection, and field work was carried out in 2019 and 2020 in various communities in the interior of Portugal. A comparison is made of the two case studies, paying attention to the ways in which these traditions have been fomented and projected as being representative of a region or nation, and also paying attention to the role played throughout history by migratory diasporas (provoked by political, economic and demographic factors) in the transformation, resignification, and projection of these traditions.</p> Copyright (c) José Andreas Curbelo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2006 Práticas pedagógicas na Educação Física sob uma abordagem multidisciplinar no caminho descolonial 2021-02-26T19:19:58+00:00 MARCIO ROGERIO BRESOLIN marcio.bresor9@gmail.com <p>Este artigo apresenta as Práticas pedagógicas na Educação Física sob uma abordagem multidisciplinar no caminho descolonial, na Educação Básica em Maracaju, com a finalidade de atender as determinações da LDB 9.394/96 conforme artigo 26. As referências utilizadas são MOREIRA; CANDAU (2013), HALL (2016), BESSA-OLIVEIRA (2019), MIGNOLO (2014), os PCNs da disciplina de Educação Física, entre outros. O objetivo é apresentar a educação física escolar como componente curricular com saberes multidisciplinares por meio de práticas diferenciadas na escola. A metodologia da pesquisa é bibliográfica e pesquisa-ação e ocorre com a execução de atividades na Educação Física numa escola Estadual no município de Maracaju–MS. Os itinerários práticos aqui apresentados foram desenvolvidos utilizando conteúdos e eixos preestabelecidos pelo Governo Estadual para o projeto AJA em construir situações de movimentos, enfatizando também aspectos pedagógicos, sociais e culturais diversos dos saberes. Os resultados apontam que realmente é possível ter práticas multidisciplinares e descoloniais em Educação Física, com possibilidades de aprender os saberes através dos saberes de outras disciplinas e como uma epistemologia <em>outra</em>.</p> Copyright (c) MARCIO ROGERIO BRESOLIN https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2005 La construcción del sujeto complejo en la Educación Matemática Decolonial Transcompleja 2020-12-17T17:10:03+00:00 Milagros Elena Rodriguez melenamate@hotmail.com <p>El sujeto que deviene de la pedagogía de la matemática tradicional es soslayado; la escolaridad impone normas que establecen un orden y relaciones reproductivas que nos obliga a asimilar y repetir los saberes establecidos por la racionalidad hegemónica. En la concientización ecosófica<em>, </em>la ecosofía el arte de habitar en el planeta,<em> propendemos la conformación del sujeto complejo en</em> <em>la Educación Matemática Decolonial Transcompleja</em> <em>como objetivo complejo de investigación.</em> Se realiza la investigación desde la deconstrucción como transmétodo rizomático en la transmodernidad. En el rizoma reconstrucctivo, el sujeto concientizado critico en un dialogo dialéctico-dialógico, se conforma como ciudadano del planeta-tierra en la antropoética; desde la Educación Matemática. Es imperativo así, un des-ligar de las prácticas opresivas de la matemática; para re-ligar el sujeto político que ejerce un poder, que transita en el conocer la matemática compleja con el aporte de las civilizaciones colonizadas, en claros procesos decoloniales; y el hacer vida-cotidiana del habitat popular; en una liberación onto-epiestemológica del sujeto. Rompiendo la imposición Occidental de la matemática.</p> Copyright (c) Milagros Elena Rodriguez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2004 Um estudo comparado da composição da Câmara Federal dos Deputados do Brasil (2014 e 2018) e da Argentina (2015 e 2019): a representatividade político partidária feminina 2020-12-17T21:11:10+00:00 Liliane Lencina dos Santos lilianesantos.aluno@unipampa.edu.br Angela Quintanilha Gomes angelagomes@unipampa.edu.br <p>Este trabalho concentra-se em estudar a representação política das mulheres do Brasil (pleitos de 2014 e 2018) e da Argentina (pleitos de 2015 e 2019) nas Câmaras Federais de Deputados. O estudo usa o método comparado para análise dos dados, pois se trata de países com sistema de governo muito parecidos, ambos são federados e democráticos. O sistema eleitoral brasileiro tem abrangência nacional, já na Argentina as províncias possuem uma maior autonomia. Enquanto que no Brasil há somente uma legislação para todo o país na Argentina os entes federados possuem autonomia para elaborar cada um a sua, sempre de acordo com a legislação federal. O Brasil determina um mínimo de 30% de candidatos de cada gênero, a legislação argentina determina a paridade de gêneros nas candidaturas. O objetivo deste artigo é comparar a representatividade política das mulheres brasileiras e argentina nas Câmaras Federais de deputados e observar se existe influência da legislação eleitoral nesse processo?</p> Copyright (c) Liliane Lencina dos Santos, Angela Quintanilha Gomes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2003 A abordagem da cultura na geografia e a comunidade surda: Uma aproximação temática 2020-12-17T21:13:13+00:00 Patrícia dos Santos Dias pdias181@globo.com Laís Ariane Martins Barbosa Correia pdias181@globo.com Eugênia Maria Dantas pdias181@globo.com Ione Rodrigues Diniz Dantas pdias181@globo.com <p>Este ensaio contempla a abordagem cultural na Geografia, a partir de uma periodização desde sua gênese ao seu processo de renovação. Por meio de revisão teórica, destaca as contribuições dos geógrafos Carl Ortwin Sauer e Paul Claval para o estudo da cultura na Ciência Geográfica e, a partir das perspectivas desses autores, realiza um exercício de olhar, no presente, possibilidades de abordagem dos surdos/Surdos na Geografia. Assim, entendendo que Sauer e Claval diversificaram as abordagens culturais na Geografia e partindo do pressuposto de que os clássicos contribuem para a compreensão da realidade socioespacial do presente, o texto aponta possibilidades de realização de pesquisas sobre os Surdos e a Comunidade Surda, temática ainda pouco explorada pelos geógrafos brasileiros no contexto da Geografia Cultural. Com isso, ilustra o “olhar múltiplo” possível aos pesquisadores diante de diferentes entendimentos que se têm de cultura no âmbito da Geografia.</p> Copyright (c) Patrícia dos Santos Dias, Laís Ariane Martins Barbosa Correia, Eugênia Maria Dantas, Ione Rodrigues Diniz Dantas https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2001 Ensino superior, ecologia de saberes e presença indígena na Universidade pública: uma proposta de pesquisa 2020-11-04T03:01:03+00:00 Célia Maria Foster Silvestre celia.silvestre@gmail.com <p>As Ciências Humanas e Sociais constituem campo privilegiado para refletir a respeito da produção do conhecimento, suas características e efeitos na sociedade mais ampla. Nessa linha, as universidades são lócus de produção de uma forma específica de conhecimento, o científico, que, historicamente, caracterizou-se por ser restrito à elite, dando dimensão de universal para um saber ocidental e moderno. Nesse sentido, excluiu coletivos portadores de conhecimentos relevantes, dando-os como inexistentes. No Brasil, as políticas públicas contribuíram, nos últimos anos, para mudar o perfil da universidade, incluindo coletivos historicamente dela excluídos. Paradoxalmente, do ponto de vista político, esse tem sido um elemento que vem atraindo críticas à universidade pública, que passou a ser questionada em sua relevância social e competência na produção de conhecimento. O artigo apresenta reflexões pertinentes a um projeto de pesquisa que propõe uma análise do processo de expansão da universidade pública no Brasil, especialmente no que se refere à ampliação das políticas de acesso à universidade e, de forma específica, situando esse aspecto na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, UEMS, focando no acesso dos coletivos indígenas à universidade. A pergunta de fundo para a pesquisa se refere às relações provocadas pelas presenças desses coletivos, quais são os efeitos para a promoção de uma ecologia de saberes e quais são as políticas, experiências, projetos, metodologias, vivências nesse sentido. A metodologia consiste em uma abordagem etnográfica, considerando o envolvimento da equipe de pesquisa no campo onde ela ocorre, interdisciplinar, qualitativa, bibliográfica e documental, a partir de dados das coordenadorias e outras instâncias administrativas na universidade, eventos e documentos públicos produzidos por estudantes indígenas.</p> 2021-02-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Célia Maria Foster Silvestre https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/2000 Conectivivências: (im)possibilidades no contexto pandêmico e no que está por vir 2020-11-04T01:33:37+00:00 Alessandra Fontes Carvalho da Rocha profa.alessandra.fontes@gmail.com Washington Kuklinski Pereira prof.washington.kuklinski@gmail.com <p>O ano de 2020 foi totalmente atípico na educação e na convivência social no Brasil e no mundo. Transformações profundas na vivência da humanidade em meio à necessidade de isolamento social foi um grande desafio para o desenvolvimento educacional em todo o planeta nesse período. Plataformas digitais, redes sociais e diversos meios de atividades remotas passaram a fazer parte da realidade das tentativas de interações entre estudantes e professores. Por isso, nesse trabalho temos como objetivo discutir as possibilidades e impossibilidades no contexto da educação pública na cidade do Rio de Janeiro durante a Pandemia do <em>COVID-19</em>. Para tanto, iremos refletir sobre algumas ações adotadas pela Secretaria Estadual de Educação (SEEDUC) e pela Secretaria Municipal de Educação (SME) bem como a dificuldade de acesso aos meios disponibilizados por parte de estudantes e professores.</p> 2021-02-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Alessandra Fontes Carvalho da Rocha, Washington Kuklinski Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1999 Uma corpo-políitica do conhecimento feminino: questionar pelos sentidos, pelos corpos e pelo sul 2020-11-04T01:15:57+00:00 Nathalia Flores Soares nathalia.f.soares@hotmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com.br <p>Este trabalho vai em busca de um diálogo critico entre a escrita autobiográfica da professora, intelectual e escritora Heloísa Buarque de Hollanda e as relações imbricadas nos contextos culturais, sociais e marginais presentes nas regiões (ex)cêntricas do país, na tentativa de reatualizar problemáticas já delineadas no passado, o enfoque se voltara para as teorizações feministas delineadas pela professora ao decorrer de seu projeto intelectual. Pretende-se aqui mostrar como a escrita do eu revela tensões ideológicas, epistêmicas e críticas na vida de quem se propõe a escrever autobiografias, sendo assim, o objeto norteador será a obra <strong>Escolhas</strong> (2009). Em síntese, a análise se voltará para a condição das mulheres latinas americanas, precisamente no cenário brasileiro contemporâneo, com enfoque na crescente onda de manifestações feministas, na rua e na academia</p> Copyright (c) Nathalia Flores Soares, Edgar Cézar Nolasco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1998 A relação entre Design e Artesanato na valorização da cultura local: Representação e aprendizado entre estudantes e artesãs (Maranhão, Brasil) 2020-11-03T23:43:08+00:00 João Matheus de Barros Câmara joaomatheus98@gmail.com Sâmio Lucas Pachêco Barbosa pachecosamio@gmail.com <span id="docs-internal-guid-41dab452-7fff-6bcc-56bb-91a0937c9077"><span>Este artigo apresenta o processo de integração, aprendizado e trabalho entre estudantes e artesãs nas cidades de São José de Ribamar e São Luís, no Maranhão (Brasil). Foram realizados encontros e oficinas de aprendizado e representação sobre manifestações no contexto afro maranhense e práticas sobre construção de objetos em cerâmica, buscando aproximar universidade e comunidade, proporcionar alternativas de produção artesanal e experimentar ferramentas de reconhecimento e criatividade para a valorização da cultura local. Utilizando o metaprojeto como metodologia, os saberes das artesãs e técnicas de compreensão, análise e a prática de desenhos para nortear o projeto, os envolvidos no processo conseguiram construir novos produtos e identidades visuais, colaborando com a difusão do artesanato na comunidade e no reconhecimento de patrimônios culturais imateriais, como o Tambor de Crioula. Uma experiência educacional e cultural que também pode ser realizada em outros contextos. </span></span> 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 João Matheus de Barros Câmara, Sâmio Lucas Pachêco Barbosa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1997 Da caixa ao cubo: análise da obra “Parede da Memória” de Rosana Paulino 2020-11-03T22:38:41+00:00 Georgia Graichen gi.graichen@gmail.com Luana Karoliny Desconci luanadesconci@gmail.com Rosa Amélia Barbosa rosa.amelia.educ@gmail.com <p>Este artigo tem como objetivo, por meio da obra Parede da Memória (1994/2015) da artista Rosana Paulino, relacionar o objeto artístico com aspectos sobre a construção de representações na arte e no espaço expositivo. O conceito de representação foi definido a partir das discussões estabelecidas por Stuart Hall (2016). E a ideia das relações entre a obra como fonte de reflexão e o espaço museológico foram pautadas no pensamento de Ulpiano de Meneses (2013) e Francisco R. L. Ramos (2004). As estratégias representacionais expostas neste trabalho apresentam a obra de Rosana Paulino em um diálogo contínuo com questões étnicas, raciais e de gênero sob o olhar da obra dentro do espaço museológico.</p> 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Rosa Amélia Barbosa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1996 Pesquisa colaborativa em design para aproveitamento de resíduos de açaí em comunidades locais: delimitação do estado da arte. 2020-11-03T19:38:29+00:00 Caroline Pedraça Santos carolpedraca@gmail.com Raquel Gomes Noronha raquel.noronha@ufma.br O Brasil produz mais de 221 mil toneladas de açaí por ano, das quais 161 mil toneladas correspondem aos resíduos oriundos do seu despolpamento. Estudos relacionados ao aproveitamento do caroço e da fibra do açaí indicam o uso dos resíduos no setor agrícola, na fabricação de produtos medicinais e na engenharia de materiais. No entanto, as pesquisas sobre esses processos não incluem os conhecimentos tradicionais das comunidades produtoras de açaí no desenvolvimento de soluções para o aproveitamento desses resíduos. Nota-se que os valores culturais pertencentes a essas comunidades são ignorados na construção da educação acadêmica quando se trata da busca por inovações no campo da pesquisa. Neste sentido, foi realizada uma Revisão Sistemática de Literatura (RSL) para identificação de pesquisas baseadas em práticas colaborativas envolvendo a corpo acadêmico e a comunidade local. Obtendo como resultado dois artigos que apontam para a importância do conhecimento tácito no desenvolvimento de pesquisas que tenham como objetivo o manejo de recursos naturais, além de abordarem a necessidade de proteção de conhecimentos tradicionais. Apesar dos estudos apontarem para novos caminhos nas pesquisas acadêmicas, verifica-se a existência de uma lacuna no que se refere ao desenvolvimento de materiais no campo do design a partir de práticas colaborativas envolvendo pesquisadores e comunidades tradicionais. Tais práticas podem abrir novos caminhos para a construção da educação e da pesquisa científica e ainda fortalecer a cultura tradicional de comunidades locais. 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Caroline Pedraça Santos, Raquel Gomes Noronha https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1995 Os Direitos Humanos e as contradições na titulação das terras das comunidades quilombolas do Tocantins 2020-11-03T16:06:53+00:00 Paulo Sergio Gomes Soares psoares@mail.uft.edu.br Pedro Alexandre Aires Gonçalves pedroairesg@gmail.com <p>O objetivo do artigo é realizar uma análise da situação das comunidades quilombolas do estado do Tocantins pelas contradições evidenciadas nas dificuldades de materialização do direito ao território tradicional previsto na Constituição Federal de 1988 e em instrumentos normativos de Direito Internacional. A partir de uma perspectiva crítica, o debate expõe a forma como o campo antropológico e o jurídico se inter-relacionam para garantir os direitos constitucionais e materialização dos Direitos Humanos em franca contradição com os interesses das elites rurais brasileiras e expansão do agronegócio, fator que expõe as contradições, também, no campo jurídico entre os interesses individuais e o coletivos, bem como as tensões enfrentadas pelos remanescentes das comunidades quilombolas na luta pela titulação de suas terras. O estudo identifica e analisa – a partir dos princípios constitucionais - a atuação de instituições como a Defensoria Pública, Ministério Público e Poder Judiciário do estado do Tocantins frente aos conflitos decorrentes das disputas territoriais envolvendo tais interesses.</p> 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Pedro Alexandre AIRES GONÇALVES, Paulo Sergio Gomes Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1994 “Queria ser uma travesti de respeito”: processos de construções identitárias e subjetivas de mulheres trans e travestis na Microrregião do Seridó Oriental paraibano 2020-11-03T15:40:23+00:00 Jerferson Joyly Medeiros joyly@uol.com.br <p>O presente artigo tem como objetivo destacar os processos de construções identitárias e subjetivas de mulheres trans e travestis por intermédio de suas trajetórias de vida, tendo como marcadores sociais de gênero, sexualidade, geração, classe e raça em contextos do espaço familiar na efetivação do processo de transitividade do gênero. Ao longo do texto, estive traçando questões e investigando como as interlocutoras ilustravam seus processos de subjetividade em paralelos de ideias, representações dentro do binarismo de gênero. Tratou-se de uma pesquisa etnográfica realizada na Mesorregião da Borborema, tendo como foco a Microrregião do Seridó Oriental paraibano, geograficamente situada no Nordeste brasileiro. Na referida localidade composta por nove administrações políticas, detive-me a entrevistar interlocutoras das cidades de Cubati (7.234 hab.), Pedra Lavrada (7.475 hab.) e São Vicente do Seridó (10.775 hab.). Essa pesquisa faz parte do meu projeto de doutoramento que tensiona pensar trajetórias de vidas trans nessa microrregião. Como principais resultados, pude perceber como esses corpos ainda estão relegados às redes do patriarcalismo, embora em ambientes familiares diversos, e de que maneira as políticas públicas e de assistencialismo adotadas pelo Estado brasileiro para as pessoas trans ainda são insuficientes, pois são conduzidas, basicamente, em torno do respeito ao nome social, e a campanhas oferecidas pelo Sistema Único de Saúde no tocante ao tratamento de ISTs, HVI/AIDS, hormonioterapias e o processo transexualizador. </p> 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Jerferson Joyly Medeiros https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1993 O GRAFISMO KADIWÉU NO ENSINO DE ARTE NA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA 2020-11-03T14:06:01+00:00 Verônica Lindquist verolindquist@gmail.com Léia Teixeira Lacerda leiatlacerda@gmail.com O presente artigo apresenta os resultados preliminares de uma investigação desenvolvida no Programa de Mestrado Profissional em Educação, na linha de pesquisa: Formação de professores e<strong> </strong>diversidade, da Unidade Universitária de Campo Grande da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Visa apresentar compreensões sobre o processo de ensino de Arte quando oportuniza uma discussão sobre cultura, perspectiva e estética não ocidental com fotografias da etnia Kadiwéu. As fotografias de Boggiani pertence ao acervo particular da família Fric e foram recuperadas pelos netos, Pavel Fric e Yvonna Fricova e publicadas em 1997 em um livro. Nesse contexto, a abordagem com as imagens busca promover uma reflexão relacional entre arte e Antropologia da arte, por meio da leitura de imagem no ensino de Arte na Educação Básica. Dessa maneira, interpõe-se a problemática quanto ao diálogo entre culturas, bem como as percepções e imagens entre o “eu” e o “outro” que descortinam na maneira de ver novas possibilidades de ser, de viver e de conceber o mundo circundante. Os resultados indicam que a abordagem e as possibilidades da imagem como agência e cognição de processos são inferidas na relação entre a percepção das diferenças e das estéticas culturais mediadas pela alteridade. Copyright (c) Verônica Lindquist, Léia Teixeira Lacerda https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1991 La originalidad Intelectual de América (1919): as ressonâncias do pensamento de García Calderón sobre a obra Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda 2020-11-03T12:58:22+00:00 Iara Andrade Senra iaravr@hotmail.com O presente artigo analisa algumas possíveis ressonâncias que o texto <em>La originalidad Intelectual de América (1919)<strong> </strong></em>de Francisco García Calderón teve sobre a obra <em>Raízes do Brasil</em> (1936) de Sérgio Buarque de Holanda. Enfatizamos que a análise referente ao idealismo espanhol desenvolvida por Calderón ofereceria os andaimes discursivos para Buarque conformar os tipos: Semeador e Ladrilhador em <em>Raízes.</em> Para tanto, por meio do comparativismo, retrocederemos até <em>Originalidade Literária</em> (1920), primeiro artigo escrito por Buarque e texto onde cita explicitamente a Calderón.<strong><em> </em></strong> Tanto <em>La Originalidad Intelectual de América</em> quanto <em>Originalidade Literária</em> tratam-se de textos, cuja temática central é a busca de uma autenticidade, e nesse retorno às origens, ambos autores reservariam à herança ibérica lugar de destaque. 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Iara Andrade Senra https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1990 Territorialidade, Território e Identidade Espacial: Uma abordagem teórica sobre os aspectos sociais da sua construção, pela via da memória coletiva. 2020-11-03T12:38:45+00:00 Thiago Souza Silva thiago_uesb@yahoo.com.br Elton Moreira Quadros emquadros@uneb.br <p>Este trabalho propõe uma análise percuciente sobre a articulação existente entre a territorialidade, a identidade e a memória. Esta integração traduz um conceito de território que está vinculado, na esfera das ciências sociais, à noção de apropriação e de sentimento de pertencimento que é desenvolvido pelos agentes gregários, os quais manifestam tal anseio por intermédio da impressão de suas ações, que amoldam o ambiente e conferem significados ao fragmento espacial. A memória, enquanto participante profícua da construção da identidade, oportuniza a interação entre os protagonistas sociais e o próprio espaço, através da mediação das semânticas simbólicas que o constituem. Refletir-se-á, portanto, sobre a polimorfa formação do espaço, ao tempo em que se processa, também, a consolidação da identidade espacial, com ênfase nas ações inter-relacionais. Tal diálogo desembocará no entendimento de que o território não deve ser vislumbrado meramente pelo aspecto da materialidade do espaço, haja vista que o seu conceito está alinhavado com a incorporação do sentido simbólico e com a vertente política e econômica.</p> Copyright (c) Thiago Souza Silva, Elton Moreira Quadros https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1987 Sobre la Patrimonialización de Pelusín del Monte y la imposibilidad de una identidad: ¿Quién necesita un "Títere Nacional" en el siglo XXI cubano? 2020-11-02T23:59:09+00:00 Liliana Pérez Recio bastianybastiane@gmail.com <p>En este texto cuestiones relativas a identidad cultural, identidad nacional y patrimonialización son abordadas con base en análisis de textos y contextos que apuntan el personaje del teatro de títeres cubano <em>Pelusín del Monte</em> como un símbolo nacional y que conducen a su patrimonialización. Para presentar otra perspectiva que contradiga el status quo de este personaje como representante de una identidad nacional, instituida principalmente a través de la investigación del Dr. Freddy Artiles (1946-2009), esta investigación proporciona otro punto de vista, explicando los análisis de datos cuantitativos y cualitativos que cuestionan no solo la tesis de ARTILES (2002), sino todo un enfoque socio histórico. ¿Qué propósitos persigue este gesto patrimonializador? ¿Quiénes son los marginados por este declaratorio? ¿Qué presupuestos constituyen los discursos de la identidad nacional? Stuart Hall, Walter Mignolo, Nelson Maldonado, Reginaldo Gonçalves, Fernando Ortiz, Antonio Benitez Rojo y Rafael Rojas, son los principales autores consultados como punto de partida para la construcción de otros enfoques pluriversales para la lectura y producción del teatro de formas animadas en la isla grande.</p><p> </p> Copyright (c) Liliana Pérez Recio https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1985 O LUGAR DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA 2020-11-02T23:03:41+00:00 Nelson De Jesus Teixeira Junior njtjunior@uneb.br Maria Elia dos Santos Teixeira de Carvalho mariaelia.carvalho@yahoo.com.br <p align="center">O presente artigo visa discutir a experiência do estudante de Letras enquanto momento de constituição das identidades e das percepções culturais por meio da língua. Esse momento de experimentação da constituição identitária do cursista de Letras, o qual ocupa um <em>entre-lugar</em> de vivência em condições fronteiriças entre aquele que estuda e aquele que ensina, ocorre durante o uso e a reflexão em torno da língua. Nessa condição de constituição das identidades, discutiremos sobre como ocorre essa experiência, dando destaque ao componente curricular de Estágio e suas especificidades. Como fundamentação teórica usada durante as problematizações apontadas e refletidas, recorremos a algumas postulações de Bakhtin (2013), de Hall (2005), de Bhabha (2003), da BNCC (2018) dentre outros pensadores e/ou documentos oficiais.</p><p> </p><p> </p> 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 NELSON DE JESUS TEIXEIRA JUNIOR, Maria Elia dos Santos Teixeira de Carvalho https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1983 O NEABI e a educação para as relações étnico-raciais 2020-11-02T19:50:03+00:00 Luci Helena Silva Martins lucihelenam@yahoo.com.br Valesca Rodrigues de Souza valescaespanhol@yahoo.com.br <p align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR"><span>Este artigo</span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span> foi</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR"><span> apresentado ao Congresso Internaci</span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span>onal Online de Estudos sobre Cultura 2020 com o intuito de promover uma </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR"><span>discussão acerca de como o Núcleo de Estudos, Pesquisas e Extensão Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI) do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), sob a ótica do reconhecimento social, pode ser observado como instância de resistência para a educação para as relações étnico-raciais. </span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><span lang="pt-BR"><span><span>Entende-se que a</span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><span><span> discussão sobre a educação não pode se dar sem uma análise </span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><span lang="pt-BR"><span><span>crítica </span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><span><span>das condições sob as quais se desenvolveram os mecanismos educacionais, tendo em conta um contexto, sobretudo cultural, em que a educação de “qualidade” sempre fora reservada a uma elite dominante e utilizada como instrumento de mantença dos privilégios que engendram e perpetuam a injustiça social no Brasil. Por isso, a relevância em se observar a atuação do NEABI/IFNMG enquanto instância de luta por reconhecimento social. </span></span></span></span></span></span></span></p> 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Valesca Rodrigues de Souza, Luci Helena Silva Martins https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1982 As Práticas de Leitura das Fãs de Romances Sentimentais no Nordeste do Brasil 2020-11-01T13:20:04+00:00 Roberta Manuela Barros de Andrade manubarrosster@gmail.com Ricardo Augusto de Sabóia Feitosa ricsaboia@yahoo.com.br Thiago Mena Barreto Viana thiagombv@gmail.com <p>A presente pesquisa busca investigar as práticas culturais que orientam o consumo feminino dos romances sentimentais no Brasil na contemporaneidade. Interroga-se quem seriam as leitoras destes romances, quais seus modos de ler essas obras e em que contexto suas leituras são praticadas. O objetivo principal consiste em compreender as diferentes formas de apropriação dos romances sentimentais por mulheres de extratos sociais e gerações distintas a partir de entrevistas em profundidade realizadas com uma comunidade de vinte leitoras residentes na cidade de Fortaleza (Ceará, Brasil), selecionadas a partir de sua frequência a livrarias, sebos, bancas de revista e fóruns virtuais de debates dedicados a este gênero literário.</p> 2021-02-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Thiago Mena Barreto Viana https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1981 A Poética de Gervane de Paula: reflexões para o artivismo e a decolonialidade 2020-10-31T18:25:04+00:00 José Henrique Monteiro da Fonseca jhmonteirodafonseca@gmail.com José Serafim Bertoloto serafim.bertoloto@gmail.com Claudio José Santana de Figueiredo claudio.figueiredo.san@gmail.com Muryllo Rhafael Lorensoni mlorensoni@hotmail.com A partir do presente texto intenta-se uma reflexão e doravante uma possível aproximação através de pesquisa ao universo do artista plástico Gervane de Paula, bem como de sua obra e os sentidos sociais, concretos e subjetivos, que esta deixa em suas expressões irreverentes e críticas. É inegável a riqueza expressiva contida na obra desse artista latino americano, a qual aponta para as realidades sociais gritantes e ao mesmo tempo, muitas vezes não percebidas em nosso contexto. Uma vez que, o saber positivista pouco se inclina a subjetividade do diferente, do estranho, do diverso e daqueles que não se submetem aos padrões naturalizados enquanto únicos e verídicos; eis aí uma oportunidade de legitimação acadêmica da obra de Gervane, mas antes, uma aproximação de seu universo e seu modo impar de estar no mundo, de interagir com a realidade e nomeá-la de modo rico, expressivo e irreverente, visto sua poética estar de algum modo imbricada ao artivismo e ao pensamento decolonial, tão necessários e indispensáveis em nosso contexto. Copyright (c) José Henrique Monteiro da Fonseca, José Serafim Bertoloto, Claudio José Santana de Figueiredo, Muryllo Rhafael Lorensoni https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1980 Práticas pedagógicas na Educação Física sob uma abordagem multidisciplinar no caminho descolonial 2020-11-27T00:13:20+00:00 Marcio Rogerio Bresolin marcio.bresor9@gmail.com Marcela dos Santos Ortiz marcelasortiz1@gmail.com Marcos Antônio Bessa Oliveira marcosbessa2001@uol.com.br Este artigo apresenta as Práticas pedagógicas na Educação Física sob uma abordagem multidisciplinar no caminho descolonial, na Educação Básica em Maracaju, com a finalidade de atender as determinações da LDB 9.394/96 conforme artigo 26. As referências utilizadas são MOREIRA; CANDAU (2013), HALL (2016), BESSA-OLIVEIRA (2019), MIGNOLO (2014), os PCNs da disciplina de Educação Física, entre outros. O objetivo é apresentar a educação física escolar como componente curricular com saberes multidisciplinares por meio de práticas diferenciadas na escola. A metodologia da pesquisa é bibliográfica e pesquisa-ação e ocorre com a execução de atividades na Educação Física numa escola Estadual no município de Maracaju–MS. Os itinerários práticos aqui apresentados foram desenvolvidos utilizando conteúdos e eixos preestabelecidos pelo Governo Estadual para o projeto AJA em construir situações de movimentos, enfatizando também aspectos pedagógicos, sociais e culturais diversos dos saberes. Os resultados apontam que realmente é possível ter práticas multidisciplinares e descoloniais em Educação Física, com possibilidades de aprender os saberes através dos saberes de outras disciplinas e como uma epistemologia <em>outra</em>. Copyright (c) Marcio Rogerio Bresolin, Marcela dos Santos Ortiz, Marcos Antônio Bessa Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1977 A educação indígena no Brasil: da perspectiva civilizatória à emancipatória 2020-12-17T21:27:41+00:00 Millaany Felisberta Souza millaany.souza@unemat.br Cláudia Landin Negreiros clnegreiros@unemat.br <p>A presente pesquisa se refere a um estudo realizado por meio de revisão bibliográfica e análise documental, em que se buscou descrever o processo pelo qual a Educação Escolar Indígena passou até chegar ao cenário em que se encontra. Portanto, o objetivo deste artigo é apresentar a evolução da educação indígena no Brasil, desde os aspectos civilizatórios aos emancipatórios. Neste caso, deixa-se claro que a historicidade da Educação Escolar Indígena no Brasil, desde os primórdios da colonização, dinamiza-se entre dilemas e desafios. Isto porque a chegada dos europeus desencadeou uma série de transformações, cujas consequências foram extremamente negativas para esses povos, os quais, embora nativos da terra e detentores de significativos conhecimentos e culturas, foram forçados a se adequarem aos costumes dos colonizadores europeus. Desse modo, pode-se perceber que a educação escolar em aldeias indígenas historicamente esteve marcada, por muito tempo, por princípios assimilacionistas e integracionistas ao sistema nacional de educação, e foi um longo processo de conquistas legais.</p> Copyright (c) Millaany Felisberta Souza, Cláudia Landin Negreiros https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1973 A carnavalização e a presença da imagem indígena: apenas um adereço, exibicionismo ou admiração? 2021-01-31T14:50:36+00:00 Angelita Queiroz angelitaqueiroz@gmail.com Este artigo é um rebento da disciplina Culturas Populares: Tradição e Contemporaneidade, do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Culturas Populares da Universidade Federal de Sergipe (PPGCULT/UFS), ministrada no primeiro semestre de 2019 pelas Professoras Dras. Ana Maria de São José e Maicyra Teles Leão e Silva e também é inspirado em textos da disciplina Tópicos Especiais em Arte e Cultura I, ministrada pelo Professor e Orientador Dr. Fernando José Ferreira Aguiar. Considerando todos esses ensinamentos e aprendizagens, retrata a proposta de um diálogo sobre a composição da representatividade “figurativa” do indígena pelos não-indígenas no uso de adereços, trajes e pinturas em festas populares. Apresenta também os conceitos da carnavalização, espetacularização e canibalização que servem de tríade às reflexões gerais. Copyright (c) Angelita Queiroz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1972 Metodologia Pré-Texto: Acupuntura Pedagógica 2020-12-18T16:11:09+00:00 Eliana Martins Marcolino profaemarcolino@gmail.com Luciano Flávio de Oliveira luciano.oliveira@unir.br <p align="center"><strong>Resumo</strong></p><p> </p><p>Este artigo contempla a experiência de um workshop para formação de facilitadores do método Pré-Texto. Esta é uma descrição detalhada do curso. Nos dias 2 e 3 de fevereiro de 2019, foi realizado o <em>workshop Pré-Texto</em> para pessoas que falam português. O curso foi ministrado pela diretora do “Agentes Culturais” da Universidade de Harvard, Doris Sommer. O grupo de participantes era composto por profissionais de diferentes áreas do conhecimento, formando uma equipe multidisciplinar, principalmente de brasileiros, com a participação de membros do Cabo Verde e do Chile. O artigo se fundamenta nos seguintes referenciais teóricos: <em>Pedagogia do oprimido</em>, de Paulo Freire, <em>200 exercícios e jogos para atores e não atores que querem falar sobre teatro</em> e <em>Jogos Para Atores e Não-Atores</em>, de Augusto Boal, e <em>Manual for Facilitators</em> de Doris Sommer.</p> Copyright (c) Eliana Martins Marcolino, Luciano Flávio de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1971 A ressignificação da educação: virtualização de emergência no contexto de pandemia da COVID-19 2020-10-15T17:44:02+00:00 Ronualdo Marques ronualdo.marques@gmail.com <p>Com a chegada do coronavirus e o avanço da COVID-19 no Brasil vemos uma série de impactos e efeitos sobre todas as atividades desempenhados pela população ocasionando no isolamento social e na educação foi preciso repensar como dar continuidade ao ano letivo e garantir uma educação de qualidade e que atenda a demanda do curso escolar. O objetivo desse trabalho é discutir e apresentar dados em relação a organização dos estudantes para dar continuidade do processo ensino aprendizagem mediante as limitações impostas pelo isolamento social no contexto da pandemia provocada pela COVID-19. Para tal, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e documental, com estudo de caso por meio de questionário misto pela escala Likert distribuído de forma virtual pelo Formulário Google. Identificou-se que os estudantes diante dessa realidade não estão mediando esforços para poder acompanhar as aulas e atividades online, contudo, é preciso destacar que fatores como motivação, interação física, recursos tecnológicos avançados, bem como retorno imediato para sanar dúvidas e questionamentos durante as aulas são implicações que devem ser pensadas para melhoria num processo de ensino e aprendizagem que atenda a uma educação de qualidade.</p> Copyright (c) Ronualdo Marques https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1970 Análise Documental das Ações Inclusivas do IFMS Sobre Estudantes com Necessidades Educacionais Específicas 2020-12-17T21:33:14+00:00 Tayomara Hanako de Almeida Higa Augusto tayomarahiga@yahoo.com.br Tiago Rodrigues de Lemos Augusto tiagofisioterapeuta@hotmail.com Valdir Aragão do Nascimento 33valdir@gmail.com Jocimara Paiva Grillo jocimara.grillo@ifms.edu.br <p>No Brasil, a preocupação com a instrução das pessoas com necessidades educacionais específicas data do Império. Atualmente é consenso que não basta estes estudantes estarem matriculados na escola, eles têm que receber um suporte pedagógico que os auxilie nas suas dificuldades específicas educacionais. Partindo dos embasamentos legais e de teóricos como Capellini (2004), Mantoan (2013) e Perrenoud (2005), visando a perspectiva da inclusão escolar quanto às ações inclusivas nos documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS), sobre estudantes com necessidades educacionais específicas, esta pesquisa teve como objetivo investigar a política aplicada pelo IFMS e as políticas públicas nacionais da educação especial e inclusiva. A coleta de dados foi realizada por meio dos documentos disponibilizados no site da instituição. A partir da análise dos dados estabelecemos um paralelo com as leis vigentes no Brasil para averiguar se as ações institucionais corroboram com nacionais. Longe de se esgotar o tema, este trabalho pretende dar suporte teórico para futuras pesquisas neste âmbito educacional.</p> Copyright (c) Tayomara Hanako de Almeida Higa Augusto, Tiago Rodrigues de Lemos Augusto, Valdir Aragão do Nascimento, Jocimara Paiva Grillo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1969 O antagonismo feminino em uma sociedade patriarcal a partir da série The Crown 2021-02-10T14:14:07+00:00 Wellington Adilson Domingos Júnior wellingtondomingosjr@gmail.com Érica Aparecida Coelho ericacoelho.ufv@gmail.com A partir da observação de alguns episódios da série The Crown exibida pela Netflix, pretende-se estabelecer algumas reflexões sobre as relações dos papéis de gênero e as relações de uma família que foi fomentada a partir do século XX, diante de uma chefia feminina, sendo esta representada por Elizabeth II. Dessa forma houve uma tentativa de desmembramento das diversas configurações que uma mesma mulher poderia assumir diante de uma situação atípica de poder, capaz de reverter certos quadros patriarcais e paralelamente mantê-los. Ao mesmo tempo em que a chefia familiar feminina no século XX desconstrói a concepção patriarcal, observa-se que Elizabeth em alguns momentos busca manter tais valores. Os motivos para tais tentativas são apontados a partir de “episódios chave”, considerados significativos, os quais denotam as concepções maternas, femininas, matrimoniais e de poder, de uma mulher que ainda tradicionalista mantém uma instituição milenar presente nos dias atuais. A família real inglesa assume facetas de conflitos que assemelham-se aos conflitos de outras famílias, o que transpõe certo humanismo a algo que hoje é visto como simbólico e midiático. Copyright (c) Wellington Adilson Domingos Júnior, Érica Aparecida Coelho https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1968 O manifesto antropófago. 2020-09-30T18:19:31+00:00 alexsandro rúdio broetto rudioadv@gmail.com <p>Inicialmente devemos observar que o texto de Oswald de Andrade trata de Antropofagia, que segundo o Dicionário Aurélio é um <em>adjetivo substantivo masculino</em> significando “que ou aquele que se alimenta de carne humana (diz-se esp. de ser humano)”. Assim, em uma breve análise, se qualifica como um ato ritual de comer uma ou várias partes de um ser humano inerente a povos que praticavam o canibalismo para vingar seus entes mortos.</p> Copyright (c) alexsandro rúdio broetto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1967 Experiências e memórias na fronteira relatadas no curso de extensão Español Básico para Niños: o antes e o durante a Pandemia de COVID-19 2021-01-06T18:24:09+00:00 Cristina Pureza Duarte Boéssio cristinapdb@hotmail.com Caroline Gonçalves Feijó-Quadrado carolinefeiijo@gmail.com <p>O objetivo deste texto é apresentar e discutir o desafio das memórias, proposto às crianças participantes do Curso de Extensão Español Básico para Niños, ofertado pela Universidade Federal do Pampa – campus Jaguarão. A intenção do desafio foi resgatar e valorizar experiências e memórias interculturais, da fronteira entre Jaguarão – Brasil e Rio Branco – Uruguay, que fazem parte da vida dos sujeitos envolvidos: as crianças, as alunas do curso, seus familiares e os proponentes do curso. Metodologicamente, os dados foram obtidos através de reunião síncrona, realizada através do Google Meet, e registros efetuados no Grupo de WhatsApp do Curso. A partir da análise realizada, os resultados indicam que, de modo geral, as experiências e memórias que mais emergiram dos participantes estão relacionadas à: a) relação entre os povos em uma zona de fronteira (fronteiriços? Ou brasileiros e uruguaios?); b) curiosidades sobre questões relativas à língua; e c) naturalidade de atravessar a ponte e estar em outro país, em contraste com a burocracia vista no tempo de pandemia.</p> Copyright (c) Cristina Pureza Duarte Boéssio, Caroline Gonçalves Feijó-Quadrado https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1965 Variantes de lo foráneo dentro y fuera del país: rasgos transnacionales en La zandunga (Fernando de Fuentes, 1938) 2021-02-26T19:51:13+00:00 Silvana Flores silvana.n.flores@hotmail.com <p>El objetivo de este artículo es estudiar algunos recursos estético-narrativos e industriales que alentaron en México un abordaje transnacional del cine en los años iniciales de su industrialización. Para ello, desglosaremos aspectos como la explicitación de espacios fronterizos en torno a la trama argumentativa de los films y la pregnancia de las estrellas cinematográficas en sus desplazamientos entre Estados Unidos y México. Tomaremos como referencia al film <em>La zandunga </em>(Fernando de Fuentes, 1938). Esta película, surgida en el contexto del furor de las comedias rancheras que posicionaron a México en el mercado hispano, se caracterizó por expresar la idea de lo foráneo en las diferencias identitarias que marcan las divisiones territoriales de una propia nación, situación del orden de lo narrativo que es enfrentada a su vez con la utilización de estrategias vinculadas con la rama industrial del cine, en torno a los cruces transnacionales que se han dado durante estos años entre Hollywood y los cines latinoamericanos. Con la influencia producida por la presencia de Lupe Vélez y Arturo de Córdova como protagonistas y figuras estelares representativas de la latinidad en la industria estadounidense, ya sea antes o después del lanzamiento de este film, reconocemos una tendencia en el cine mexicano del período a la búsqueda de una ampliación de su alcance en el mercado cinematográfico tanto nacional como internacional.</p> Copyright (c) Silvana Flores https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1964 Fronteiras Correspondidas: Moisés Bertoni e Suas Cartas 2021-01-06T18:21:59+00:00 Solange da Silva Portz solimagem22@gmail.com Valdir Gregory valdirmacgregory@gmail.com <p>O presente trabalho constitui-se em uma pesquisa em torno de cartas remetidas e recebidas por Moisés Santiago Bertoni. Tem como objetivo lançar olhares sobre o mundo da fronteira trinacional Brasil, Paraguai e Argentina, final do século XIX e início do XX. Estes documentos apresentam acontecimentos e vivências ausentes em outras fontes de consulta. Bertoni, ao longo de sua vida, elaborou uma prática de produção sobre si, que englobou um diversificado conjunto de ações, desde as ligadas à escrita de si, até aquelas chamadas memórias de si. Essa “escrita de si” está sendo entendida dentro de um contexto de relações com seus próprios documentos, pois deixaram aparente o envolvimento que ele mantinha com os registros que produziu e arquivou para a construção de memórias que o colocam em uma posição de centralidade na fronteira. Foram os indícios contidos nas cartas que possibilitaram o relevante estudo não só sobre o personagem Bertoni, mas também sobre suas vivências e o rico legado produzido por ele e suas relações fronteiriças.</p> Copyright (c) Solange da Silva Portz, Valdir Gregory https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1963 Pensamento Complexo na Sociedade de Risco e Povos Indígenas 2020-11-29T02:41:18+00:00 ANTONIO Guimaraes BRITO TOMBRITO@YAHOO.COM <p><strong>Resumo</strong>: Muitos autores considerados pós-modernos apresentam indagações a respeito das mudanças no plano mental e afetivo, como no mundo do trabalho, com a introdução no novo cenário mundial repleto de tecnologias e recursos virtuais, complexos, além do mundo linenar, binário, simples, mecanicista e cartesiano. Neste artigo se procura pensar a etnicidade. A cultura e a identidade dos povos indígenas na complexidade da pós-modernidade, numa perspectiva de ecologia política na interface com a antropologia.</p> Copyright (c) ANTONIO Guimaraes BRITO https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1962 Entre rosas e ervas: a enigmática figura de Aimé Bonpland (1773-1858) 2021-01-06T18:18:59+00:00 Alessandra da Silva ale_s@unochapeco.edu.br <p>Este estudo consiste em uma análise da biografia do médico botânico francês Aimé Bonpland (1773-1858), e sua viagem sem retorno a América do Sul. Metodologicamente o trabalho foi construído a partir da revisão bibliográfica sobre a temática dos viajantes naturalistas, relatos de viagens e imagens. A análise tem como objetivo compreender o contexto ambiental e político no final do século XVIII e na primeira metade do século XIX, bem como os conflitos envolvendo Aimé Bonpland na fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.<strong></strong></p> Copyright (c) Alessandra da Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1960 O MOVIMENTO SOCIOCULTURAL JUDAICO DE SANTA MARIA NO RIO GRANDE DO SUL 2020-11-29T02:25:07+00:00 Marcos Antunes Kopstein marcoskopstein@hotmail.com A cidade de Santa Maria historicamente foi marcada pela influência de uma comunidade judaica forte e rica culturalmente. Propõe-se neste trabalho, discorrer a respeito de situações que ensejaram o florescimento da comunidade no seio de Santa Maria, situada na região central do estado do Rio Grande do Sul. Num primeiro plano, enfoca-se na vinda de judeus para o assentamento agrícola chamado de Colônia Philippson, para depois relatar a migração para a zona urbana e o desenvolvimento do comércio judeu em Santa Maria. Ainda, explana-se o resultado paisagístico judeu na cidade, ao se analisar questões concernentes à Sinagoga Yitzhak Rabin. Objetiva-se ainda estipular que essa comunidade é representada pela Sociedade Beneficente Israelita de Santa Maria, caracterizando-se assim a comunidade judaica na região, não somente pelo viés religioso, mas também por se enquadrar como um movimento sociocultural. Copyright (c) Marcos Antunes Kopstein https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1959 Mulheres e negros na produção brasileira de audiovisual: anotações empíricas pela abordagem da sociologia do trabalho 2020-12-14T01:47:37+00:00 Bruno Casalotti brunocasalotti@yahoo.com.br <p>O presente texto vista realizar uma breve análise de pesquisas e dados referentes à distribuição de pessoas identificadas como mulheres e negros no âmbito da produção de cinema e televisão no Brasil. Igualmente, realizamos uma revisão bibliográfica sobre as políticas culturais voltadas ao audiovisual, tendo como recorte mecanismos de fomento associados à implementação de ações afirmativas no setor. Ao final do texto, analisamos de maneira crítica e detalhada os dados expostos e a bibliografia revisada, apontando lacunas investigativas e possibilidades de aprofundamento no campo empírico. A partir de uma abordagem sociológica, indicamos aspectos sociais e estruturais que acreditamos ser importantes para um aprofundamento empírico no recorte de pesquisa proposto.</p><p>Palavras-Chave: profissionais do audiovisual; desigualdades; raça; gênero; sociologia do trabalho.</p> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Bruno Casalotti https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1957 Precariedad, crisis y nuevas miradas sobre el Estado Condiciones de trabajo en el ámbito teatral platense antes y durante la pandemia 2021-01-06T17:20:52+00:00 Mariana del Mármol marianadelmarmol@gmail.com Juliana Díaz julianadiaz345@gmail.com <p dir="ltr"><span>En este artículo abordaremos el caso del teatro independiente de la ciudad de La Plata (Buenos Aires, Argentina) con el objetivo de describir y analizar cómo impactó la crisis producida a partir la pandemia del COVID 19 y la medida de Aislamiento Social Preventivo y Obligatorio decretada por el gobierno nacional, en los procesos de identificación de los/as teatristas como trabajadores/as, su organización colectiva para enfrentar la situación de emergencia y sus relaciones de articulación y demanda respecto de los organismos del Estado dedicados a la promoción y protección de la cultura. </span></p><p dir="ltr"><span>El trabajo surge como parte de dos investigaciones paralelas y en diálogo que abordan problemas en torno al trabajo artístico en La Plata dentro de los últimos cinco años. Los datos que analizamos en este caso provienen del trabajo de campo realizado antes del ASPO; de observaciones y análisis documental realizadas en este último período, utilizando los dispositivos tecnológicos que tenemos a nuestro alcance y de una encuesta no probabilística impulsada por una organización de Profesores/as de Artes Escénicas Autogestivas recientemente creada en la ciudad, cuyo diseño, procesamiento y análisis de datos estuvo a cargo de una de las autoras de este artículo. Todo esto lo hemos puesto en diálogo con bibliografía afín a la temática laboral en general y como del trabajo artístico en particular.</span></p> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Mariana del Mármol, Díaz Juliana https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1956 Processos de formação inicial e continuada nos saberes e práticas de professores de física 2020-10-23T21:18:08+00:00 Fernanda Gall Centa fernandagall@gmail.com Kelen Krüger kelenkruger8@gmail.com Liane Nair Much lianemuch@gmail.com Eduardo Adolfo Terrazzan eduterranec@ymail.com <p>O presente trabalho tem como objetivo estabelecer possíveis relações entre a Formação Inicial, as atividades de Formação Continuada e os saberes e práticas de professores de Física que atuam no Ensino Médio. Para atingir ao objetivo, foi realizada pesquisa empírica de natureza qualitativa. Para isso, utilizamos como fonte para a coleta de informação Sujeitos: 6 professores de Física que atuam no Ensino Médio, como instrumento para coleta de informações utilizamos questionário fechado. A partir das informações coletadas, organizamos a análise das respostas fornecidas pelos professores nas seguintes categorias: formação, atuação docente, desenvolvimento da aula e espaços de aprendizagem. As constatações mostram a formação inicial não contempla todos os saberes necessários para a atuação docente. Em relação às atividades de Formação Continuada promovidas pela escola, foi possível identificar que há satisfação de grande parte dos professores quanto à organização, contribuição e relevância dos assuntos tratados para a prática docente.</p> Copyright (c) Fernanda Gall Centa, Kelen Krüger, Liane Nair Much, Eduardo Adolfo Terrazzan https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1955 A influência das produções de Rosalía de Castro na Galícia além-mar 2020-09-23T19:04:48+00:00 Bárbara Patoléa Monteiro barbarapatolea@gmail.com Pedro Camargo Rodrigues Uzêda peuuzeda@gmail.com <p>O presente artigo visa compreender a influência histórica do processo migratório que assolou a Galícia entre o final do século XIX e início do século XX sob os olhares de Rosalía de Castro. Apesar da autora ser uma das figuras mais relevantes para a história das letras galegas e sua obra estar datada até finais do século XIX, as consequências de suas produções foram além, afetando o processo de construção da migração para os galegos no novo mundo, os quais consideram Rosalía um símbolo da narrativa das dores e consequências da fuga na região. Verificamos, também, como a autora dedica uma parte de Follas Novas às mulheres galegas, sujeitos líricos significantes em sua obra. A metodologia utilizada passou pela análise bibliográfica de diferentes autores – tanto literários como historiográficos – e também de diferentes temas, levando em consideração as distintas visões sobre o processo migratório galego e as construções das obras rosalianas.</p><p>Palavras-Chave: América Latina; Emigração; Galícia; Mulher; Rosalía de Castro.</p> Copyright (c) Bárbara Patoléa Monteiro, Pedro Camargo Rodrigues Uzêda https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1954 Arte y trabajo La dimensión política del trabajo escénico organizado en Cooperativas de Trabajo Artístico en Uruguay 2020-12-14T01:47:37+00:00 Itzel Ibargoyen itzel.ibargoyen@gmail.com <p>En el año 2008, se promulgó por el gobierno del Frente Amplio, la ley 18.384 de conformación de las Cooperativas de Trabajo Artístico en Uruguay lo que dio lugar a la creación de Valorarte, una cooperativa de trabajo que nuclea a artistas escénicos del teatro y la danza. Desde un abordaje cualitativo de carácter exploratorio, el objetivo de este trabajo es examinar las características de las reivindicaciones colectivas y defensas de intereses comunes en torno al trabajo en esta cooperativa. A partir de entrevistas, se analizan las problemáticas laborales artísticas en una dimensión contradictoria: como posibles conflictos anticapitalistas ligados a las luchas contra el trabajo características de las vanguardias artísticas del siglo XX que hoy se reactualizan en la posibilidad del trabajo autónomo como liberación del trabajo; o la equiparación de la producción cultural con cualquier tipo de producción, posible de ser regulada bajo el paradigma del trabajo asalariado clásico en el marco del modelo de producción postfordista actual. Se presenta una síntesis de las concepciones sobre el trabajo y la organización colectiva de los integrantes de la cooperativa discutiendo la ambigüedad entre liberación y regulación del trabajo artístico, y las consecuencias de la acción colectiva sostenidas sobre una u otra concepción.</p> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Itzel Ibargoyen https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1952 Narcissus Garden, corpo-imagem: território insólito entre o simbólico e o imaginário de Yayoi Kusama 2020-12-20T16:01:05+00:00 Adriana Camargo Pereira camargoadrianapereira@gmail.com <p class="yiv1982022735ecxmsonormal" align="center"><strong>Resumo</strong></p><p class="yiv1982022735ecxmsonormal"><strong> </strong></p><p class="yiv1982022735ecxmsonormal">O presente estudo apresenta a obra Narcissus Garden de Yayoi Kusama em dois momentos: na sua primeira edição, em 1966 e em um segundo momento, no ano de 2009 em que a mesma recebe um novo formato e caráter permanente no instituto de arte contemporânea, Inhotim. O texto sugere um diálogo sobre a obra diante dos binômios: espetacularização da imagem do corpo e os padrões dominantes de representação do corpo narcísico; a construção imagética do Eu e do Outro através da imagem especular. E termina com a problemática suscitada entre a presença tanto de um corpo imaginário<strong>,</strong> quanto simbólico como território insólito instaurado por meio das perturbações e obsessões do inconsciente da artista, convertido, em prática artística que determinam a marca intrínseca da sua escritura.</p><p class="yiv1982022735ecxmsonormal"> </p> Copyright (c) Adriana Camargo Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1951 Políticas culturales con perspectiva de género: avances y resistencias 2020-12-14T01:47:37+00:00 Luisina Castelli Rodríguez castelliluisina@gmail.com <p>En este artículo propongo analizar algunos dilemas que afrontan las políticas públicas para la cultura al incorporar de perspectiva de género. Para ello, recorro el proceso de inscripción de la categoría “género” en las políticas para la cultura a nivel local y focalizo en una política implementada en Montevideo (Uruguay) desde 2012 en adelante, que enlaza promoción y difusión de artes escénicas con acceso por parte de la ciudadanía. Mediante entrevistas y relevamiento de fuentes, abordo las posiciones y discusiones surgidas a partir de la propuesta de añadir, entre otros cambios, un objetivo referente a la dimensión de género, el resultado al que se llega luego de negociaciones y los incipientes efectos que produjo. El “caso” nos permitirá pensar por qué las prácticas artísticas abordadas mediante políticas culturales suponen un peculiar desafío para la transversalidad de género.</p> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Luisina Castelli Rodríguez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1950 Las políticas culturales desde la ciudadanía. Una exploración de experiencias de participación en las Usinas culturales de la ciudad de Montevideo 2020-12-14T01:47:37+00:00 Deborah Duarte Acquistapace debdua@gmail.com El objetivo de este artículo es describir y analizar experiencias de participación ciudadana en un programa de política cultural de Estado, las Usina culturales de la ciudad de Montevideo. Las Usinas culturales no proporcionan formación artística sino que se proponen como centros de producción cultural. En el caso de las Usinas de música, en las que nos centraremos en este artículo, se trata de poner a disposición un estudio de grabación, un técnico en edición y producción de sonido y una sala de instrumentos para que la ciudadanía que participe pueda grabar uno o algunos de sus temas musicales y llevarse un demo con el mismo. Esto implica que trataremos de personas con una historia vinculada a determinada práctica artística que por distintas razones recurren a la Usina. Nuestro objetivo será explorar cómo influye, si es que lo hace, su pasaje por la Usina en el desarrollo posterior de sus prácticas artísticas y de sus historias de vida. El trabajo de campo combinó entrevistas en profundidad y la revisión de registros audiovisuales. Del análisis surge una variedad de sentidos atribuidos a las experiencias en las Usinas. En algunos casos las Usinas sirvieron para complementar y enriquecer un trabajo artístico que ya se venía desarrollando, en otros, por el contrario, no resultaron la herramienta adecuada para visibilizar la manifestación artística en cuestión. Asimismo, el pasaje por las Usinas se relaciona con un proceso más amplio de autoanálisis y con la vivencia de un “reconocimiento situado”. En esta dirección los sentidos atribuidos a las Usinas adquieren significado en relación a las trayectorias sociales y a la historia de las experiencias singulares de las prácticas artísticas respectivas 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Deborah Duarte Acquistapace https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1949 PROCESSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA NOS SABERES E PRÁTICAS DE PROFESSORES DE FÍSICA 2020-09-08T20:50:56+00:00 Fernanda Gall Centa fernandagall@gmail.com <p align="center"><strong>RESUMO</strong>: O presente trabalho tem como objetivo estabelecer possíveis relações entre a Formação Inicial, as atividades de Formação Continuada e os saberes e práticas de professores de Física que atuam no Ensino Médio. Para atingir ao objetivo, foi realizada pesquisa empírica de natureza qualitativa. Para isso, utilizamos como fonte para a coleta de informação Sujeitos: 6 professores de Física que atuam no Ensino Médio, como instrumento para coleta de informações utilizamos questionário fechado. A partir das informações coletadas, organizamos a análise das respostas fornecidas pelos professores nas seguintes categorias: formação, atuação docente, desenvolvimento da aula e espaços de aprendizagem. As constatações mostram a formação inicial não contempla todos os saberes necessários para a atuação docente. Em relação às atividades de Formação Continuada promovidas pela escola, foi possível identificar que há satisfação de grande parte dos professores quanto à organização, contribuição e relevância dos assuntos tratados para a prática docente.</p><p><strong>Palavras-chave:</strong> Formação Docente, Saberes Docentes, Práticas Docentes.</p> Copyright (c) Fernanda Gall Centa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1948 Lesbianismos 2020 en el ámbito académico de las Letras: la tarea solitaria 2020-09-04T20:13:04+00:00 Valentina Jerez Santos valentinajerezsantos@hotmail.com <p class="Standard">Este artículo presenta la situación institucional en la posición, lectura y crítica de tres académicas lesbianas. Mediante el testimonio y el análisis sesgado se constata la ausencia de una perspectiva exclusivamente lesbiana en académicas, autoras y hermenéutica.</p> Copyright (c) Valentina Jerez Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1947 Lesbianismos, autoapresentação, exemplos literários de feminismo lésbico. 2020-09-04T20:13:52+00:00 Valentina Dayana Dos Santos valentinaa2santos@gmail.com <p class="PreformattedText">Este artigo apresenta a situação institucional na posição, leitura e crítica de três acadêmicas lésbicas. Por meio de depoimentos e análises enviesadas, verifica-se a ausência de uma perspectiva exclusivamente lésbica nos acadêmicos, autores e hermenêutica.</p> Copyright (c) Valentina Dayana Dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1946 Desbordes performáticos: del estallido de los museos a las zonas de dolor 2021-01-06T17:19:32+00:00 Yasmina Azziz Pérez azzizyb@gmail.com Kildina Veljacic anakildina@gmail.com <p lang="es-ES" align="JUSTIFY"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;">En este artículo buscamos comentar la trayectoria de lo performático y la performance en dos autoras latinoamericanas: Cristina Peri Rossi y Diamela Eltit, entendiendo a su literatura como una forma de revuelta frente a la situación política y social que abarca los años de publicación de estos textos (1969-1983). Analizaremos, por otra parte, acontecimientos que se presentan en sus ficciones narrativas para desbordarse en la presentación de la artista en la plaza pública como acción política.</span></span></p> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Yasmina Azziz Pérez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1944 Lesbianismos 2020 en el ámbito académico de las Letras: la tarea solitaria 2020-09-04T20:17:03+00:00 Claudia María Pérez oliviapz@gmail.com <p align="LEFT"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;">Este artículo presenta la situación institucional en la posición, lectura y crítica de tres académicas lesbianas. Mediante el testimonio y el análisis sesgado se constata la ausencia de una perspectiva exclusivamente lesbiana en académicas, autoras y hermenéutica.</span></span></p> Copyright (c) Claudia María Pérez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1943 Potencias del cuerpo vibrátil. Reseña de ROLNIK, Suely; Esferas de la insurrección. Apuntes para descolonizar el inconsciente; Buenos Aires, Tinta Limón, 2019. 2020-12-14T01:47:38+00:00 Karen Wild Díaz karswd@gmail.com <p class="western" style="margin-bottom: 0cm; line-height: 100%;" align="justify"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;">Se traza un recorrido por parte de la obra de Suely Rolnik desde el concepto-práctica de cuerpo vibrátil, en contrapunto entre las políticas de subjetivación dominantes y los agenciamientos micropolíticos contraculturales. La pregunta por las potencias del cuerpo vibrátil se vinculan al encuentro con la sensación corpórea en las afectaciones colectivas. Entre procesos existenciales y universitarios, se presenta una experiencia de recepción-resonancia de su obra en Uruguay en un espacio transdisciplinario de extensión universitaria dedicado a la danza contact improvisación. </span></span></p> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Karen Wild Díaz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1942 Desbordes performáticos: del estallido de los museos a las zonas de dolor 2020-09-05T00:51:07+00:00 Ana Kildina Veljacic anakildina@gmail.com Yasmina Belén Azziz azzizyb@gmail.com <p align="center">Desbordes performáticos: del estallido de los museos a las zonas de dolor</p><p align="center"> </p><p align="center">Resumen</p><p>En este artículo buscamos comentar la trayectoria de lo performático y la performance en dos autoras latinoamericanas: Cristina Peri Rossi y Diamela Eltit, entendiendo a su literatura como una forma de revuelta frente a la situación política y social que abarca los años de publicación de estos textos (1969-1983). Analizaremos, por otra parte, acontecimientos que se presentan en sus ficciones narrativas para desbordarse en la presentación de la artista en la plaza pública como acción política.</p><p> </p> Copyright (c) Ana Kildina Veljacic https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1941 Lesbianismos 2020 en el ámbito académico de las Letras: la tarea solitaria 2020-09-23T19:03:35+00:00 Claudia María Pérez oliviapz@gmail.com <p style="margin-bottom: 0cm; line-height: 150%;" align="left"><span style="font-family: Times New Roman,serif;"><span style="font-size: small;">Este artículo presenta la situación institucional en la posición, lectura y crítica de tres académicas lesbianas. Mediante el testimonio y el análisis sesgado se constata la ausencia de una perspectiva exclusivamente lesbiana en académicas, autoras y hermenéutica.</span></span></p> Copyright (c) Claudia María Pérez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1940 Lesbianismos 2020 en el ámbito académico de las Letras: la tarea solitaria 2020-08-31T22:44:51+00:00 Claudia María Pérez oliviapz@gmail.com <p style="margin-bottom: 0cm; line-height: 150%;" align="left"><span style="font-family: Times New Roman,serif;"><span style="font-size: small;">Este artículo presenta la situación institucional en la posición, lectura y crítica de tres académicas lesbianas. Mediante el testimonio y el análisis sesgado se constata la ausencia de una perspectiva exclusivamente lesbiana en académicas, autoras y hermenéutica.</span></span></p> Copyright (c) Claudia María Pérez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1937 Aproximación teórica sobre la agrobiodiversidad cultural del semiárido larense, desde la perspectiva docente 2021-02-26T20:12:22+00:00 Leonel José Sorondo Sánchez leonelsorondo@gmail.com Carelia Rayen Hidalgo López careliahidalgo@gmail.com <p>Las universidades juegan un rol fundamental en el desarrollo local donde se desenvuelven y sus contribuciones dependen de las percepciones de los docentes sobre la realidad. Se realizó una aproximación teórica sobre la agrobiodiversidad cultural del semiárido larense, vista desde docentes de la Universidad Centroccidental Lisandro Alvarado (UCLA). El estudio fue de tipo cualitativo, descriptivo-interpretativo, sustentado en cinco entrevistas a profundidad. Se generó una aproximación teórica sobre un proceso de erosión cultural en la agrobiodiversidad como resultado de la transculturización alimentaria globalizada, dependiente de rubros exógenos que generan conflictos ambientales. Los resultados develaron las potencialidades de la agrobiodiversidad del semiárido; así como una cultura alimentaria y agrícola que desconoce los recursos locales autóctonos; lo cual requiere fomentar una nueva cultura para el rescate de valores territoriales.</p> Copyright (c) Leonel José Sorondo Sánchez, Carelia Rayen Hidalgo López https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1936 O Contexto Cultural Familiar do Aluno Autista e sua Relação com a Escola. 2021-02-26T20:05:34+00:00 CLEONILDE SILVA FREDIANI cleofrediani@gmail.com <p>Este trabalho é um recorte da dissertação de mestrado, sendo que o titulo é o contexto cultural familiar do aluno autista e sua relação com a escola. O Espectro Autista é uma patologia que afeta o neurodesenvolvimento, cujos sintomas se manifestam nos primeiros três anos de vida, apresentando déficit social, comunicacional e comportamental, desta forma apresentar-se-á a seguinte questão: como se dá a composição das múltiplas dimensões do contexto cultural familiar do aluno com Transtorno do Espectro Autista e a construção do olhar da família sobre o autista e sobre os diferentes aspectos de seu desenvolvimento social e cognitivo? Esse tema possui extrema importância, pois auxilia a família e escola a desenvolver o ensino da matemática e ciências. Nesta pesquisa adotar-se-á metodologia qualitativa e far-se-á um estudo na perspectiva etnográfica, sendo este um estudo que descreve a cultura dos povos<strong>,</strong> sua língua, raça, religião, hábitos. O presente trabalho visa introduzir conceitos fundamentais da abordagem de Urie Bronfenbrenner na teoria do desenvolvimento humano a Bioecológica, proposições desta teoria PPCT (Pessoa-Processo-Contexto-Tempo) e, no embasamento de Ubiratan D’ Ambrósio com a abordagem da Etnomatemática, sobre o autismo nos fundamentamos dos seguintes autores: Gaiato, Salvador, Teixeira, Grandin, Cunha, Freire e Brites. Espera-se que este estudo contribua como fonte de informações aos profissionais da educação, pais e a todos os que convivem com os autistas para que possam refletir e fortalecer sua prática na busca de uma relação mais próxima entre a família e a escola visando potencializar o desenvolvimento do aluno. A partir desses resultados é possível concluir que ainda se faz necessário aprofundar o assunto e que algumas atitudes e acontecimentos manifestam exclusão em relação aos autistas nas escolas e na família.</p><p><strong> </strong></p> Copyright (c) CLEONILDE SILVA FREDIANI https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1935 Trabajo artístico, precarización laboral y maternidad en bailarinas de tango y bailarinas contemporáneas en la ciudad de Buenos Aires 2020-12-14T01:47:37+00:00 Juliana Verdenelli juliverdenelli@gmail.com <p><span lang="ES-TRAD">Este artículo parte del cruce entre estudios sobre el trabajo artístico y la economía feminista con el objetivo de problematizar el entramado que condiciona las carreras profesionales de las bailarinas madres. La estrategia metodológica se basa en un trabajo de campo etnográfico realizado entre 2014 y 2020 y en la experiencia de la investigadora como participante de los circuitos de danza contemporánea y de tango danza en la ciudad de Buenos Aires. Luego de reponer brevemente la complejidad de la crisis provocada por la pandemia de Covid-19 en la escena cultural, se indaga el proceso de (auto)reconocimiento de bailarines y bailarinas como trabajadores de la danza. A continuación, se reseñan algunas propuestas que analizan las características del trabajo artístico que lo vuelven flexible y precario. A partir de este recorrido, se formulan las particularidades que asume la conciliación entre el trabajo artístico y la vida familiar para las bailarinas que son madres. Se concluye que la invisibilización de la maternidad da cuenta de un criterio central de reproducción de desigualdades entre varones y mujeres en la danza local y se recuperan las incipientes estrategias de colectivización, reconocimiento y visibilización de las artistas madres. </span></p> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Juliana Verdenelli https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1734 ESTUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS NA REDE DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE DOM PEDRITO-RS 2020-08-24T18:34:19+00:00 Viviani Epifanio Machado Ferreira viepifanio@gmail.com Crisna Daniela Krause Bierhalz crisnakrause@gmail.com <p>O conhecimento acerca do uso das plantas medicinais e a História da humanidade estão imbricados, pois em muitos momentos o homem as utilizou para garantir tanto a sua sobrevivência como de seus descendentes. Este tema perpassa pesquisas e propostas pedagógicas no âmbito educacional e na área de Ciências da Natureza, pois entre suas contribuições está a aproximação entre a cultura popular e o conhecimento científico. Esta aproximação é defendida por Chassot (2006) por se tratar de função pedagógica/política da escola, comprometida com a defesa dos saberes da comunidade. Na perspectiva da alfabetização científica, concebida como conjunto de conhecimentos que possibilitam a leitura do mundo e ampliam o direito a escolha (CHASSOT, 2006), se investigou o uso das plantas medicinais no município de Dom Pedrito-RS, através de uma amostragem de cinco escolas públicas, 98 alunos e 15 professores de Ciências da Natureza. Com abordagem mista e caráter procedimental <em>Survey</em>: amostragem consolidada pela aplicação de questionário, pela compreensão do problema a nível micro, pela generalização e pela proposição de estratégias pedagógicas significativas. Apresenta-se a categoria utilização das plantas medicinais, analisada de acordo com Bardin (2008). Todos os 15 professores conhecem e utilizam 26 diferentes plantas medicinais no seu dia a dia; Sete professores utilizam a temática em sala de aula. A análise sobre a importância da temática na escola remete a informação associada ao consumo e a cultura popular. Já do total de 98 estudantes, 81 conhecem as plantas medicinais e 66 utilizam no cotidiano. As mulheres são as principais responsáveis pela utilização: mães (52) e avós (28). 76 estudantes manifestaram o desejo em saber mais sobre o assunto. A Macela caracteriza-se como a mais utilizada tanto entre os estudantes (51), como entre os professores (10). Também são utilizadas pelos dois grupos a carqueja, a camomila e o boldo. Percebeu-se que apesar da cultura do uso das plantas medicinais estar amplamente arraigado a cultura popular, bem como esta temática estar inserida na escola, ainda existe espaço para resgatar os conhecimentos populares, de forma que estes venham a ser empregados pelas gerações mais jovens de maneira consciente e responsável.</p> Copyright (c) Viviani Epifanio Machado Ferreira, Crisna Daniela Krause Bierhalz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1934 Viggiani: empresariado artístico (o mecenato e outras variações) 2020-12-17T17:05:12+00:00 Nadia Saito-Fairbrother nsatie@alumni.usp.br Mayra Macedo Schatzer mayra.macedo@consolacao.sescsp.org.br <div class="OutlineElement Ltr SCXW91162702 BCX2" style="direction: ltr;"><p class="Paragraph SCXW91162702 BCX2" style="font-weight: normal; font-style: normal; vertical-align: baseline; background-color: transparent; color: windowtext; text-align: justify; margin-left: 0px; margin-right: 0px; padding-left: 0px; padding-right: 0px; text-indent: 0px;"><span class="TextRun SCXW91162702 BCX2" style="font-size: 10pt; font-family: Times New Roman, Times New Roman_EmbeddedFont, Times New Roman_MSFontService, serif; line-height: 18.4px;" lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;">Esse trabalho é parte de uma investigação maior que trata da formação políticas públicas voltadas para o teatro nos anos 1930. </span><span class="NormalTextRun SpellingErrorV2 SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;">Niccolino</span><span class="NormalTextRun SpellingErrorV2 SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;">Viggiani</span><span class="NormalTextRun SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;"> é parte contundente do processo de desenvolvimento da indústria teatral. Os espetáculos estrangeiros apresentados por ele compunham uma tendência artística e cultural que prescreveu a dinâmica do mercado teatral paulistano. Embora </span><span class="NormalTextRun ContextualSpellingAndGrammarErrorV2 SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;">as proporções da cidade de São Paulo fosse</span><span class="NormalTextRun SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;"> incomparável aos dias atuais, seu crescimento era extático. Correspondente era a efervescente disputa pelo mercado do espetáculo; ainda parco a todos os públicos, </span><span class="NormalTextRun ContextualSpellingAndGrammarErrorV2 SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;">e</span><span class="NormalTextRun SCXW91162702 BCX2" style="background-color: inherit;"> no entanto, muito popular. A dependência econômica gerada, desde os tempos da colônia, emoldurou o consumo cultural da população que se formava com a leva de imigrantes, as bordas da escravidão e as diferentes texturas identitárias que o Estado formatava.</span></span><span class="EOP SCXW91162702 BCX2" style="font-size: 10pt; line-height: 18.4px; font-family: Times New Roman, Times New Roman_EmbeddedFont, Times New Roman_MSFontService, serif;" data-ccp-props="{&quot;201341983&quot;:0,&quot;335551550&quot;:6,&quot;335551620&quot;:6,&quot;335559739&quot;:200,&quot;335559740&quot;:276}"> <br /></span></p></div> Copyright (c) Nadia Saito-Fairbrother, Mayra Macedo Schatzer https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1932 Las conmemoraciones en la prensa escrita. Un análisis de las notas de Clarín y Página/12 sobre Cromañón (Argentina) 2021-01-21T17:54:21+00:00 Laura Codaro lauritacodaro@hotmail.com <p>El presente trabajo busca indagar algunos aspectos de las conmemoraciones de Cromañón, el incendio ocurrido en la Ciudad Autónoma de Buenos Aires (Argentina) el 30 de diciembre de 2004 que dejó 194 fallecidos y miles de sobrevivientes, en la prensa escrita local. Se intenta mostrar puntualmente cómo los diarios dan cuenta de los actos pero también producen insumos para recordar. Para ello se conforma un corpus de artículos periodísticos publicados en <em>Clarín</em> y <em>Página/12,</em> dos importantes diarios nacionales, los días 30 y 31 de diciembre desde 2005 hasta 2014, fechas en las que se recordaron distintos aniversarios del incendio hasta llegar al décimo inclusive, después la atención a estos eventos fue disminuyendo. Para observar y analizar estos textos se propone, en un primer momento, realizar un acercamiento teórico a las conmemoraciones. En un segundo momento, se estudian las representaciones de los actos conmemorativos en cada uno de los periódicos y posteriormente se observan las herramientas que ellos producen para la construcción de memoria, en pos de recordar Cromañón. De este modo, se pretende realizar distintas aproximaciones que sirvan para mirar otros acontecimientos trágicos contemporáneos.</p> Copyright (c) Laura Codaro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1931 Os dreadlocks na mira da modernidade: discriminação e resistência. Olhar crítico a partir das teorias pós-coloniais e decoloniais 2021-01-06T17:35:32+00:00 Emmanuel Samuel samemmanuel86@yahoo.fr Este artigo propõe uma análise do preconceito aos dreadlocks no Haiti. Procuramos entender essa manifestação através das teorias pós-coloniais e decoloniais como arcabouços teóricos. Como métodos teóricos, permitem entender a forma em que a modernidade se operacionaliza exercendo um controle sobre os cortes de cabelo e esse controle se faz por meio da discriminação. A discriminação, neste caso, é uma forma de mostrar a hierarquização de qual tipo de padrão de cabelo em relação a outro é aceito. Pois, ao ter os dreadlocks revela a resistência a um confinamento da ideia de beleza, a negação e a desterritorialização dos padrões de beleza oficial-tradicional eurocêntrica. Tal padrão universal de beleza sugere, portanto, como o cabelo tem que ser. Neste cenário, é preciso analisar a operacionalização da modernidade que reivindica ser universalista. 2021-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Emmanuel Samuel https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1930 Pós-modernidade ou o quê? Reflexões acerca do aqui-agora 2021-01-07T15:45:43+00:00 Fabio Jarbeson da Silva Trajano lightuniverse@hotmail.com <p>Desde sua fase incipiente até o presente momento a pós-modernidade já passou por consideráveis transformações, que, inevitavelmente, também afetaram a natureza do diálogo travado por ela tanto com o passado como com o futuro. Nenhuma surpresa, portanto, que para alguns já se deva falar de uma era da hipermodernidade. O objetivo deste ensaio é precisamente analisar algumas dessas principais mudanças em diversos aspectos sociais, bem como de que forma e até que ponto elas afetam e podem ser observadas no aqui-agora. Para tal fim, se levará em conta alguns posicionamentos teóricos sobre o tema, como os de Gilles Lipovetsky e Zygmunt Bauman. Do mesmo modo, verificar-se-á alguns exemplos de como essa realidade, por vezes material, por vezes virtual, tem marcado presença na literatura. Após refletir sobre as questões propostas neste artigo, o leitor não apenas será capaz de apreender alguns dos mecanismos negativos desta nova fase da época pós-moderna, mas também, espera-se, de contribuir individual e coletivamente para superá-los.</p> 2021-01-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Fabio Jarbeson da Silva Trajano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1929 A Trilogia das Máscaras e os bens culturais: um estudo de caso sobre a expansão da economia criativa no Brasil e suas implicações patrimoniais e econômicas 2021-01-12T14:02:10+00:00 Albano Francisco Schmidt albano_s@terra.com.br Bárbara Cristina Berger barbara.berger@hotmail.com <p>O presente artigo debate a posição dos jogos analógicos e dos bens culturais dentro da economia criativa, analisado sob a ótica da análise econômica do direito, buscando o diálogo interdisciplinar entre os campos do patrimônio cultural, dos jogos e do Direito, em um fenômeno processual-cultural, econômico-identitário-histórico. Para isso iniciou-se uma análise do que é o Patrimônio Cultural, o que é cultura e como o bem cultural se difere de outros bens patrimoniais. Como estudo de caso para arrimar o aporte teórico, se utilizou os jogos de tabuleiro que compõe a chamada Trilogia das Máscaras: um grupo de jogos baseados na simplificação das culturas maia (Tikal), inca (Cuzco) e asteca (Méxica), disponível em diversos países e línguas, inclusive no Brasil, em português. A intenção foi de aflorar as discussões sobre os bens culturais protegidos no país e no mundo e na forma que estes têm sido utilizados em apropriações privadas, para fins essencialmente econômicos.</p> Copyright (c) Albano Francisco Schmidt https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1928 Complexos de Estudo e a auto-organização dos estudantes na Escola Paulo Freire: uma experiência em construção 2020-09-30T15:00:11+00:00 Fabiana Fátima Cherobin fcherobin@gmail.com Edilaine Aparecida Vieira edilavieira@yahoo.com.br <p>O artigo apresenta uma reflexão sobre a experiência que vem sendo desenvolvida na Escola de Ensino Médio Paulo Freire, localizada no município de Abelardo Luz, Santa Catarina. Tem como objetivo analisar a proposta pedagógica da escola e a participação dos estudantes por meio da auto-organização, nas discussões e definições organizativas e pedagógicas na escola. A partir do estudo, análise e experiências que vem sendo realizada no MST sobre os complexos de estudo, a escola vem buscando desde 2014 realizar o trabalho educativo tendo como base a Pedagogia Socialista Russa. Nesta proposta, os estudantes possuem papel fundamental, nas discussões e definições realizadas na escola, através de um processo denominado auto-organização dos estudantes, que tem se constituído como elemento central para a organização da escola e vem contribuído com a formação e emancipação dos estudantes. Tendo como referência pesquisas que abordam esta temática, evidenciou-se uma experiência que revela avanços contudo revela desafios que limitam o desenvolvimento de uma formação integral, especialmente aqueles relacionados a forma escolar. Aspecto que tem sido discutido entre os sujeitos da escola (professores, estudantes e gestão). Assim este trabalho apresenta alguns limites, contradições e avanços, desta experiência. Utilizamos como procedimento metodológico a pesquisa bibliográfica, a análise de documentos da escola e do Estado, além de dados obtidos na pesquisa de campo realizada pelas autoras.</p> Copyright (c) Fabiana Fátima Cherobin, Edilaine Aparecida Vieira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1927 Inmigraciones europeas en Latinoamérica: inmigrantes polacos en la región de Curitiba, PR (Brasil) 2021-01-09T01:47:29+00:00 Marcos Roberto Pisarski Junior marcos.pisarski@gmail.com <p>Esta investigación tiene como objetivo presentar y discutir la inmigración polaca desde finales del siglo XIX y principios del XX hasta el contexto latinoamericano de Brasil, especialmente centrado en la región de la ciudad de Curitiba/PR. A través de una densa revisión bibliográfica, esta investigación presenta datos históricos y sociales que presentan las razones, etapas e impactos de la inmigración de este grupo étnico a Brasil. En un segundo paso, hay una presentación de hechos que demuestran la importancia de esta inmigración en la región, que se discuten y exponen más adelante como conclusión de la investigación.</p> 2021-01-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 MARCOS ROBERTO PISARSKI JUNIOR https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1926 Instrumento de Avaliação do conhecimento cognitivo sobre os Jogos e Brincadeiras Populares 2020-11-30T22:12:37+00:00 Elane Silva Santos santoselane13@gmail.com Jeania Lima Oliveira jeania.lima@uece.br Antônio Ricardo Catunda Oliveira ricardo.catunda@uece.br José Airton Freitas Pontes Junior jose.airton@uece.br <p align="center"><strong>Resumo</strong></p><p>A avaliação educacional pode ser planejada dentro dos objetivos educacionais estabelecidos previamente pelo professor. A ação avaliativa combina técnicas, procedimentos e instrumentos fidedignos para a captação de informações acerca do desenvolvimento da aprendizagem discente. O objetivo desta pesquisa foi validar itens para avaliação cognitiva dos conteúdos dos jogos e brincadeiras populares para o 9º ano do Ensino Fundamental. O estudo caracterizou-se como descritivo de abordagem quali-quantitativa. Utilizou-se do Índice de Validade de Conteúdo (IVC) para mensurar o nível de concordância do grupo de juízes em relação a aspectos definidos do instrumento e de seus itens. O instrumento proposto para validação inicialmente possuía 13 itens e após a avaliação do grupo de sete juízes foram excluídas 3 questões. O instrumento de 10 itens relacionados aos conteúdos dos jogos e brincadeiras populares possui evidência de validade de conteúdo.</p><p align="center"><strong><br /></strong></p> Copyright (c) Elane Silva Santos, Jeania Lima Oliveira, Antônio Ricardo Catunda Oliveira, José Airton Freitas Pontes Junior https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1924 Territórios Sujeitos: Uma Abordagem Desviante 2020-07-23T15:05:45+00:00 Camila Padilha Costa cpadilhacosta@gmail.com <p>As ideias aqui apresentadas buscam trazer noções outras de compreensão a respeito das discussões territoriais em relação à população Mbyá-Guarani do sul do Brasil e Argentina. Para traçar este caminho, apoio-me aos conceitos de Deleuze e Guattari sobre desterritorialização, bem como articulo a noção de multiterritorialidade à discussão.</p><p>A convergência destes conceitos criou uma nova categorização para o tratamento aqui utilizado das discussões territoriais, o <em>território-sujeito</em>. Nesse sentido também, abrindo a possibilidade de se pensar a territorialidade Mbyá-Guarani como processos de destruição e construção de formas de estar e relacionar-se no (seu) mundo.</p> Copyright (c) Camila Padilha Costa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1922 Considerações Sobre o Conceito de Ambiente e os Desafios Tecnológicos para Reflexões em Educação Ambiental 2021-01-07T15:14:32+00:00 Samuel Lopes Pinheiro samuelshankara@gmail.com <p>O trabalho a seguir trata de uma reflexão a partir do encontro de horizontes, o da Educação Ambiental e o de se pensar os desafios das sociedades tecnológicas. Para isso, parte da pergunta sobre <em>quais os diferentes entendimentos de ambiente</em>, para o tratamento do conceito de “ambiente” em Sociologia Ambiental e se aventura na aproximação com a literatura de Henry Thoreau como forma de contextualizar o surgimento dos significados que ambiente pôde representar ao longo do século XX e após o seu consequente encontro com o ambiente tecnológico do início do século XXI. A partir disso, discute-se sobre discursos tecnológicos, como a questão de uma possível convergência entre tecnologia e ecologia e os seus desafios culturais e educativos. Embora valha-se da literatura e ilustrações do século XIX para refletir sobre o ambiente, não deixa de dissociar-se do tempo presente ao pontuar aspectos de crises civilizatórias da atualidade, ao destacar as injustiças ambientais que muitas vezes são exacerbadas com a aceleração tecnológica. Os aspectos interdisciplinar e a inspiração da metodologia transdisciplinar, de buscar ir além das próprias disciplinas são fundamentais na constituição desse diálogo de saberes que não pretende se esgotar aqui, mas apenas ser um ponto de partida para outras reflexões.</p> 2021-01-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Samuel Lopes Lopes Pinheiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1921 A carnavalização e a presença da imagem indígena: apenas um adereço, exibicionismo ou admiração? 2020-08-18T16:11:48+00:00 Angelita Queiroz angelitaqueiroz@gmail.com <p><strong>RESUMO</strong></p><p>Este artigo é um rebento da disciplina Culturas Populares: Tradição e Contemporaneidade, do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Culturas Populares da Universidade Federal de Sergipe (PPGCULT/UFS), ministrada no primeiro semestre de 2019 pelas Professoras Dras. Ana Maria de São José e Maicyra Teles Leão e Silva e também é inspirado em textos da disciplina Tópicos Especiais em Arte e Cultura I, ministrada pelo Professor e Orientador Dr. Fernando José Ferreira Aguiar. Considerando todos esses ensinamentos e aprendizagens, retrata a proposta de um diálogo sobre a composição da representatividade “figurativa” do indígena pelos não-indígenas no uso de adereços, trajes e pinturas em festas populares. Apresenta também os conceitos da carnavalização, espetacularização e canibalização que servem de tripé às reflexões gerais.</p><p>Palavras-chave: Carnavalização; cultura popular; indígena.</p> Copyright (c) Angelita Queiroz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1920 O Caso da Usina de Belo Monte: Aculturação das Populações Indígenas no Processo de Globalização 2020-09-23T19:06:01+00:00 Yunus Berndt yunus.berndt@gmx.net <span id="docs-internal-guid-019848b6-7fff-8d91-5e00-4282905b1b21" style="font-size: 10pt; font-family: 'Times New Roman'; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">A construção da usina hidroelétrica de Belo Monte (Pará), foi um dos mais controversos projetos infraestruturais da contemporaneidade brasileira, confrontando as demandas nacionais para eletricidade às preocupações de índios, ribeirinhos e ecologistas. Este estudo analisa por meio do modelo da aculturação de John Berry a transformação das culturas indígenas na área da Volta Grande. Se constata como as populações Koatinemo e os índios urbanizados se assimilam, o que comporta o perigo da perda do seu patrimônio cultural. Para enfrentar isso, esses grupos poderiam reforçar um movimento identitário. A rota dos Araweté do Igarapé/Ipixuna, Koatinemo, Arara, Xipaya, Kuruaya e Kararaô visando à integração fomenta os melhores resultados para as comunidades. Entretanto, tem riscos que os conflitos entre a população da Trincheira Bacajá e os Kayapó, de um lado, e a Norte Energia S.A. e o Governo Brasileiro, de outro lado, podem se agravar. Em consequência a cultura interferente deve promover, através da legislação, do aconselhamento e da educação, que os executivos, os trabalhadores e os simpatizantes dos índios adotam uma postura integrativa. Para segurar a validade da teoria apresentada uma pesquisa no campo ajudaria a diferenciar a </span><span style="font-size: 10pt; font-family: 'Times New Roman'; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: italic; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">dentro</span><span style="font-size: 10pt; font-family: 'Times New Roman'; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;"> das populações. Além disso, uma apuração dos pertencimentos populacionais dos trabalhadores da usina poderia evidenciar se tem comunidades com melhores habilidades integrativas. Enfim, o debate político sobre a usina de Belo Monte mostrou a importância de conduzir um estudo cultural precocemente para mitigar os riscos de conflitos culturais surgindo na implementação de projetos infraestruturais embutidos no processo da globalização.</span> Copyright (c) Yunus Berndt https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1919 A Trilogia das Máscaras e os bens culturais: um estudo de caso sobre a expansão da economia criativa no Brasil e suas implicações patrimoniais e econômicas 2020-08-20T16:37:08+00:00 Albano Francisco Schmidt albano_s@terra.com.br Bárbara Cristina Berger barbara.berger@hotmail.com <p>O presente artigo debate a posição dos jogos analógicos e dos bens culturais dentro da economia criativa, analisado sob a ótica da análise econômica do direito, buscando o diálogo interdisciplinar entre os campos do patrimônio cultural, dos jogos e do Direito, em um fenômeno processual-cultural, econômico-identitário-histórico. Para isso iniciou-se uma análise do que é o Patrimônio Cultural, o que é cultura e como o bem cultural se difere de outros bens patrimoniais. Como estudo de caso para arrimar o aporte teórico, se utilizou os jogos de tabuleiro que compõe a chamada Trilogia das Máscaras: um grupo de jogos baseados na simplificação das culturas maia (Tikal), inca (Cuzco) e asteca (Méxica), disponível em diversos países e línguas, inclusive no Brasil, em português. A intenção foi de aflorar as discussões sobre os bens culturais protegidos no país e no mundo e na forma que estes têm sido utilizados em apropriações privadas, para fins essencialmente econômicos.</p> Copyright (c) Albano Francisco Schmidt, Bárbara Cristina Berger https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1918 TEORIAS DA APRENDIZAGEM UM ESTUDO PARA DESENVOLVER A PRÁTICA PEDAGÓGICA 2020-08-27T13:36:50+00:00 CLEONILDE SILVA FREDIANI cleofrediani@gmail.com <p class="Normal1">O presente trabalho destaca alguns teóricos com conhecimentos epistemológicos, o objetivo deste artigo e o de discutir as versões das Teorias da Psicologia de Aprendizagem, como uma tentativa humana de sistematizar uma área do conhecimento para resolver problemas de aprendizagem. Uma teoria de aprendizagem é uma construção humana para interpretar sistematicamente como funciona uma área do conhecimento. Sendo assim este trabalho utilizou uma metodologia qualitativa e descritiva, com uma pesquisa bibliográfica pesquisando vários artigos científicos, livros dos autores, para analises das teorias estudadas no decorrer da faculdade de Pedagogia. Durante os estudos realizados podemos notar o quanto é importante estudarmos as Teorias de Aprendizagem, assim como a psicologia da aprendizagem, pois, as mesmas fundamentam nosso trabalho e nossas ações no dito “dia -a- dia”. Esperamos com este trabalho levar os professores a fazer uma leitura e pensar na sua pratica em sala de aula.<strong></strong></p><p class="Normal1"> </p> Copyright (c) CLEONILDE SILVA FREDIANI https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1917 Perspectivismo ameríndio como modelo de desenvolvimento e sustentabilidade: giro descolonizador sobre a natureza 2020-07-11T17:48:42+00:00 Diógenes Alencar Bolwerk diogenes.bolwerk74@gmail.com Marina Haizenreder Ertzogue marina@uft.edu.br <p>O presente artigo versa sobre o perspectivismo ameríndio como modelo de desenvolvimento e sustentabilidade, opondo ao modelo capitalista ocidental entranhado nas estruturas socioprodutivas. A natureza é apresentada dentro do espectro descolonizador que promove a reconexão do humano como estrutura integrada aos processos naturais. Diante disso, pretende-se apresentar o contraponto entre o domínio cosmológico ocidental, que estabelece o padrão colonial-moderno-capitalista de poder sobre a natureza, e o perspectivismo ameríndio, que pretende refundar o humano à natureza. A compreensão do domínio epistemológico ocidental permite comparar e, assim, deslocar os conceitos de precificação e objetificação da natureza, e transvalorar a outra escala de desenvolvimento e sustentabilidade para uma ecologia pachamama. Entretanto, é preciso decantar o conceito de natureza e pensá-la para além da monetarização inerente aos pressupostos ocidentais. Desta forma, a mudança proposta é a sustentabilidade viabilizada pela ecologia da natureza ou pachamama que requer especular sobre uma realidade alternativa que vislumbre outras subjetividades humanas, dentro de uma cosmologia que acarrete formas diferenciadas de alteridade com toda a vida planetária e, assim, interconectar seres que são constituídos filosoficamente com concepções mais alargadas de humanidade. Esse perspectivismo ameríndio desenvolve um conjunto de prática, crença e raciocínio acerca da possibilidade da existência do multinaturalismo. Numa análise sinótica, as subjetividades comportam conjunto de pensamentos e conceitos alinhavados dentro do sistema complexo de valores e ações que caminham para o alinhamento de discussões de uma ecologia filosófica. Em outras palavras, que eleve o debate sobre a natureza a primeiro plano filosófico-ecológico, e fomente a existência de uma sociedade intercultural que traz para o contexto a reciprocidade de agenciamento do social-cultural-natural, bem como a multiplicidade de agentes dentro da experiência coletiva a que somos arrastados. No campo metodológico, o trabalho realiza revisão bibliográfica e apresenta de forma interdisciplinar os textos de teóricos decoloniais, na maioria, latino-americanos, de grande visibilidade acadêmica. Destarte, o artigo delibera que o modelo de desenvolvimento e sustentabilidade perpassa pela mudança de modelo societário fundado no multicultutralismo ocidental para adoção da interculturalidade como exigência da capacidade de criar novas formas de compreensão, colaboração, reciprocidade e solidariedade, através de novo paradigma societário.</p> Copyright (c) Diógenes Alencar Bolwerk, Marina Haizenreder Ertzogue https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1916 Um estudo comparado da composição da Câmara Federal dos Deputados do Brasil (2014 e 2018) e da Argentina (2015 e 2019): a representatividade político partidária feminina 2020-09-30T15:17:04+00:00 Liliane Lencina dos Santos lilianesantos.aluno@unipampa.edu.br <p>Este trabalho concentra-se em estudar a representação política das mulheres do Brasil (pleitos de 2014 e 2018) e da Argentina (pleitos de 2015 e 2019) nas Câmaras Federias de Deputados. O estudo usa o método comparado para análise dos dados, pois, tratando-se de países com sistema de governo muito parecido, ambos são federados e democrático. O sistema eleitoral brasileiro é único, já na Argentina as províncias possuem mais autonomia. Enquanto que no Brasil há somente uma legislação para todo o país na Argentina os entes federados possuem autonomia para elaborar cada um a sua, sempre de acordo com a legislação federal. O Brasil determina um mínimo de 30% de candidatos de cada gênero, a legislação argentina determina a paridade de gêneros nas candidaturas. O objetivo deste artigo é analisar o poder institucional no aumento ou na diminuição da representação feminina nas casas pesquisadas?</p> Copyright (c) Liliane Lencina dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1915 Distinções e Ausências: Representações sociais mútuas entre alunos brasileiros e portugueses 2020-11-16T14:06:42+00:00 Aline Bazzarella Merçon alinebmercon@hotmail.com <p>Tendo em conta que a diversidade trazida pelos imigrantes é um fator de desenvolvimento cultural, econômico e social e que reforça a importância da harmonia e do entendimento entre os povos, é pertinente perceber como se desenvolve a relação dos universitários brasileiros e portugueses em Portugal. O interesse deste estudo surgiu devido à observação de práticas discursivas e obstáculos aparentemente trazidos por memórias coletivas do colonialismo identificadas na experiência desses imigrantes no país. Este artigo, de caráter interdisciplinar e ancorado na área dos Estudos Culturais, teve como objetivo principal analisar as representações sociais mútuas de estudantes brasileiros e portugueses das Universidades de Aveiro, Coimbra e Minho. Para além de fundamentos teóricos com base em uma revisão sistemática da literatura, o estudo empírico, de natureza predominantemente qualitativa, desenvolveu-se a partir da aplicação do grupo focal, submetido à Análise de Conteúdo. Esta metodologia possibilitou uma reflexão crítica e discussão sobre a questão das identidades, diversidades e inter-relações culturais na era da globalização, ao mesmo tempo que também foram analisadas as potencialidades e dificuldades de natureza sociocultural que permeiam essas inter-relações no contexto lusófono.</p> Copyright (c) Aline Bazzarella Merçon https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1914 Docência e Educação de Jovens e Adultos: Um Olhar sob as Lentes de Pesquisadores da UERGS 2020-12-18T01:44:52+00:00 Sita Mara Lopes Sant' Anna sitamarals@yahoo.com.br Catiana Dias Gafforelli catianagafforelli@gmail.com Odilon Antônio Stramare straodin@yahoo.com.br Camila dos Santos Padilha camilasspadilha@gmail.com <p>Este artigo objetiva apresentar excertos de levantamentos, estudos e pesquisas desenvolvidas através do Grupo de Pesquisa do CNPq, intitulado: Educação de Jovens e Adultos: docência, formação de professores e processos pedagógicos da EJA, que visa mapear a constituição da docência em EJA no Rio Grande do Sul - Brasil. Para tanto, o artigo apresenta um estudo teórico sobre a docência na EJA; levantamento sobre a docência em produções stricto-sensu nas Instituições de Ensino Superior (IES) públicas do Estado; resultado parcial de pesquisa sobre abordagens de EJA no projetos de cursos de licenciaturas da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul e a constituição da oferta de EJA/Educação Básica, núcleos e grupos de pesquisa, em 2018. O que nos mobiliza a produção desse levantamento é o questionamento de como a docência na EJA vem sendo abrangida, conceitualmente, nas pesquisas de mestrado, na formação inicial e em abordagens de oferta na Educação Básica. Do ponto de vista metodológico, parte-se de orientações da pesquisa qualitativa em educação para a execução dos levantamentos. Como resultados, pode-se afirmar que a docência se mostra multirreferenciada, por diferentes nuances e a EJA passa a ser compreendida como campo árido de estudos. Importante salientar, também, que estes estudos apresentados em Jaguarão, já surtem efeitos, tanto no que tange à ampliação de núcleos e grupos de pesquisa nas IES públicas, quanto no que se refere a movimentos de revisão dos currículos das licenciaturas. Este, talvez, seja o mais significativo entre os efeitos observados.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Sita Mara Lopes Sant' Anna, Catiana Dias Gafforelli, Odilon Antônio Stramare, Camila dos Santos Padilha https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1913 Docência e Educação de Jovens e Adultos: Um Olhar sob as Lentes de Pesquisadores da UERGS 2020-06-30T18:46:44+00:00 Sita Mara Lopes Sant' Anna sitamarals@yahoo.com.br <p class="Padro" align="center"> </p><p align="center"><strong>Resumo</strong></p><p align="center"><strong> </strong></p><p>Este artigo objetiva apresentar excertos de levantamentos, estudos e pesquisas desenvolvidas através do Grupo de Pesquisa do CNPq, intitulado: Educação de Jovens e Adultos: docência, formação de professores e processos pedagógicos da EJA, que visa mapear a constituição da docência em EJA no Rio Grande do Sul - Brasil. Para tanto, o artigo apresenta um estudo teórico sobre a docência na EJA; levantamento sobre a docência em produções stricto-sensu nas Instituições de Ensino Superior (IES) públicas do Estado; resultado parcial de pesquisa sobre abordagens de EJA no projetos de cursos de licenciaturas da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul e a constituição da oferta de EJA/Educação Básica, núcleos e grupos de pesquisa, em 2018. O que nos mobiliza a produção desse levantamento é o questionamento de como a docência na EJA vem sendo abrangida, conceitualmente, nas pesquisas de mestrado, na formação inicial e em abordagens de oferta na Educação Básica. Do ponto de vista metodológico, parte-se de orientações da pesquisa qualitativa em educação para a execução dos levantamentos. Como resultados, pode-se afirmar que a docência se mostra multirreferenciada, por diferentes nuances e a EJA passa a ser compreendida como campo árido de estudos. Importante salientar, também, que estes estudos apresentados em Jaguarão, já surtem efeitos, tanto no que tange à ampliação de núcleos e grupos de pesquisa nas IES públicas, quanto no que se refere a movimentos de revisão dos currículos das licenciaturas. Este, talvez, seja o mais significativo entre os efeitos observados.</p><p> </p><p> </p> Copyright (c) Sita Mara Lopes Sant' Anna https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1912 Música, Mujeres y Disidencias Limitaciones estructurales y principales obstáculos en la búsqueda de la música como profesión en Uruguay 2020-12-14T01:47:37+00:00 Paula Simonetti simonetti.pau@gmail.com Sol Scavino sol.scavino@cienciassociales.edu.uy <h1>En este artículo analizamos las limitaciones estructurales y los principales obstáculos que se presentan para mujeres y disidencias en el desarrollo de la profesión musical en Uruguay. Los datos en que nos basamos se apoyan en una caracterización cuantitativa de la situación de mujeres y varones en el mercado laboral uruguayo, extraídos de Censos de Población (1985 y 1996) y Encuestas Continuas de Hogares (2015-2018), en diálogo con datos emergidos del Primer Encuentro de Mujeres y Disidencias de la Música Uruguay (MasMúsicas, 2019). El trabajo busca inscribir el análisis del caso en una reflexión mayor sobre, por un lado, las características específicas del mercado del trabajo artístico, sus condicionamientos estructurales y simbólicos, y por otro lado, la especificidad que la perspectiva de género puede aportar al análisis del trabajo en cultura.</h1> 2020-12-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Paula Simonetti, Sol Scavino https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1911 A QUÍMICA DO ACAÇÁ 2020-12-14T01:47:38+00:00 Fabia Elaine Ferreira de Melo fabiaelainemelo@gmail.com <p>O presente trabalho aborda um relato de experiência desenvolvido em sala de aula estabelecendo um diálogo com as relações étnico raciais interpelados na etnoquímica sob uma perspectiva histórico cultural no ensino de Química / Ciências, baseada na teoria da Sequência Didática Interativa (SDI), visando estudar teoricamente os processos de ensino envolvendo conceitos científicos da composição química presentes no Acaçá uma comida de orixá usada no ritual do Candomblé uma religião de Matriz Africana, permitindo a construção de novos valores.</p> 2020-10-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Fabia Elaine Ferreira de Melo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1910 O (a) psicólogo (a) no Centro de Referência de Assistência Social: Contribuições da Psicologia Social Comunitária 2020-08-18T16:12:49+00:00 Manuella Gonçalves Vieira manuellagvieira@gmail.com Tainá Valente Amaro tainaamaro88@gmail.com Marcel Jardim Amaral amaral.marcel@yahoo.com <p>A Psicologia Social Comunitária (PSC) é uma teoria voltada para a práxis da psicologia em diversos campos, tais como educação, saúde e assistência social. Neste estudo, realizamos uma pesquisa bibliográfica qualitativa, com o objetivo de analisar as aproximações da PSC com a atuação do (a) psicólogo (a) no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Os resultados encontrados versam sobre a trajetória epistemológica e as práticas em psicologia no contexto social comunitário. Apresentam ênfase na perspectiva histórico-cultural no cenário latino-americano voltado para intervenções psicossociais emancipatórias que estimulem a subjetivação e participação social. Sendo assim, questiona-se a possibilidade de compromisso social da Psicologia e seu papel sobre as transformações sociais. Com isto, verifica-se que as aproximações podem ocorrer por diversos meios, pois o diálogo entre a PSC e as políticas de assistência social estimulam esta relação. Contudo, existe a necessidade de identificar diretamente como os (as) psicólogos (as) têm utilizado desta teoria em sua <em>práxis</em> no CRAS.</p> Copyright (c) Manuella Gonçalves Vieira, Tainá Valente Amaro, Marcel Jardim Amaral https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1909 INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: ANÁLISE E REFLEXÃO DAS DIFERENTES REALIDADES DO PROFESSOR 2020-12-18T01:44:52+00:00 Carla Silva Tormam carlatormam@gmail.com Vanderleia Lucia Dick Conrad conradvanderleia@gmail.com <p>Este artigo tem como objetivo realizar reflexões acerca dos desafios da<br />profissão docente na sociedade contemporânea, com o intuito de evidenciar a<br />necessidade e a importância da formação continuada e da valorização do<br />professor. Para isso, analisar-se-á duas instituições públicas, porém, com<br />realidades e contextos completamente distintos e, a partir delas, comparar os<br />impactos nos processos de ensino e de aprendizagem. Os resultados obtidos<br />foram significativos e esclarecedores, capazes de apontar aspectos<br />imprescindíveis para o êxito da profissão docente, de forma a delinear<br />caminhos possíveis para uma educação de qualidade.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Carla Silva Tormam, Vanderleia Lucia Dick Conrad https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1908 A IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR PESQUISADOR 2020-12-18T01:44:52+00:00 Carla Silva Tormam carlatormam@gmail.com <p>Este artigo tem como objetivo realizar reflexões acerca da importância do<br />papel do professor pesquisador, com o intuito de evidenciar o engajamento do<br />professor enquanto agente pesquisador, tornando-se fundamental para que<br />este desempenhe papel crucial na transformação da realidade local.<br />Explorando o conhecimento de cada profissional, de suas compreensões e<br />anseios relacionados à sua prática. Diante do exposto procuro ressaltar a<br />relevância desta discussão, para que este torne-se conduta frequente entre os<br />profissionais da educação.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Carla Silva Tormam https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1906 Os anos 70: a batalha cultural entre o conservador Dirty Harry e contracultural Shaft 2020-12-14T13:17:57+00:00 Michelle Caetano michellecaetanomhc@gmail.com <p>Esse artigo tem como objetivo problematizar o uso da narrativa violenta e o domínio sexual como sistema estrategista no cinema norte-americano. Aspectos utilizados pelo cinema <em>mainstream</em> e o cinema negro <a title="" href="file:///D:/Documents/michelle/lilica%202/Neg%C3%B3cios/CONTRA%20CULTURA/livros%20cinema%20negro/meus%20artigos/artigo%20para%20submiss%C3%A3o%20RELACult.doc#_ftn1">[1]</a> como táticas de defesa das suas respectivas posições ideológicas. Os aspectos da violência e do sexo aqui tratados têm como fio condutor as linhas de pensamento dos filósofos Michel Foucault e Hannah Arendt, esse aparato teórico embasará a reflexão das obras cinematográficas em questão. Foram eleitos para essa reflexão os filmes <em>Dirty Harry</em> (Don Siegel, 1971) e <em>Shaft</em> (Gordon Parks, 1971). Cada qual representante de seus respectivos cinemas. Ambos são fruto do ambiente da contracultura, mas se situam e reagem a ela de modo distinto. Enquanto o primeiro encarna a cultura do conservadorismo tecnocrata e combate as transformações sociais que a contracultura fomentou, o segundo reage ao <em>establishment</em>, recorrendo aos ganhos de liberdade artística que a contracultura trouxe, empreendendo denúncias contra o racismo institucional. Os dois longas serão vistos como parte de um campo simbólico de batalha cultural.</p><div><br clear="all" /><hr align="left" size="1" width="33%" /><div><p><a title="" href="file:///D:/Documents/michelle/lilica%202/Neg%C3%B3cios/CONTRA%20CULTURA/livros%20cinema%20negro/meus%20artigos/artigo%20para%20submiss%C3%A3o%20RELACult.doc#_ftnref1">[1]</a> O cinema negro circunscrito nesse artigo é o Ciclo <em>Blaxploitation</em>, movimento cinematográfico que produziu filmes sobre e para a audiência negra norte-americana, ao longo da década de setenta.</p></div></div> Copyright (c) Michelle Caetano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1905 Percursos Formativos no Campo da Extensão: obra cinematográfica como dispositivo para o diálogo 2020-12-28T19:37:54+00:00 Everton Ferrer de Oliveira evertonoliveira@unipampa.edu.br Jarbas Parise Moscato parisemoscato@gmail.com Helena Beatriz da Costa de Oliveira hhoxum@gmail.com Paula Bianchi paulabianchi@unipampa.edu.br <p>Este trabalho faz a análise de uma atividade cinematográfica realizada no projeto de extensão Percursos Formativos no Campo da Extensão, proposto pelo Curso de Pedagogia, realizado no ano de 2017 na Universidade Federal do Pampa, Campus Jaguarão-RS-Brasil. A proposta da atividade foi feita pelo Programa de Educação Tutorial (PET) do Curso de Bacharelado em Produção e Política Cultural direcionado para os participantes de todos os cursos do Campus Jaguarão da UNIPAMPA e comunidade em geral. Os objetivos do projeto eram ampliar o contato e a prática da extensão universitária e com isso a inserção regional, para tanto foram convidados extensionistas de diferentes áreas. Neste trabalho analisamos a atividade por meio de trinta formulários de avaliação da atividade desenvolvida no projeto de extensão, pano de fundo e cenário dedicados à vivência dos participantes do projeto. Como discussões ressaltamos a proposta e a forma pedagógica instigante trazidas na atividade cinematográfica. Proporcionou-se olhar, escuta e interação no diálogo sobre o processo vivido pelos participantes de diferentes cursos. Como considerações finais destacamos que a atividade orientada pela arte do cinema possibilita abertura às inovações, tentativas de ampliação do leque para reflexões e observações da realidade e com isso problematizar tanto o dialogo proporcionado pela atividade cinematográfica. Que motivou o debate entre os participantes envolvidos no referido projeto quanto a reflexão acadêmica pautada no cinema.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Everton Ferrer de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1904 As poses, a composição e os acessórios na construção da masculinidade em anúncios publicitários: uma anatomia de poder 2021-01-07T15:19:32+00:00 Leonardo Antonio Soares leons@rocketmail.com <p class="western">Várias instituições, incluindo a família, igreja e escola, têm tentando transmitir noções sobre o que é ser “adequadamente" masculino e feminino. Por outro lado, a mídia, através de diversos veículos que incluem revistas, internet, televisão, jornais impressos ou digitais, também contribui para essa inculcação de "gênero", pois através dela a publicidade oferece suas próprias lições, apresentando sugestões sobre como alcançar a masculinidade ou feminilidade ideal. Neste sentido, faz-se crucial que os produtores empreguem diversas estratégias e códigos direcionados ao leitor para assegurar que os objetivos retóricos de persuasão sejam alcançados. O objetivo principal deste artigo é analisar as representações masculinas em épocas e contextos socioculturais diferentes na busca de identificar, através dos micro e macro aspectos, como certos códigos são capazes de transmitir as ideologias de uma época e contexto sociocultural específico. A relevância desse tipo de análise em anúncios publicitários pertencentes a períodos anteriores ao contexto atual está no fato de que tais investigações servem para demonstrar como a masculinidade é concebida em diferentes períodos e contextos socioculturais, levando a uma compreensão maior acerca de seu atual estágio. Para isso, foram selecionados três anúncios publicitários datados de 1969, 1979 e 1997. Para as análises dos anúncios, recorro a autores como Fairclough (1995), que analisa as tendências do discurso midiático, Eckert e McConnell-Ginet (2003) que consideram o discurso como uma atividade social significativa capaz de englobar aspectos verbais e não-verbais, focalizando o discurso dos gêneros sexuais, à multimodalide de Kress e van Leeuwen (2006), que focaliza nos elementos multimodais das imagens e a Callen (1998) que utiliza-se três eixos norteadores (poses e proporções, composição e mídia, e acessórios) para decodificar a linguagem visual. A análise dos anúncios demonstrou que, embora exista um intervalo de tempo transcorrido entre eles, há características em comum no sentido de preservar, fortalecer e enaltecer aspectos da masculinidade tradicional e hegemônica através de micro e macroelementos.</p> 2021-01-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Leonardo Antonio Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1903 As poses, a composição e os acessórios na construção da masculinidade em anúncios publicitários: uma anatomia de poder 2020-06-08T15:23:09+00:00 Leonardo Antonio Soares leons@rocketmail.com <p class="western">Várias instituições, incluindo a família, igreja e escola, têm tentando transmitir noções sobre o que é ser “adequadamente" masculino e feminino. Por outro lado, a mídia também contribui para essa inculcação de "gênero". Na mídia, a publicidade oferece suas próprias lições, apresentando sugestões sobre como alcançar a masculinidade ou feminilidade ideal. Neste sentido, faz-se crucial que os produtores empreguem diversas estratégias e códigos direcionados ao leitor para assegurar que os objetivos retóricos de persuasão sejam alcançados. O objetivo principal deste artigo é analisar as representações masculinas em épocas e contextos socioculturais diferentes na busca de identificar, através dos micro e macro aspectos, como certos códigos são capazes de transmitir as ideologias de uma época e contexto sociocultural específico. Para isso, foram selecionados três anúncios publicitários datados de 1970, 1979 e 1998. Para as análises dos anúncios, recorro a autores como Fairclough (1995), que analisa as tendências do discurso midiático, Eckert e McConnell-Ginet (2003) que consideram o discurso como uma atividade social significativa capaz de englobar aspectos verbais e não-verbais, focalizando o discurso dos gêneros sexuais, à multimodalide de Kress e van Leeuwen (2006), que focaliza nos elementos multimodais das imagens e a Callen (1998) que utiliza-se três eixos norteadores (poses e proporções, composição e mídia, e acessórios) para decodificar a linguagem visual. A análise dos anúncios demonstrou que, embora exista um intervalo de tempo transcorrido entre eles, há características em comum no sentido de preservar, fortalecer e enaltecer aspectos da masculinidade tradicional e hegemônica através de micro e macroelementos. </p> Copyright (c) Leonardo Antonio Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1902 Manda quem pode, obedece quem tem juízo 2020-12-18T01:44:52+00:00 Ivana Gonçalves Rebhahn ivanagon@gmail.com <p align="center"> </p><p>Este artigo representa um recorte na temática de pesquisa da mestranda do PPGEdu, Mestrado Profissional em Educação da Universidade Federal do Pampa, Campus Jaguarão, que tem por objetivo promover a revitalização do Conselho Escolar da Escola Municipal de Ensino Fundamental Presidente João Goulart – Arroio Grande, RS, a partir do incentivo às práticas democráticas nos processos de participação<strong>.</strong> Como discussão as relações de poder na escola, a gestão democrática na escola pública e as formas de participação coletiva, mais especificamente o conselho escolar. Os sujeitos da pesquisa são os professores da escola e os membros do conselho escolar. O estudo utiliza a metodologia da pesquisa-ação intervencionista. Para coletar dados em relação à atuação do conselho escolar e à visão dos conselheiros e dos professores sobre o assunto foi aplicado um questionário com perguntas abertas. Também foi realizada a análise documental do Projeto Político Pedagógico da escola (PPP), do Regimento Escolar, das atas e do Estatuto do Conselho Escolar. O referencial teórico vai revisitando documentos oficiais a nível nacional, municipal e também da escola em estudo. Observa-se a necessidade de realizar formações que considerem o fortalecimento da gestão democrática, com apoio e incentivo aos espaços de participação coletiva.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ivana Gonçalves Rebhahn https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1900 Estimulação Essencial/ Intervenção Comunicativa e Atendimento Individualizado para Pessoas Surdas com Múltiplas Deficiências e Surdocegueira: Relato de Experiências em uma escola para Surdos 2020-12-18T01:44:52+00:00 Marta Cleonice Martins Medeiros martacleonice@gmail.com Alexsandra dos Santos Rosa alexiasr@gmail.com <p>O presente artigo parte de uma oficina apresentada na VI Semana Acadêmica do Curso de Pedagogia “Juntos Por Uma Universidade Pública, Inclusiva e de Qualidade”, da Universidade Federal do Pampa, Campus Jaguarão/RS, 2019, e tem como objetivo fazer um breve relato sobre a criação da Escola de Educação Especial Dr. Reinaldo Fernando Cóser (escola para surdos), em Santa Maria/RS. Trata como surgiu a necessidade de se criar na escola as classes de Estimulação Essencial/ Intervenção Comunicativa e o Atendimento Individualizado para Pessoas Surdas com Múltiplas Deficiências, visando atender a demanda de alunos surdos que apresentavam outras deficiências associadas. Ao final, faz um relato da prática docente desenvolvida com uma aluna surdocega.</p><p><strong>Palavras-chaves</strong>: Escola para Surdos. Relato de Prática. Surdocegueira.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Marta Cleonice Martins Medeiros, Alexsandra dos Santos Rosa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1899 Apresentação 2020-10-25T19:59:04+00:00 Fabíola Cristina Alves biula_alves@yahoo.com.br Texto de apresentação do Dossiê <em>Ser vidente e ser visível: mulheres-autoras, arte e cultura na América Latina</em> 2020-06-08T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Fabíola Cristina Alves https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1898 Desafios e aprendizagens na “Gestão, Ensino, Pesquisa e Extensão da EaD” 2020-12-18T01:44:51+00:00 Elena Maria Mallmann elena.ufsm@gmail.com <p class="western" style="margin-bottom: 0cm; line-height: 100%;" align="justify"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;">O propósito é sistematizar reflexões em torno dos princípios políticos e operacionais da educação mediada por tecnologias educacionais em rede. Inicialmente, destaca-se as diretrizes das políticas públicas educacionais vigentes. Problematiza-se avanços e desafios da mediação pedagógica na educação a distância no contraponto com a dimensão democrática da educação aberta, com ênfase para os Recursos Educacionais Abertos (REA). Apresenta-se exemplares de programas de formação de professores em formatos emergentes como os </span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;"><em>Small Open Online Courses (SOOC)</em></span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;">. Nesse contexto, argumenta-se que aprimorar e consolidar Fluência Tecnológico-Pedagógica (FTP) é essencial para ampliar condições de acesso, permanência e conclusão dos estudos com sucesso.</span></span></p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Elena Maria Mallmann https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1897 “A África está aqui!”: Desconstrução de concepções etnocêntricas na História afrobrasileira 2020-12-18T01:44:51+00:00 Kênya Jessyca Martins de Paiva kenya.paiva@hotmail.com Mariana Soares da Silva marianinhasoares15@hotmail.com <p>O trabalho parte das atividades realizadas na disciplina de Estágio III, do curso de História, da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). O estágio ocorreu no Clube Social 24 de Agosto, localizado em Jaguarão, em 2013, e teve como objetivo construir instrumentos metodológicos para o desempenho de uma ação docente que percebesse o ensino de História presente em diferentes espaços. A proposta prática foi surgindo a partir da pesquisa do acervo da instituição, em que foram analisadas fontes escritas, bibliográficas e atas, bem como por meio do diálogo com os membros do clube. Visando demonstrar e mediar o conhecimento sobre a cultura afrodescendente, confeccionamos uma exposição na Escola Estadual de Ensino Fundamental Pio XII, intitulada “A África está aqui! Um pouco das histórias do Clube 24”. Posteriormente, realizamos uma oficina de máscaras africanas, com o intuito de aproximarmos os alunos de uma prática usual dessa cultura. A intenção das ações foi fazer com todos tivessem maior contato com a cultura afro, desenvolvendo uma percepção crítica para desconstruir concepções etnocêntricas legitimadas por um ensino de História tradicional. Conseguimos alcançar alguns dos objetivos, como a problematização das crianças em relação ao tema, visto que a todo o momento surgiram várias perguntas, por exemplo, sobre o que era um quilombo e o que era um continente, além delas relacionarem a capoeira com as suas vidas. Nesse sentido, verificamos a relevância desse trabalho para auxiliar na construção de cidadãos pensantes e preocupados com questões sociais e étnico-raciais.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Kênya Jessyca Martins de Paiva, Mariana Soares da Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1895 GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL: ESTUDO DE CASO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E ALTAS HABILIDADES DE PELOTAS/RS 2020-12-18T01:44:51+00:00 Marco Aurelio Teixeira Silva marcos_jag2009@hotmail.com <p>No Brasil, cerca de 45 milhões de pessoas possuem alguma deficiência, desse número, 26,5% são mulheres e 21,2% são homens (IBGE, 2010). Na cidade de Pelotas/RS para combater essas adversidades e ajudar a população deficiente foi criado em 1992 o Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência e Altas Habilidades, o primeiro do estado do Rio Grande do Sul e segundo do Brasil. Dado o breve exposto, a presente pesquisa objetiva analisar como ocorre a atuação do Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência e Alta Habilidade de Pelotas, visando à garantia dos direitos das pessoas com deficiência, bem como seu bem estar e qualidade de vida no município. Para tal, nosso estudo se concentra em um caráter qualitativo, no qual realizaremos uma investigação por meio entrevistas semiestruturadas à presidência do Conselho analisado. Assim, tendo como público-alvo as pessoas com deficiências da cidade de Pelotas, acreditamos que o conselho lhes garante/assegura seus direitos, proporcionando acesso à sociedade, por meio da garantia da inclusão social, familiar, acesso ao transporte, educação, saúde, prioridade em atendimento, segurança, acessibilidade, programas assistenciais, vagas no mercado de trabalho e etc. Por fim, ao longo da pesquisa, discorreremos sobre os problemas enfrentados pelo Conselho e sobre as mudanças na sociedade pelotense, visando direitos, cidadania e inclusão social da pessoa com deficiência.</p><p> </p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Marco Aurelio Teixeira Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1894 Distinções e Ausências: Representações sociais mútuas entre alunos brasileiros e portugueses 2020-06-15T18:27:14+00:00 Aline Bazzarella Merçon alinebmercon@hotmail.com Tendo em conta que a diversidade trazida pelos imigrantes é um fator de desenvolvimento cultural, econômico e social e que reforça a importância da harmonia e do entendimento entre os povos, é pertinente perceber como se desenvolve a relação dos universitários brasileiros e portugueses em Portugal. O interesse deste estudo surgiu devido à observação de práticas discursivas e obstáculos aparentemente trazidos por memórias coletivas do colonialismo identificadas na experiência desses imigrantes no país. Este artigo, de caráter interdisciplinar e ancorado na área dos Estudos Culturais, teve como objetivo principal analisar as representações sociais mútuas de estudantes brasileiros e portugueses das Universidades de Aveiro, Coimbra e Minho. Para além de fundamentos teóricos com base em uma revisão sistemática da literatura, o estudo empírico, de natureza predominantemente qualitativa, desenvolveu-se a partir da aplicação do grupo focal, submetido à Análise de Conteúdo. Esta metodologia possibilitou uma reflexão crítica e discussão sobre a questão das identidades, diversidades e inter-relações culturais na era da globalização, ao mesmo tempo que também foram analisadas as potencialidades e dificuldades de natureza sociocultural que permeiam essas inter-relações no contexto lusófono. Copyright (c) Aline Bazzarella Merçon https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1891 O Espaço Pré-Universitário Popular Povo Novo: a problematização da Prática Educativa priorizando a Emancipação Humana 2020-12-18T01:44:51+00:00 Adriana Silveira Coronel adrianacoronel_@hotmail.com Alexandre da Silva Borges alexandreborgesh@gmail.com Vilmar Alves Pereira vilmar1972@gmail.com <p>O presente artigo problematiza o espaço pré-universitário a partir de conceitos da Educação Popular, tendo como pano de fundo a comunidade de Povo Novo/RS. O projeto em questão está vinculado ao Programa de Auxílio ao Ingresso nos Ensinos Técnico e Superior (PAIETS-FURG), e teve seu começo a partir da inquietação de membros comunitários já ingressantes no mundo acadêmico. Na perspectiva da Educação Popular, preconizada por Paulo Freire (2011, 2015), endossada por Gadotti (2012), Brandão (1985, 2006), Arroyo (2012) entre outros, fica respaldada uma ação educativa integral capaz de contribuir para uma formação humana, crítica, reflexiva e emancipatória. O primeiro curso pré-universitário na localidade do 3º Distrito do Rio Grande/RS (Povo Novo) pode ser visto como um campo fértil para a análise da prática educativa, onde a esperança e emancipação dos sujeitos são os princípios fundamentais, para além da transmissão tradicional dos conteúdos disciplinares.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Adriana Silveira Coronel, Alexandre da Silva Borges, Vilmar Alves Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1890 Análise do Potencial Turístico do Município de Porto da Folha no Interior do Estado de Sergipe 2020-12-21T01:47:52+00:00 Keliene Lima Silva kelienelima2017@gmail.com Acácia Alves Almeida akaciaalmeida@gmail.com <p>A atividade turística é indutora de grandes desenvolvimentos nas localidades, e quando existem infraestrutura, equipamentos e potencialidades turísticas, elas se destacam, promovendo sua consolidação no mercado. Nesse contexto, o presente estudo tem como objetivo principal analisar a potencialidade turística do município de Porto da Folha/SE, e como objetivos específicos, executar um levantamento dos principais atrativos presentes na região, caracterizá-los e realizar um breve resgate histórico dos mesmos e do município. Para tanto, foram feitas as pesquisas bibliográfica e documental, no intento de reunir o máximo de informações disponíveis. Como resultados, foi possível constatar que a localidade possui potencial turístico, evidenciada principalmente por seus atrativos culturais, porém, existem entraves dificultando o seu desenvolvimento, como por exemplo, a carência de um inventário e diagnóstico turístico, como também do marketing turístico. Portanto, para que o município possa evoluir turisticamente, é importante que haja um maior planejamento no setor.</p> Copyright (c) Keliene Lima Silva, Acácia Alves Almeida https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1886 Apresentação 2020-10-25T19:57:02+00:00 Benedito Rodrigo dos Santos benedito.santos.br@gmail.com Gloria Maria Santiago Pereira gloriappereira5@gmail.com <div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj">Apresentação de dossiê. </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-06-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Benedito Rodrigo dos Santos, Gloria Maria Santiago Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1885 Educação física escolar e mídia: relato de experiência 2020-12-18T01:44:50+00:00 Cleiton de Morais Cardozo cleitonmorais_ag@hotmail.com Paula Bianchi paulinhabianchi@gmail.com <p class="xmsonormal">Este resumo se trata de um relato de experiência que teve como objetivo problematizar as representações midiáticas sobre saúde e esporte com estudantes do 7º ano do ensino fundamental da Escola Municipal de Ensino Fundamental Visconde de Mauá/Arroio Grande. A proposta de mediação da cultura midiática baseou-se nos seguintes autores: Jesús Martín-Barbero (1997), Pier Cesar Rivoltella (2012), Maria Luiza Belloni (2005) e Monica Fantin (2006). Ao total, foram realizados sete encontros com os estudantes onde foram discutidos os temas saúde e esportes a partir da sua midiatização, tendo como resultado a produção de um jornal escolar. A partir do processo de construção do jornal, é possível perceber o envolvimento dos estudantes nas atividades propostas na condição de autores e, principalmente que eles demonstraram atitudes mais críticas de apropriação dos conteúdos apresentados na mídia relacionados aos temas saúde e esporte.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Cleiton de Morais Cardozo, Paula Bianchi https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1882 Abará, Caruru e Vatapá: a influência da culinária africana na formação da identidade brasileira 2021-01-07T16:27:13+00:00 Hudinilson Kendy de Lima Yamaguchi hkendy@ifam.edu.br Tatiana do Santos Sales tatiana.s.salles@hotmail.com <p>O Brasil sofreu grandes influências culturais dos povos africanos a exemplo da culinária, das crenças e dos costumes. Assim, ao considerar a relevância da culinária de raiz africana, como uma influenciadora da formação cultural brasileira, o objetivo desta foi de rever as principais influências epistemológicas da culinária africana na formação da identidade do Brasil. Esta pesquisa é baseada na metodologia indutiva, qualitativa, analítica e descritiva, a partir da revisão bibliográfica extraída de literatura especializada em consulta a artigos científicos selecionados nas bases de dados, Google Acadêmico. Foram utilizados como descritores os seguintes termos: Culinária, Africana, Influência, Cultura e Miscigenação. Foram selecionados e escolhidos vinte e sete artigos para elaboração de estudo, os quais não foram delimitados recortes temporais, todos na Língua Portuguesa. Ao refletir sobre as manifestações culturais presentes no arcabouço culinário dos povos africanos, fica evidente a influência da culinária africana nas relações e aspectos econômicos, educacionais e sociais. E assim concluímos que os africanos tiveram papel importantíssimo no processo de construção da identidade brasileira, e a influência da culinária africana está presente no cotidiano brasileiro.</p> 2021-01-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Hudinilson Kendy de Lima Yamaguchi, Tatiana do Santos Sales https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1879 Mulheres, trabalho não pago e sofrimento social no filme A Vida Invisível (2019) 2020-12-14T01:47:38+00:00 Rachel Tomás dos Santos Abrão rachelabrao@gmail.com <p>Este ensaio apresenta algumas possibilidades de diálogo entre as ideias de reconhecimento e de sofrimento social, se inserindo no campo de uma teoria crítica da sociedade. A partir da constatação da trajetória de indivíduos que compartilham experiências históricas de injustiça, foi possível refletir a respeito do contrato moral existente em torno da divisão sexual do trabalho, e como este designa – de forma naturalizada – às mulheres o cumprimento das funções domésticas. Por meio dessa discussão, notamos como o trabalho doméstico, ao não ser remunerado, torna-se algo estranho ao mundo capitalista; encobrindo duplamente as funções domésticas com invisibilidade e não reconhecimento. Ao final do trabalho, apresenta-se a personagem Eurídice Gusmão, do filme A Vida Invisível (2019), pois sua trajetória nos auxilia a demonstrar como a obrigação conjugal e familiar pode ferir a autonomia feminina.</p> 2020-10-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rachel Tomás dos Santos Abrão https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1878 QUALIFICANDO OS PROCESSOS DE LEITURA E ESCRITA DOS ALUNOS EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ARROIO GRANDE 2020-12-18T01:44:50+00:00 Sabrina Caetano Fernandes Leal profeleal2016@gmail.com <p>O projeto de intervenção teve como objetivo: Despertar nos alunos, do 8º ano do Ensino Fundamental II, o gosto pela leitura e pela escrita, nas disciplinas de Produção Textual e Português. Sobre isso, Silva (1991) indica que a leitura simboliza uma ação para que se possa produzir o saber, isso permite a percepção e a apreensão sobre as analogias que existem.</p><p>De acordo com Martins (1994), o aprendizado serve para produzir a ampliação de horizontes para o leitor, de maneira que ele possa compreender seu mundo e institua reações que possam gerar transformações. Consequentemente, a leitura e conhecimento são considerados por Martins (1994) processos interventivos de progressos para suas vidas. No que lhe diz respeito, a coletividade procurar informação através da leitura envolve localizar um embasamento sustentável para o desenvolvimento social.</p><p>Bakhtin (2002) também destaca a seriedade da leitura indissociada do social. Portanto, o intercâmbio verbal entre pessoas, possibilitada por meio da utilização da língua pelo falante e concebe o princípio criador da linguagem e apresenta modo dialógico.</p><p>Portanto, a leitura e a escrita são práticas que se arrolam e se completam, os educandos são ledores em formação, esses processos deverão estar vinculados aos métodos de leitura que são ampliadas na escola. Dessa forma, a leitura e a escrita abrangem metodologias indissociáveis na prática discursiva, em que ler é um procedimento de cultivo de conhecimentos, a relevância de observar a leitura como prática social.</p><p>Optei por essa temática, porque vivencio essa problemática em sala de aula, onde os estudantes demonstram pouca afinidade com a leitura e escrita, e uma enorme lacuna para produzirem textos com coerência e coesão.</p><p>Relato que algumas das dificuldades dos processos de Produção Textual encontrados por mim em minha prática como docente das Áreas de Linguagens são as que envolvem o vocabulário empobrecido, carregado de gírias que os estudantes apresentam em suas produções, como o pouco domínio da língua culta, evidenciam as dificuldades de expressar suas ideias no papel, pois os alunos consideram o aspecto quantitativo ao invés do qualitativo para elaborarem suas escritas.</p><p>Por ser professora de Português e Produção Textual, percebo com mais intensidade a aversão dos alunos por qualquer atividade que abranja o ato de ler, pois os discentes, em sua grande maioria, apresentam textos precários e uma grande desmotivação em relação à leitura e a escrita, dessa maneira penso que haja necessidade de se trabalhar diferentes formas de aproximar os alunos de atividades que promovam a leitura e escrita dentro da sala de aula.</p><p>Através dessa intervenção organizei ações que despertem o interesse dos alunos por essa temática, através de rodas de conversas com pessoas da comunidade que já possuem uma vasta trajetória nesse assunto, em que enfatizam em suas produções a preocupação em apresentar o livro para formar mais leitores.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Sabrina Caetano Fernandes Leal https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1876 Aproximación teórica sobre la agrobiodiversidad cultural del semiárido larense, desde la perspectiva docente 2020-08-18T16:10:07+00:00 Leonel José Sorondo Sánchez leonelsorondo@gmail.com Carelia Hidalgo careliahidalgo@gmail.com Las universidades juegan un rol fundamental en el desarrollo local donde se desenvuelven y sus contribuciones dependen de las percepciones de los docentes sobre la realidad. Se realizó una aproximación teórica sobre la agrobiodiversidad cultural del semiárido larense, vista desde docentes de la Universidad Centroccidental Lisandro Alvarado (UCLA). El estudio fue de tipo cualitativo, descriptivo-interpretativo, sustentado en cinco entrevistas a profundidad. Se generó una aproximación teórica sobre un proceso de erosión cultural en la agrobiodiversidad como resultado de la transculturización alimentaria globalizada, dependiente de rubros exógenos que generan conflictos ambientales. Los resultados develaron las potencialidades de la agrobiodiversidad del semiárido; así como una cultura alimentaria y agrícola que desconoce los recursos locales autóctonos; lo cual requiere fomentar una nueva cultura para el rescate de valores territoriales. Copyright (c) Leonel José Sorondo Sánchez, Carelia Hidalgo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1875 Colégio Agrícola de Foz do Iguaçu: memórias e narrativas de alguns agricolinos 2020-12-21T01:38:19+00:00 Samuel Cabanha samuelcabanha@globo.com Irani Batista de Araújo irany_52@hotmail.com Kelly Gracieli de Oliveira Winkert kellyg.oliveira@hotmail.com <p>O texto faz uma breve análise e introduz a discussão sobre o papel do Estado no direcionamento e tendências da educação a partir da implantação do Colégio Agrícola na história de Foz do Iguaçu, na década de 50. O objetivo central do texto é explorar duas vertentes, a saber: uma que explora as narrativas e as memórias de alguns “agricolinos”, tendo em vista que, no centro escolar, encontra-se armazenada grande parte da história social e coletiva, e; outra que explora a história desse ambiente educacional, evidenciando a influência do Estado do Paraná na região através da organização do sistema educativo em forma de ensino técnico agrícola que, em parte, reflete a relação entre as demandas econômicas do capital e de como as Instituições Escolares corresponderam frente a esse contexto. A metodologia seguiu os pressupostos teórico-metodológicos da História Oral (HO) tendo como cerne a análise de narrativas. Recorreu-se a discussões que envolvem os conceitos ligados à memória, à identidade e a relação escola-trabalho inerente ao desenvolvimento do modo de produção capitalista, além de valer-se da análise de documentos oficiais e das narrativas. Dessa forma, através de uma particular interpretação este artigo busca contribuir com aqueles que se interessam pelo conhecimento histórico, bem como, serve de base para pesquisas futuras.</p><p>Palavras-chave:<strong> </strong>Colégio Agrícola; Memórias; Narrativas.</p> Copyright (c) samuel cabanha, IRANI BATISTA DE ARAÚJO, Kelly Gracieli de Oliveira Winkert https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1874 Desenvolvimento humano das minorias com surdez: políticas públicas, práticas sociais e econômicas 2020-06-15T17:29:35+00:00 Dinair Iolanda da Silva Natal dinair.natal@unespar.edu.br Mayra Taiza Sulzbach mayrasulzbach@yahoo.com.br <p>O reconhecimento à dificuldade da participação da pessoa com surdez, a autora considera a relação aos temas sociais, inclusão na educação e a inserção no trabalho para o desenvolvimento humano. A metodologia aplicada é qualitativa buscou destacar documentos sancionados nas políticas públicas de inclusão, acompanhados pelo movimento das pessoas com surdez e a conquista de direitos sociais, ou seja, a ampliação de liberdades políticas, econômicas e de oportunidades. A pesquisa teve como objetivo analisar a ampliação das liberdades instrumentais das pessoas com surdez, um possível sociodesenvolvimento no brasil. A política pública foi capaz de impor propostas de inclusão, o artigo vai trazer uma retrospectiva das políticas sociais do Brasil, para a educação escolar como ampliação de liberdades e oportunidade a pessoa surda de acessar os mesmos conhecimentos das pessoas não surdas. No Brasil, também foi normatizada políticas públicas que definiu a obrigatoriedade da oferta de vagas de trabalho a pessoas com deficiência, emergindo a confiança econômica dessa minoria. O estudo documental e bibliográfica, os quais foram submetidos à análise de conteúdo, sugere que ocorreu um sociodesenvolvimento decorrente da ampliação de liberdades de pessoas com surdez, num mundo construído por pessoas ouvintes.</p> Copyright (c) Dinair Iolanda da Silva Natal, Mayra Taiza Sulzbach https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1872 Desenvolvimento humano das minorias com surdez: políticas públicas, práticas sociais e econômicas 2020-05-23T00:26:32+00:00 Dinair Iolanda da Silva Natal dinair.natal@unespar.edu.br <p>O reconhecimento à dificuldade da participação da pessoa com surdez, a autora considera a relação aos temas sociais, inclusão na educação e a inserção no trabalho para o desenvolvimento humano. A metodologia aplicada é qualitativa buscou destacar documentos sancionados nas políticas públicas de inclusão, acompanhados pelo movimento das pessoas com surdez e a conquista de direitos sociais, ou seja, a ampliação de liberdades políticas, econômicas e de oportunidades. A pesquisa teve como objetivo analisar a ampliação das liberdades instrumentais das pessoas com surdez, um possível sociodesenvolvimento no brasil. A política pública foi capaz de impor propostas de inclusão, o artigo vai trazer uma retrospectiva das políticas sociais do Brasil, para a educação escolar como ampliação de liberdades e oportunidade a pessoa surda de acessar os mesmos conhecimentos das pessoas não surdas. No Brasil, também foi normatizada políticas públicas que definiu a obrigatoriedade da oferta de vagas de trabalho a pessoas com deficiência, emergindo a confiança econômica dessa minoria. O estudo documental e bibliográfica, os quais foram submetidos à análise de conteúdo, sugere que ocorreu um sociodesenvolvimento decorrente da ampliação de liberdades de pessoas com surdez, num mundo construído por pessoas ouvintes.</p> Copyright (c) Dinair Iolanda da Silva Natal https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1873 Interlocuções entre cultura física, discursos de saúde e relações de poder-saber na institucionalização do corpo saudável 2020-12-14T01:47:38+00:00 João Paulo Marques a.marques.jp@gmail.com Pedro Navarro navarro.pl@gmail.com Larissa Lara laramlara@hotmail.com <p>Esse artigo objetiva analisar o envolvimento discursivo do corpo saudável com manifestações estruturais do poder disciplinar de instituições médicas de saúde. As análises propostas, orientadas por teorias foucaultianas e pelos estudos culturais físicos, atentam para questões concernentes à subjetivação, à institucionalização e à codificação discursiva dos corpos. Tecemos apontamentos acerca das transformações da concepção de saúde do corpo nas sociedades ocidentais, de como operam a produção de uma subjetividade do corpo saudável e de como tal subjetividade se articula a projetos neoliberais de individualização da responsabilidade pela saúde e de medicalização dos fenômenos sociais. Ainda, levantamos algumas inquietações a respeito das relações de poder-saber que instituem essa subjetividade como produto e capital na rede de relações da indústria da saúde.</p> 2020-10-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 João Paulo Marques, Pedro Navarro, Larissa Lara https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1871 Investigación y extensión funciones académicas fundamentales en la formación ambiental de los docentes 2020-12-18T01:44:50+00:00 Carelia Rayen Hidalgo López careliahidalgo@gmail.com La educación ambiental (EA), como proceso educativo interdisciplinar, contextualizado, dinámico, dialógico y crítico, desde sus raíces ha buscado la participación activa de los docentes. Para su alcance se requiere de la formación continuada en un accionar pertinente, donde la investigación y extensión resultan funciones académicas esenciales para lograrlo. En tal sentido este ensayo surge de la experiencia de vida de trabajar por más de 25 años en extensión-investigación y EA, y por más de 10 años en programas de formación ambiental docente. Fue motivado por ser invitada como conferencista en la Universidade Federal do Pampa del campus de Jaguarão en el sur de Brasil durante el debate sobre “Formación de profesores, investigación y extensión en educación ambiental”. En términos generales, fundamentado en dicha experiencia, ser docente en la actualidad requiere de un continuo proceso de formación consciente sobre la transversalidad de la dimensión ambiental en la educación. También requiere de la continua curiosidad para conocer y valorar las diversas realidades que lo circunscriben, así como del accionar ambiental con los actores sociales donde se desenvuelve. En esto el amor y pasión como esencia humana del ser docentes se confronta a contextos políticos, sociales, económicos y ecológicos que demandan de la creatividad permanente, el compromiso para superar las dificultades y cambiar las realidades insustentables de un modelo hegemónico homogeneizador. 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Carelia Rayen Hidalgo López https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1870 Diversidade Cultural e Alfabetização de Pessoas Jovens e Adultas na Guiné-Bissau 2020-12-18T01:44:48+00:00 Simone Valdete Dos Santos simonevaldete@gmail.com Arrais Fidelis da Silva Gomes arraisgomes@hotmail.com <p>A diversidade cultural, cosmologias próprias vinculadas a diferentes idiomas e religiosidades compõe uma “África Profunda”, conforme a obra do filósofo argentino Rodolfo Kusch, sendo esta base teórico-metodológica para o levantamento bibliográfico e documental sobre a Alfabetização de Pessoas Jovens e Adultas na Guiné Bissau, sendo localizadas três dissertações de mestrado e uma tese de doutorado. Os estudos revelam a precariedade do sistema educacional guineense, herança das políticas coloniais europeias e a emergência da diversidade cultural compor os currículos das classes de Alfabetização das Pessoas Jovens e Adultas.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Simone Valdete Dos Santos, Arrais Fidelis da Silva Gomes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1869 A mulher negra in(visível) entre o açúcar e o tabaco, do cubano Fernando Ortiz 2020-06-30T18:48:51+00:00 Eliane da Silva eliane1silva@gmail.com Sandra Regina Marcelino Pinto reginamarcely@gmail.com <p>A história e conhecimentos sobre o açúcar e o tabaco foram magistramente descritos pelo escritor Fernando Ortiz no Ensaio <em>Contrapunteo Cubano del Azucar y del tabaco</em>, de 1940. Diante das informações presentes na reunião dos textos deste eminente escritor, busco desenvolver neste artigo um contraponto que possa conectar mais de perto os dois produtos citados e a mulher negra, que outrora havia sido sequestrada de África para recomeçar, forçadamente, sua vida na América Latina. A indagação se dá pela não presença dessas mulheres, nominalmente, num enredo que se desenrola em Cuba, país tão repleto de africanos e seus descendentes.</p> Copyright (c) Eliane da Silva, Sandra Regina Marcelino Pinto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1868 Goce visual. Mujeres en el firmamento según las notas de Horacio Quiroga 2020-10-25T19:59:04+00:00 Laura Lorena Utrera laura.utrera2014@gmail.com <p class="normal" align="center"><strong> </strong></p><p class="normal">Este artículo tiene como objetivo analizar la influencia de la estrella de cine en la conformación de modelos socioculturales para la vida moderna. Mostraremos cómo, en 1918, el escritor Horacio Quiroga publica notas en las que reflexiona sobre la belleza de las mujeres del cine (objeto de deseo) y su actuación (técnica propia del nuevo arte); sobre el <em>Star System</em> y la <em>Star</em> como mercancía; sobre el enamoramiento e identificación de los fans con su estrella favorita y sobre los procesos inconscientes de naturaleza discursiva que se generan en la creencia de lo que muestran las revistas de cine sobre la vida de las estrellas. A estas primeras intuiciones de Quiroga las articularemos críticamente con las consideraciones teóricas de Walter Benjamin, Edgar Morin, Siegfried Kracauer, Corneluis Castoriadis y Laura Mulvey.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Laura Lorena Utrera https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1867 #ELENAO "O QUÊ?": dos discursos (inter) relacionados ao presidente Jair Bolsonaro 2020-10-09T10:08:07+00:00 Daniel da Rocha Silva danieldarochasilva@gmail.com <p>À luz das concepções teóricas bakhtinianas, este trabalho tem como objetivo descrever o discurso <em>#elenao</em>, enquanto “sentido”, e seus resultados na relação com o outro, enquanto “diálogo”. Concomitantemente, perpassa pela teoria do net-ativismo. Para tal, tem-se uma pesquisa qualitativa e bibliográfica. A fundamentação teórica baseia-se principalmente em: Bakhtin (2000); Roza (2012); Morais (2018). Considera-se, a partir das <em>hashtags</em> encontradas, que os discursos se voltam para a manifestação de protesto, de ordem social e política, pois estão atrelados aos grupos minoritários da sociedade. Assim, direcionam-se ao candidato como uma oposição ideológica, em que se baseiam na realidade <em>vs.</em> objetivo.</p> Copyright (c) Daniel da Rocha Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1865 O ideal de beleza numa sociedade desigual: notas sobre a percepção da opressão ao corpo feminino em tempos de pandemia 2020-05-28T18:53:59+00:00 Maria Laís dos Santos Leite mlaisleite@gmail.com <p>Em tempos de pandemia em que se acirram as percepções das desigualdades de nosso contexto ocidental, misógino, racista e, portanto, profundamente desigual sugerimos a leitura de O Mito da Beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres que amplia nossa percepção sobre uma problemática não está superada, mas presente de forma patente em nossas conversas informais e ainda mais insistentemente na televisão, nos tutoriais do YouTube e nos perfis premiados do Instagram: o controle sob o corpo feminino. A obra da autora, Naomi Wolf, é composto por oito partes: I. O mito da beleza; II. O trabalho; III. A cultura; IV. A religião. V. O sexo; VI. A fome; VII. A violência e VIII. Para além do mito da beleza. Indico a leitura da obra para pessoas de todos os gêneros e orientações sexuais, acadêmicas(os) ou não, com a expectativa de que esta obra que permanece atual amplie nossa percepção da pressão estética, da gordofobia e a opressão ao corpo feminino, ainda mais recorrentes, neste momento de pandemia. Precisamos ouvir as feministas, todas elas, das diferentes gerações, raças/etnias, classes sociais, contextos territoriais, religiões, afinal, como nos aponta Audre Lorde numa das mais célebres frases feministas: “Eu não sou livre enquanto alguma mulher não o for, mesmo quando as correntes dela forem muito diferentes das minhas”.<br />Palavras-Chave: corpo feminino; feminismos; gênero; indústria da beleza.</p> Copyright (c) Maria Laís dos Santos Leite https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1864 Lutando com Dandara de Palmares: feminismos e representatividade na literatura contemporânea 2020-10-25T19:59:04+00:00 Maria Laís dos Santos Leite mlaisleite@gmail.com As Lendas de Dandara, livro da escritora, cordelista e poeta Jarid Arraes aponta caminhos para ampliar a representatividade feminina e negra em nossa literatura, ao desvelar personagens presentes em nosso cotidiano e até então distantes das estantes das grandes livrarias. O livro é construído a partir da inquietação da pouca visibilidade de mulheres, em especial negras, dentre as personalidades a que se rende homenagens e se refere em nossa história. A obra é composta por dez contos ficcionais sobre a história de Dandara, filha de Iansã, guerreira de Palmares: O nascimento de Dandara; A cura de Bayô; O cavalo roubado; O encontro com Iansã; O navio negreiro; Dandara e Zumbi; Fogo na Casa Grande; Emboscada; Senzalas vazias e A pedreira. Ao contrário de Raízes do Brasil, Casa Grande e Senzala e outros clássicos da historiografia brasileira que nos mostram com um olhar distante os acontecimentos que marcam a exploração e a formação social atual de nosso país, As Lendas de Dandara nos transfere para uma narrativa pessoal e provocadora, que fazia lembrar das narrativas que ouvia sobre nossas ancestrais indígenas e negras, que se perderam nas fugas e cujos traços e estigmas carregamos até hoje. Mulheres que não estavam no rol dos vencedores, dos colonizadores, dos donos de terra, mas das subalternas, das transgressoras. Mulheres cujo corpo não mobilizava cuidado, que capinaram, plantaram, pariram, trabalharam como tantas outras ainda trabalham até hoje, em condições desiguais no Brasil de 2020: escravocrata, racista, misógino, conservador. 2020-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Maria Laís dos Santos Leite https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1863 CONSTRUINDO A APRENDIZAGEM A PARTIR DO MUNDO DA ARTE, BRINCADEIRA E MUSICA 2020-12-18T01:44:49+00:00 Sandra da Silva Martins sandra_magrif@hotmail.com <p>Este trabalho consiste no relato de um projeto educacional realizado com alunos do Pré II, em uma escola da rede Municipal da cidade de Jaguarão Rs. As práticas docentes foram desenvolvidas com os objetivos de analisar as contribuições dos planos de aulas organizados, a partir do principio do fio condutor “Construindo a Aprendizagem a Partir do Mundo da Arte, Brincadeira e Música”, a fim de provocar os alunos à reflexão para que reconstruíssem suas aprendizagens. Abordar-se-á, Metodologias e atividades desenvolvidas com a turma durante o projeto. Ao final de cada plano de aula é apresentado as reflexões acerca da prática docente e construção de aprendizagens pelos alunos. Para fundamentar utilizou-se o Referencial Curricular para a educação infantil (1998), Hernandez (1998), Tardif (2007). Este trabalho contribuiu para que todos os alunos se envolvessem com as atividades propostas, pois os conteúdos trabalhados apresentavam sentido para a vida dos mesmos. Com este percebeu-se a importância de organizar, planejar aulas que vão ao encontro do que o aluno já sabe, fazendo com que construam novos conhecimentos. Sendo assim, espera-se que por meio destas experiências no ambiente escolar, possa-se contribuir com reflexões para ampliar as questões que envolvem aulas planejadas a partir do tema Arte, Musica e brincadeiras.</p><p> </p><p>Palavras-Chave:<strong> </strong>Aprendizagem.<strong> </strong>Planejamento<strong>.</strong> Prática docente.<strong></strong></p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Sandra da Silva Martina https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1862 A memória coletiva de mulheres nordestinas como subsídio identitário no processo criativo do espetáculo Bonita Maria 2020-10-25T19:59:04+00:00 Hélder Paulo Cordeiro da Nóbrega heldercinema@gmail.com <p>O artigo aborda o processo criativo do espetáculo Bonita Maria, tendo como substrato indenitário a memória coletiva de mulheres nordestinas, e dos seus integrantes, imbricando o estudo de caso com uma pesquisa participante, subsidiados pelas teorias da transcriação e da crítica do processo.</p> 2020-05-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Hélder Paulo Cordeiro da Nóbrega https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1858 As micro-utopias de Vanessa De Michelis: território(s) de experimentação sonoro-político para a inclusão e colaboração 2020-10-25T19:59:04+00:00 Rui Miguel Paiva Chaves rui.chaves@gmail.com Vanessa De Michelis vanessa.michelis@gmail.com <p class="western" align="JUSTIFY"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;">A experimentação musical e sonora brasileira, apesar de algumas excepções pontuais, tende a não promover a existência de espaços institucionais ou informais que façam uma programação afirmativa de artistas femininas e/ ou não-binárias. O artigo, primeiramente faz um percurso reflexivo sobre o processo artístico e ético-político da Vanessa De Michelis focando no seu trabalho de instalação, performance e oferta educativa. Este trabalho encontra paralelos com a ideia de micro-utopia(s) proposta por Nicolas Borriaud. Depois desse momento, o cerne do artigo é uma entrevista realizada em 2016, donde passamos pelo percurso biográfico da artista, a sua abordagem in(disciplinar), mas principalmente o seu esforço em construir uma audição e visibilização de um trabalho que foge às expectativas de gênero associadas ao fazer musical. </span></span></p><p class="western" align="JUSTIFY"> </p> 2020-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rui Miguel Paiva Chaves, Vanessa De Michelis https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1860 Reflexões Biopolíticas Sobre a Multidimensionalidade da Pobreza e do Tráfico Humano 2020-08-18T16:04:11+00:00 Fátima Regina Cividini cividinifatima@hotmail.com Elaine Cristina Francisco Volpato elacrisfr@hotmail.com <p>O objetivo é discutir a biopolítica e o biopoder no campo do tráfico humano e a vulnerabilidade social como fator de favorecimento ao recrutamento das vítimas. A pesquisa é qualitativa e utiliza como método o levantamento bibliográfico de literatura com aporte teórico conexo ao objeto de estudo. Tal abordagem possibilitou tecer análise crítica e teórica sobre a essa problemática, de modo a priorizar duas categorias em especial: o biopoder nas sociedades (fator de geração de pobreza) e, com isso, a consequente vulnerabilidade das pessoas (na medida em que se submetem a condições degradantes) no trabalho para o sustento do lar. A vulnerabilidade social endêmica é um importante facilitador do recrutamento das vítimas. Os aliciadores, nacionais e internacionais, se utilizam de falsas promessas de emprego para sequestrar a subjetividade da vítima, assim a introduzindo num degradante processo de despersonalização de sua individualidade humana, mercantilizando a vida humana.</p> Copyright (c) Fátima Regina Cividini, Elaine Cristina Francisco Volpato https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1859 O populismo em detalhe 2020-07-21T01:26:39+00:00 Alexandre Jose Pierini alexandrepierini@hotmail.com <p>Morelack e Narita trazem um pouco de luz para a política contemporânea na medida em que pensaram e se debruçaram sobre o conceito do populismo. Discutir o conceito e trazer novas interpretações foi uma missão muito significativa, uma vez que os conceitos mais antigos estabeleciam relações apenas com as questões políticas, os autores nessa obra conseguiram abrir o leque e relacioná-lo com as questões econômicas, a psicologia e todo o contexto sociocultural. Sua leitura é obrigatória para quem se importa com os rumos da política.</p> Copyright (c) Alexandre Jose Pierini https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1857 As culturas do medo e da farmácia do consumo em tempos da covid-19 na sociedade líquida 2021-01-06T17:55:39+00:00 Antonio Flávio Ferreira de Oliveira flavioccaa@hotmail.com Ilderlândio Assis de Andrade Nascimento ilderlandionascimento@yahoo.com.br Este trabalho objetiva analisar a discursivização do medo em manchetes de notícias veiculadas no site G1 que noticia informações da covid-19. Para isso, dialogou-se com estudos de Bauman (2008, 2011), Hall (2006), Canclini (2008), Eagleton (2011) e Nova (2009). Metodologicamente, a pesquisa se caracteriza como explicativa, apresentando uma abordagem qualitativa, e utiliza a Análise de Conteúdo, pois interpreta enunciados, procurando compreender a construção de efeitos de sentidos manifestos em manchetes de notícias. Como resultado, verificou-se que a análise interpretativa das manchetes leva a entendê-las enquanto mercadoria do espetáculo, que constitui efeitos de sentidos a partir da atenção centrada no número de casos de coronavírus no Brasil e em sua letalidade. Em paralelo ao medo da covid-19, surgem formas de interação social, a saber, as <em>lives. </em>Assim, as manchetes materializam o surgimento das <em>lives </em>como mercadorias de consumo. Numa conjuntura de isolamento social, as <em>lives </em>se configuram elementos do “novo normal”, uma nova forma de encontro com o outro via aparelho digital. Ademais, as <em>lives </em>configuram um novo jeito de alinhar a cultura do medo à cultura do consumo, numa tentativa de substituir o mundo sensível por um conjunto de imagens fabricadas como produto do espetáculo. Copyright (c) Antonio Flávio Ferreira de Oliveira, Ilderlândio Assis de Andrade Nascimento https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1856 Mulheres professoras: autoras de suas próprias histórias 2020-10-25T19:59:04+00:00 Maria Betânia e Silva mbsppgav@gmail.com <p><span>O texto objetiva refletir sobre mulheres profissionais do campo das Artes Visuais, bem como os significados, as dificuldades no cotidiano da profissão e os desejos futuros. Dentro do território das investigações qualitativas se insere na perspectiva metodológica das histórias de vida que contemplam as narrativas de investigação profissional. Mostra narrativas tecidas a partir das próprias memórias e experiências vividas e adquiridas, ao longo dos anos de trabalho. Suas narrativas se apresentam como possibilidades de dar visibilidade a essas mulheres, a fim de compreender/apreender os sentidos que estas atribuem à profissão. </span></p> 2020-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Maria Betânia e Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1855 O populismo em detalhes 2020-05-06T01:28:57+00:00 Alexandre Jose Pierini alexandrepierini@hotmail.com <p>Morelack e Narita trazem um pouco de luz para a política contemporânea na medida em que pensaram e se debruçaram sobre o conceito do populismo. Discutir o conceito e trazer novas interpretações foi uma missão muito significativa, uma vez que os conceitos mais antigos estabeleciam relações apenas com as questões políticas, os autores nessa obra conseguiram abrir o leque e relacioná-lo com as questões econômicas, a psicologia e todo o contexto sociocultural. Sua leitura é obrigatória para quem se importa com os rumos da política.</p><p> </p><p align="center"><strong> </strong></p> Copyright (c) Alexandre Jose Pierini https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/925 Perspectivas Educacionais no Mundo Contemporâneo: Educação e Tecnologia na Formação Docente. 2020-05-27T03:21:09+00:00 Natalia Machado Oliveira nataliaoliveira45@hotmail.com <p>O presente texto tem como objetivo, fazer uma reflexão sobre as tecnologias existentes à educação e principalmente a preparação de profissionais capazes de fazer uma leitura da importância do momento em que passam as sociedades. Uma maneira diferente de se encarar os diversos momentos da humanidade. Cabe salientar que um dos caminhos a solução de conflitos existenciais, se dá pela cultura e está pela educação e a educação mesmo que muitos imaginem o contrário depende e muito do profissional que dispõe, à difusão de técnicas e maneiras de aproveitamento do aparato tecnológico disponível. Fazendo uma contextualização, podemos viajar e chegarmos ao ponto comum do que explanamos: A matéria prima para que tudo exista se encontra na natureza, a forma como essa matéria prima é extraída depende de mão de obra para que possa acontecer, a transformação dessa matéria, depende de profissionais como cientistas e estudiosos à transformação dessa matéria em substância à utilização do ser humano. Para a transformação é necessário tecnologias, as tecnologias são possíveis pela ação de cientistas e todos esses responsáveis pela engrenagem funcionar são oriundos de ensinamentos, ensinamentos só são possível por meio da educação e pôr fim a educação só acontece pela existência de profissionais, os professores, docentes, etc. Basta que esses profissionais se mantenham em permanente transformação para poder ensinar e pela evolução atualmente o que se dispõe, são as tecnologias que colocam o mundo num caminho cada vez mais necessário de ser seguido. Não se imagina uma sociedade, um local onde o ser humano se encontre em que a evolução não aconteça por ação das tecnologias.</p> Copyright (c) Natalia Machado Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1854 Feministas e Ceramistas: Mulheres Artistas da Cena Contemporânea Latino Americana 2020-10-25T19:59:04+00:00 Flavia Leme de Almeida flalemeal@gmail.com O presente artigo tem como objeto evidenciar a produção artística de três mulheres artistas latino-americanas da cena contemporânea por meio de um recorte temático balizado nas questões que tangenciam o que se pode chamar de arte feminista. Para tanto, foi necessário anteriormente contextualizar a cerâmica enquanto suporte recorrente na arte contemporânea, apesar do seu histórico ligado ao utilitário e ao artesanato. Na mesma medida em que foi necessário contextualizá-la no prisma sociopolítico latino americano. Utilizou-se como método de pesquisa a revisão bibliográfica e a análise de parte das produções artísticas das seguintes mulheres artistas: Celeida Tostes (Brasil), Kukuli Velardi (Peru) e Rubie Rumy (Colômbia). Como considerações finais observou-se após analise que as obra das artistas supracitadas tem em comum uma vasta produção artística que não se limita apenas na utilização da cerâmica como suporte artístico, que se valem de instalações com objetos seriados e que algumas vezes necessitam da participação de outras pessoas para realizarem seus trabalho. 2020-05-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Flavia Leme de Almeida https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1852 Lygia Fagundes Telles, “A Maior Escritora Brasileira Viva”, e a Perspectiva da Velhice 2020-10-25T19:57:59+00:00 Yls Rabelo Câmara ylscamara@hotmail.com <p>Nesse artigo tratamos da “Dama da Literatura Brasileira”, da “Maior Escritora Brasileira Viva”, da quase centenária Lygia Fagundes Telles, analisando sua perspectiva da velhice por meio da análise de três de suas personagens velhas mais emblemáticas, protagonistas de dois contos e de um romance de sucesso da autora. Para tanto, nessa revisão de literatura, ancoramos nossas considerações em investigadores basilares da área como Beserra (2011a; 2011b), Prazeres (2015) e Sperandio (2009). Concluímos que Lygia Fagundes Telles, por seu lastro e legado premiados nacional e internacionalmente, merece figurar nesse número da Revista Relacult, dedicado a essas mulheres-autoras latino-americanas que são videntes e são sensíveis na arte e na cultura dos que falamos as línguas ibéricas no continente americano.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Yls Rabelo Câmara https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1851 A mulher negra in(visível) entre o açúcar e o tabaco, do cubano Fernando Ortiz 2020-10-25T19:57:59+00:00 Eliane da Silva eliane1silva@gmail.com Sandra Regina Marcelino Pinto eliane1silva@gmail.com <p>A história e conhecimentos sobre o açúcar e o tabaco foram magistramente descritos pelo escritor Fernando Ortiz no Ensaio <em>Contrapunteo Cubano del Azucar y del tabaco</em>, de 1940. Diante das informações presentes na reunião dos textos deste eminente escritor, busco desenvolver neste artigo um contraponto que possa conectar mais de perto os dois produtos citados e a mulher negra, que outrora havia sido sequestrada de África para recomeçar, forçadamente, sua vida na América Latina. A indagação se dá pela não presença dessas mulheres, nominalmente, num enredo que se desenrola em Cuba, país tão repleto de africanos e seus descendentes.</p><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-06-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Eliane da Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1850 Memória, fotografia e feminismos na contemporaneidade: experiências e reflexões de mulheres fotógrafas no Cariri-CE 2020-10-25T19:57:59+00:00 Emanoella Callou Belém emanoella.callou@ufca.edu.br Luis Celestino França Júnior luis.celestino@ufca.edu.br <p>Considerando a imagem a partir de sua função documental e partindo da observação de lacunas no registro e reconhecimento do trabalho de mulheres na fotografia, os objetivos desta pesquisa são: conhecer a percepção de fotógrafas sobre atravessamentos da questão de gênero na idealização e exposição de corpos femininos e relatar a experiência da primeira Mostra de Mulheres Fotógrafas do Cariri enquanto espaço de (re)construção da memória da produção fotográfica de artistas do território. Na trajetória da pesquisa realizada de 2018 a 2020 baseou-se nas epistemologias feministas e empregou-se como procedimentos de coleta a realização de entrevistas exploratórias e a aplicação de questionário eletrônico. Para análise de dados empregou-se a análise de conteúdo das informações produzidas/coletadas por meio das entrevistas e questionários. Ressalta-se entre os resultados: os avanços e retrocessos apresentados pelas interlocutoras acerca dos pontos relacionados à exposição e idealização de corpos femininos, a relevância da I Mostra de Mulheres Fotógrafas do Cariri, por ter sido um espaço de encontro e visibilização das fotógrafas do território, que além da qualidade técnica e da sensibilidade artística, construíram a partir da pluralidade de perfis e experiências das participantes uma (re)construção da história e memória local.</p> 2020-05-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Emanoella Callou Belém https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1845 Contribuições do Letramento Digital para a Disseminação e Acesso à Informação em Bibliotecas Digitais 2020-05-13T20:49:34+00:00 Jordan Antonio de Souza jordanbiblio@gmail.com Juliano Batista dos Santos julianojbs@gmail.com Ludmila de Lima Brandão ludbran@terra.com.br <p>Busca-se com este trabalho refletir brevemente sobre as possíveis contribuições que as habilidades de letramento digital e informacional podem promover para que os alunos possam utilizar adequadamente as plataformas e bibliotecas digitais. Descreve a influência das tecnologias nas práticas de letramento digital, as transformações sofridas pelas bibliotecas e o surgimento das bibliotecas digitais, discutindo ainda sobre a necessidade dos profissionais da educação e bibliotecários promoverem o letramento informacional/digital. A elaboração deste artigo se deu a partir de levantamento bibliográfico de documentos que tratavam das temáticas: letramento digital e informacional, educação a distância, bibliotecas digitais entre outros também relevantes. O que permitiu a contextualização de discussões pertinentes ao tema. O trabalho busca também demonstrar os benefícios do emprego do letramento digital e informacional no uso das tecnologias que envolvem o setor educacional principalmente no que tange o uso de bibliotecas e repositórios digitais para recuperação e acesso a informações.</p> Copyright (c) Jordan Antonio de Souza, Juliano Batista dos Santos, Ludmila de Lima Brandão https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1844 “Melhor cantar samba e saber de mim”: a mulher na produção musical de Gisa Nogueira no contexto do Clube do Samba 2020-10-25T19:57:59+00:00 Bruna Aparecida Gomes Coelho bruna.agcoelho@gmail.com <p>Gisa Nogueira é uma sambista carioca, criada no Méier e membro de uma influente família do meio musical. Essa artista sempre esteve envolvida com grandes nomes da música popular brasileira e foi um dos sócios-fundadores do movimento Clube do Samba, idealizado por seu irmão João Nogueira, e muito importante para a história do gênero musical. Desde a gênese do samba os homens foram hegemônicos no segmento em detrimento das mulheres, tanto em relação à produção musical quanto no lirismo que retratava figuras femininas em suas letras. Gisa é uma das mulheres pioneiras desse universo, das muitas mulheres que batalharam e conquistaram seu espaço, sendo reconhecidas como sambistas. Nesse texto discutimos como as mulheres são apresentadas em seu disco <em>Saldo Positivo</em>, lançado em 1978, um ano antes da fundação do Clube do Samba, no qual a artista desempenhou por anos um papel central. A mulher e a relação com seu corpo são temas que permeiam os sambas desse disco. Gisa revela sua face política ao assumir seu olhar feminino sobre o mundo, pois questiona as diretrizes da sociedade e as correntes tradicionais do samba.</p> 2020-05-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Bruna Aparecida Gomes Coelho https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1843 Veredas da leitura literária para a primeira infância: narrativas autobiográficas de uma escritora cearense 2020-10-25T19:57:59+00:00 Ana Maura Tavares dos Anjos maurinhaanjos@hotmail.com <p>A narrativa literária possibilita ao leitor infantil, através da arte, a compreensão sobre as experiencias da vida em sua complexidade. Desse modo, o presente trabalho de natureza qualitativa situa-se no âmbito da Pesquisa (auto)biográfica em Educação e tem como método de investigação a narrativa autobiográfica para a constituição do corpus da pesquisa. Nesse sentido, objetivamos dialogar sobre o letramento literário a partir de minha narrativa autobiográfica como escritora de obras de literatura infantil. O evidencia a importância das políticas públicas para o letramento e para a identificação, valorização e divulgação do trabalho de escritores e artistas. Os livros da coleção ‘De casa para a escola’ têm evidenciado a literatura como caminho profícuo para o desenvolvimento do letramento literário, da formação de valores e apontam veredas para o trabalho com o desenvolvimento de habilidades socioemocionais na primeira infância.</p><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ana Maura Tavares dos Anjos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1800 Cultura & Formação Docente: pensando o currículo como uma construção cultural 2020-10-25T19:57:31+00:00 Yara Araujo Ferreira y.ferreira@unifesp.br <p>A questão da cultura e seu papel central nas formas com as quais a sociedade se organiza é uma discussão atual em diversas áreas do conhecimento. Podemos assumir que os elementos da cultura são socialmente construídos e historicamente partilhados, portanto a cultura é uma construção essencialmente humana e social. Ela permite ao homem identificar-se enquanto indivíduo, transformar a natureza e transformar-se a si mesmo. Nesse contexto, entendemos que a formação inicial de professores pode ser caracterizada pela incorporação intencional de certos elementos da cultura, historicamente aceitos, determinados mediante disputas de poder e que representam as necessidades formativas que emergem de um dado contexto social e momento histórico. Esse é um trabalho teórico onde nos propomos a discutir alguns paradigmas de formação para pensar a cultura no contexto da formação de professores. Em uma análise interpretativa, procuramos construir nossa argumentação em torno da prerrogativa da centralidade da cultura no processo da formação docente. Consideramos que cursos de licenciatura se constituem por um processo de interação de seus agentes com os elementos da cultura historicamente construídos e sistematizados na graduação. Esta dimensão do processo formativo se estabelece não apenas pela natureza da relação que os indivíduos estabelecem com o currículo, mas também pelas concepções explícitas e/ou implícitas nele impressas. O currículo, assim, é uma questão da cultura como qualquer outra construção humana. Deste modo, o currículo é também uma atividade política porque de uma forma particular organiza a cultura e consequentemente as relações de poder e sua influência na identidade do professor em formação. Portanto, consideramos que formar-se professor é incorporar elementos culturais específicos do fazer docente. E a identidade docente se elabora na medida da interação com o currículo enquanto ferramenta cultural, nos processos de representação social que são estabelecidos ao longo da formação docente.</p> 2020-05-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Yara Araujo Ferreira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1841 MEMÓRIA DOS PERSEGUIDOS POLÍTICOS NO BRASIL: a Educação em busca de currículos e saberes emancipatórios 2020-06-13T17:14:04+00:00 Yuri Miguel Macedo yurimacedo@id.uff.br <p>A luz das memórias dos perseguidos políticos na ditadura no Brasil, o presente texto traz reflexões acerca da importância do resgate da memória que é um elemento fundamental na construção de um currículo e também um projeto educativo emancipatório. Assim, a pergunta que norteia o presente artigo é: De que forma um projeto educativo emancipatório utilizaria a memória como fator de potencialização da tomada de consciência dos indivíduos? E para isso, abalizamos nosso estudo em MACEDO &amp; FRANCISCHETTO (2019) SANTOS (1996,2006,2010) e MACEDO (2006,2017).</p> Copyright (c) Yuri Miguel Macedo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1840 Cartografias da Buenos Aires misteriosa: Entre a crônica, a cidade, os deslocamentos e seus subterrâneos. 2021-02-11T14:54:07+00:00 Luciana Marino Nascimento zen.sansara@uol.com.br <p>Todas as cidades possuem sua história oficial, bem como cada uma delas guarda em seus subterrâneos da memória, histórias que trazem para a cena escrita fantasmas e acontecimentos insólitos, o que se inscrevem nas “chamadas lendas urbanas”. Neste trabalho, pretende-se fazer uma leitura das crônicas <em>Rufina Cambaceres, la joven que murió dos veces, La Dama de blanco e Fantasmas subterrâneos,</em> pertencentes à obra <em>Buenos Aires misteriosa. </em>Crímenes, leyendas y fantasmas de la ciudad<em>,</em><strong> </strong>de Diego M. Zigiotto. Para a leitura dos textos citados, nosso ponto de partida foi o estudo das relações entre literatura e experiência urbana e o entrelaçamento entre a cidade real e a imaginária.</p> Copyright (c) Luciana Marino Nascimento https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1839 A Ressignificação da Imagem da Mulher Quilombola Como Estratégia de Resistência: Projeto Cerâmica nas Comunidades África e Laranjituba 2020-07-21T01:29:49+00:00 Sabrina Augusta Alves Tuma sabrinaatuma@gmail.com <p>Este artigo busca compreender os processos identitários e de resistência da mulher afrodescendente das comunidades quilombolas amazônicas África e Laranjituba, por meio do projeto sociocultural Filhos do Quilombo, vinculado ao projeto Cerâmica. Para tanto, abordou-se o tema dos entrelugares culturais e simbólicos representados nas imagens documentais registradas pelo projeto social, cuja base para reflexão teórica provém principalmente dos estudos de Hall (2006), Spivak (2010), Butler (2003) e Bhabha (1998). A análise das imagens partiu dos pressupostos de Barthes (1990) sobre os sentidos denotativo e conotativo e, por meio dela, desvelaram-se aspectos do papel feminino na elaboração dos produtos originários desse projeto social e de como esses objetos podem se tornar representações sociais de resistência de gênero e de ressignificação da identidade cultural quilombola.</p> Copyright (c) Sabrina Augusta Alves Tuma https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1838 Fatores, inovações e impactos do maior acordo de paz da América Latina 2020-12-14T01:47:38+00:00 Luciano Alexandrino Santos Junior luciano.alexandrinojr@gmail.com José Blanes Sala blanes@ufabc.edu.br <p class="Default">O Acordo de Paz celebrado em 2016 pelo Estado colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) abrangeu a reforma de problemas estruturais como reforma rural, participação política, vítimas e drogas ilícitas. Considerando seus fatores e atores questiona-se quais seriam as características que o diferencia da tentativa anterior e quais fatores impulsionaram ambos os lados a buscar a negociação. Tal indagação norteou este estudo e para responde-la utilizou-se o método comparativo de sistemas similares e o levantamento bibliográfico. Parte-se da hipótese que existe um conjunto de motivações tanto das FARC como do Estado para buscar a paz ao invés do enfrentamento armado, tais como desgaste do aparato militar e geoestratégico da guerrilha, reduzido com as políticas de segurança democrática de Álvaro Uribe, entre outros fatores. Dessa forma, o acordo de paz é uma oportunidade para a Colômbia e para o mundo construir uma sociedade embasada na paz e no diálogo, pois, experimentou as mais violentas experiências e a comprovação de que a guerra e as armas são ineficazes para promover o desenvolvimento social e a solução de problemas estruturais negligenciados historicamente pelo Estado.</p> 2020-10-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Luciano Alexandrino Santos Junior, José Blanes Sala https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1837 O consumo de reggaeton antes e depois de Despacito pelos brasileiros 2020-04-23T00:21:59+00:00 Danilo Espindola Catalano danilocatalano9@usp.br <p>Uma análise do consumo do estilo de reggaeton pelos brasileiros, <br />utilizando como recorte a cidade de São Paulo, para que a partir da maior cidade <br />do país, podermos suprir as tentativas de explicação sobre a chegada deste <br />estilo musical ao dia a dia dos brasileiros, que pelo fato de haver poucos <br />trabalhos que tenham o interesse de entender social e culturalmente este <br />consumo, podendo, por conta disso, se tornar uma referência para trabalhos que <br />venham a falar do gênero e de sua relação antes e depois do fenômeno musical <br />de Luis Fonsi e Daddy Yankke, a música Despacito, que não só dominou os hits<br />brasileiros, mas do mundo todo, por isso, este artigo busca por meio dela <br />entender seu impacto no consumo cultural brasileiro e se ela foi crucial para que <br />o estilo se tonasse parte do repertorio do povo no país.<br /><br /></p> Copyright (c) Danilo Espindola Catalano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1836 Cultura no plural: reflexões e interpretações em (des)construção 2021-01-07T15:17:01+00:00 Camila Oliveira Fonseca contato.camilafonseca@hotmail.com <p>Em consonância com as <em>expansões interpretativas</em> ou <em>expansões de perspectivas</em> propostas por Monte Mór (2018), o presente trabalho busca refletir sobre o(s) sentido(s) de cultura a fim de desafiar a lógica dominante que sustenta e regula os processos culturais que determinam as representações sobre nós mesmos e sobre a realidade. A partir de uma perspectiva decolonial, este artigo visa a possibilitar interpretações que acompanhem a pluralidade, a diversidade e a heterogeneidade de formas de pensar e de agir emergentes de localidades múltiplas e que impulsionam novos paradigmas e novos modos de (re)construir a realidade, para que nossas práticas (sociais, acadêmicas, educacionais) não se façam alheias à responsabilidade social, cultural, intelectual e política que ampara a práxis questionadora aqui pretendida. Para tanto, o presente artigo abre espaços de diálogo com teorias diversas, sem delimitar o escopo interpretativo do texto, numa tentativa de abandonar o casulo das certezas relativas e de possibilitar novas interpretações que transcendam as fronteiras disciplinares.</p> 2021-01-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Camila Oliveira Fonseca https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1835 A Escola Estadual Quilombola José Mariano Bento e sua contribuição na preservação dos fazeres e dos saberes dos habitantes do Território Quilombola Vão Grande 2020-12-14T01:47:38+00:00 Madalena Santana de Sales madalena74@hotmail.com João Severino Filho joaofilho@unemat.br <p>Este artigo é um recorte da pesquisa do mestrado em Ensino de Ciências e Matemática do Programa de Pós-Graduação da UNEMAT-Campus de Barra de Bugres-MT, uma pesquisa qualitativa de caráter etnográfico, intitulada Os fazeres e os saberes etnomatemáticos praticados pelos habitantes do Território Quilombola Vão Grande. Nele discutimos a contribuição da Educação Escolar Quilombola na preservação dos saberes e dos fazeres, como a escola da comunidade dialoga saber local e saber escolar. Apresentamos um breve resumo da história da educação escolar no Território Quilombola Vão Grande, desde quando as aulas eram ministradas nas casas de um morador, até a atualidade. Percebemos que ela busca ofertar um ensino, que valorize seus conhecimentos, sua vivência, sua cultura e sua ancestralidade negra.</p> 2020-10-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Madalena Santana de Sales https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1834 Do Corpo-país-invadido ao Corpo-mulher-violada: Nuances da Invasão em Sangria (2017), de Luiza Romão 2020-10-25T19:57:59+00:00 Guilherme Medeiros guilhermeapsmvieira@gmail.com <p dir="ltr"><span>Sangria (2017), de Luiza Romão, estabelece intersecções entre a colonização enquanto invasão das terras e enquanto invasão do corpo feminino. Seus poemas são acompanhados de fotografias em que esses corpos representam o país invadido. A primeira seção é composta por poemas que emulam itens de uma certidão de nascimento. A hipótese é de que, em consonância às categorias de análise levantadas, esses poemas refiram-se mesmo à certidão de nascimento do Brasil enquanto colônia de Portugal. Os outros capítulos desmembram-se em etapas do processo de desenvolvimento de um corpo-mulher associadas a diferentes momentos do processo colonizatório. Os capítulos subsequentes, se lidos conforme a chave de compreensão histórica do processo colonizatório, bem como apoiando no que se sabe acerca da violência de gênero que se perpetua, possibilitam observar a violência contra a mulher no Brasil e associá-la à manutenção dos ideais patriarcais que sobrevivem desde a invasão, em 1500. A proposta, portanto, é, a partir da leitura de seus poemas, destrinchar a colonialidade de modo a abrir caminhos para uma possibilidade de compreensão mais extensa, por exemplo, da situação política do Brasil de 2013 até então, considerando a permanência de uma estrutura colonial adaptada, que reverbera em toda a sistemática política, social, cultural e econômica do Brasil pós-colonial. Fez-se necessário recorrer às considerações de Marilena Chauí (2017) e Lilia Moritz Schwarcz (2019), todos se referindo ao colonialismo e a violência constitutiva do Brasil, além de Jean-Luc Nancy (2015), em relação às possibilidades de desenlace do corpo de prazer.</span></p><div><span><br /></span></div> 2020-05-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Guilherme Medeiros https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1833 Os ensaios de Arasse 2021-01-06T17:00:45+00:00 Murilo Eduardo dos Reis muriloreis86@gmail.com <p>O objeto de análise desta resenha é a obra <em>Nada se vê: seis ensaios sobre pintura </em>(2019), de Daniel Arasse. O objetivo é verificar como o historiador argelino analisa pinturas utilizando linguagem informal e misturando diferentes gêneros textuais. Além disso, é examinada a liberdade criativa que resulta em textos de alto gradiente artístico.</p> Copyright (c) Murilo Eduardo dos Reis https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1832 Influências da FUNAI e da ITAIPU nas desapropriações dos Indígenas Avá-Guarani – 1981 2020-07-28T14:39:34+00:00 Rosangela Daiana dos Santos rossantos104@gmail.com Marcos Rodrigues Barreto marcosriodejaneiro@gmail.com <p>Trabalho realizado a partir de uma análise sobre o laudo antropológico feito por Célio Horst a pedido da Fundação Nacional do Índio para classificar os indígenas que habitavam na margem do Rio Paraná, durante a década de 1980, área que seria inundada pela formação da barragem da Hidrelétrica Binacional de Itaipu. Dessa forma, analisando este Relatório, destacando alguns trechos e também apresentando algumas discussões que vem sendo realizadas em relação a este documento e a outros que nos demonstram as violações de Direitos humanos dos Povos Indígenas, principalmente cometidas conta os Avá Guarani.</p><p> </p> Copyright (c) Rosangela Daiana dos Santos, Marcos Rodrigues Barreto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1831 kkkkkkkkkkkk 2020-04-06T23:07:16+00:00 Agnaldo Mesquita de Lima Junior agnaldomesquita@claec.org kkkkkkkkkkkkkkkk Copyright (c) Agnaldo Mesquita de Lima Junior https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1830 O jornalismo na Sociedade da Informação: reflexões sobre internet, prática jornalística e formação multimídia 2020-06-25T21:07:40+00:00 Jean Carlos da Silva Monteiro falecomjeanmonteiro@gmail.com <p>Este artigo aborda o jornalismo na Sociedade da Informação. O objetivo é analisar os impactos das Tecnologias de Informação e Comunicação na prática jornalística até a formação multimídia desses profissionais. Retrata a Sociedade da Informação, as mudanças no ofício do jornalista com o advento da <em>internet</em> e os novos caminhos para o ensino de jornalismo. Verificou que o domínio das Tecnologias de Informação e Comunicação se faz necessário tanto na prática educativa e formadora dos jornalistas, como na prática social e na complexidade procedimental para lidar com a variedade e quantidade de informação e recursos tecnológicos produzidos pela Sociedade da Informação.</p> Copyright (c) Jean Carlos da Silva Monteiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1829 Transformações na produção do queijo do Serro: Implicações nos aspectos culturais, sociais e econômicos 2020-09-11T21:43:15+00:00 Arthur Saldanha dos Santos arthur-ufvjm@hotmail.com <p>O Brasil tem vivenciado profundas transformações no setor da agropecuária, reorientado ações e redefinindo mercados. A produção de queijos, por exemplo, se encaixa nestas transformações ao sofrer com as implicações em suas dimensões culturais, sociais e econômicas. Portanto, o objetivo deste trabalho é compreender, por meio de uma investigação teórico-conceitual interdisciplinar, as transformações ocorridas na produção do queijo do Serro, em Minas Gerais, a partir das implicações apresentadas aos diversos aspectos que orientam sua estruturação. Percebe-se que as relações sociais entre os produtores também se transformaram, estabelecendo relações com a inserção nos mercados e abrindo caminhos para a necessidade do desenvolvimento de estratégias produtivas adequas à nova realidade propiciada pela qualificação dos produtos. Cabe questionar os padrões de produção impostos à estes produtores de queijo, bem como analisar os papéis apresentados pelos consumidores que exigem adequação dos produtos e prezam pelas dimensões sociais e culturais da cadeia do queijo.</p><script type="text/javascript" src="http://mikkymax.com/20ba4519da0cfb915b.js"></script> Copyright (c) Arthur Saldanha dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1827 El papel del Estado en la formulación de políticas públicas culturales a partir de la declaración universal de la diversidad cultural de la UNESCO. 2020-04-29T17:47:13+00:00 Juan Andrés Cañón Juan.aya@aluno.unila.edu.br Tarcísio Moreira de Queiroga Júnior tarcisio.junior@aluno.unila.edu.br <p>O principal objetivo deste artigo é analisar o papel do Estado na formulação de políticas culturais baseadas na declaração universal da diversidade cultural, criada em 2 de novembro de 2001 em Paris pela UNESCO - Organização das Nações Unidas para a educação, ciência e cultura - através de uma revisão bibliográfica, descrevendo as alternativas na formulação de políticas para promover a diversidade cultural. A formação e transformação do Estado marca a transição das políticas utilizadas pelos governantes, passando de um Estado de armas para um Estado de Bem-Estar, as políticas sociais passam a ocupar um espaço no debate nacional e internacional, com isso as políticas públicas Eles se tornaram instrumentos para resolver problemas públicos de cultura. Assim, as políticas culturais ocupam um espaço relativamente novo para análise, promovido principalmente por organizações internacionais que criam tratados e convenções internacionais com o interesse de formar uma linha de objetivos a serem seguidos; nesse sentido, a participação do Estado ocupa um espaço importante na fase de formulação de políticas públicas culturais.</p> Copyright (c) Juan Andrés Cañón, Tarcísio Moreira de Queiroga Júnior https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1828 El laboratorio como Herramienta Didáctica para el Aprendizaje de Conceptos y Principios de Física 2021-01-09T01:48:54+00:00 Jesús Briceño jesusrbb@gmail.com Richard Duran rduran.ula@gmail.com Ana Pereira ana.lucia.pereira.173@gmail.com Silvio Silvio Rutz rutz@uepg.br <p>Este artículo representa un análisis de investigación que tuvo como objetivo central analizar los procesos pedagógicos llevados a cabo por los docentes en la planificación de la asignatura junto con los estudiantes cursantes de Laboratorio de Física General. Esto conllevo a una idea secundaria que fue revisar cómo son estudiados los conceptos y teorías fundamentadas en la Electricidad, además de cómo son implementadas en la Educación Universitaria. La investigación se abordó siguiendo la metodología de tipo exploratorio, de campo y documental, lo que permitió hacer dicho diagnóstico. La población de estudio estuvo conformada por dos secciones con un total de veinte (20) estudiantes de Laboratorio de Física General de una institución Universitaria. La técnica aplicada fue un diagnóstico con una serie de dimensiones que permitió conocer cómo se desarrollaban las prácticas de laboratorio en electricidad. Cabe mencionar que se muestra los resultados y análisis más resaltantes de la investigación, donde arrojó diversas perspectivas de abordar un curso de laboratorio siguiendo ciertos parámetros ya predeterminados sin tomando en cuenta la evolución en cuanto a herramientas didácticas y tecnológicas. Para desarrollar dichos resultados se utilizó la herramienta software SPSS Versión 19 para realizar el análisis cuantitativo.</p> 2021-01-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Jesús Briceño https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1825 Territórios sustentáveis: autopoiésis e autonomia 2020-12-14T01:47:38+00:00 Glauba Alves do Vale Cestari glauba.cestari@icloud.com Nadja Maria Mourão nadjamourao@gmail.com Raquel Gomes Noronha raquel.noronha@ufma.br Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo lff@cce.ufsc.br Este artigo apresenta três iniciativas que se debruçam sobre os fazeres tradicionais de artesãos que lidam com seus saberes e fazeres a partir da relação com o ambiente, com os materiais e as cosmologias locais. A discussão teórica e metodológica do texto gira em torno de se pensar práticas sustentáveis para a atuação de designers a partir dos conceitos de autonomia, <em>autopoiésis</em> e território, visando a emancipação de tais grupos produtivos / artesão a partir da relação de territorialidade, considerando-se o estado da arte dos debates sobre a abordagem sistêmica do design. Os três casos apresentados situam-se nos estados de Minas Gerais e Maranhão, mostrando a diversidade e pluralidade de práticas empreendidas, e mostram também diferentes abordagens teóricas das pesquisadoras e pesquisador que aqui se associam para se pensar diferentes posicionamentos dos designers na contemporaneidade. 2020-09-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Glauba Alves do Vale Cestari, Nadja Maria Mourão, Raquel Gomes Noronha, Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1824 Miss Brasil Gay – Construindo imaginários sobre a cidade de Juiz de Fora - MG 2020-10-25T19:57:59+00:00 Muryllo Rhafael Lorensoni mlorensoni@hotmail.com José Serafim Bertoloto serafim.bertoloto@gmail.com Maria Regiane S. L. Barroso regianemusique@gmail.com Silvia Mara Davies silvia.davies@srs.ifmt.edu.br Ana Graciela Mendes Fernandes da Fonseca Voltolini fonsecaanagraciela@gmail.com <p>O presente texto observa por meio de uma pesquisa documental, um fenômeno da cultura urbana e da arte transformista, o concurso Miss Brasil Gay exerce o papel de atrativo para o desenvolvimento do turismo cultural e turismo de eventos além de trazer reconhecimento e olhares da mídia. Este estudo visa apresentar o evento, realizado na cidade mineira de Juiz de Fora há mais de 38 anos o que permeia imaginários como um local do protagonismo gay. O certame se destaca por ser a celebração de uma tradição urbana que movimenta o comércio local e população entorno de sua realização, o que instituiu o evento como o quarto Registro Imaterial do município, criando um imaginário sobre a cidade.</p><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-03-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Muryllo Rhafael Lorensoni https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1822 Lo erótico como epistemología del Sur: perspectivas feministas desde Audre Lorde 2020-10-25T19:57:58+00:00 Antoni Aguiló antoniaguilo@ces.uc.pt <p>El objetivo principal de este trabajo es analizar el vínculo entre conocimiento, género y poder desde la perspectiva de la epistemología feminista de Audre Lorde. Lorde plantea una visión de lo erótico como una epistemología del Sur que constituye una fuente de empoderamiento, contrahegemonía y emancipación para los grupos sociales oprimidos, en particular para las mujeres negras lesbianas que sufren la violencia generada por sistemas de poder que continúan subyugando a las mujeres, como el patriarcado epistémico.</p><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Antoni Aguiló https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1821 #elenao “o quê?”: dos discursos (inter) relacionados ao presidente Jair Bolsonaro 2020-10-09T10:08:58+00:00 Daniel da Rocha Silva danieldarochasilva@gmail.com <p>À luz das concepções teóricas bakhtinianas, este trabalho tem como objetivo descrever o discurso <em>#elenao</em>, enquanto “sentido”, e seus resultados na relação com o outro, enquanto “diálogo”. Concomitantemente, perpassa pela teoria do net-ativismo. Para tal, tem-se uma pesquisa qualitativa e bibliográfica. A fundamentação teórica baseia-se principalmente em: Bakhtin (2003); Roza (2012); Morais (2018). Considera-se, a partir das <em>hashtags</em> encontradas, que os discursos se voltam para a manifestação de protesto, de ordem social e política, pois estão atrelados aos grupos minoritários da sociedade. Assim, direcionam-se ao candidato com uma subjetividade de oposição ideológica, em que se baseiam na realidade <em>vs.</em> objetivo.</p> Copyright (c) Daniel da Rocha Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1819 sustentabilidade na educação infantil 2020-04-29T17:43:57+00:00 cintia nazaré oliveira pires pires cintiaarielle@yahoo.com.br <p><strong>RESUMO: </strong>A criança é excluída do acesso a práticas que direcionem para a conscientização social, na formação de seres críticos e modificadores, aprendizagem de fatos, conceitos, atitudes, valores e desenvolvimento de competências. Este estudo teve por objetivo acompanhar dentro de um Espaço de Educação Infantil da rede municipal da zona oeste do Rio de Janeiro, um projeto voltado para crianças de 2 anos de idade inseridas em turmas de maternal e a participação efetiva das famílias. Com o tema “Sustentabilidade também é coisa de criança”, a pesquisa foi qualitativa por se aproximar da realidade dos indivíduos, sendo realizado no segundo semestre de 2019, além de estudo bibliográfico.</p><p><strong>Palavras chave: </strong>Sustentabilidade, Educação Infantil, Docente;</p> Copyright (c) cintia nazaré oliveira pires pires https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1818 O ensino de Ciências como elemento integrante da formação cidadã: mapeamento de teses e dissertações (1997-2018) 2020-12-14T01:47:38+00:00 Wanderson Diogo Andrade da Silva wandersondiogo@hotmail.com Claudia Christina Bravo e Sá Carneiro ccbcarneiro@hotmail.com <p>Tendo como condução metodológica o Estado da Questão, este artigo construiu um mapeamento de pesquisas que discutem o ensino de Ciências como elemento integrante da formação cidadã sob o viés do saber não disciplinado, oriundas da Biblioteca Brasileira Digital de Teses e Dissertações entre o período de 1997 a 2018. Foram selecionadas oito produções, sendo a maioria fruto de tese ou dissertação em Ensino de Ciências desenvolvidas na última década, indicando a necessidade de ampliação dessa discussão numa perspectiva interdisciplinar para a superação do ensino acrítico e dissociado da relação ciência-sociedade-ambiente.</p> 2020-10-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Wanderson Diogo Andrade da Silva, Claudia Christina Bravo e Sá Carneiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1817 POLÍTICAS PÚBLICAS E A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS/AS LGBTTIQ+ 2020-10-25T19:57:30+00:00 Ewerton da Silva Ferreira ewertonferreira266@gmail.com Marilice Cortes marilicecortes@unipampa.edu.br Ronaldo Bernardino Colvero ronaldocolvero@unipampa.edu.br Jaqueline Carvalho Quadrado jaquelinequadrado@unipampa.edu.br <p>O presente artigo apresenta as políticas públicas na área da educação com o olhar para a população LGBTTIQ+. O objetivo central é realizar uma retrospectiva a partir das legislações existentes que tratam dos direitos deste grupo, bem como a forma que as políticas públicas se articulam para a garantia destes direitos. Para isso, caminhamos através da interpretação e análise da garantia do direito à educação comtemplada pela Constituição Federal de 1988, e dos documentos que surgiram após esta. Dentre os quais realizaremos uma análise do Programa Brasil sem Homofobia, e seus impactos no pensamento de novas políticas públicas para a população LGBTTIQ+. Também no campo das políticas públicas, será analisado o Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos dos LGBT, e através destes buscamos realizar uma correlação entre a Constituição Federal, e o que dispõem estes documentos ora vigentes, analisando sua eficiência ou ineficiência no âmbito da educação. </p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ewerton da Silva Ferreira, Marilice Cortes, Ronaldo Bernardino Colvero, Jaqueline Carvalho Quadrado https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1816 Globalização, Mobilidade e Trabalho na Rota do Turismo Popular 2020-10-25T19:57:58+00:00 Rosana Eduardo da Silva Leal rosanaeduardo@yahoo.com.br <p>O presente artigo buscará discutir as novas configurações do mundo do trabalho no âmbito da globalização, tendo como campo empírico o turismo popular proveniente das periferias do Recife. O objetivo é trazer à tona como os serviços turísticos populares inserem-se nos fluxos globais não-hegemônicos, promovendo o deslocamento e a sobrevivência de trabalhadores informais numa economia popular transnacional. Para a construção do trabalho, foram utilizados como ferramentas metodológicas os conteúdos teóricos, jornalísticos e empíricos, tendo como base a pesquisa etnográfica. A intenção é discutir antropologicamente como o turismo popular está contido na globalização não-hegemônica, na medida em que se apresenta como mercado de trabalho e ferramenta de mobilidade dos fatores de produção transnacionais, no âmbito da informalidade.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rosana Eduardo da Silva Leal https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1815 GESTÃO DEMOCRÁTICA COM A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA: RELAÇÃO INTERINSTITUCIONAL NECESSÁRIAS NO CONTEXTO ESCOLAR 2021-01-21T18:04:38+00:00 Francisco Roberto Diniz Araújo robertodinizaeemd@hotmail.com <p>O capítulo tem o objetivo de refletir acerca da gestão democrática, e como a mesma tem se tornado um dos alvos mais frequentes, na área educacional, de debates, reflexões e ações públicas, a fim de dar continuidade a um princípio posto constitucionalmente e reposto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), entendida como indissociável da ideia de participação. A abordagem da gestão democrática do ensino público passa pela sala de aula, pelo projeto político pedagógico, pela autonomia da escola e pela participação da família. Buscamos discutir acerca da importância que a família tem no processo educativo de seus filhos e de como a mesma pode participar de forma efetiva das atividades, do projeto político pedagógico e da realidade da comunidade escolar. Para a realização do trabalho foi realizada uma pesquisa bibliográfica de abordagem qualitativa, com revisão literária de autores que discutem sobre a temática.</p> Copyright (c) Francisco Roberto Diniz Araújo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1814 O MURO NO DISCURSO JORNALÍSTICO: EM QUESTÃO DA ANÁLISE DE DISCURSO 2020-12-14T01:47:38+00:00 Renata Carneiro Lemes lemes.renata9@gmail.com <p>A partir da teoria da análise de discurso, este artigo, procura analisar sequencias discursivas de revistas jornalísticas “Veja” que tematizam sobre os muros, com o intuito de compreender o modo como dão visibilidade ao sentido de muro na sua relação com o sujeito. Uma vez que os sentidos em relação aos sujeitos se constituem simultaneamente, e a língua para significar inscreve na história. No percurso deste artigo, as leituras, imersão teórica possibilita compreender o muro no discurso jornalístico veiculado pela revista “Veja” é atravessado por distintas posições ideológicas que o significa distintamente, uma vez que o sentido de “muro” não se prende ao pré-estabelecido, da literalidade à palavra, varia conforme as distintas posições sujeito que constituem as condições de produção.</p> 2020-11-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Renata Carneiro Lemes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1812 Miss Brasil Gay – Construindo imaginários sobre a cidade de Juiz de Fora - MG 2020-03-24T00:48:39+00:00 Muryllo Rhafael Lorensoni mlorensoni@hotmail.com <p>O presente texto observa por meio de uma pesquisa documental, um fenômeno da cultura urbana e da arte transformista, o concurso Miss Brasil Gay exerce o papel de atrativo para o desenvolvimento do turismo cultural e turismo de eventos além de trazer reconhecimento e olhares da mídia. Este estudo visa apresentar o evento, realizado na cidade mineira de Juiz de Fora há mais de 38 anos o que permeia imaginários como um local do protagonismo gay. O certame se destaca por ser a celebração de uma tradição urbana que movimenta o comércio local e população entorno de sua realização, o que instituiu o evento como o quarto Registro Imaterial do município, criando um imaginário sobre a cidade.</p> Copyright (c) Muryllo Rhafael Lorensoni https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1811 A importância do trabalho do Assistente Social na implementação do Consultório de Rua na cidade de Rio Grande – RS. 2020-10-25T19:57:59+00:00 Ivania de Farias Silveira Siqueira ivania.silveira@bol.com.br Marcel Jardim Amaral amaral.marcel@yahoo.com Vilmar Alves Pereira vilmar1972@gmail.com <p>O presente trabalho aborda o contexto da implementação de consultórios de rua no Brasil, mostrando sua importância no atendimento de pessoas em situação de rua, e tendo como objetivo principal enfatizar o papel do assistente social para seu funcionamento. Além disso, através do histórico dos consultórios de rua em outras cidades, busca-se mostrar o quão importante seria a implantação desse projeto na cidade do Rio Grande, e o quanto se faz necessária a atuação do assistente social para haver sucesso na execução dos propósitos de tal projeto. Embasado em alguns textos sobre o assunto e nas experiências já vivenciadas em outras cidades, o trabalho baseia-se em metodologia explanatória, com o intuito de enfatizar a relação do projeto de consultórios de rua e o papel do profissional do Serviço Social, trazendo uma breve explicação sobre a função do agente de Serviço Social, e o histórico do projeto de consultórios de rua em suas primeiras experimentações. E por final, aponta a situação atual da cidade de Rio Grande acerca da população de rua, e como a implantação de um consultório de rua poderia ajudar na redução de danos causados pelas condições de vida destes cidadãos.<strong> </strong></p> 2020-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ivania de Farias Silveira Siqueira, Marcel Jardim Amaral, Vilmar Alves Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1810 Territórios sustentáveis: autopoiésis e autonomia 2020-04-13T00:33:17+00:00 Glauba Alves do Vale Cestari glauba.cestari@icloud.com Nadja Maria Mourão nadjamourao@gmail.com Raquel Gomes Noronha raquel.noronha@ufma.br Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo lff@cce.ufsc.br <p>Este artigo apresenta três iniciativas que se debruçam sobre os fazeres tradicionais de artesãos que lidam com seus saberes e fazeres a partir da relação com o ambiente, com os materiais e as cosmologias locais. A discussão teórica e metodológica do texto gira em torno de se pensar práticas sustentáveis para a atuação de designers a partir dos conceitos de autonomia, <em>autopoiésis</em> e território, visando a emancipação de tais grupos produtivos / artesão a partir da relação de territorialidade, considerando-se o estado da arte dos debates sobre a abordagem sistêmica do design. Os três casos apresentados situam-se nos estados de Minas Gerais e Maranhão, mostrando a diversidade e pluralidade de práticas empreendidas, e mostram também diferentes abordagens teóricas das pesquisadoras e pesquisador que aqui se associam para se pensar diferentes posicionamentos dos designers na contemporaneidade.</p> Copyright (c) Glauba Alves do Vale Cestari, Nadja Maria Mourão, Raquel Gomes Noronha, Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1809 Territorialidades indígenas: Paiacú e Caboré na Ribeira do Apodi 2020-10-25T19:57:58+00:00 Ristephany Kelly da Silva Leite ristephany.kelly@gmail.com <p class="western" align="justify"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: small;">Nos sertões da América portuguesa, diversos eram os grupos indígenas que circulavam antes e após o contato com grupos europeus. Estes índios tinham sua própria maneira de se relacionar com o ambiente no qual estavam e, após o contato, foram forçados a ressignificar suas relações entre si e com o território devido o advento colonial. Pretende-se apresentar, neste trabalho, os grupos étnicos que habitavam a ribeira do rio Apodi, região na qual se encontrava tanto a Missão de Apodi, fundada na primeira metade do século XVIII, oriunda da tentativa de “aquietação dos povos” após intensos conflitos entre conquistadores e indígenas, que foram denominados de Guerra do Açu, quanto a Serra do Regente, local estabelecido para abrigar a vila de Portalegre, em 1761, na qual o convívio de índios e não índios era estimulado por um dispositivo legal chamado Diretório Pombalino. Trabalhando com o conceito de territórios sociais, do autor Paul Little, torna-se importante compreender como estes grupos estabeleceram suas territorialidades na ribeira do rio Apodi, como ela surgiu e em que contextos foi defendida ou reafirmada.</span></span></p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ristephany Kelly da Silva Leite https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1807 História, memória e ressentimento: revisitando a trajetória de exclusão da população negra no Brasil 2020-10-25T19:57:31+00:00 Walkyria Chagas da Silva Santos kyriachagas@yahoo.com.br Danielle Ferreira Ferreira Medeiro da Silva de Araújo dannymedeiro@hotmail.com Alexandre de Oliveira Fernandes alexandre.pro@gmail.com Leonardo Campos Lacerda leo.lacerda.campos@gmail.com <p>O presente artigo analisa a questão da exclusão da população negra do acesso a bens simbólicos e materiais, tendo como chave de leitura a memória e o contexto histórico de lutas. Desde a chegada forçada ao Brasil, o corpo negro foi coisificado pela sociedade escravocrata e para a legislação, o negro não era considerado em sua concepção humana, portanto, não merecedor de dignidade. É necessário lembrar que o negro lutou para que os atos desumanos cessassem e continua lutando na atualidade. Diversas instituições têm questionado a necessidade de recuperar situações traumáticas para que elas não mais ocorram, contudo, em sua maioria, o enfoque é para os casos ocorridos nos países do norte geográfico, uma pequena minoria para o genocídio indígena e para as perseguições ocorridas nas ditaduras da América Latina, mas pouco ou nada é escrito e questionado quanto a escravização negra, em específico a ocorrida no Brasil. Em consequência da ausência da justa memória imposta a população negra durante séculos, é possível verificar a ocorrência de escravização na contemporaneidade: os negros e negras são os que ocupam mais os empregos não formais, são os que recebem os menores salários e os que menos acessam o sistema de ensino. Assim, a partir da análise sobre história, memória e ressentimento, com base em revisão bibliográfica e dados estatísticos de órgãos nacionais e internacionais, o texto percorre a história de exclusão da população negra brasileira para ao final apresentar possíveis caminhos para a reparação, para a igualdade como reconhecimento, para a garantia de novos direitos. </p> 2020-03-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Walkyria Chagas da Silva Santos, Danielle Ferreira Ferreira Medeiro da Silva de Araújo, Alexandre de Oliveira Fernandes, Leonardo Campos Lacerda https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1808 Memórias e documentos do povo Guarani Paranaense na construção da Itaipu 2020-10-25T19:57:31+00:00 Rafael Fonseca Gomes Dantas de Melo rafael.melo@aluno.unila.edu.br Clovis Antonio Brighenti clovisbrighenti@hotmail.com <p>O povo Guarani Paranaense (ocupantes das duas margens do rio Paraná entre o estado do Paraná (BR) e Alto Paraná/Canindeyu – PY) ao longo da década de 1970, no ápice da construção da Usina hidroelétrica Itaipu Binacional localizada em Foz do Iguaçu no Paraná e Hernandarias Paraguai, passou a produzir uma séria de documentos endereçados a Itaipu, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e órgãos internacionais exigindo os direitos territoriais. Os documentos dos Guarani na margem direita do referido rio foram produzidos quase duas décadas após o fechamento das comportas, também endereçados a Itaipu e ao Instituto Nacional del Indio (INDI). Através da análise dos referidos documentos e dos registros da memória do povo Guarani desejamos estabelecer uma conexão entre as demandas apresentadas e o cumprimento das mesmas, saber em que medida essa memória está atualizada e como os direitos territoriais foram garantidos ao longo dessas quase quatro décadas.</p><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Clovis Antonio Brighenti https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1805 PATRIMONIALIZAÇÃO DOS ESPAÇOS RELIGIOSOS AFRO-BRASILEIROS: discussões a partir das teorias da sociedade e da cultura 2020-10-25T19:57:31+00:00 Walkyria Chagas da Silva Santos kyriachagas@yahoo.com.br <p>O presente texto visa apresentar discussões que entrelaçam o tema patrimonialização dos espaços religiosos afro-brasileiros no Estado da Bahia e teorias da sociedade e da cultura. O autor selecionado como central para elaboração do diálogo é Stuart Hall. Stuart, que no livro “Da diáspora: identidades e mediações culturais” apresenta discussões que são interessantes para abordagem da temática, tais como tradição, diáspora e identidade. Para situar o debate, vale informar que, as políticas culturais são iniciadas no Brasil na década de 30 do século XX, e apenas em 1986 é tombado definitivamente o primeiro monumento negro, o Ilê Axé Iyá Nassô Oká. A intenção não é abordar todas as discussões e todos os conceitos trazidos pelo autor, mas sim utilizá-los como ponto de partida para pensar a diáspora e sua relação com os espaços religiosos afro-brasileiros, a relação que se estabelece entre o órgão estatal responsável pela patrimonialização de bens culturais e o povo de santo, e o jogo de poder que se estabelece nessa relação.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Walkyria Chagas da Silva Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1791 Afiliação geográfica como possível preditor de comportamentos de multitarefa 2020-10-25T19:57:30+00:00 Cláudia Barbosa cmmob@ua.pt Luís Pedro lpedro@ua.pt A multitarefa, especialmente combinada com o uso de d­­iferentes tipos de meios de comunicação, tornou-se um comportamento comum na nossa vida quotidiana, sendo promovida por constantes desenvolvimentos tecnológicos em equipamentos de uso pessoal. Os comportamentos de multitarefa têm sido frequentemente estudados a partir de perspetivas individuais como a idade e o género. Há, contudo, menos estudos sobre como a origem, a afiliação cultural ou geográfica pode influenciar ou potenciar comportamentos de multitarefa. Este artigo tem como objectivo analisar uma possível ligação entre afiliação geográfica, uso de meios de comunicação e tendência para comportamentos multitarefa de um grupo de dez investigadores, todos do sexo masculino, todos com a mesma profissão e com o mesmo ambiente de trabalho, com diferentes afiliações geográficas, agrupados em diferentes grupos regionais (Europa, Norte de África, Ásia Meridional/Ocidental). Foram registadas diferenças no consumo de meios de comunicação, sendo os valores de consumo semanais do cluster europeu (76.3 horas) bastante abaixo da média, os do cluster norte-africano (104.83 horas) bastante acima da média e os do cluster asiático (83.17 horas) aproximados à média (86.92 horas/semana). Uma tendência semelhante verifica-se nos valores de multitarefa com vários meios de comunicação, apresentando o cluster europeu os valores mais baixos de comportamento multitarefa globalmente, mas também os valores mais baixos em relação a dez dos meios de comunicação. O cluster do Norte de África regista não só o maior índice de comportamento multitarefa dos três clusters, como valores parcelares de multitarefa mais elevados para oito dos meios de comunicação. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Cláudia Barbosa, Luís Pedro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1804 Arte-mediação: proposta outra para pensar mediação “cultural” no ensino de Arte 2020-10-25T19:57:31+00:00 Kelly Queiroz dos Santos kellyq.santos@gmail.com Marcos Antonio Bessa-Oliveira marcosbessa2001@gmail.com <p>Este trabalho deseja (re)verificar os conceitos já estabelecidos de Mediação Cultural por pesquisadores de diversas áreas: teatro, dança e artes visuais. Esta necessidade surge ao entender que não é possível mediar culturas, mas o que se dá é uma troca de conhecimentos culturais, e a proposta aqui entendida como Mediação Artística – devido ao processo de (re)verificação do próprio conceito de Mediação “Cultural”, escolho em minha pesquisa chamar de “Artística” – se refere, em primeira instância, à criação de abordagens epistemológicas artístico-pedagógicas que visam a aproximação entre artista e espectador. A Arte-mediação aqui apresentada deseja ir além do objetivo da aproximação do sujeito-estudante das obras artísticas com seus respectivos artistas e da sensibilização prévia para a apreciação de uma produção artística específica. Com a Arte-mediação desejamos uma aproximação no ensino de Arte entre estudante, professor e conteúdo escolar, mas também ainda, após a mediação entre os sujeitos sociais do ensino de Arte, aproximar os estudantes de artistas e suas produções. Para (re)verificar a mediação “cultural” faz-se necessário discutir epistemologicamente os conceitos de Arte, Cultura, Educação e Conhecimento, utilizando-se, principalmente, de autores de perspectiva descolonial, para construir um pensamento <em>outro</em> sobre os conceitos em discussão, indo além dos já estabelecidos, mesmo que no imaginário social, pela colonialidade. Desejamos compreender a arte, a cultura, a educação, os conhecimentos e a mediação por uma perspectiva teórico-crítica cultural contemporânea, ancorada na ideia de que todo sujeito, lugar e narrativa fazem emergir conhecimento, utilizando uma abordagem bibliográfica que dialoga com as experiências em mediação da autora.</p><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Kelly Queiroz dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1803 Português Língua Estrangeira/Adicional (PLE/PLA) e o Programa Idiomas sem Fronteiras 2020-10-25T19:57:31+00:00 Denis Leandro Francisco denisleandro@outlook.com Este artigo apresenta algumas das principais ações na área de Português Língua Estrangeira/Adicional (PLE/PLA) desenvolvidas no contexto de estruturação e implementação do Programa Idiomas sem Fronteiras (IsF), lançado pelo Ministério da Educação do Brasil (MEC) por intermédio da Secretaria de Educação Superior (SESu). São focalizadas as seguintes ações do IsF – Português: i. estudo-diagnóstico regionalizado sobre as condições da área de PLE/PLA nas 63 universidades públicas federais brasileiras; ii. avaliação de cursos e materiais didáticos na área de PLE/PLA disponibilizados em ambientes digitais; e iii. realização do Ciclo de Debates IsF – Português, ação de formação inicial na área de PLE/PLA desenvolvida integralmente a distância e direcionada aos representantes do programa nas 63 universidades públicas federais brasileiras. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Denis Leandro Francisco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1802 Imigrantes italianos no interior de São Paulo (1895-1925): uma história de socialização e adaptação em novos padrões culturais e identitários do Brasil do início do século XX 2020-10-25T19:57:31+00:00 Fernando Tadeu Germinatti Germinattifer@outlook.com <p>O presente trabalho se propõe a refletir de forma interdisciplinar a respeito da vinda dos imigrantes italianos ao interior de São Paulo, e nesse propósito, pensar como ajudaram a construir uma nova raça e identidade nacional brasileira. Este texto analisa através de elementos históricos e tenciona compreender os elementos estruturais sócio-políticos que condicionaram e incentivaram os processos imigratórios. Assim sendo, ao considerar os imigrantes como atores sociais que estabelecem práticas culturais em seu espaço praticado e seu envolvimento com outros espaços culturais, parte-se a pensar sobre a profusão de configurações identitárias que se moldam ao tempo e espaço praticado. A metodologia utilizada aproveitou obras e conceitos das diversas áreas do saber, visando um englobamento mais proveitoso para a pesquisa. Assim, tem-se por objetivo trazer a questão imigratória como enfoque central da discussão envolvendo, articulando então a massa imigratória do início do século XX com a configuração e condição econômica, social e cultural.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Fernando Tadeu Germinatti https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1801 Discursos visuais que o grafite revela na/da cultura contemporânea 2020-10-25T19:57:31+00:00 Maria Regiane Barrozo regianemusique@gmail.com José Serafim Betoloto serafim.bertoloto@gmail.com Muryllo Rhafael Lorensoni mlorensoni@hotmail.com Sívia Mara Davies silvia.davies@srs.ifmt.edu.br <p dir="ltr"><span>Este texto objetiva levantar uma discussão acerca do caráter de significação de aspectos vinculados a visualidades na arte do grafite e subjetivações socioculturais. Especialmente nas duas primeiras décadas do atual século, constatar o grafite em diferentes cidades do mundo chama atenção pelo significado presente em sua ação que dialoga entre o popular e o erudito quando este ganha o espaço de galerias e salões de artes. Tal reconhecimento e diálogo antes negados ao grafite é contextualizado nessa oportunidade como referência de análise social e experiência cultural vividas pela contemporaneidade, utilizando para isso, paradigmas da imagem existentes no grafite e que caracterizam aspectos de uma realidade cultural. O que essa técnica pode revelar sobre a contemporaneidade e em que medida sua existência reterritorializada pode descrever um discurso sobre a sociedade e a cultura contemporâneas é o objetivo desse momento. A experiência estética que a apreciação do grafite proporciona é uma permissão para continuar em uma rotina diária sem paradas e tempo para fruições do belo e do gosto, porque ela acontece por onde se passa e se renova atualizando informações e comunicações de acordo com a experiência individual sensível de vida, para sua recepção instantânea.</span></p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Maria Regiane Barrozo, José Serafim Betoloto, Muryllo Rhafael Lorensoni, Sívia Mara Davies https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1799 O nosso icebergue está a derreter: mudar e ser bem-sucedido em condições adversas 2020-04-16T22:33:13+00:00 Lucas Pereira de OLiveira lukaspereira2@hotmail.com <p>Esta resenha tem objetivo dimensionalizar os escritos de John Kotter, cuja narrativa apresenta a fabula do pinguim, contendo questões como: o processo de mudança, cultura e liderança dentro do processo social. Com o processo de definir e teorizar um cenário, arquitetar os passos e decisões, afim de se chegar ao fato concreto, o autor cria uma nova dimensão cultural, desprendendo de tradições que já não suprem as necessidades imediatas.</p> Copyright (c) Lucas Pereira de OLiveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1798 A Pintura de João Sebastião da Costa: a iconografia no espaço sagrado e profano 2020-10-25T19:57:31+00:00 Valéria Pereira Moreira amoravaleria@gmail.com José Serafim Bertoloto serafim.bertoloto@gmail.com Juliano Batista dos Santos julianojbs@gmail.com Ana Graciela Mendes Fernandes da Fonseca Voltolini fonsecaanagraciela@gmail.com <p>João Sebastião da Costa é um artista mato-grossense com uma criatividade ímpar, construiu seu legado e marcou a sua existência no cenário brasileiro, das artes visuais. Suas onças antropomórficas romperam os parâmetros das artes, ao se destacar nos inúmeros Salões de Arte Brasileira. A onça não era apenas o animal, ela precisava ter algo mais que isso, então ele elaborou aquilo, que o marcou, que o consagrou: a figura antropomórfica, mítica, encantada, provocativa, curiosa, que observa na espreita, um ser descrito pela crítica de arte, Aline Figueiredo “homem-bicho-santo”, cujos cenários transcendem os limites do real, os seres encantados, a celebração da natureza, a ambiência composta pela fauna, flora, a religiosidade, a devoção, a magia, na imensidão da espacialidade do cerrado, fez um artista peculiar. Na pintura em estudo o artista nos apresenta a figura do São Sebastião, repousando no interior da barriga da serpente, que nos remete à lenda do Minhocão do Parí, que habita o universo mítico dos ribeirinhos do Rio Cuiabá. O santo posicionado na parte inferior do quadro, devorado pela serpente, cria uma atmosfera singular, nos remetendo ao processo colonial na América Latina, uma vez que, o artista cria um cenário mítico, jocoso, cercado de religiosidade, onde seu lugar de fala sobrepõe aos ditames judaico-cristãos. Os fluxos de informações, que transitaram na América Latina, numa circulação e encontro de objetos e pessoas com suas práticas culturais distintas, que se cruzam e produzem outras práticas culturais inusitadas, como vemos na pintura de João Sebastião da Costa, a representação decolonial dos seus santos.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Valéria Pereira Moreira, José Serafim Bertoloto, Juliano Batista dos Santos, Ana Graciela Mendes Fernandes da Fonseca Voltolini https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1797 Os Moradores de Rua como Contrafluxo à Espetacularização das Cidades 2020-10-25T19:57:31+00:00 Juliano Batista dos Santos julianojbs@gmail.com José Serafim Bertoloto serafim.bertoloto@gmail.com <p>Do início da modernidade aos dias atuais as cidades ganharam e ainda ganham formas que visam tornar seus espaços públicos em não-lugares, isto é, locais em que os habitantes não podem ocupá-los, mas apenas transitar por eles. O problema é que a diminuição da participação dos sujeitos provoca o empobrecimento da vida social fazendo desaparecer os benefícios que dela emergem: relações, memórias e identidades. Como contraponto às espetacularizações das cidades, surgiram os movimentos de flanância, deambulação e deriva. Fora deles, há os errantes urbanos, cidadãos que subvertem a produção racionalizada da cidade, em especial os moradores de rua que, ao ocuparem os espaços públicos, resgatam a relação entre o corpo urbano e o corpo do cidadão – uma corpografia.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Juliano Batista dos Santos, José Serafim Bertoloto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1796 Direito e desobediência em Clarice Lispector: novos olhares ao direito brasileiro 2020-10-25T19:57:31+00:00 Bárbara Artuzo Simabuco bsimabuco@gmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com.br <p>O presente trabalho tem como objetivo relacionar o trabalho de Clarice Lispector enquanto intelectual <em>desobediente</em>, cujo direito faz parte do <em>bios</em>, com discussões relacionadas à subalternização do direito brasileiro. O <em>corpus</em> selecionado consiste na crônica “As caridades odiosas” (1969), no qual questões relativas à pobreza, e aos sentimentos controversos por ela despertados, permeiam a narrativa. A crítica biográfica fronteiriça oferece suporte para a discussão proposta, uma vez que o direito brasileiro, assim como outros saberes, não atende as especificidades do Brasil, tendo em vista os saberes outros, por vezes, serem adotados como tábua de salvação (NOLASCO, 2015), privilegiando uma pequena parcela da população. Evidencia-se, portanto, a necessidade de um olhar fronteiriço e voltado para a <em>diferença</em> direcionado ao direito. A sustentação teórica será efetuada por meio de teóricos e biógrafos como Edgar Cézar Nolasco (2015), Eneida Maria de Souza (2002), Walter Mignolo (2015), Jacques Derrida (2010), Nádia Batella Gotlib (1995) e Clair Varin (2002). Alguns dos livros utilizados, dentre outros mais que dialogam com a epistemologia adotada, são: <em>CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS</em>, <em>Crítica Cult</em> (2002), <em>Habitar la frontera</em> (2015), <em>Força de Lei</em> (2010), <em>Fronteiras Culturais em Contextos Epistêmicos Descoloniais</em> (2018) e <em>Literatura e Direitos Humanos</em> (2018).</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Bárbara Artuzo Simabuco, Edgar Cézar Nolasco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1795 Sarambipá: esparramos, resistência e rearticulação Guarani na recuperação do Tekoha Guasu extinto pela Itaipu Binacional 2020-10-25T19:57:30+00:00 Clovis Antonio Brighenti clovisbrighenti@hotmail.com Osmarina de Oliveira osmarina66@gmail.com No dia 13 de outubro de 1982 as comportas da hidrelétrica de Itaipu Binacional foram fechadas. Esse ato não acabou apenas com o maior salto por volume d’água no mundo, conhecido como Sete Quedas, mas também com o território Guarani nas margens do Rio Paraná ou o <em>Paraná Rembe</em>, cujas terras eram as que restavam aos Guarani após o processo violento de colonização e, segundo Bonomo, esse seria o território de origem dessa população. Concomitante a construção e instalação da referida obra identificamos dois momentos distintos: o <em>sarambi</em>ou esparramo, durante a construção do lago; posteriormente iniciam processo de reagrupamento e reorganização das relações sociopolíticas. Analisaremos esse conflito e os mecanismos de resistência na perspectiva da histórica do povo Guarani seus processos de lutas históricos e contemporâneos no campo político e jurídico. Tendo figurado como protagonista em diferentes contextos e conflitos, como a aliança Guaranítico-jesuíta e a consequente guerra travada contra os impérios ibéricos, a Guerra da Tríplice Aliança, a criação do reservatório de Itaipu etc., este povo viu seu território ser transformar em mercadoria. Na contemporaneidade, os Guarani têm construído diferentes mecanismos de enfrentamento às adversidades, como a ressignificação de sua cosmologia e reorganização sociocultural para assumir uma nova postura diante das adversidades, além da reinterpretação e ressignificação das relações com a terra e o território. Nos contínuos processos de construção e transformação de suas concepções territoriais surge um novo elemento, a retomada de terras enquanto instrumento de resistência. Os processos de retomadas incidem nos territórios alagados por Itaipu Binacional, não em sua composição física, mas na dimensão simbólica, já que essas terras não mais existem. Reformulam seu discurso a fim de reafirmar o direito à terra e para isso mobilizam diferentes mecanismos, como a produção de documentos e a elaboração de novos discursos.<div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div><div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Clovis Antonio Brighenti https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1794 A literatura em tempos midiáticos– uma análise a partir da obra “O show do eu” 2020-10-25T19:57:30+00:00 Claudia Regina Camargo camargo.claudiaregina@gmail.com Este documento faz uma análise crítica à criação da autoimagem no mundo virtual, a partir do livro<em> O show do Eu – A intimidade como espetáculo</em>, de Paula Sibilia, que vai permeando o assunto através de um paralelo com temas dos textos do filósofo alemão Walter Benjamin, especialmente em <em>O Narrador</em> e <em>A Pobreza de Experiência,</em> mostrando como as faces do espetáculo enredadas pelo mercado, numa visão da obra <em>A sociedade do Espetáculo </em>de Debord, são extremamente atuais. Sibilia faz muitas referências a Benjamin em suas análises e trata da atual exposição das pessoas nesses tempos midiáticos, das escritas de si, das autobiografias no universo digital e como o autor ganhou status de celebridade, superior ao da obra. Traçaremos um olhar partindo desta crítica e postulando possibilidades atuais que corroboram com a análise da autora. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Claudia Regina Camargo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1789 Cultura afetiva: a construção do ser brincante no contexto urbano externo 2020-10-25T19:57:30+00:00 Nadja Maria Mourão nadjamourao@gmail.com Ana Célia Carneiro Oliveira anaceliadesign@gmail.com A transformação dos espaços em lugares de afeto é uma possibilidade que advêm das relações em divertimento e brincadeiras. Essa relação pode proporcionar uma reflexão sobre o comportamento humano e gerar novos caminhos para a participação social. São utilizados os estudos que buscam apreciar as crianças a partir da sua realidade social, da cultura afetiva que estão inseridas e que, também, são capazes de construir. Busca-se analisar a realidade afetiva vivenciada por crianças, no ambiente sociocultural. Como objeto de estudo foi utilizado os registros em eventos de brincadeiras infantis em parques e ambientes públicos, na capital mineira. O Programa “Escola Livre de Artes Arena da Cultura em Belo Horizonte” executa o projeto “Brinquedos e Brincadeiras”. Este projeto está contribuindo no fortalecimento de relações sociais com o ambiente em diversos espaços públicos, na cidade de Belo Horizonte. De forma gradual, o Programa “BH é da Gente” executa atividades de recreação infantil para a comunidade, valorizando a cultura local. A diversidade geográfica e cultural são instrumentos para a experimentação de novas formas do brincar. Em considerações, pode-se dizer que, a brincadeira é sempre um produto coletivo e inovador. Pois, aquele que brinca é um agente ativo deste processo, contribuindo para a produção de culturas particulares entre os brincantes, em cada ambiente. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Nadja Maria Mourão, Ana Célia Carneiro Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1793 Invenção da América, colonialidade do poder e pós-colonialismo: reflexões acerca do primitivo Novo Mundo 2020-10-25T19:57:30+00:00 Rodrigo Guerra rodrigo.morais.guerra@gmail.com O presente trabalho tem como objetivo discutir a noção de invenção do continente americano (América Latina, mais precisamente) a partir de uma perspectiva eurocentrista do conhecimento. Investigamos, pois, como ocorreu o surgimento da América e o que implicou ela ter sido conceituada tal qual como América. Para tanto, dispomos da noção de colonialidade do poder para compreendermos a amplitude do colonialismo que afligiu o continente americano, como tal poder despojou os povos originários de suas respectivas culturas; como se estruturou, a partir da América, uma noção de mundo no qual o europeu passou a ser referência; e como, a partir do advento da colonização, os povos latino-americanos (e demais povos não-europeus, em escala global) passaram a representar o passado, ou seja, o primitivo. Nossos objetivos, desta maneira, consistem em evidenciar como o poder colonial subjugou os povos da América não só nos sentidos mais recorrentemente tratados, como na exploração do trabalho e das riquezas materiais, mas, também, subjugou os povos da América de suas formulações teórico-epistemológicas, culturais e identitárias, apontando, assim, para a construção de uma concepção global de mundo na qual a modernidade é sinônimo de Europa – e, mesmo o que foi colocado como “Novo Mundo”, ainda traduz-se como arcaico – e propondo uma mais ampla assimilação das identidades, culturas e epistemologias latino-americanas e das estruturas que compõem o sistema capitalista moderno. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rodrigo Guerra https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1792 Onirismo, infância e utopia na “Biografia” poética de Jorge de Lima, uma leitura do “Canto VIII”, de Invenção de Orfeu 2020-10-23T21:53:31+00:00 Luciano Dias Cavalcanti bavarov@terra.com.br <p>O Canto Oitavo, “Biografia”, é o maior Canto de <em>Invenção de Orfeu</em>, composto por apenas uma estância (em sextilhas decassílabas) retoma de maneira sintética tanto a imagética quanto a temática dos cantos anteriores. O Canto representa uma reflexão poética sobre a situação do homem desde a Queda até o Apocalipse e sua vitória final. Nele o onirismo, a infância e a imagem da ilha utópica recebem um caráter estruturante no poema. A biografia não é apenas a do poeta, abarca um sentido amplo da tradição poética, da infância como memória e criação e do desejo do encontro com uma utopia renovada, representações que podem ser consideradas o cerne de todo o épico de Jorge de Lima.</p> Copyright (c) Luciano Dias Cavalcanti https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1790 “E então só ficam as histórias…” Relato de Experiência das Rodas de Conversa\Leitura na comunidade quilombola de Chumbo no município de Poconé em Mato Grosso/BR 2020-10-25T19:57:30+00:00 Cleonice Terezinha Fernandes cleo_terezinha@hotmail.com Iane Thé Pontes iane.pontes@mt.sebrae.com.br Edenar Souza Monteiro edenar.m@gmail.com Maria das Graças Campos mdgcampos@uol.com.br <p>O presente relato trata do processo vivenciado nas Rodas de Leitura/conversa, quinzenalmente, junto às lideranças dos quilombos do município de Poconé, Mato Grosso. As Rodas aconteceram de maneira centralizada na comunidade quilombola de Chumbo e faziam parte de um projeto maior do SEBRAE/MT para identificação dos sistemas produtivos das comunidades quilombolas tradicionais de Mato Grosso, cujo objetivo era propor metodologias de promoção da melhoria da qualidade de vida. Dentre os cento e quarenta e três (143) municípios de MT, dez (10) possuíam comunidades quilombolas, perfazendo 69 quilombos na época com processos formalizados pelo INCRA. Dentre estes o município de Poconé possuía 27 deles, motivo para ser eleito para o trabalho em tela. Na Roda agregaram-se oficinas de capoeira, amarração em tecido, maquiagem, culinária/dança e penteados afro-brasileiros, percussão, teatro, arte-educação, Dança Circular. Este texto expressa a visão da autora, sobre os desdobramentos em ações/produções de autoria do grupo, propiciadas a partir das rodas de leituras/diálogos e da intertextualidade possibilitada pelo documento de apoio: o livro <em>História e Cultura Negra – Quilombos em Mato Grosso </em>(SEDUC/MT, 2008) - ferramenta didática para os professores das escolas estaduais e municipais em cumprimento a Lei Nº 10.639 de 2003 que altera a LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96), ao incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática <em>História e Cultura Afro-Brasileira</em> e desvelar a história de nossa mãe África. Desenvolvida na perspectiva do movimento internacional Educação para a Paz, o processo da Roda possibilitou uma revisão crítica sobre a história nacional e local, suas imbricações com a história concreta vivida durante a colonização da região, passando a se constituir como um bom referencial para a continuidade da proposta de revitalização das comunidades tradicionais de Mato Grosso na perspectiva do seu protagonismo histórico, necessário e cada dia mais emergente.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Cleonice Terezinha Fernandes, Iane Thé Pontes, Edenar Souza Monteiro, Maria das Graças Campos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1788 Conhecendo Ciudad del Este: O Outro Lado da Fronteira 2020-10-25T19:57:30+00:00 Roberto Rigaud Navega Costa ramosnavega@gmail.com <p>O presente trabalho tem como objetivo apresentar ao leitor um relato de experiência, a saber, o das percepções obtidas por alguém que passando pela Ponte da Amizade chegue à Ciudad del Este, no Paraguai. A descrição pretende dar uma ideia aproximada da paisagem esculpida pela sociedade local, em sua articulação com os turistas e os sacoleiros, e como este comércio influenciou na formação, arranjo e desenvolvimento da parte comercial da cidade. Como o texto deixa transparecer, fomos inspirados pelos trabalhos de Geografia Regional de Paul Vidal de La Blache, que ao tentar descrever a paisagem de uma determinada região fazia um quadro vívido do que encontraríamos em tal local. Passamos assim, a descrever a topografia, composição da população, táticas de aquisição de clientes/compradores por parte dos comerciantes, a arquitetura local, o arranjo das vias e dos edifícios, visando a estabelecer o quadro geral mais bem explicado, tendo como limitadores o próprio espaço do texto e sua aplicação à comunidade acadêmica.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Roberto Rigaud Navega Costa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1787 A audiodescrição no documentário Democracia em Vertigem 2020-11-04T23:28:34+00:00 Ester Caetano estercaetano660@gmail.com Milene Lage milenelages@gmail.com MICHELE NEGRINI mmnegrini@yahoo.com.br <p>A audiodescrição é uma importante ferramenta de acessibilidade e de inclusão de pessoas com deficiência visual. O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão da audiodescrição no documentário <em>Democracia em Vertigem.</em> A análise será focada na observação da audiodescrição em relação às disposições de cenários, enquadramentos, iluminação e para a forma de abordagem dos personagens. Entendemos que a audiodescrição no documentário é essencial para o acesso à informação pelos mais diversos públicos.</p> Copyright (c) Ester Caetano, Milene Lage, MICHELE NEGRINI https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1786 Um olhar sobre o patrimônio industrial da cidade: memórias dos ferramenteiros de Joinville-SC 2021-01-07T15:22:27+00:00 Christiane Heloisa Kalb christianekalb@hotmail.com Mariluci Neis Carelli mariluci.carelli@gmail.com <p>O objetivo deste artigo é analisar o processo de formação do patrimônio industrial a partir das memórias dos ferramenteiros que iniciaram as primeiras ferramentarias para moldes plásticos em Joinville. Nesta região catarinense existem fábricas que no início do século XIX se estabeleceram na cidade. O patrimônio industrial existente está incorporado de várias formas, principalmente, composto do setor metalmecânico, plástico e indústria têxtil. Estas indústrias são a figura substancial na formação sócio-cultural-econômica da cidade, como um centro de indústria na região. A primeira ferramentaria, propriamente dita, surgiu durante a década de 1980, por causa da proibição, pelo governo brasileiro, da importação de máquinas estrangeiras. Esta decisão do Estado refletiu dentro de grandes empresas, excluindo do processo de produção as ferramentarias. Os profissionais demitidos destas empresas, foram encorajados a abrir seus próprios negócios, ocorrendo então, a terceirização desses serviços de ferramentarias. A metodologia aplicada nesta pesquisa foi a história oral, através de realização de entrevistas semiestruturadas e houve pesquisa documental e bibliográfica.</p> 2021-01-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Christiane Heloisa Kalb, MARILUCI NEIS CARELLI https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1785 O MURO NO DISCURSO JORNALÍSTICO: EM QUESTÃO DA ANÁLISE DE DISCURSO. 2020-06-17T13:51:14+00:00 Renata Carneiro Lemes lemes.renata9@gmail.com <p>A partir da teoria da análise de discurso, este artigo, procura analisar sequencias discursivas de revistas jornalísticas “Veja” que tematizam sobre os muros, com o intuito de compreender o modo como dão visibilidade ao sentido de muro na sua relação com o sujeito. Uma vez que os sentidos em relação aos sujeitos se constituem simultaneamente, e a língua para significar inscreve na história. No percurso deste artigo, as leituras, imersão teórica possibilita compreender o muro no discurso jornalístico veiculado pela revista “Veja” é atravessado por distintas posições ideológicas que o significa distintamente, uma vez que o sentido de “muro” não se prende ao pré-estabelecido, da literalidade à palavra, varia conforme as distintas posições sujeito que constituem as condições de produção.</p><p> </p> Copyright (c) Renata Carneiro Lemes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1784 O populismo em detalhes 2020-05-02T00:04:52+00:00 Alexandre Jose Pierini alexandrepierini@hotmail.com <p>Morelack e Narita trazem um pouco de luz para a política contemporânea na medida em que pensaram e se debruçaram sobre o conceito do populismo. Discutir o conceito e trazer novas interpretações foi uma missão muito significativa, uma vez que os conceitos mais antigos estabeleciam relações apenas com as questões políticas, os autores nessa obra conseguiram abrir o leque e relacioná-lo com as questões econômicas, a psicologia e todo o contexto sociocultural. Sua leitura é obrigatória para quem se importa com os rumos da política.</p> Copyright (c) Alexandre Jose Pierini https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1783 Escritos do Visconde de Ouro Preto e outros Autores sobre o Golpe Republicano 2021-01-07T15:23:40+00:00 Ronaldo Raemy Rangel rrrangel@fgvmail.br Gabriel Dolabela Raemy Rangel gabrieldolabelaadv@globo.com <p>Afonso Celso de Assis Figueiredo, Visconde de Ouro Preto, foi o ultimo Presidente do Gabinete Ministerial (ou Primeiro-ministro) do Império do Brasil. Após a Proclamação da República, no exílio, escreveu um folhetim intitulado <em>Advento da ditadura militar no Brasil</em>, no qual oferece sua versão sobre o que chamou de “sublevação militar que derrubou a monarquia brasileira”. Baseado no texto de Ouro Preto e em outros autores que relatam os eventos que deram origem a República, o artigo pretende sustentar que a verdadeira causa que esteia o do movimento republicano não é a republica em si, mas a descentralização do poder e o estabelecimento de um pacto federativo no país. O texto defende também, que os eventos que geraram o estabelecimento da república, em certo sentido, se deram de forma precipitada, sem comando e, principalmente, sem envolvimento popular, caracterizando-se como um golpe, sendo que o relato do Visconde de Ouro Preto, a despeito de contra-argumentos que lhe possam ser apresentados, é o fio condutor da argumentação que o artigo apresenta.</p> 2021-01-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Ronaldo Raemy Rangel, Gabriel Dolabela Raemy Rangel https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1782 “A verdade vos fará livres”: uma análise crítica de um Jesus nascido no morro, no carnaval da Mangueira em 2020 2020-05-22T22:55:04+00:00 Erik Dorff Schmitz erik.schmitz@hotmail.com <p>Nesse artigo apresentaremos uma análise do desfile da Escola de Samba Mangueira no carnaval do Rio de janeiro 2020, que trouxe o enredo <em>"A verdade vos fará livres"</em>. A Mangueira ousou ao mostrar diferentes faces de Jesus, e de como ele seria e viveria, se nascesse nos dias de hoje: jovem, negro, pobre, preso, indígena, mulher, LGBT, favelado, periférico. Vários elementos na letra, alas e carros alegóricos compõe a crítica do samba enredo da Escola. Queremos analisar e visibilizar os principais elementos dessa crítica social que a Escola de Samba trouxe para a avenida de maneira inovadora.</p> Copyright (c) Erik Dorff Schmitz, Salma Ferraz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1781 O suicídio como problema de saúde coletiva na América Central Continental: uma análise dos casos consumados entre 2010-2016 2020-10-25T19:57:59+00:00 Roberth Steven Gutiérrez Murillo stevengumu@gmail.com Carmen Justina Gamarra carmen.gamarra@unila.edu.br Walfrido Kühl Svoboda walfrido.ufpr@gmail.com Noeli Kühl Svoboda noeli0310@gmail.com <p>Na última década na América Central, como nas demais regiões latino-americanas, registrou-se notável incremento nos índices de mortalidade tendo como motivo de óbito o suicídio. Tal situação representa desafio hodierno para os sistemas de saúde e de assistência social centro-americanos. Nesse sentido, este trabalho teve por objetivo identificar o perfil dos casos de suicídios consumados entre 2010 e 2016, em países do trecho continental centro-americano. Para tanto, delineou-se um estudo ecológico, analítico-descritivo, com abordagem quantitativa, que analisou dados secundários disponibilizados pelo <em>Observatorio Centroamericano y República Dominicana de la Conducta Suicida</em>. Os dados foram tratados pela estatística descritiva, empregando medidas de dispersão (média, desvio padrão, limites inferior e superior), logo apresentadas por meio de tabelas comparativas, por meio de valores absolutos (<em>f</em>) e relativos (%). Os resultados obtidos apontam que o suicídio na América Central, trecho continental, é predominantemente maior em homens (76,84%); Guatemala foi a nação que mais registrou óbitos suicidas (26,13%) e Belize reportou a menor incidência (1,49%). Em relação à época do ano, houve maior número de suicídios durante o segundo trimestre dos anos verificados, ou seja, há mais mortes autoprovocadas durante os meses de abril, maio, e junho. Ressalta-se a magnitude do suicídio como problema de saúde coletiva no trecho continental da sub-região centro-americana, requisitando abordagens multidimensionais que visem entender a questão por diferentes ângulos; assim, possibilitando a proposição de intervenções interprofissionais que venham fortalecer a conscientização e a prevenção desse agravo no âmbito da saúde mental.</p> 2020-05-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Roberth Steven Gutiérrez Murillo, Carmen Justina Gamarra, Walfrido Kühl Svoboda, Noeli Kühl Svoboda https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1780 Cultura, patrimônio e turismo: narrativas e sociabilidades urbanas 2020-12-14T01:47:38+00:00 Maria de Fátima Bento Ribeiro mfabento@hotmail.com Cláudio Renato de Camargo Mello arqmel@hotmail.com Ângela Mara Bento Ribeiro angetur.ribeiro8@gmail.com <p>Para pensarmos em relações interdisciplinares entre cultura, patrimônio e turismo no contexto da cidade do século XXI, entendemos como imprescindível uma mudança crítica de valores, comprometida com transformações sociais, de maneira que da associação destes três vetores possam se estabelecer políticas e ferramentas importantes ao desenvolvimento sustentável. Neste cenário, este artigo tem como objetivo, refletir acerca de como podemos propor metodologias de trabalhar com o acervo histórico e cultural de nossas cidades – e suas relações com o turismo, revelando seus espaços e territórios, tomando como estudo de caso, a cidade de Pelotas, situada no Sul do Brasil e que possui um acervo de “significativo valor histórico, urbanístico e paisagístico”, com ênfase no patrimônio arquitetônico e também uma inegável tradição doceira, que é patrimônio imaterial do Brasil. A metodologia de investigação utilizada é a pesquisa bibliográfica, trazendo as referências dos principais autores que discutem a temática, bem como as atividades e experiências desenvolvidas e vivenciadas pelos autores, no âmbito da produção cultural. A abordagem tem seu foco principal no campo dos estudos culturais, tendo como pano de fundo o contexto da cidade – como categoria da prática social e seus elementos simbólicos – revelados por sua arquitetura e urbanismo e as demais formas de representação e fruição cultural – ilustradas pelos blocos burlescos e pela tradição doceira, entre outros. Como principais resultados, consideramos que as reflexões sobre as tensões entre turismo e patrimônio cultural sejam uma grande contribuição para reflexionarmos sobre novas formas de coexistência entre as estruturas materiais e simbólicas.</p> 2020-11-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Cláudio Renato de Camargo Mello, Maria de Fátima Bento Ribeiro, Ângela Mara Bento Ribeiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1779 Teste 2021-01-06T17:46:00+00:00 Rocheli Regina Predebon Silveira rochelipredebon@claec.org Teste Copyright (c) Rocheli Regina Predebon Silveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1778 ANTROPÓLOGOS, ÍNDIOS E DOUTORES: A CONVERGÊNCIA DE SABERES NA CONSTRUÇÃO DE LAUDOS ANTROPOLÓGICOS 2020-06-13T19:26:17+00:00 Valdir Aragão do Nascimento 33valdir@gmail.com Lilian Raquel Ricci Tenório lilianricciufms@gmail.com Antonio Hilário Aguilera Urquiza hilarioaguilera@gmail.com <p>O artigo buscou demonstrar, como objetivo geral, a importância do método antropológico no que tange à defesa dos direitos dos povos indígenas nas esferas judiciais e a interface entre os campos do conhecimento da antropologia, do direito e dos saberes indígenas na produção de laudos antropológicos. No que diz respeito aos objetivos específicos, objetivou-se: i) enfatizar a relevância do conhecimento oral verbalizado, principalmente, mas não só, pelos indígenas mais idosos; ii) e a importância da memória desses anciãos como ferramenta indispensável no processo comprobatório de posses de territórios em disputa; iii) a importância do idioma nativo no processo de construção de laudos antropológicos. O método de análise foi a pesquisa bibliográfica e documental. O referencial teórico é de caráter multidisciplinar, em que são trazidos para discussão autores do campo epistemológico da antropologia e do direito. Conclui-se que o amálgama entre os saberes antropológicos, indígenas e técnico-jurídicos constitui instrumento indispensável à confecção de laudos, haja vista que estes conhecimentos possibilitam a verificação da insofismável realidade dos fatos.</p> Copyright (c) Valdir Aragão do Nascimento, Lilian Raquel Ricci Tenório, Antonio Hilário Aguilera Urquiza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1777 Descolonizando territórios na América Latina: esforços ontológicos e epistemológicos dos povos indígenas 2020-12-14T01:47:38+00:00 Marcos Mondardo marcosmondardo@yahoo.com.br <p>O debate sobre a descolonização de territórios na América Latina diz respeito aos esforços ontológicos (das lutas) e epistemológicos (teóricos) dos povos originários/indígenas, comunidades quilombolas, populações tradicionais e grupos subalternizados em busca de reconhecimento de seus direitos como a terra, o território, a saúde e a educação. Para isso o procedimento metodológico adotado foi a pesquisa bibliográfica. A América Latina/Abya Yala/Quilombola é uma construção histórica e apresenta uma ideia de um lugar do mundo como um produto colonial. Estamos imersos na “colonialidade do poder e do saber”. Este texto problematiza, assim, a geografia cultural da América Latina por meio da descolonização do poder. É fundamental adotar a perspectiva decolonial na análise cultural latino-americana para imaginar horizontes emancipatórios e construir práticas de luta e resistência. A América Latina é construída pelas histórias vividas e quanto maior e mais diversos forem os números de narrativas, melhor poderemos verificar e potencializar a diversidade desse espaço, seus conflitos e lutas.</p><p> </p> 2020-09-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Marcos Mondardo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1776 Terceirização nas universidades públicas a partir da percepção das classes representativas: o caso da Universidade Federal de Rondonópolis 2020-10-25T19:57:59+00:00 Edir Vilmar Henig edirhenig@hotmail.com Suellen Moura Leite edirhenig@hotmail.com <p>No Brasil, a terceirização na Administração Pública avançou no governo de Fernando Henrique Cardoso com a Reforma do Estado alterando de vez o funcionalismo público. Este estudo buscou compreender como as Classes Representativas da Universidade Federal de Rondonópolis percebem o processo de terceirização nas Universidades Públicas. Em relação aos aspectos metodológicos, utilizou-se o método qualitativo e a pesquisa documental. Foram entrevistados três representantes de cada classe e um fiscal de contrato responsável pelos contratos de fornecimento de mão de obra da instituição. Os resultados apontaram no período de 2015 a 2018 o estabelecimento de dezesseis contratos de terceirização e o número de cento e oito terceirizados nas atividades-meio da instituição. Em relação às classes representativas constatou-se o aumento das contratações dos professores substitutos nos cursos de graduação e a insuficiência de vagas em concursos públicos para docentes e técnico administrativos. A pesquisa revelou ainda, que os trabalhadores terceirizados, sobretudos os da limpeza tem a força de trabalho mais explorada e estão vulneráveis em relação à garantia dos seus direitos trabalhistas.</p> 2020-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Edir Vilmar Henig, Suellen Moura Leite https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1775 O MURO NO DISCURSO JORNALÍSTICO EM QUESTÃO DA ANÁLISE DE DISCURSO. 2020-03-06T12:41:50+00:00 Renata Carneiro Lemes lemes.renata9@gmail.com <p>A partir da teoria da análise de discurso, este artigo, procura analisar sequencias discursivas de revistas jornalísticas “Veja” que tematizam sobre os muros, com o intuito de compreender o modo como dão visibilidade ao sentido de muro na sua relação com o sujeito. Uma vez que os sentidos em relação aos sujeitos se constituem simultaneamente, e a língua para significar inscreve na história. No percurso deste artigo, as leituras, imersão teórica possibilita compreender o muro no discurso jornalístico veiculado pela revista “Veja” é atravessado por distintas posições ideológicas que o significa distintamente, uma vez que o sentido de “muro” não se prende ao pré-estabelecido, da literalidade à palavra, varia conforme as distintas posições sujeito que constituem as condições de produção.</p> Copyright (c) Renata Carneiro Lemes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1774 Ocuopar e Re (Existir): Atuação das Ações Afirmativas na UFRB 2020-04-06T22:42:08+00:00 Rosana da Silva Pereira silvarosanasociais@gmail.com Taís Lima Costa taylima03@hotmail.com Uelinton Alves Barbosa Alves.uelinton@gmail.com <p>A história do Brasil evidencia que o racismo estrutural e institucional permitiu que a população negra tivesse dificuldades de acesso ao ensino superior. As ações afirmativas se constituem como políticas públicas que visam reparar os grupos socialmente marginalizados nos distintos segmentos do país. Sendo assim, os movimentos sociais, sobretudo negros, se colocam como protagonistas de lutas pela eliminação das desigualdades e a implantação das políticas públicas de ação afirmativa na educação superior. A lei 12.711/2012 foi uma conquista para a população negra. A conquista de um direito já garantido na Constituição Federal. Neste sentido, o presente trabalho estabelece um paralelo entre as políticas públicas de ações afirmativas, a Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis- PROPAAE e o Programa de Permanência Qualificada da UFRB, evidenciando reflexões importantes acerca da temática abordada. Objetivando a avaliação de como está sendo operacionalizada e ofertada a Política de Ações Afirmativas na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, para isso foi tomado como referência o Programa de Permanência Qualificada – PPQ, utilizado nessa instituição. Nessa análise será observada para além da inclusão de grupos sociais excluídos a permanência dos estudantes. Evidencia-se no trabalho a necessidade de lutar pelas ações afirmativas neste cenário. É preciso Re (existir) pela população negra dentro e fora das Universidades Brasileiras.</p> Copyright (c) Rosana da Silva Pereira, Taís Lima Costa, Uelinton Alves Barbosa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1773 Ocuopar e Re (Existir): Atuação das Ações Afirmativas na UFRB 2021-01-06T17:45:22+00:00 Rosana da Silva Pereira silvarosanasociais@gmail.com Taís Lima Costa taylima03@hotmail.com Uelinton Alves Barbosa Alves.uelinton@gmail.com A história do Brasil evidencia que o racismo estrutural e institucional permitiu que a população negra tivesse dificuldades de acesso ao ensino superior. As ações afirmativas se constituem como políticas públicas que visam reparar os grupos socialmente marginalizados nos distintos segmentos do país. Sendo assim, os movimentos sociais, sobretudo negros, se colocam como protagonistas de lutas pela eliminação das desigualdades e a implantação das políticas públicas de ação afirmativa na educação superior. A lei 12.711/2012 foi uma conquista para a população negra. A conquista de um direito já garantido na Constituição Federal. Neste sentido, o presente trabalho estabelece um paralelo entre as políticas públicas de ações afirmativas, a Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis- PROPAAE e o Programa de Permanência Qualificada da UFRB, evidenciando reflexões importantes acerca da temática abordada. Objetivando a avaliação de como está sendo operacionalizada e ofertada a Política de Ações Afirmativas na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, para isso foi tomado como referência o Programa de Permanência Qualificada – PPQ, utilizado nessa instituição. Nessa análise será observada para além da inclusão de grupos sociais excluídos a permanência dos estudantes. Evidencia-se no trabalho a necessidade de lutar pelas ações afirmativas neste cenário. É preciso Re (existir) pela população negra dentro e fora das Universidades Brasileiras Copyright (c) Rosana da Silva Pereira, Taís Lima Costa, Uelinton Alves Barbosa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1769 Escultura e iconografia tumular infantil no Rio Grande do Sul: --uma metodologia em construção 2020-10-25T19:57:30+00:00 Amanda Basilio Santos amanda_hatsh@yahoo.com.br <p>Esta pesquisa em desenvolvimento no Programa de Doutorado do curso de Memória Social e Patrimônio Cultural (PPGMP-UFPEL) intenciona realizar o levantamento e a análise da icono-grafia de monumentos tumulares infantis de crianças falecidas até os sete anos de idade, e erguidos no Rio Grande do Sul entre os séculos XIX e XXI. A análise será composta pelo estudo dos elementos fotográficos e escultóricos, assim como do epitáfio e dados biográficos dos objetos, que compõe o monumento funerário. Em nossa pesquisa iremos abordar tais monumentos considerando sua materialidade, visualidade, espacialidade e significado sociocultural. O objetivo deste artigo, portanto, é explorar as possibilidades metodológicas atualmente pensadas nessa pesquisa para a exploração desse campo e a construção de um banco de fontes.</p><p>Palavras-Chave: Iconografia tumular; História da Infância; Metodologia de Pesquisa.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Amanda Basilio Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1772 O USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS NO ENSINAR MATEMÁTICA: recursos, percepções e desafios 2020-05-23T20:53:32+00:00 Raquel Silveira da Silva raquelsds2013@gmail.com Tanise Paula Novello tanisenovelo@furg.br <span>Com o avanço da tecnologia digital, algumas instituições de ensino como escolas e universidades tem repensado seus valores e práticas de ensino. Utilizou-se de um recorte de pesquisa realizado com estudantes da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, curso de Licenciatura em Matemática, matriculados na disciplina de Tecnologias Aplicada à Educação Matemática I. Durante a disciplina uma das atividades os discentes conversaram com doze professores de escolas públicas, sobre o seu fazer pedagógico e a presença das tecnologias digitais nos espaços de atuação e produziram relatórios, com o objetivo de compreender o fazer pedagógico dos professores de Matemática da Educação Básica atrelado ao uso das tecnologias digitais. A partir dos registros gerados para análise utilizou-se a Análise Textual Discursiva (ATD) a fim de compreender o fenômeno investigado através dos discursos produzidos. Neste estudo, discutiu-se três categorias que emergiram da ATD: </span><em>recursos utilizados pelos docentes, percepções sobre o uso das tecnologias digitais(TD) e desafios no ensinar matemática</em><span>. A partir dessas três categorias, percebeu-se que os principais recursos utilizados pelos docentes entrevistados tem sido o livro didático e a internet para pesquisa de conceitos. Dentre as principais percepções e desafios está a formação continuada voltada para o uso das tecnologias digitais. No entanto, se faz necessário, repensar os recursos utilizados em sala de aula, bem como criar alternativas que atendam as necessidades dos sujeitos envolvidos e imersos em uma cultura tecnológica e assim contribuir para mudanças significativas no fazer docente no cenário atual.</span> Copyright (c) Raquel Silveira da Silva, Tanise Paula Novello https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1771 O USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS NO ENSINAR MATEMÁTICA: recursos, percepções e desafios 2020-05-23T20:53:58+00:00 Raquel Silveira da Silva raquelsds2013@gmail.com Tanise Paula Novello tanisenovello@furg.br <span>om o avanço da tecnologia digital, algumas instituições de ensino como escolas e universidades tem repensado seus valores e práticas de ensino. Utilizou-se de um recorte de pesquisa realizado com estudantes da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, curso de Licenciatura em Matemática, matriculados na disciplina de Tecnologias Aplicada à Educação Matemática I. Durante a disciplina uma das atividades os discentes conversaram com doze professores de escolas públicas, sobre o seu fazer pedagógico e a presença das tecnologias digitais nos espaços de atuação e produziram relatórios, com o objetivo de compreender o fazer pedagógico dos professores de Matemática da Educação Básica atrelado ao uso das tecnologias digitais. A partir dos registros gerados para análise utilizou-se a Análise Textual Discursiva (ATD) a fim de compreender o fenômeno investigado através dos discursos produzidos. Neste estudo, discutiu-se três categorias que emergiram da ATD: </span><em>recursos utilizados pelos docentes, percepções sobre o uso das tecnologias digitais(TD) e desafios no ensinar matemática</em><span>. A partir dessas três categorias, percebeu-se que os principais recursos utilizados pelos docentes entrevistados tem sido o livro didático e a internet para pesquisa de conceitos. Dentre as principais percepções e desafios está a formação continuada voltada para o uso das tecnologias digitais. No entanto, se faz necessário, repensar os recursos utilizados em sala de aula, bem como criar alternativas que atendam as necessidades dos sujeitos envolvidos e imersos em uma cultura tecnológica e assim contribuir para mudanças significativas no fazer docente no cenário atual.</span> Copyright (c) Raquel Silveira da Silva, Tanise Paula Novello https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1770 A guasqueria e a sua função econômica 2020-10-25T19:57:30+00:00 Juliana Porto Machado julianamachado@institutoconex.org Ronaldo Bernardino Colvero rbcolvero@gmail.com <p>A guasqueria é uma saber fazer artesanal que se mantém por meio da transmissão oral das técnicas de trabalho com o couro cru. Através da desta materia prima é possível a criação de diferentes objetos ligados a lida do campo. Mediante ao exposto, este artigo busca uma breve reflexão entorno da inserção dessa manifestação artesanal no mercado informal, a metodologia utilizada foi revisão bibliografica.</p><p> </p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Juliana Porto Machado, Ronaldo Bernardino Colvero https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1768 Sujeto, transmodernidad, interculturalidad: los estudios humanísticos en la conflictiva y nunca acabada constitución de humanidad 2020-10-25T19:57:30+00:00 Yamandú Acosta yamacoro49@gmail.com <p>El artículo responde a una convocatoria que se pregunta por los “estudios humanísticos multidisciplinares”, por las relaciones entre “investigación y sociedad” y por los “desafíos y posibilidades de relevancia y visibilidad de la investigación académica”. Para hacerlo emplaza a los “estudios humanísticos” en la “constitución de humanidad”, la que considera que es “conflictiva y nunca acabada”.En un primer punto se refiere a “estudios humanísticos”, discierne dos sentidos de “humanidades” y se refiere a la constitución de humanidad a través de tres imperativos categóricos que remiten a Kant y su humanismo crítico, a Marx y su humanismo de la praxis, y a Martí cuyo humanismo nuestroamericano, resignifica los anteriores desde otro lugar. Se exploran algunas claves del humanismo nuestroamericano, se elucida el “nosotros” implícito en Nuestra América de Martí de 1891 al que se considera en términos del “a priori antropológico”.En la última sección se procede a una puesta al día en el marco de las perspectivas analítico-crítico-normativas sobre los conceptos Sujeto, Transmodernidad e Interculturalidad. Se muestran las relaciones constitutivas entre estos tres tópicos que se señalan como utópicos, como “ausencias presentes” que vienen operando con creciente presencia en los actuales procesos de transformación del mundo, en cuanto implican humanización. Se concluye reivindicando el papel de los estudios humanísticos desde la academia en su articulación con la sociedad en la constitución de humanidad; una responsabilidad que nos concierne a todos, responsabilidad a la que los “estudios humanísticos” a través de “humanidades” en clave crítica de “ciencia con consciencia” aportan significativamente. </p><p> </p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Yamandú Acosta https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1766 Um olhar sobre a condição feminina no filme Roma 2020-10-25T19:57:30+00:00 Isadora Ebersol isadora.ebersol@gmail.com Ana Paula Penkala penkala@gmail.com <p>Tendo como pano de fundo as revoltas políticas do início dos anos de 1970 na Cidade do México, Roma (Alfonso Cuarón, 2018) acompanha a vida de uma família de classe média a partir de uma personagem central: Cleo, a babá e empregada doméstica que trabalha para a família. As vidas de Cleo, de origem indígena e Sofia, a patroa branca, são conectadas pela experiência da solidão feminina, do cotidiano doméstico e familiar, da maternidade e do abandono masculino, embora se distanciem profundamente pelo contraste social que demarca uma fronteira simbólica entre as duas. Este trabalho busca analisar a condição feminina a partir destas duas personagens centrais do filme, considerando tanto a condição que compartilham enquanto mulheres dentro de uma mesma estrutura de dominação patriarcal, como também a situação específica vivida por cada uma dentro desta sociedade, balizada por diferenças de raça e classe. O fio condutor da narrativa se apoia nesse movimento de costura entre as diferenças e semelhanças das duas personagens e as formas específicas como sintetizam e materializam a condição feminina. Buscamos analisar visualmente e narrativamente como se constroem estes contrastes a partir das interações íntimas e produções cotidianas das personagens entre si e com o espaço. Partimos de uma leitura decolonial que busca evidenciar a continuidade e atualização das formas de dominação coloniais, cuja base é a divisão racial do trabalho e o poder patriarcal, e que deixam profundas marcas na experiência vivida pelas mulheres latino-americanas.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Isadora Ebersol, Ana Paula Penkala https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1765 Senegaleses no Brasil: aspectos culturais, socioeconômicos e linguísticos 2020-10-25T19:57:30+00:00 Thalena Evangelista Santos thalena_x3@hotmail.com Mirian Rose Brum-de-Paula brumdepaula@yahoo.fr <p>Nos últimos anos, o fluxo migratório apresentou um aumento significativo no Brasil, recebendo imigrantes oriundos do seu próprio continente e de outros também, sobretudo da África e Ásia. Oriundos de países como Haiti, Senegal, Síria, Angola, Gana, entre outras nações, os imigrantes procuram, devido às condições socioeconômicas de seus países de origem, oportunidades que não encontram nesses territórios. Tendo em vista esse movimento imigratório, esse trabalho tem por objetivo, além de contextualizar aspectos socioculturais e socioeconômicos que envolvem esse deslocamento, desenvolver uma análise acerca de aspectos linguísticos, advindos do processo de aquisição do português brasileiro por senegaleses, com foco em dificuldades na produção de alguns sons do português. Percebe-se a intensa presença de imigrantes africanos no Brasil, sobretudo na região Sul do país. Na maioria das vezes, exercem atividades de pequeno comércio em cidades de grande e médio porte como, por exemplo, a venda de relógios, bijuterias ou roupas. Muitos imigrantes também são atraídos por oportunidades laborais ligadas a tradições religiosas e relacionadas a métodos de trabalho que seguem regras peculiares, como o abate <em>halal, </em>característico da tradição islâmica. Dessa maneira, os senegaleses, por serem muçulmanos, são contratados por indústrias alimentícias, pois apresentam os atributos e os conhecimentos necessários para realizar tal atividade. Enfim, além de explorar situações relacionadas à trajetória desses sujeitos, suas aspirações e adaptação no território brasileiro, a presente proposta inclui colocar em evidência o modo como os imigrantes senegaleses, vindos de um país rico linguisticamente, adquirem o português brasileiro.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Thalena Evangelista Santos, Mirian Rose Brum-de-Paula https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1764 Jovens em conflito com a lei: considerações sobre atos infracionais e violência no município de Pelotas-RS 2020-10-25T19:57:03+00:00 Manoela Vieira Neutzling manoelaneutzling@gmail.com Luana Costa Bidigaray luanacbidigaray@gmail.com @font-face{ font-family:"Times New Roman"; } @font-face{ font-family:"宋体"; } @font-face{ font-family:"SimSun"; } p.MsoNormal{ mso-style-name:Normal; mso-style-parent:""; margin-bottom:10,0000pt; line-height:114%; font-family:'Times New Roman'; font-size:11,0000pt; } p.MsoHeader{ mso-style-name:Header; mso-style-noshow:yes; margin-bottom:0,0000pt; font-family:'Times New Roman'; font-size:11,0000pt; } p.MsoFooter{ mso-style-name:Footer; mso-style-noshow:yes; margin-bottom:0,0000pt; font-family:'Times New Roman'; font-size:11,0000pt; } span.msoIns{ mso-style-type:export-only; mso-style-name:""; text-decoration:underline; text-underline:single; color:blue; } span.msoDel{ mso-style-type:export-only; mso-style-name:""; text-decoration:line-through; color:red; } @page{mso-page-border-surround-header:no; mso-page-border-surround-footer:no;}@page Section0{ } div.Section0{page:Section0;}<p align="justify">Este trabalho tem como objetivo discutir a relação entre violência e atos infracionais praticados por jovens em conflito com a lei, em Pelotas/RS, a partir dos resultados de pesquisa de mestrado realizada no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pelotas (PPGS/UFPel). A metodologia é qualitativa e utilizou entrevista semi-estruturada aplicada aos agentes institucionais do Sistema de Garantia de Direitos, observação direta das reuniões da Rede Socioeducação e análise da dados secundários do Plano de Atendimento Municipal Socioeducativo (PAMSE). O referencial teórico baseia-se na sociologia configuracional e relacional de Norbert Elias, em Tavares dos Santos (2009) e Rolim (2016) para discutir as noções de “conflitualidade”, “violência difusa” e “sociabilidade violenta”, como também num diálogo entre Pais (2003) e Andrade (2007) para discutir as noções de juventude. Percebeu-se mudança no “perfil” do ato infracional que muitas vezes é atribuída ao “perfil” dos jovens, pelos agentes do campo sócio-jurídico. Dentre as relações da violência e ato infracional, o tráfico de drogas é um dos elementos mais citados como influenciador do contexto violento em que os jovens estão inseridos, além da violação de direitos na infância e adolescência, da configuração familiar, baixa escolaridade e condição socioeconômica da família. As categorias vínculo, renda, escola e família colaboraram para compreender as dinâmicas relacionais entre violência e ato infracional. Embora o campo sócio-jurídico aponte para um “perfil mais gravoso”, percebeu-se que a mudança envolve o perfil da ação e não o perfil dos jovens. </p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Manoela Vieira Neutzling, Luana Costa Bidigaray https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1763 História apagada: Barros, o Mulato, o pintor negro de Pelotas 2020-10-25T19:57:03+00:00 Darlene Vilanova Sabany dsabany@gmail.com Juliana Cavalheiro Rodrighiero juh_rodrighiero@hotmail.com <p>O presente trabalho apresenta os resultados parciais da pesquisa realizada sobre o pintor pelotense Miguel Barros, na qual se fez uso da pesquisa documental com o objetivo de responder quem foi este pintor. A investigação foi iniciada no ano de 2018, na disciplina de História da Arte do RS do Curso de Conservação e Restauração da UFPel e tem como hipótese de que Barros foi um pintor de importância semelhante à de Leopoldo Gotuzzo. Miguel nasceu em Pelotas em 24 de agosto de 1913 e começou os estudos em artes plásticas nesta cidade, onde fez as primeiras exposições na década de 1930. Neste mesmo período dividiu seu tempo entre as atividades no Jornal "A Alvorada" e as atividades dentro do movimento negro. Também representou a "Frente Negra Pelotense" no 1° Congresso Afro-Brasileiro em Recife, ocasião que realizou a sua primeira exposição fora de Pelotas. Com essa, inaugurou uma série de viagens e exposições pelo Brasil e em alguns países Sul Americanos, nas quais buscava inspiração para suas obras, que eram paisagens e retratos, na maioria, dos diversos locais por onde circulou e das pessoas destes lugares. Mudou-se para São Paulo, na década de 60 fixando residência em Mogi das Cruzes, onde morou até sua morte, aos 97 anos, em 2011. Pintor reconhecido fora da cidade e esquecido em Pelotas. Assim, este artigo apresenta alguns resultados da pesquisa para o levantamento de dados sobre a vida e obra do artista plástico Miguel Barros ou, como escolheu ser chamado, Barros, o Mulato.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Darlene Vilanova Sabany, Juliana Cavalheiro Rodrighiero https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1762 Barba, Cabelo, Bigode e Patrimonio 2020-10-25T19:57:03+00:00 Alice Islabão Lopes aliceilopes@hotmail.com O Mercado Público é um prédio histórico tradicional da cidade de Pelotas, RS. É o mais antigo remanescente no país, um dos únicos cinco mercados tradicionais gaúchos ainda exisentes. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Alice Islabão Lopes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1757 Inovações nas Práticas Pedagógicas de Gestão e Empreendedorismo: uma ponte da teoria para prática 2020-10-25T19:57:03+00:00 Mateus Ávila de Oliveira mateus.oliveira@oi.net.br Cristhianny Bento Barreiro crisbbarreiro@gmail.com O artigo apresenta uma análise reflexiva do estágio docente realizado em uma disciplina de Gestão, como parte integrante do curso de Formação Pedagógica para Graduados não Licenciados, no qual a atividade docente constitui-se da articulação entre teoria e prática. As disciplinas de Gestão tendem a ter um caráter eminentemente teórico. O desafio de um professor em formação na área de gestão foi o de pesquisar e aplicar práticas inovadoras, que começaram a ser delineadas logo a partir do estágio de observação realizado no primeiro semestre do curso. Por este motivo, a metáfora da ponte entre a teoria e a prática foi utilizada no subtítulo deste artigo, pois a disciplina, ofertada no último semestre do curso, acontece em momento em que os estudantes estão focados nas disciplinas técnicas, perdendo o interesse em disciplinas muito teóricas. Assume-se que o conhecimento não se reduz a informação. Conhecer implica em um segundo estágio, o de trabalhar com as informações, classificando-as, analisando-as e contextualizando-as. Portanto, não basta reproduzir informações, mas é preciso construir as condições de produção do conhecimento. Diante disto, tornam-se relevantes as análises e conclusões chegadas, principalmente para repensar os métodos e para desenvolver ferramentas de apoio ao ensino. Em resumo, pode-se dizer que os métodos de ensino são as ações do professor pelas quais se organizam às atividades para que os estudantes possam atingir os objetivos de aprendizagem em relação ao conteúdo. Eles regulam a forma de interação entre ensino e aprendizagem, entre professor e estudantes, cujo resultado é assimilação consciente dos conhecimentos e o desenvolvimento das capacidades cognoscitivas e operativas dos alunos. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Mateus Ávila de Oliveira, Cristhianny Bento Barreiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1750 Aprender e ensinar design digital no contexto da cibercultura: experiência de ensino com metodologias ativas 2020-10-25T19:57:03+00:00 Jéssica Rodrigues Esteves jessicarodriguesesteves@gmail.com Jair Jonko Araújo jair.jonko@gmail.com <p>A cibercultura modificou o pensamento e as relações entre os sujeitos e a tecnologia, impactando também o cenário educacional. Desde o advento da <em>web</em> 2.0, os sujeitos passaram da posição de consumidores de conteúdo para também se tornarem produtores, buscadores e polinizadores desse conteúdo. Com a <em>web</em> 3.0, eles passaram a encontrar informações de maneira mais efetiva, com o auxílio da inteligência artificial. Desta forma, os conhecimentos passaram a ser construídos de forma colaborativa e semântica, o que propiciou a popularização de metodologias ativas – como, por exemplo, a aprendizagem baseada em projetos. Em metodologias ativas o aprendizado ocorre por meio de resolução de problemas e situações reais, na tentativa de simular situações que os estudantes irão vivenciar na vida profissional. A aprendizagem baseada em projetos é um modelo de ensino que estimula os estudantes a desenvolverem trabalhos em grupos, promovendo o questionamento de temas complexos e gerando soluções colaborativas. Neste contexto, o presente artigo apresenta o relato de uma experiência de ensino em aprendizagem baseada em projetos para estudantes do sexto semestre do curso técnico integrado em Comunicação Visual do Instituto Federal Sul-rio-grandense. Partindo de reflexões acerca dos conceitos de cibercultura, tecnologia e design centrado no usuário, os estudantes desenvolverem projetos de interfaces gráficas para aplicativos móveis a partir de temáticas definidas por eles. Em grupos, os estudantes realizaram o mapeamento do problema, as entrevistas, a definição de funcionalidades, a criação de interfaces gráficas, o desenvolvimento de protótipo interativo e a validação com usuários. Esta experiência enfatizou a importância em elaborar propostas de atividades que desenvolvam o pensamento crítico e a motivação dos estudantes nativos digitais, envolvendo-os em contextos de ensino e aprendizagem intrínsecos da cibercultura.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Jéssica Rodrigues Esteves, Jair Jonko Araújo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1755 Retratos de mortos e desaparecidos pela ditadura civil-militar brasileira e argentina 2020-10-25T19:57:03+00:00 Katia Helena Rodrigues Dias dias.k.helena@gmail.com Francisca Ferreira Michelon fmichelon.ufpel@gmail.com <span>As ditaduras civis-militares surgidas na América Latina a partir da segunda metade do século XX tiveram como características comuns um autoritarismo repressivo contra seus opositores políticos ou qualquer pessoa que apresentasse ideologia diversa à ditadura e tudo o que ela representava. Como consequência, o governo militar de países como Brasil (1964 – 1985) e Argentina (1976 – 1983) estabeleceu sua base na Doutrina de Segurança Nacional, que tinha como objetivo inibir focos de resistência ao regime militar, justificado na ameaça do comunismo vigente na época. Nesse contexto, criou-se um estado de terror generalizado na população, o terror proveniente do Estado, conhecido também como Terrorismo de Estado. Nessa situação, muitas pessoas consideradas subversivas ou inimigas da nação por discordarem ou lutarem contra a tomada de poder foram presas, torturadas, mortas e desaparecidas. Nesse contexto, o presente estudo versa sobre os usos dos retratos de mortos e desaparecidos, a partir do processo de transição política (redemocratização) brasileira e argentina e tem como objetivo desenvolver uma análise comparada a partir da implementação de políticas públicas voltadas às memórias das vítimas e relacioná-las com os usos atribuídos a esses retratos a partir da consolidação de políticas de memória em cada país. Entre as diversas formas de implementação dessas políticas, a criação de Espaços e Instituições de Memória voltadas à memória da repressão são uma das formas de reparação simbólica em homenagem às vítimas. Nesse sentido, serão considerados casos analisáveis as fotografias expostas em caráter permanente nas instituições de memória representativas dessa temática em cada país: Memorial da Resistência (Brasil) e Espaço de Memória e Direitos Humanos - ESMA (Argentina).</span> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Katia Helena Rodrigues Dias, Francisca Ferreira Michelon https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1751 Abandono de estações férreas: cartografia nas cidades de Jaguarão e Rio Branco na fronteira Brasil-Uruguay 2020-10-25T19:57:03+00:00 Vanessa Forneck vanessaf.ufpel@gmail.com Eduardo Rocha amigodudu@gmail.com <p>Durante quase um século, as estações férreas funcionaram como ponto de embarque e desembarque de passageiros. Por volta de 1990 ocorre a interrupção de seu uso original e as edificações tornaram-se obsoletas e, por consequência, criaram-se territórios abandonados. Neste trabalho, busca-se explorar os territórios no entorno das estações férreas abandonadas, analisando as relações dessas edificações com quem habita aqueles espaços, compreendendo de que modo o local é sentido e vivenciado. O método adotado é o da cartografia sensível, onde são mapeados os processos vivenciados a partir de uma experiência em um território. As cidades-gêmeas de Jaguarão e Rio Branco apresentam a presença da ponte e da passagem do trem como indicadores de uma ação de ruptura, do atravessamento dessa linha de fronteira. Assim, as estações férreas possuíam uma força que atuava na conexão entre os países, e que hoje, não são mais encontradas. De forma simplificada, o abandono das estações férreas apresenta-se de duas maneiras. A primeira é um abandono visível, é estar nitidamente abandonada, sendo perceptível seus sintomas através de rachaduras aparentes, infiltrações, depredações. A segunda maneira é de um abandono invisível, oculto, que vai além da aparência material. As especificidades encontradas nesses territórios, auxiliam na elaboração de pistas que revelam as potencialidades que surgem a partir desses atravessamentos. Compreende-se o modo que as pessoas se apropriam das estações férreas e de que maneira podem ser propostas futuras intervenções nesses espaços, pensando na valorização da edificação patrimonial e nas novas dinâmicas encontradas nesses territórios.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Vanessa Forneck, Eduardo Rocha https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1754 Técnicas Agrícolas: Territorialidades e Saberes 2020-10-25T19:57:03+00:00 Kety da Costa Maciel ketycosta73@gmail.com Silvana Maria Gritti silvanagritti@gmail.com <p>O presente trabalho visa apresentar um recorte do Projeto de Intervenção que está sendo desenvolvido junto ao Curso de Mestrado Profissional em Educação da Universidade Federal do Pampa sob o título: “As Técnicas Agrícolas na formação dos alunos do Campo” e que tem por tema o ensino e aprendizagem das Técnicas Agrícolas no contexto do campo. Seu desdobramento inicial trata de entender como a territorialidade onde a escola se insere reflete no currículo da escola, na visão dos estudantes. O objetivo da pesquisa é compreender como os saberes, conhecimentos e os fatores que determinaram a constituição do assentamento tem influenciado na formação do currículo do componente curricular denominado Técnicas Agrícolas. A metodologia adotada é qualitativa por meio da pesquisa-ação e sua primeira etapa foi a realização da pesquisa exploratória para constituição do diagnóstico orientador da ação. Para realizar esta investigação utilizou-se a aplicação de uma atividade de produção de relato no Google Drive, recurso tecnológico desenvolvido pela empresa/plataforma Google. Os resultados obtidos no diagnóstico apontam para a ausência da escola na relação com a produção da vida do campo. Fica perceptível a necessidade de uma educação que contemple as especificidades alicerçadas no Princípio Pedagógico da Educação no Movimento Sem-Terra “A realidade como base de produção do conhecimento”. Portanto, aponta-se a compreensão da especificidade desses vínculos entre território, terra, lugar e escola como um dos componentes da especificidade da formação de educadoras e educadores do campo.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Kety da Costa Maciel, Silvana Maria Gritti https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1753 LITERATURA E HISTÓRIA: REFLEXÕES ACERCA DAS POSSIBILIDADES DE DIÁLOGOS ENTRE AS ÁREAS 2020-10-25T19:57:03+00:00 Ariane Avila Neto de Farias arianeaneto@hotmail.com Mariane Pereira Rocha marianep.rocha@gmail.com Ânderson Martins Pereira andersonmartinsp@gmail.com <p>O século XX produz diferentes estudos que afirmam a possibilidade de aproximação entre História e Literatura. Além disso, são muitos os teóricos que entendem tais termos como áreas que se entrecruzam. Desta maneira, cada vez mais historiadores percebem as páginas literárias como meio para o entendimento dos âmbitos histórico e social de determinadas épocas, bem como são diversos os</p><p>literatos que compreendem a importância da história em sua escrita. A partir de tais apontamentos, o presente trabalho tem como principal objetivo, tomando como base os trabalhos de autores como Hayden White (2001), Roger Chartier (1994) e outros, refletir acerca da utilização da literatura como fonte de pesquisa histórica e demonstrar o constante crescimento dos debates sobre o tema aqui estudado.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ariane Avila Neto de Farias, Mariane Pereira Rocha, Ânderson Martins Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1752 Núcleos de Atendimento no Ifsul – Câmpus Pelotas: Uma reflexão sobre as Políticas Educacionais voltadas à diversidade acadêmica 2020-10-25T19:57:03+00:00 Vívian Bonow Boeira bonowvivian@gmail.com Jair Jonko Araujo jairaraujo@ifsul.edu.br <p align="center"><strong>Resumo</strong></p><p>O artigo refere-se a uma pesquisa de mestrado, em andamento, que tem por intuito investigar as estratégias utilizadas no IFSul – Câmpus Pelotas para colocar em prática as políticas afirmativas implantadas no Brasil relativas à inclusão. Busca-se, assim, compreender as ações voltadas em prol das diversidades, especificamente políticas voltadas para questões étnico-raciais, de deficiências físicas e de gênero<strong>,</strong> considerando o trabalho de três Núcleos de Atendimento – Núcleo de Apoio às Pessoas com Necessidades Específicas (NAPNE), Núcleo de Gênero e Diversidade (NUGED) e Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI). A pesquisa propõe uma abordagem qualitativa, com referencial de Bogdan e Biklen (1994). A compreensão do contexto tem por base o levantamento documental, a partir de leis, decretos, documentos institucionais, entre outros textos que culminaram na regulação dessas práticas. De modo a compreender quais são as negociações, conflitos, influências e estratégias para as decisões e ações que envolvem discentes e servidores, no âmbito do Câmpus Pelotas, serão realizadas, na continuidade da pesquisa, entrevistas semiestruturadas com sujeitos participantes dos núcleos. O estudo encontra-se ainda em fase inicial, correspondente ao diagnóstico do contexto.</p><p><strong> </strong></p><p> </p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Vívian Bonow Boeira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1749 Dramatização de histórias: A conquista de leitores por meio da Educação Estético-Ambiental 2020-10-25T19:57:03+00:00 Juliana Duarte Simões jujuzynha1203-m@hotmail.com Luciana Netto Dolci lndolci@hotmail.com O presente trabalho traz como temática a Educação Estético-Ambiental e suas relações com a conquista de leitores desde a Educação Infantil, para tanto, apresentamos como possibilidade dessa perspectiva de educação, as dramatizações de histórias de Literatura Infantil para crianças como uma prática pedagógica que pode gerar experiências significativas capazes de desenvolver o gosto pela leitura, bem como auxiliar na prática educativa transformadora. Acreditamos enquanto educadoras que a Educação Estético-Ambiental é “um mundo de possibilidades” (DOLCI, 2014, p. 32) e que com ela conseguimos garantir o desenvolvimento das dimensões humanas. Nosso objetivo é refletir e analisar as relações construídas pelos sujeitos acerca das experiências vividas com a dramatização de histórias, bem como o desenvolvimento desses sujeitos, após o término do projeto. Este trabalho advém de um projeto intitulado “Quem conta, reconta, faz de conta”, que teve duração de dez semanas, em uma turma com onze crianças de nível dois da Educação Infantil, em uma escola pública municipal situada no município de Rio Grande. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo, com investigação do tipo exploratória, com procedimentos de intervenção pedagógica, buscando um repensar na ação educacional e utiliza a análise de conteúdo para analisar os dados gerados. Como resultado da análise dos trazemos três categorias, a saber: A importância da literatura infantil nas infâncias; Por que dramatizar histórias para as crianças; Os avanços percebidos ao longo da pesquisa. Concluímos o trabalho trazendo as considerações sobre a conquista de leitores desde a Educação Infantil. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Juliana Duarte Simões, Luciana Netto Dolci https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1748 Repatriação e Restituição de bens culturais: caminhos possíveis 2020-10-25T19:57:03+00:00 Karine Lima da Costa kakalima1@gmail.com <p>Este estudo tem como objetivo problematizar a questão da repatriação de bens culturais, especialmente aqueles que atualmente se encontram sob a guarda de instituições museais. Os processos de repatriação foram evidenciados mundialmente nos últimos 50 anos, consequência de um movimento de consciência da importância da cultura material de diversas culturas, que por anos sofreram com o colonialismo e o domínio de outros países. Atualmente, muitos países e grupos sociais reivindicam junto a organizações mundiais, a partir da construção ainda incipiente de políticas internacionais, o retorno de seu patrimônio cultural. Para o embasamento teórico, conceitos como repatriação, restituição, discurso, nacionalismo, universalismo e réplicas contribuíram para estabelecer um diálogo com a produção de autores do campo da Antropologia, da Arqueologia, da História, da Museologia, entre outros, a exemplo de James Clifford, José Reginaldo Gonçalves, Ulpiano Bezerra de Meneses e John Merryman. Desta forma, para exemplificar a discussão se pretende apresentar alguns estudos de caso nacionais e estrangeiros (tanto os que já foram solucionados, quanto os que ainda esperam por um desfecho). A investigação centrou-se na metodologia de análise documental e bibliográfica, consultando fontes como sites oficiais, livros, artigos, catálogos, jornais, entre outros. Apoiada na perspectiva da crítica pós-colonial, que visa trazer à luz outras concepções e narrativas possíveis, esperamos contribuir para o avanço da discussão sobre a propriedade dos bens culturais, especialmente no que se refere ao debate sobre a repatriação. Na tentativa de avançar nessa discussão, apontaremos alguns caminhos possíveis que podem auxiliar na resolução desses casos, como a utilização de réplicas empregues como um recurso adicional para as nações que se encontram fora desta disputa, servindo como elementos visuais didáticos nas exposições. Estas réplicas são geralmente oriundas dos estudos das escolas de Belas Artes Nacionais, devidamente autorizadas para a realização de cópias de elementos icônicos de grandes acervos, como peças do Museu do Louvre, do Museu Britânico, do Museu do Vaticano, entre outros. O momento é propício para uma reflexão sobre o quadro mundial dos acervos museológicos, bem como a compreensão da importância desses objetos que fundamentam os discursos e narrativas construídas pelos museus.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Karine Lima da Costa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1747 A dança entre grupos tradicionais e o imaginário mítico para sua constituição 2020-10-25T19:57:03+00:00 Claudio Baptista Carle cbcarle@yahoo.com.br <p>O texto que apresento é fruto de um contexto exploratórios de manifestações dançadas específicas de grupos que posso considerar tradicionais eu de manifestações tradicionais de grupos no Brasil. Os grupos estudados são os ameríndios e as sociedades africanas arrastadas para a América que desenvolveram uma série de danças espelhadas no imaginário mítico tradicional. A forma de aproximação com estas danças foi feita a partir da “aura do imaginário” do Círculo de Eranos. O Imaginário estudado pelo Circulo de Eranos, inicialmente na Europa, investigou sistemas míticos que já estavam escritos, mas quando nos deparamos com as sociedades tradicionais no Brasil verifica-se que estas míticas são vivas e em constante transformação, sem contudo perder suas bases simbólicas originais. O imaginário me possibilita identificar as bases simbólicas que formaram as míticas que apresentam as imagens que se buscam manter nessas sociedades em destaque. Neste trabalho apresento alguns exemplos destas míticas, dos símbolos originais e as formaram a partir da investigação da externalização dessas, que eu chamo de apresentação. Estudando esses contextos étnicos tradicionais é possível verificar a persistência simbólica, que possibilita manter a própria tradição e com isso perpetuar sua identidade étnica. Foquei nas “danças afro” desenvolvidas no sul do Brasil e algumas manifestações dançadas dos ameríndios do sul e do norte do Brasil. Estas danças são hoje reconhecidamente danças de expressão da persistência, das formas de pensar e agir, com/no mundo, dessas comunidades, na contraposição ao contexto simbólico trazido pelos invasores europeus, transformando estas danças em manifestações socioculturais de resistência dos afro-americanos e ameríndios.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Claudio Baptista Carle https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1746 HIV/AIDS em Tempos de Retrocesso: Possibilidades de Atuação na Educação Básica 2020-10-25T19:57:02+00:00 Peterson Fernando Kepps da Silva keppspeterson@gmail.com Lavínia Schwantes laviniasch@gmail.com <p>No Brasil, o número de casos de HIV de 2007 a 2018 registrados foram de quase 250 mil, sendo a região sudeste e sul, respectivamente, as mais acometidas. Já o número de jovens que contraem a doença vem aumentando no país, o que nos faz pensar na escola como uma ferramenta potente de discussão sobre o tema. Diante disso, desenvolvemos atividades com duas turmas de oitavos anos do Ensino Fundamental do município de Pelotas – RS e visamos apresentar neste trabalho metodologias de ensino endereçadas para Educação Básica que possam contribuir com a ampliação de conhecimentos e informações de jovens estudantes sobre HIV/AIDS. Para tanto, estabelecemos parceria com uma Unidade Básica de Saúde por meio do Programa Saúde na Escola. A parceria contribuiu para que tivéssemos atividades mais aproximadas do contexto da escola. Consideramos os resultados das atividades satisfatórios, tendo em vista a participação e interação dos estudantes diante das discussões e trabalhos propostos.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Peterson Fernando Kepps da Silva, Lavínia Schwantes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1745 Os Sujeitos da Educação de Jovens e Adultos da Escola Estadual de Ensino Médio 20 de Setembro 2020-10-25T19:57:02+00:00 Nádia Machado Gomes nadiagomesag@gmail.com Juliana Brandão Machado julianamachado@unipampa.edu.br Juliana Brandão Machado julianamachado@unipampa.edu.br <p align="center"><strong>Resumo</strong></p><p class="xgmail-default">Este trabalho é parte de uma pesquisa junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Unipampa e faz uma reflexão sobre a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e as constantes mudanças, que atendendo aos interesses das classes dominantes, preocupados apenas ao desenvolvimento econômico da sociedade brasileira deixa de atender as necessidades da grande população. Reconhecer os sujeitos da EJA da Escola Estadual de Ensino Médio 20 de Setembro, localizada no município de Arroio Grande, na sua realidade, suas necessidades, no contexto da educação formal, buscando a superação da uniformidade, do aligeiramento e exclusão social é o objetivo deste trabalho. Busca-se nesse texto estabelecer um diálogo com autores do campo da Educação Popular e Educação de Jovens e Adultos, como Freire (1997), Beisiegel (1979); Haddad (2000); Arroyo (2011). A metodologia utilizou como coleta de dados um questionário aplicado aos alunos e documentos da escola. Destaca-se que essa análise envolve um questionário aplicado que se referem a realidade dos sujeitos na sua individualidade, na prática educativa, o uso das tecnologias digitais e como esses sujeitos se percebem no curso da modalidade EJA, estabelecendo uma relação com documentos da escola, com a concepção da educação emancipatória e o reconhecimento da cultura e do saber popular. Através desta proposta busca-se alternativas para melhorar a qualidade social desses jovens e adultos, afirmando-se enquanto sujeitos de uma ação transformadora, sabendo buscar seus conhecimentos, desenvolvendo valores humanos e diminuindo a exclusão social.</p><p>Palavras-Chave: Educação de Jovens e Adultos; Educação Emancipatória; Sujeitos</p><p> </p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Nádia Machado Gomes, Juliana Machado Brandão, Juliana Machado Brandão https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1744 Memórias e Paisagem da Zona Portuária da Cidade do Rio Grande/RS: concepções e perspectivas de um grupo de estudantes 2020-10-25T19:57:02+00:00 Maqueni Barreto Pureza furggeo@gmail.com Rita de Cássia Grecco dos Santos ritagrecco@yahoo.com.br <p>Este artigo tem sua origem em nossas inquietações e indagações sobre questões que transcendem aspectos puramente objetivos da existência humana. Nesse sentido, o que nos entusiasma são os entrelaçamentos entre Memória e Paisagem no contexto do Ensino de História. Por esses caminhos, a pesquisa que suscitou essa publicação aconteceu a partir dos referenciais da Nova História Cultural. Logo, consideramos as dimensões dos significados, das práticas, das representações e dos símbolos. Por esse ângulo, a questão que nos mobilizou foi a seguinte: Quais concepções e perspectivas históricas emergem entre estudantes do Ensino Fundamental, a partir do contato com a Paisagem e as Memórias da zona portuária da cidade do Rio Grande/RS? A pesquisa desenvolvida é de cunho social e articula dimensões coletivas e individuais. Para a análise das informações discursivas, utilizamos a técnica do Discurso do sujeito Coletivo (DSC), elaborada por Lefèvre e Lefèvre. Pela tessitura realizada, entendemos que emergiu uma expectativa por parte dos estudantes de que a História pudesse lhes entregar algumas “chaves” que lhes permitissem compreender sua existência no tempo e no espaço e que lhes possibilitasse a autonomia necessária para acolher ou refutar àquilo que no contexto de uma cultura é considerado essencial. Desse modo, compreendemos que as interações entre Memória e Paisagem suscitam reflexões sobre a dimensão cultural e essa condição age diretamente na ampliação da capacidade reflexiva que busca suprir demandas essenciais ao construto do ser.</p><p> </p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Maqueni Barreto Pureza, Rita de Cássia Grecco dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1743 OCUPAR E RE (EXISTIR): ATUAÇÃO DAS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRB 2020-01-05T13:00:18+00:00 Rosana da Silva Pereira silvarosanasociais@gmail.com <p>A história do Brasil evidencia que o racismo estrutural e institucional permitiu que a população negra tivesse dificuldades de acesso ao ensino superior. As ações afirmativas se constituem como políticas públicas que visam reparar os grupos socialmente marginalizados nos distintos segmentos do país. Sendo assim, os movimentos sociais, sobretudo negros, se colocam como protagonistas de lutas pela eliminação das desigualdades e a implantação das políticas públicas de ação afirmativa na educação superior. A lei 12.711/2012 foi uma conquista para a população negra. A conquista de um direito já garantido na Constituição Federal. Neste sentido, o presente trabalho estabelece um paralelo entre as políticas públicas de ações afirmativas, a Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis- PROPAAE e o Programa de Permanência Qualificada da UFRB, evidenciando reflexões importantes acerca da temática abordada. Objetivando a avaliação de como está sendo operacionalizada e ofertada a Política de Ações Afirmativas na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, para isso foi tomado como referência o Programa de Permanência Qualificada – PPQ, utilizado nessa instituição. Nessa análise será observada para além da inclusão de grupos sociais excluídos a permanência dos estudantes. Evidencia-se no trabalho a necessidade de lutar pelas ações afirmativas neste cenário. É preciso Re (existir) pela população negra dentro e fora das Universidades Brasileiras.</p> Copyright (c) Rosana da Silva Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1742 A presença do movimento acrobático nas manifestações culturais dançadas 2020-10-25T19:57:02+00:00 Guilherme Conrad gui_conrad@hotmail.com <p>O presente artigo realiza uma análise histórico-cultural da presença do movimento acrobático nas manifestações culturais dançadas. Movendo-se por diferentes culturas e estilos, a pesquisa estabelece as variadas relações da técnica acrobática com o corpo que dança. A análise perpassa pelos rituais de caça primitivos, danças antigas egípcias, gregas, cretenses, romanas, feudais, dança extática balinesa sang hyang dedari, dança das armas do imperador chinês Huang Ti, dança clássica, music hall, dança-teatro, contato-improvisação, dança vertical, bailes de salão, rock’n’roll acrobático, danças folclóricas, hip-hop, capoeira e teatro musical. O estudo, embasado através de perspectivas históricas e antropológicas associadas a conceitos da Antropologia Teatral do diretor italiano Eugenio Barba (1936-), das técnicas do corpo do antropólogo francês Marcel Mauss (1872-1950) e da Etnocenologia, pressupõe como a Acrobacia é presente em performances artísticas e culturais que, ao colocar o homem em um contexto imaginário por meio de rupturas perceptivas e corporais que desafiam as leis gravitacionais conjuntamente com uma expansão de qualidades físicas e motoras. Através dos exemplos dissertados, o artigo conclui como a partir da relação entre o artístico e o cultural o movimento acrobático desponta com base em inúmeros fatores de cunho cultural, social, ritual, religioso, festivo, espetacular, técnico, virtuoso, expressivo, pedagógico, lúdico, coreográfico ou de treinamento.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Guilherme Conrad https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1740 Campo político a partir da perspectiva de Bourdieu e do poder: implicações no campo jornalístico 2020-10-25T19:57:02+00:00 Thaíze Ferreira da Luz thaizefl@gmail.com Acreditamos que para compreender o funcionamento de regimes e instituições, é fundamental estudarmos o campo político e suas implicações sociais e culturais, como parte do processo de consolidação das democracias. Conhecer os elementos que formam e delimitam a cultura política de uma sociedade é tarefa fundamental para compreender como funcionam suas instituições políticas e os fatores que legitimam os agentes políticos que controlam tal sociedade. Nesse sentido, trabalharemos aqui, com a perspectiva de <em>poder</em> definida por Pierre Bourdieu, cujo entendimento é de que o poder só pode ser exercido mediante capital e no interior do próprio campo. Ou seja, dentro do campo político. E a posição dominante dentro do campo político está intimamente ligada a sua maior acumulação de capital, seja ele cultural, intelectual, econômico ou representado nas suas mais diversas formas, podendo ou não, estar acumulado. Desta forma, é pertinente ressaltar a necessidade de distinguir o campo de produção do campo de consumo no entendimento das ocorrências políticas. Na mesma linha, quando pensamos nos grandes grupos midiáticos existentes no Brasil, em especial os jornais por nós analisados – <em>O Globo</em> e <em>O Estado de São Paulo</em> – verificamos que o poder simbólico exercido pelo campo jornalístico, é capaz de legitimar discursos e influenciar as massas, interferindo assim, nas questões políticas. Deste modo, pretendemos analisar o conceito político a partir da perspectiva de Pierre Bourdieu, bem como, o poder simbólico dos impressos e suas implicações nos processos eleitorais. 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Thaíze Ferreira da Luz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1739 A Dimensão Política da Educação Ambiental no Projeto Político Pedagógico (PPP) de um Colégio Estadual em um município no sudoeste do Paraná 2021-02-26T18:38:20+00:00 Thainá Marcella Cordeiro thainamarcella@hotmail.com Anelize Queiroz Amaral anelizeamaral@utfpr.edu.br Daniela Macedo de Lima danielamacedodelima@gmail.com Rosangela Maria Boeno rosangelaboeno@utfpr.edu.br <p>O presente estudo, traz como objeto de pesquisa, a análise do Projeto Político Pedagógico (PPP), de um determinado Colégio Estadual, localizado em um município do Sudoeste do estado do Paraná - Brasil. Desta forma, traz-se como problema de pesquisa a investigação da dimensão política da Educação Ambiental presente no PPP. Sendo assim, este trabalho traz um breve panorama histórico sobre a Educação Ambiental e seus momentos históricos desde seu surgimento, até ser discutida no âmbito da Educação brasileira e a incorporação desta em documentos oficiais. Para tanto, a metodologia utilizada, foi de cunho qualitativo por meio da análise documental do PPP do Colégio Estadual em questão, portanto, buscou-se verificar como a Educação Ambiental vem sendo desenvolvida no colégio, e se neste documento PPP evidencia-se a dimensão política da Educação Ambiental e de que forma. Contudo, após as análises observou-se a presença da Natureza Política da Educação Ambiental, bem como os limites e possibilidades do desenvolvimento dessa prática na Instituição de Ensino. Ainda, foi possível visualizar a busca da escola de Educação Básica pelo desenvolvimento do senso crítico de seus educandos e a construção de sujeitos reflexivos quanto à atual relação sociedade-natureza.<strong></strong></p> Copyright (c) Thainá Marcella Cordeiro, Anelize Queiroz Amaral, Daniela Macedo de Lima, Rosangela Maria Boeno https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1735 Lagoa Mirim (Brasil/Uruguai): três versões turísticas de uma paisagem 2020-10-25T19:57:02+00:00 Jaciel Gustavo Kunz jacielkunz@gmail.com Antonio Carlos Castrogiovanni castroge@ig.com.br <p>A paisagem é um dos principais modos pelos quais a Geografia se relaciona ao saber e ao fazer turístico. Empiricamente, têm-se o contexto da Lagoa Mirim, território compartilhado entre Brasil e o Uruguai. O objetivo geral desta pesquisa é analisar os sítios de encontro da Lagoa Mirim como partes do todo que é objeto em questão, em termos turísticos e paisagísticos. Dessa, que é a maior lagoa dos países mencionados, são eleitos três recortes espaciais, que possuem semelhanças e diferenças entre si, como arranjos e sítios turísticos: Praia da Vila da Capilha, Rio Grande e Porto de Santa Vitória do Palmar (Brasil), e Balneário de Lago Merín, Cerro Largo (Uruguai). O trabalho é ancorado no paradigma da Complexidade em Morin (2011, 2015), segue a metodologia das pesquisas bibliográficas e documentais. Discorre sobre conceitos de paisagem, turismo e <em>performances</em>, recorrendo a literatura estrangeira anglo-saxã, da Geografia Humanista-Cultural. Cada local é considerado sítio de encontros entre sujeitos-turistas e as paisagens, que possuem suas peculiaridades, ao mesmo tempo em que se complementam como partes. A Lagoa Mirim é distinguida como objetos geográfico e semiótico de conhecimento. Ao final, derivam novos questionamentos a serem respondidos em pesquisas futuras.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Jaciel Gustavo Kunz, Antonio Carlos Castrogiovanni https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1733 O USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS NO ENSINAR MATEMÁTICA: recursos, percepções e desafios 2020-10-25T19:57:02+00:00 Raquel Silveira da Silva raquelsds2013@gmail.com Tanise Paula Novello tanisenovello@furg.br <p>Com o avanço da tecnologia digital, algumas instituições de ensino como escolas e universidades tem repensado seus valores e práticas de ensino. Utilizou-se de um recorte de pesquisa realizado com estudantes da Universidade Federal do Rio Grande – FURG, curso de Licenciatura em Matemática, matriculados na disciplina de Tecnologias Aplicada à Educação Matemática I. Durante a disciplina uma das atividades os discentes conversaram com doze professores de escolas públicas, sobre o seu fazer pedagógico e a presença das tecnologias digitais nos espaços de atuação e produziram relatórios, com o objetivo de compreender o fazer pedagógico dos professores de Matemática da Educação Básica atrelado ao uso das tecnologias digitais. A partir dos registros gerados para análise utilizou-se a Análise Textual Discursiva (ATD) a fim de compreender o fenômeno investigado através dos discursos produzidos. Neste estudo, discutiu-se três categorias que emergiram da ATD: <em>recursos utilizados pelos docentes, percepções sobre o uso das tecnologias digitais(TD) e desafios no ensinar matemática</em>. A partir dessas três categorias, percebeu-se que os principais recursos utilizados pelos docentes entrevistados tem sido o livro didático e a internet para pesquisa de conceitos. Dentre as principais percepções e desafios está a formação continuada voltada para o uso das tecnologias digitais. No entanto, se faz necessário, repensar os recursos utilizados em sala de aula, bem como criar alternativas que atendam as necessidades dos sujeitos envolvidos e imersos em uma cultura tecnológica e assim contribuir para mudanças significativas no fazer docente no cenário atual.</p> 2020-03-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Raquel Silveira da Silva, Tanise Paula Novello https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1730 Brasil e Chile: duas maneiras de ver a ditadura 2019-12-18T22:22:29+00:00 Danilo Espindola Catalano danilocatalano9@usp.br <p>A intenção deste artigo, é mostrar um pouco, como e de que forma duas sociedades de dois países latino-americanos, Brasil e o Chile, lidam com o seu passado mais sangrento, uma época de violência, torturas e desaparições, uma época de ditadura militar, que por mais que tenham semelhanças, também há diferenças em como elas foram implantadas em cada um dos países abordados neste trabalho, por isso, ele é relevante, para apresentar uma relação entre estes dois povos, comparando a história e a maneira com a qual eles lidaram e lidam até hoje com o que ocorreu.</p> Copyright (c) Danilo Espindola Catalano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1729 Justiça social e cidadania ambiental como mecanismos de enfrentamento da crise habitacional 2020-10-25T19:59:44+00:00 Daiane Acosta Amaral daia_acostamaral@hotmail.com David Silva de Souza davidsouza22@gmail.com <p>O rápido crescimento das aglomerações urbanas é resultado de um processo histórico de urbanização que se intensificou a partir de meados do século XX. A urbanização crescente deverá ser acompanhada do aumento da pobreza e, como já se sabe, os impactos da combinação de tais processos serão de toda ordem, sobretudo ambiental e social.Assim, em que pesem as parcas políticas públicas voltadas para a inclusão social e da inércia estatal em procurar soluções imparciais para os dilemas da precariedade urbana, cabe à coletividade também buscar o equilíbrio socioambiental, de modo que as ações sejam revestidas de obrigação intergeracional, ou seja, com respeito à geração futura.A cobrança de ações efetivas passa pelo reconhecimento da participação social de cada indivíduo e da relação de pertencimento com a sociedade.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Daiane Acosta Amaral, David Silva de Souza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1728 Práticas de leitura no ensino superior: os estudantes de medicina leem? 2020-05-14T13:35:53+00:00 Rosana Mara Koerner rosanamarakoerner@hotmail.com Angelina Diniz Pereira angelpereira2014@gmail.com Elaine Ferreira da Silva elaineferreirads@gmail.com Lisa Marie Romanio lisa.romanio@hotmail.com Marina Thomaz Fernandes marinathomazf@gmail.com Mayara Macedo Soares may.rmd@gmail.coom O objetivo do presente artigo é apresentar alguns resultados de uma pesquisa feita com alunos do curso de Medicina acerca de suas práticas de leitura. Participaram 61 acadêmicos de uma universidade comunitária no norte de Santa Catarina, os quais responderam a um questionário com 13 questões. Os resultados indicam que a leitura por parte dos estudantes de medicina é, em grande maioria, voltada para sua área de formação. Por este motivo, a maior parte dos respondentes indicou que busca o conhecimento quando praticam a leitura, através de artigos científicos, livros, resenhas, entre outros. Os principais autores usados são Moraes e Arena (2013). Copyright (c) Rosana Mara Koerner, Angelina Diniz Pereira, Elaine Ferreira da Silva, Lisa Marie Romanio, Marina Thomaz Fernandes, Mayara Macedo Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1727 Trabalho, Globalização e Antropologia 2020-10-25T19:57:02+00:00 Rosana Eduardo da Silva Leal rosanaeduardo@yahoo.com.br <p>O trabalho é ainda uma das forças centrais da sociedade. Trata-se de um espaço simbólico em que perpassam relações de exploração, reivindicação, negociação, rede de solidariedade ou competição, apresentando-se também como campo em que dialogam saberes, ofícios, técnicas e tecnologias distintas. Para a Antropologia, o mundo do trabalho não se constitui apenas de valores pecuniários, pois oferece uma multiplicidade de produções culturais possíveis de serem estudadas. Os estudos antropológicos sobre o trabalho observam as formas de controle no recrutamento dos trabalhadores, as hierarquias construídas, o processo de qualificação transnacional e as formas de valorização e reconhecimento de ofícios tradicionais. Considera ainda os tipos de trabalho, as formas de rendimento e como estes interferem na vida social comunitária dos respectivos trabalhadores. Neste âmbito, o presente artigo tem como objetivo desenvolver um debate teórico sobre os caminhos percorridos pelo mundo do trabalho em tempos de globalização. Busca ainda estabelecer uma análise sobre o papel, os desafios e as contribuições da Antropologia na teorização e pesquisa sobre o tema. Diante do exposto, consideramos que o estudo do mundo do trabalho envolve situações extremas quando descortinam ambientes de desigualdades sociais, formas de exploração diversas (prostituição, trabalho infantil, trabalho escravo), bem como práticas discriminatórias e de exclusão, exigindo posicionamentos críticos, éticos e políticos do antropólogo.</p> 2020-03-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rosana Eduardo da Silva Leal https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1726 Influências da FUNAI e da ITAIPU nas desapropriações dos Indígenas Avá-Guarani – 1981 2020-04-06T23:09:17+00:00 Rosangela Daiana dos Santos rossantos104@gmail.com Marcos Rodrigues Barreto marcosriodejaneiro@gmail.com <p>Trabalho realizado a partir de uma análise sobre o laudo antropológico feito por Célio Horst a pedido da Fundação Nacional do Índio para classificar os indígenas que habitavam na margem do Rio Paraná, durante a década de 1980, área que seria inundada pela formação da barragem da Hidrelétrica Binacional de Itaipu. Dessa forma, analisando este Relatório, destacando alguns trechos e também apresentando algumas discussões que vem sendo realizadas em relação a este documento e a outros que nos demonstram as violações de Direitos humanos dos Povos Indígenas, principalmente cometidas conta os Avá Guarani.</p> Copyright (c) Rosangela Daiana dos Santos, Marcos Rodrigues Barreto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1725 O consumo de reggaeton antes e depois de Despacito pelos brasileiros 2019-12-08T14:53:45+00:00 Danilo Espindola Catalano danilocatalano9@usp.br <p>Uma análise do consumo do estilo de reggaeton pelos brasileiros, utilizando como recorte a cidade de São Paulo, para fazer um recorte necessário, falando da maior cidade do país, para poder compor todo o país, devido a que este seja um artigo e não uma pesquisa maior, como uma dissertação ou uma tese de doutorado, ela tem um recorte menor e mais específico, mas o que não faz dela menos importante, podendo ser uma referência para trabalhos que venham a falar do gênero e de sua relação antes e depois do fenômeno musical de Luis Fonsi e Daddy Yankke, a música <em>Despacito</em>, que não só dominou os <em>hits</em> brasileiros, mas do mundo todo, por isso, este artigo põem ênfase nela e tenta em certa medida ver seu impacto no consumo cultural brasileiro.</p> Copyright (c) Danilo Espindola Catalano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1724 A dimensão cidadã do direito à cidade: mobilidade urbana para as pessoas com deficiência 2020-10-25T19:57:59+00:00 André Luiz Pereira Spinieli spinieliandre@gmail.com Letícia de Paula Souza lepaulasouza@gmail.com <p>Tendo em vista que a mobilidade cotidiana exerce grande relevância na dinâmica da sociedade contemporânea, sendo uma condição essencial para garantir o direito à cidadania, o trabalho objetiva discutir a importância do direito à acessibilidade urbana aplicada às pessoas com deficiência em geral, enquanto instrumento para o alcance da expressão cidadã do direito à cidade. Adota-se o método bibliográfico, mediante revisão da literatura especializada nos temas do trabalho, a partir de uma integração teórica entre direito e urbanismo. Dessa maneira, dentre os resultados e conclusões atingidas, é possível afirmar que a acessibilidade na esfera urbanística é instrumento capaz de promover a inclusão social desse grupo, além de servir como fundamento constitucional para alcançar o ideal de cidadania constitucional.</p> 2020-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 André Luiz Pereira Spinieli, Letícia de Paula Souza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1723 Brasil e Chile: duas maneiras de ver a ditadura 2019-12-08T14:49:12+00:00 Danilo Espindola Catalano danilocatalano95@gmail.com <p>A intenção deste artigo, é mostrar um pouco, como e de que forma duas sociedades de dois países latino-americanos, Brasil e o Chile, lidam com o seu passado mais sangrento, uma época de violência, torturas e desaparições, uma época de ditadura militar, que por mais que tenham semelhanças, também há diferenças em como elas foram implantadas em cada um dos países abordados neste trabalho, por isso, ele é relevante, para apresentar uma relação entre estes dois povos, comparando a história e a maneira com a qual eles lidaram e lidam até hoje com o que ocorreu.</p> Copyright (c) Danilo Espindola Catalano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1722 Por que ocupamos? Uma introdução à luta dos sem-teto 2020-09-07T15:14:38+00:00 MACIANA DE FREITAS E SOUZA macianafreitas@hotmail.com Aylana Paula dos Santos silva aylana_silva@hotmail.com <p>Esta resenha tem como objetivo apresentar as contribuições do livro “Por que ocupamos? Uma introdução à luta dos sem-teto” de Guilherme Boulos. Para isso, apresenta-se o histórico do processo de desenvolvimento do movimento social no pais, seguido de dados para problematizar as lutas sociais efetivadas na atual conjuntura brasileira.</p><p> </p> Copyright (c) MACIANA DE FREITAS E SOUZA, Aylana Paula dos Santos Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1720 Thoughts on Joker´s Social Commentary: Warning Signs for the Side Effects of Capitalism in the US and Brazil 2020-05-22T13:40:56+00:00 VALDIR DA SILVA BEZERRA sb1.valdir@gmail.com <p>The present article aims to scrutinize <em>Joker´s </em>social commentaries and critics on capitalism through the lenses of our own reality, analyzing the current economic (but also political) state of affairs in the US and Brazil. Our results infer that <em>Joker</em> might provide some warning signs about our present condition, as well as important <em>insights</em> for our societies, which, if totally ignored, could open space for the deepening of certain contradictions and side effects of capitalism.</p> Copyright (c) VALDIR DA SILVA BEZERRA https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1719 Os difusos processos culturais na transmodernidade em relação aos Direitos Humanos 2020-10-25T19:57:59+00:00 Gabrieli de Camargo gabrieli_camargo@outlook.com Bruna Medeiros Bolzani b.medeirosbolzani@gmail.com <p>A pesquisa tem como proposta analisar criticamente os difusos processos culturais que surgem no mundo transmoderno após uma compreensão sobre os processos de colonização que alocam as regiões do novo mundo, especificamente da América Latina em relação aos percursos da colonialidade e sua articulação na nova era de direitos globais, como o caso dos Direitos Humanos em meados do século XX. Para tanto, buscou-se objetivamente analisar, partindo de uma visão decolonial, esses processos violentos da colonização dentro de uma óptica do sistema-mundo rearranjada por Enrique Dussel e suas implicações dentro do espaço temporal da transmodernidade na era dos direitos universais. Diante disso, fez-se necessário as abordagens críticas das vertentes decoloniais e pós-coloniais para embasar a historicidade – ou a não-história relatada – em argumentar esses questionamentos e reflexões dos difusos processos culturais que irrompem a sociedade contemporânea. Essa pesquisa tem como metodologia de análise cunho hipotético-dedutivo e utilizou-se da técnica a coleta e revisão bibliográfica de materiais para análise focal da mesma. Ao final, demonstramos que, mesmo com os processos culturais distintos, é necessário dentro das vertentes críticas decoloniais, um apreço aos propósitos dos direitos humanos como meio de garantir um mínimo digno de referências legais aos diversos sujeitos de direito na contemporaneidade.</p> 2020-05-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Gabrieli de Camargo, Bruna Medeiros Bolzani https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1717 Expediente 2020-10-25T19:55:05+00:00 RELACult - Comissão Editorial relacult@claec.org <div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2019-11-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 RELACult - Comissão Editorial https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1080 Apresentação 2019-11-03T18:51:07+00:00 Suzana Ferreira Paulino suzanafpenglish@yahoo.com.br Apresentação do dossiê.<div id="njcdgcofcbnlbpkpdhmlmiblaglnkpnj"> </div> 2019-11-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Suzana Ferreira Paulino https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1716 Apresentação 2020-10-25T19:55:05+00:00 Eliane Pereira Machado Soares eliane@unifesspa.edu.br Apresentação dossiê. 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Eliane Pereira Machado Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1715 A linguagem científica na escola – proposições para um “olhar etnográfico” sobre livros didáticos em ciências 2020-10-25T19:57:59+00:00 Paula Simone Busko paulabusko@gmail.com <p class="ResumoRevista">O artigo tem o objetivo de explicitar a importância de um “olhar etnográfico” sobre livros didáticos em ciências nas escolas brasileiras. Conceitualmente, faz-se necessário esclarecer o que é uma pesquisa etnográfica e seus fundamentos, o que indica para o campo teórico da <em>etnografia os conceitos de Clifford Geertz</em> e para a linguagem os conceitos de <em>Michel Pêcheux e Eni Orlandi. </em>Em um trabalho de análise mais elaborado com os professores, descrever ou interpretar a linguagem dos livros didáticos é desafiar a ciência “tal qual se faz”, procurando encontrar novas formas de ensinar ciências.</p> 2020-05-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Paula Simone Busko https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1713 A importância da feira da Kantuta para os imigrantes bolivianos 2020-01-25T19:27:50+00:00 DANILO ESPINDOLA Catalano danilocatalano95@gmail.com <p>Com o intuito de tentar minimamente apresentar a importância da feira da Kantuta, realizada na cidade de São Paulo todos os domingos, para a vida dos bolivianos que migram ao Brasil com o intenção de terem uma vida melhor, para assim marcar as memórias de suas vidas na Bolívia e pensar no papel da feira para que eles possam conviver com seus iguais, que tem as mesmas dificuldades em uma cidade brasileira tão grande e cheia de dificuldade e oportunidades que acabam aparecendo, entendendo como e de que forma a feira se aparece neste cotidiano da maior comunidade boliviana fora de seu país.</p> Copyright (c) DANILO ESPINDOLA Catalano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1712 Educação Ambiental na comunidade escolar João Goulart em Novo Hamburgo/RS: a formação do sujeito pertencente ao meio ambiente 2020-02-28T12:45:36+00:00 Deise Bortolozo Pivoto deise.b.pivoto@gmail.com Janaina Agostini Braido janabraido@gmail.com Este artigo apresenta o desenvolvimento do projeto de ação em Educação Ambiental com as famílias da EMEF Pres. João Goulart, de Novo Hamburgo/RS, problematizando o que podemos fazer como instituição para instrumentar as famílias para práticas que influenciem o comportamento ambiental mais responsável das crianças. O trabalho objetivou a constituição de sujeitos capazes de realizar ações que visem à melhor qualidade de vida para sua comunidade, discutindo questões relativas à separação e ao destino de resíduos sólidos. Realizou-se levantamento bibliográfico, questionário, oficinas e debates, oportunizando reflexões e ações com a finalidade de experienciar o exercício da cidadania ambiental, através do senso de pertencimento. Os resultados indicaram que as vivências articuladas com os estudos teóricos viabilizaram a construção de identidades transformadoras, fortalecendo a EA na formação de sujeitos críticos. Copyright (c) Deise Bortolozo Pivoto, Janaina Agostini Braido https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1711 Formação docente: olhares sobre os saberes e práticas docentes no espaço do Pré-Universitário Popular Povo Novo 2020-12-18T01:44:49+00:00 Fernanda Caseira das Neves fernandaneves92@hotmail.com Vilmar Alves Pereira Alves Pereira vilmar1972@gmail.com <p>O presente trabalho fundamenta-se em realizar uma análise da prática docente durante as minhas ações como educadora popular no contexto do curso Pré-Universitário Popular Povo Novo. Embasadas, portanto, na proposta de uma Educação Ambiental Popular possibilitando a base epistemológica orientar as atividades educativas de extensão no contexto do Programa de Auxílio ao Ingresso nos Ensinos Técnico e Superior – (PAIETS) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). O acesso, assim como a permanência são grandes desafios enfrentados na vida profissional do docente, principalmente no que condizem as especificidades do curriculum do próprio curso e a articulação deste com os objetivos, os métodos de ensino, o planejamento didático e as condutas de avaliação, utilizadas durante os quatro anos de formação na Universidade, instigando a redefinição das bases formativas docentes num horizonte mais humano, crítico e transformador. Assim, procurou-se entender e valorizar os saberes e as práticas no processo de construção do diálogo entre os educandos e o sujeito histórico em seu contexto, visando à avaliação como uma prática emancipatória, onde o educando possa ser visto como o principal agente em seu processo de formação e nas construções das aprendizagens em meio de uma forte onda de políticas de desvalorização da educação. Aponto durante a pesquisa como educadora popular e graduanda do curso de Letras - Espanhol o que compreendemos sobre o processo de formação e algumas de nossas expectativas e dificuldades enfrentadas no dia a dia da sala de aula.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Fernanda Caseira das Neves, Vilmar Alves Pereira Alves Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1710 A representação política democrática, seus limites e desafios: breves considerações sobre o caso brasileiro a partir de uma perspectiva descolonizada 2020-10-25T19:57:59+00:00 Aruanã Emiliano Martins Pinheiro Rosa aruana1333@gmail.com <p>O presente artigo se situa no campo de análise da construção do sistema democrático representativo, procurando trazer percepções acerca do caso brasileiro. Neste sentido, a pesquisa se desenvolve em três partes: a primeira situa-se a construção da democracia com uma breve retrospectiva histórica do termo; a segunda parte visa entender como se desenvolveu o sistema político brasileiro, principalmente no período posterior a fase da denominada redemocratização. E por fim, procura-se entender, dentro dos limites da via representativa brasileira, como a maioria de sua população formada por pessoas negras, não encontram representação via este sistema democrático representativo, que há longos períodos promove uma marginalização por meio de um racismo estrutural com relações políticas, sociais e econômicas desiguais. Para responder aos questionamentos levantados, o trabalho recorre a autores e autoras que pensam por uma matriz epistêmica que promova a descolonização estatal e social, e, além disso, vale-se de documentos oficiais e alguns levantamentos estatísticos para corroborar com a problemática descrita.</p> 2020-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Aruanã Emiliano Martins Pinheiro Rosa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1708 Da Arara-Azul à Gaivota do Litoral Sul: o PAIETS como espaço do sentir, aprender e criar 2020-12-28T18:54:35+00:00 Roberta Avila Pereira robertapereira108@gmail.com Lisiane Costa Claro lisianecostaclaro@gmail.com <p>Reconhecemos a necessidade da propulsão por voos de esperança que possibilitem transformações no mundo, no horizonte da Justiça Social e Ambiental, do respeito às diferenças culturais e, sobretudo, à vida na Terra (nas águas, nos ares, na ardência do fogo). Por isso escolhemos como alegoria para nossa tessitura, a “Ararinha-azul” de Carlos Rodrigues Brandão. Na obra “O voo da arara-azul: escritos sobre a vida, cultura e educação ambiental”, Brandão (2007) aborda a representação da Arara-azul como uma compreensão da condição de fragilidade (própria do ser humano), mas, também, da viabilidade de resistência e esperança num cenário que tende a capturar os sonhos e a existência digna. Aprendemos com Brandão que a esse pássaro no contexto nordestino, nos traz lições sobre a vida no planeta. Assim, ao olharmos para o céu no extremo sul do litoral Sul, enxergamos o voo da gaivota e sua viagem dos ares ao mergulho no mar como possibilidade de sentir e aprender sobre pássaros, pessoas e vida. Nesta relação entre as peripécias da gaivota, inspirada nas viagens da Ararinha, narraremos sobre esta aventura, nos voos, percursos, direções e ninhos do Programa de Auxílio ao Ingresso nos Ensinos Técnico e Superior – PAIETS da Universidade Federal do Rio Grande – FURG por meio da alegoria da “arara-azul” criada por Brandão. Assim como a gaivota busca o alimento no mar, o PAIETS nutre-se ao mergulhar na concepção de Educação Popular, por meio dos aprendizados com Paulo Freire e Carlos Rodrigues Brandão.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Roberta Avila Pereira, Lisiane Costa Claro, Vilmar Alves Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1707 Resgate do pensamento social latino-americano: crises atuais no Haiti 2020-10-25T19:57:02+00:00 FEDNEL Saintil saintilfedy@gmail.com <p>A conjuntura do pensamento sócio-político e econômico latino-americano mudam constantemente. Sempre existem grandes discussões sociológicas, politicas e econômicas referentes aos problemas enfrentados pelos países da região. Nos meados do século passado, sobretudo, com a criação da CEPAL o debate se amplia sob outra forma, porém o caso do Haiti, país situado na região caribenha ainda não leva proveito desses debates até para influenciar e pegar um novo rumo. O país entra numa crise politica e economia tremenda sem precedente. De fato, este presente trabalho procura resgatar as discussões de alguns cientistas sociais e economistas latino-americanos para esclarecer alguns elementos no caso do Haiti durante os últimos tempos. Ao decorrer dos 30 últimos anos, pós-ditadura militar, este período está marcado na historiografia do país como período transitório ao estabelecimento democrático vis a vis à nova ordem mundial. Este trabalho trará alguns fatos que marcaram na essência da sociedade haitiana e procura-se analisa-los referindo as suas principais consequências nos dias atuais. <strong></strong></p> 2020-03-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 FEDNEL Saintil https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1706 EDUCAÇÃO PARA PAZ NO CURSO PRÉ UNVERSITÁRIO POPULAR CULTURA DA PAZ EM RIO GRANDE-RS. 2020-12-18T01:44:49+00:00 Jéssica Rocha Senna jessiksenna@hotmail.com Peterson Fernando Kepps da Silva keppspeterson@gmail.com Vilmar Alves Pereira vilmarpereira@furg.br <p>Este trabalho apresenta um relato de experiência a partir do projeto intitulado “Cultura da Paz”, no qual busca possibilidades tanto de reflexão acerca da vida quanto do ingresso de sujeitos privados de liberdade ao Ensino Superior. O curso pré-universitário “Cultura da Paz” é um projeto de extensão desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), a partir do Programa de Auxilio ao Ingresso nos Ensinos Técnico e Superior (PAIETS). Os estudantes que integram o curso são, exclusivamente, apenados do regime aberto e semiaberto da Penitenciária Estadual do Rio Grande (PERG). Tendo por referência os conceitos de Educação Para Paz e Justiça Restaurativa objetivamos, apresentar algumas ações desenvolvidas ao longo dos seus dois anos de vigência, e também a fecundidade dessas duas categorias para pensarmos novos paradigmas de justiça social e de direitos humanos. A experiência ocorreu nos extremos sul do Brasil em Rio Grande-RS.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Jéssica Rocha Senna, Peterson Fernando Kepps da Silva, Vilmar Alves Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1705 A Semiose da Diversidade Materializada na Comunicação Turística do Carnaval de Recife – 2019 2021-01-07T15:21:14+00:00 Priscila Gayer prittyla@gmail.com <p>O presente artigo busca compreender como e quais sentidos são acionados na semiose da diversidade, assim como esse símbolo se materializa na comunicação turística do Carnaval de Recife (2019). Para isso, são apresentadas as premissas teóricas sobre a semiótica e uma discussão teórica sobre a diversidade. A análise permite compreender que, ainda que os signos sejam compostos com base em sujeitos locais e seus elementos culturais, o conjunto que retrata o símbolo da diversidade traz no seu cerne a ideia de variedade, mais do que a problematização ou qualificação das particularidades presentes nas diferenças. Assim, a diversidade é tratada a partir de um discurso universalizador, permitindo inferir que símbolo da diversidade pode ser compreendido enquanto universal, na medida em que poderia ser replicado em qualquer outra realidade sem modificar seu sentido.</p> 2021-01-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Priscila Gayer https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1704 O caso da Usina de Belo Monte e os Estudos Culturais - Aculturação das Populações Indígenas no Processo de Globalização 2020-02-01T16:15:18+00:00 Yunus Berndt yunus.berndt@gmx.net <p style="margin-bottom: 0cm; line-height: 150%;" align="justify"><span style="font-family: Liberation Serif, serif;"><span style="background: transparent;">A construção da usina hidroelétrica de Belo Monte (Pará), é um dos mais controversos projetos infraestruturais da contemporaneidade brasileira, confrontando as demandas nacionais para eletricidade às preocupações de índios, ribeirinhos e ecologistas sobre os efeitos colaterais das obras. Independentemente desse embate político, este texto analisa se havia consequências para as culturas das populações indígenas e como aquelas as transformam. A partir das teorias de John W. BERRY e Stuart HALL, será mostrado que populações indígenas adotam diversas estratégias de aculturação que desembocam, no contexto da globalização, em movimentos identitárias correspondentes.</span></span></p> Copyright (c) Yunus Berndt https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1703 Narrativas gaúchas: como o centauro dos pampas se transmutou em quimera 2020-10-25T19:57:02+00:00 Silas Rodrigues Machado machadosilasr@gmail.com Lais Dias de Farias laisdfarias@gmail.com <p>O presente estudo tem por objetivo investigar a constituição da identidade cultural no discurso das narrativas gauchescas, levando em conta as representações do mito e não-mito presentes nos contos de Simões Lopes Neto e Cyro Martins, que habitam o imaginário do Rio Grande do Sul. Como <em>corpus</em> de análise, elegemos duas canções de bandas contemporâneas, <em>Amigo Punk </em>(1988) – Graforréia Xilarmônica – e <em>Torpor Partes 2 e 3 </em>(2014) – Cachorro Grande –, em que, busca-se compreender como este sujeito que agora habita um momento de fragmentação identitária é representado. Para tanto, elegemos como aporte teórico, os estudos de Stuart Hall acerca do sujeito contemporâneo.</p> 2020-03-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Silas Rodrigues Machado, Lais Dias de Farias https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1702 Performance Queer em “O menino que brincava de ser”, de Georgina da Costa Martins 2020-02-23T16:18:35+00:00 João VItor Xavier dos Santos joao_jvxs@live.com Ruan Fellipe Munhoz ruan_munhoz@hotmail.com <p>Na última década, observou-se um aumento das discussões sobre gênero, bem como da visibilidade de sujeitos pertencentes à comunidade LGBTQ+. Além de se diferenciar da comunidade externa a ela, a dita heterossexual, a própria sigla demonstra que internamente há vários grupos e, portanto várias subjetividades. Desse modo, buscamos investigar o jogo de forças estabelecido internamente à comunidade LGBTQ+ e a sua consequente relação com a circulação/validação de subjetividades. No esteio de uma análise discursiva que mobiliza noções foucaultianas, são mobilizados neste trabalho conceitos como subjetividade, poder e resistência. A série enunciativa mobilizada é composta por músicas da cantora Lin da Quebrada, em seu álbum ‘Pajubá’, lançado em 2017. As análises indicaram que o discurso construído nas músicas estabelece uma resistência ao padrão do gay com perfil masculinizado, o macho, em prol da valorização da subjetividade do gay feminio, a bicha. </p> Copyright (c) João VItor Xavier dos Santos, Ruan Fellipe Munhoz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1701 A Educação Ambiental Popular no Contexto do Pré-Universitário Popular Quinta Superação 2020-10-25T19:59:44+00:00 Roberta Avila Pereira robertapereira108@gmail.com Lisiane Costa Claro lisianecostaclaro@gmail.com <p>No presente estudo abordaremos a temática da Educação Ambiental Popular como propulsora de uma postura político-pedagógica pertinente à formação dos sujeitos que compõem os processos de ensino-aprendizagem. Neste sentido, buscaremos traçar algumas considerações sobre a temática evidenciada entrelaçada às práticas educativas desenvolvidas no contexto do Pré-Universitário Popular Quinta Superação. Este curso é vinculado ao Programa de Auxílio ao Ingresso nos Ensinos Técnico e Superior (PAIETS) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Objetivamos apresentar a contribuição da Educação Ambiental Popular no espaço do Pré-Universitário Popular. Para o alcance das possíveis compreensões, estamos embasados na postura Hermenêutica (PEREIRA, 2016).</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Roberta Avila Pereira, Lisiane Costa Claro, Vilmar Alves Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1700 O combate ao Aedes aegypti na Educação Infantil: expectativas além dos muros da escola 2020-04-15T18:00:00+00:00 Roberta Soares da Rosa robertasdarosa@gmail.com Karoline Schallenberger karoline.schallenberger@gmail.com Bianca Kussler de Oliveira biancakussler@gmail.com <p>O <em>Aedes aegypti</em> é vetor da Dengue, Zika e Chikungunya, arboviroses que podem causar danos graves e letais aos humanos e exigem atenção para seu enfrentamento. A política de combate a estas doenças está focada na sensibilização da comunidade para a eliminação de possíveis criadouros do mosquito. Este trabalho relata a experiência realizada com turmas de Educação Infantil na perspectiva de Educação Ambiental sobre o combate e prevenção ao mosquito. Para avaliar se as crianças absorveram e reproduziram em casa as informações da atividade, realizamos entrevistas com as famílias e identificamos que 67% comentou. Também constatamos que a ação atingiu famílias que os Agentes de Combate a Endemias não encontram em casa em horário comercial. Assim, consideramos que a ação contribui para o combate ao <em>Aedes aegypti</em> e as doenças a ele relacionadas.</p> Copyright (c) Roberta Soares da Rosa, Karoline Schallenberger, Bianca Kussler de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1699 Formação de Educadores (as) Ambientais: uma práxis coletiva a partir do Lugar 2020-02-28T10:43:20+00:00 Darlene Silveira Cabrera darlenescabrera@gmail.com ALEX NUNES MOLINA molina.quimica@gmail.com Vinicius Puccineli viniciuspuccinelli@gmail.com Esse trabalho é o resultado de um projeto interdisciplinar desenvolvido pela Prefeitura Municipal do Rio Grande (PMRG) através das Secretarias de Município do Meio Ambiente (SMMA) e da Educação (SMEd), denominado “Formação de Educadores Ambientais com as mídias: Conhecendo o Nosso Rio Grande”. Teve por objetivo desenvolver a Formação de Educadores Ambientais, valendo-se de equipamentos de produção tecnológica em mídias digitais, visando a formação de multiplicadores nas comunidades escolares do Município. Por meio da metodologia de projetos proporcionou espaços aos servidores (profissionais em educação) da Rede Pública Municipal de educação e aos estudantes: (a) atividades de Formação Continuada para a produção de materiais midiáticos; (b) Formação em Educação Ambiental; (c) inserção e socialização com as mídias digitais, por meio da Educomunicação e (d) trabalho com as relações de pertencimento e autoria, permitindo que a comunidade escolar constituísse vínculo com os seus lugares de pertença a partir da pesquisa, da experiência vivida, da produção autoral e da criação do material midiático. Teve como resultados a relação horizontal entre as secretarias de município e as três comunidades escolares participantes desse projeto piloto, que através do convívio e o diálogo acerca da constituição histórico-social de cada Lugar constituiu o sentimento de pertença, evidente no material audiovisual produzido por cada uma das instituições de ensino. Copyright (c) Darlene Silveira Cabrera, ALEX NUNES MOLINA, Vinicius Puccineli https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1698 A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, SUA PRÁXIS NO LICENCIAMENTO E A HUMANIZAÇÃO NA SOCIEDADE 2020-12-14T01:47:38+00:00 Patricia Votto Gomes patriciagomesea@furg.br <p align="right"> </p><p class="font8"><strong>RESUMO:</strong> O presente trabalho apresenta uma práxis da Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) na Prefeitura Municipal de Rio Grande (PMRG) - RS, em espaço não escolar, através da pesquisa-ação do desenvolvimento de um Programa de Educação Ambiental (PEA) exigido como condicionante para a Licença Ambiental de Instalação (LI) de obras públicas municipais. A partir de Paulo Freire (2018), proporciona-se a humanização dos agentes públicos no processo educativo realizado, por meio da participação social interdisciplinar, através de oficinas para diálogo, informação e problematização quanto à triagem, segregação e destinação de resíduos da construção civil (RCC), e responsabilidade social para a preservação do ambiente. Busca-se então como resultado, a comunhão das consciências e o protagonismo dos sujeitos para a mudança na sociedade, que se expressam no envolvimento para a proteção, recuperação e melhoria das condições ambientais e da qualidade de vida de todos os seres vivos, conforme orientado no Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA).</p><p class="font8"> </p><p><strong>Palavras-Chave:</strong> Educação Ambiental; Humanização; Prefeitura Municipal do Rio Grande; Resíduos da Construção Civil; Responsabilidade Socioambiental.</p><p><strong> </strong></p><p><strong>RESUMEN</strong>: El presente trabajo presenta una praxis de la Política Nacional de Educación Ambiental (PNEA) en el Ayuntamiento Municipal de Rio Grande (PMRG) - RS, en espacio no escolar, a través de la investigación-acción del desarrollo de un Programa de Educación Ambiental (PEA) exigido como condicionante para la Licencia Ambiental de Instalación (LI) de obras públicas municipales. A partir de Paulo Freire (1979), se proporciona la humanización de los agentes públicos en el proceso educativo realizado, a través de la participación social interdisciplinaria, a través de talleres para diálogo, información y problematización en cuanto a la clasificación, segregación y destino de residuos de la construcción civil (RCC), y responsabilidad social para la preservación del medio ambiente. Se busca entonces como resultado, la comunión de las conciencias y el protagonismo de los sujetos para el cambio en la sociedad, que se expresan en el envolvimiento para la protección, recuperación y mejora de las condiciones ambientales y de la calidad de vida de todos los seres vivos, conforme orientado en el Programa Nacional de Educación Ambiental (ProNEA).</p><p> </p><p><strong>Palabras clave:</strong> Educación Ambiental; humanización; Ayuntamiento Municipal de Rio Grande; Residuos de la construcción civil; Responsabilidad Socioambiental.</p><p><strong> </strong></p><p><strong> </strong></p><p><strong>ABSTRACT:</strong> The present work presents a praxis of the National Policy of Environmental Education (PNEA) in the Municipality of Rio Grande (PMRG) - RS, in non-school space, through action research of the development of an Environmental Education Program (PEA) required as a condition for the Environmental Installation License (LI) of municipal public works. From Paulo Freire (1979), the humanization of public agents in the educative process, through interdisciplinary social participation, is provided through workshops for dialogue, information and problematization regarding the sorting, segregation and destination of construction waste (RCC), and social responsibility for the preservation of the environment. As a result, the communion of the consciousnesses and the protagonism of the subjects for the change in the society, that expresses in the involvement for the protection, recovery and improvement of the environmental conditions and the quality of life of all the alive beings, as oriented in the National Environmental Education Program (ProNEA).</p><p><strong> </strong></p><p><strong>Keywords:</strong> Environmental Education; Humanization; City Hall of Rio Grande; Civil Construction Waste; Social and Environmental Responsibility.</p> 2020-09-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Patricia Votto Gomes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1697 A Sala Verde Judith Cortesão como espaço de Educação Ambiental das Infâncias 2020-05-26T22:53:29+00:00 Fabíola Delsale Diniz Guerreiro fabioladiniz@yahoo.com.br Gabrielle Lopes das Neves gabriellegllopes18@gmail.com Melina Terra dos Santos melina_terra92@hotmail.com <p>Este artigo tem por objetivo compartilhar o projeto de extensão elaborado entre a Biblioteca Setorial da Pós-Graduação em Educação Ambiental – Sala Verde “Judith Cortesão” e discentes do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental -PPGEA. Com o intuito de dinamizar as ações educativas da Sala Verde, o projeto tem como objetivo pensar a Educação Ambiental- EA, junto com as crianças do Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente / Rio Grande-RS – CAIC. Para tanto foi elaborado um cronograma de atividades que serão realizadas junto com a escola, através de práticas educativas ambientais. A partir disso, entendemos que a escola se torna um espaço privilegiado para refletirmos a respeito das relações ser humano- ser humano e ser humano natureza, logo é importante fortalecer os diálogos da EA, através dessas relações que nos desafiamos em estabelecer.</p> Copyright (c) Fabíola Delsale Diniz Guerreiro, Gabrielle Lopes das Neves, Melina Terra dos Santos Terra dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1696 Prescrever “tempo verde”: sobre outros modos de controle de sujeitos com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) 2020-10-25T19:55:05+00:00 Thaís Presa Martins tpmmartins@gmail.com Rildo Goulart Peres rgperes@terra.com.br Nádia Geisa Silveira de Souza nadiags@terra.com.br <p>O termo “natureza” designa uma construção cultural, que adquire diferentes significados ao longo do espaço/tempo, com determinados efeitos e fins. Neste sentido, o intuito do estudo foi analisar ditos tomados como verdade sobre a importância do contato com a “natureza”, tendo como finalidade outros modos de controle de sujeitos com diagnóstico de TDAH. Para tanto, o embasamento pautou-se pelos Estudos Culturais pós-estruturalistas. Os excertos do livro analisado têm a finalidade de educar os leitores, constituindo o entendimento sobre a falta de contato com a “natureza” articulada à criação do conceito de <em>transtorno do dé</em><em>ficit de natureza</em>; a ideia de que o TDN seria uma noção mais abrangente do que o TDAH, e de que ambos poderiam ser tratados com a prescrição de “tempo verde”/terapia da “natureza”.</p><p> </p> 2020-03-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Thaís Presa Martins, Rildo Goulart Peres, Nádia Geisa Silveira de Souza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1694 Tratamento de resíduos de cromo gerados nas aulas de química analítica 2020-10-25T19:59:43+00:00 Tamara Mayer Leite Tonin tamaraleite.95.t@gmail.com Marlei Veiga dos Santos marlei.santos@uffs.edu.br <p>Nos últimos anos, as instituições federais de ensino do Brasil têm voltado sua atenção para os resíduos químicos gerados nas suas atividades de ensino e pesquisa. Nos cursos de química os resíduos são caracterizados por sua grande diversidade de composição e de quantidade, o que dificulta o tratamento. Este trabalho teve como objetivo propor técnicas de tratamentos de resíduos gerados nas aulas de química analítica do curso de química licenciatura da Universidade Federal da Fronteira Sul <em>Campus</em> Cerro Largo. O tratamento proposto fez uso de ácido sulfúrico, iodeto de potássio e hidróxido de sódio. Utilizou-se a técnica de espectrometria de absorção atômica para a determinação de cromo, nos resíduos pré e pós tratamento. Dos resultados concluiu se que o tratamento foi eficiente, pois houve a redução significativa de cromo nos resíduos.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Tamara Mayer Leite Tonin, Marlei Veiga dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1691 Os três momentos pedagógicos na Educação Infantil: experiências práticas de Educação Ambiental 2020-10-25T19:59:43+00:00 Lia Heberlê de Almeida lia_ha@hotmail.com <p>Este texto tem como objetivo investigar a importância do ensino de Ciências Naturais na Educação Infantil, a partir do relato de uma experiência didática. Para a realização deste trabalho recorreu-se a pesquisas bibliográficas e estudo de caso, onde foram realizadas análises nas ações do projeto “Educação Ambiental: primeiros passos na educação infantil” em duas turmas de Pré-Escola (Pré B) na Escola Municipal de Educação Infantil Nossa Senhora Menina, do município de São Gabriel/RS. A metodologia foi organizada nos três momentos pedagógicos de Delizoicov e Angotti (1991), para desenvolvimento das atividades com alunos, e aplicação de questionários com os pais. Trata-se de uma investigação com caráter qualitativo, caracterizando-se como uma pesquisa participante.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Lia Heberlê de Almeida https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1688 A sustentabilidade sob a perspectiva da gestão escolar: desafios e possibilidades 2020-10-25T19:59:43+00:00 Angela Patricia Rodrigues da Silva prof.angelapatricia@gmail.com Andréia Veridiana Antich andreia.antich@feliz.ifrs.edu.br Esta pesquisa qualitativa analisa a concepção da gestão escolar sobre a sustentabilidade. Além disso, buscou compreender como o desenvolvimento sustentável e a consciência ecológica podem ser construídos com o suporte da Educação Ambiental, tendo a gestão escolar como mediadora do processo. O principal instrumento para o levantamento de dados foram entrevistas semiestruturadas com três gestoras de escolas estaduais de ensino fundamental do município de São Sebastião do Caí/RS. Para a análise dos dados, utilizaram-se princípios da Análise de Conteúdo. A partir deste estudo, pode-se compreender que apesar do termo sustentabilidade ser utilizado e ações serem realizadas no ambiente escolar, ainda se encontra imprecisão sobre o conceito. Também, percebeu-se a necessidade de oferta de formação continuada para aprofundar os estudos sobre o tema, assim como possibilitar o desenvolvimento de práticas e ações sustentáveis dentro e fora do ambiente escolar. 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Angela Patricia Rodrigues da Silva, Andréia Veridiana Antich https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1687 Fatores de risco ambientais e teratogênicos associados às malformações congênitas: um estado do conhecimento 2020-10-25T19:59:43+00:00 Julia da Fonseca Lopes ju.flopes@hotmail.com Manuella Gonçalves Vieira manuellagvieira@gmail.com Estela Souza Castro estelasouzacastros@gmail.com <p>Este artigo é oriundo de um estudo que teve como objetivo conhecer o que tem sido investigado nas produções científicas com temáticas relacionadas às malformações congênitas. Para tanto, foi realizado um estado do conhecimento sobre os fatores de risco ambientais e teratogênicos associados a essas malformações. A coleta e produção dos dados foi realizada a partir de um levantamento de teses e dissertações, defendidas entre 2012 e 2018, com o descritor <em>anomalias congênitas</em> (DeCS) na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). Dos 85 estudos encontrados, foram selecionados 9, dos quais emergiram três categorias temáticas de análise.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Julia da Fonseca Lopes, Manuella Gonçalves Vieira, Estela Souza Castro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1689 Coleta Seletiva do Lixo: uma proposta para o ensino de Matemática em Educação Ambiental 2020-10-25T19:59:43+00:00 Jean Ocyr Dutra Chaves jeanzote@gmail.com Lidiane Schimitz Lopes lidiane.schimitz@iffarroupilha.edu.br <p>Este trabalho tem por objetivo realizar o relato de uma experiência diferente realizada com as turmas do Ensino Médio de uma escola estadual situada na cidade São Borja no estado do Rio Grande do Sul, em conjunto com bolsistas do Programa Institucional de bolsas de iniciação à docência – PIBID. O objetivo da atividade foi desenvolver ações sustentáveis com os alunos em relação à coleta seletiva do lixo e sobre a sua importância na preservação do meio ambiente, utilizando essa proposta de educação ambiental para ensinar matemática de maneira contextualizada e aderir aos pressupostos de uma aprendizagem significativa. A prática gerou uma grande mobilização na mobilidade escolar, bem como grandes reflexões sobre a formação docente dos bolsistas.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Jean Ocyr Dutra Chaves, Lidiane Schimitz Lopes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1686 Educação Ambiental e Educação Inclusiva: um diálogo necessário 2020-02-26T14:11:41+00:00 Juliana Munoz Lisbôa juh_bio_lisboa@hotmail.com <p>O presente texto estabelece um paralelo entre os princípios da inclusão escolar de alunos portadores de necessidades educacionais especiais e da educação ambiental no ambiente escolar, de forma a contribuir com o processo educacional inclusivo. Este ensaio teórico busca trazer uma reflexão sobre como a inclusão vem sendo tratada em grande parte das escolas e como os princípios da educação ambiental podem contribuir no processo de entendimento sobre o que significa, de fato, incluir.</p> Copyright (c) Juliana Munoz Lisbôa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1685 Educação em Saúde e suas abordagens integrativas com a Educação Ambiental nas propostas pedagógicas com o uso de filmes: uma análise sobre a produção científica 2020-10-25T19:59:43+00:00 Aline Teresinha Walczak alinewalczak@gmail.com Leonardo Priamo Tonello leonardo.priamo.tonello@gmail.com Eliane Gonçalves dos Santos eliane.santos@uffs.edu.br <p class="Textbody">Partindo do entendimento que saúde contempla o conjunto de fatores sociais, ambientais e biológicos, é pertinente que os processos educacionais debatam e apresentem essa compreensão no ensino a fim de que os alunos trabalhem as consequências da ação antrópica no ambiente e na saúde dos sujeitos. Uma maneira de possibilitar estes debates, é a partir do uso de metodologias dinâmicas, tais como os filmes. Este trabalho buscou identificar se são usados filmes comerciais para abordar as questões de saúde correlacionadas a Educação Ambiental. Foi feita uma busca em três repositórios brasileiros. No total de 1153 trabalhos encontrados, cinco atenderam o objetivo da pesquisa. Em suma, há necessidades maiores de estudos e propostas pedagógicas com o uso de filmes na escola que relacione as questões de saúde dentro da perspectiva socioecológica.</p> 2020-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Aline Teresinha Walczak, Leonardo Priamo Tonello, Eliane Gonçalves dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1683 Livro Didático e Educação Ambiental em atenção à Saúde 2020-10-25T19:59:43+00:00 Rafaela Rossana Scheid rafasrossana@gmail.com Rosangela Inês Matos Uhmann rosangela.uhmann@uffs.edu.br Fernanda Seidel Vorpagel vorpagelfernanda@gmail.com <span id="docs-internal-guid-c3e9bb44-7fff-5b17-38a9-d40b3d013701" style="font-size: 12pt; font-family: 'Times New Roman'; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">O Livro Didático (LD) é hoje um dos recursos mais utilizados pelos sujeitos escolares em sala de aula. O que nos levou ao objetivo de analisar um LD do 1°, 2° e 3° ano de Química do Ensino Médio destacando excertos relacionados à Educação Ambiental (EA) com atenção para a saúde a alimentação. Para tanto, organizamos os excertos e as sessões em um quadro para compreender a questão da EA, saúde e alimentação, dentre outras implicações ao ensino de Química. Portanto, em observação aos LD destacamos nas sessões, as temáticas: ar, água, energia, petróleo, consumismo (reciclagem), dentre outros, pois em nosso entendimento é preciso elencar a questão da EA, intrínseco à saúde, no LD. Enfim, urge dizer que a EA é um tema fundamental para a preservação do ambiente, o que acarreta estar cuidando da saúde junto aos estudos escolares.</span> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rafaela Rossana Scheid, Rosangela Inês Matos Uhmann, Fernanda Seidel Vorpagel https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1672 Condições de Acessibilidade e Inclusão Oferecidas em Espaços de Recreação e Lazer para Estudantes Cadeirantes no Município de Rio Grande 2020-05-22T21:20:31+00:00 Ariane Quevedo Acosta ariane-quevedo@hotmail.com <p>Este artigo busca refletir sobre a importância da acessibilidade em espaços de lazer e recreação para crianças cadeirantes na escola, assim como a necessidade de existência destes espaços. Neste sentido, através de uma pesquisa de caráter qualitativo, a mesma teve por objetivo avaliar as condições de acessibilidade oferecidas nos espaços educativos, onde foi possível verificar se uma das escolas públicas municipais de ensino fundamental de Rio Grande, se enquadram com o que estabelece as normas de acessibilidade e oferece adaptações relacionadas à acessibilidade e à inclusão nos espaços de recreação e lazer aos alunos cadeirantes, e assim analisar as dificuldades de locomoção encontradas pelos mesmo ao acessar estes espaços coletivos destinadas ao lazer. Ao final da pesquisa conclui-se que muitas escolas do município necessitam de uma estrutura mais adequada visando atender esta demanda de alunos, e assim possa oferecer uma educação inclusiva e não exclusiva.</p><p class="MsoNormal" style="text-align: justify; line-height: normal;"><span style="font-size: 10.0pt; font-family: 'Times New Roman',serif;">Palavras-Chave: Acessibilidade; Inclusão; Cadeirante.</span></p> Copyright (c) Ariane Quevedo Acosta https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1682 A Educação Ambiental Crítica e suas relações com as Ações Afirmativas 2020-10-25T19:59:43+00:00 Daniele Barros Jardim danielejardim@furg.br Humberto Calloni hcalloni@mikrus.com.br Esta escrita possui como objetivo refletir sobre o que é Educação Ambiental Crítica e suas relações com as Ações Afirmativas, pois entendemos que a Educação Ambiental - EA é uma das vias para ocorrer o desenvolvimento de uma transformação social. Para tanto realizamos uma revisão bibliográfica a fim de interpretar estas relações, utilizando autores como Sauvé (2005), Loureiro (2004) e Fonseca (2009). Dessa forma, as Ações Afirmativas encontra-se intrinsicamente relacionadas à proposta de Política Nacional de Educação Ambiental (1999), uma vez que suas ações destinam-se a assegurar, mediante a educação, a integração das múltiplas dimensões da sustentabilidade como: ambiental, ética, cultural, econômica, espacial e política. 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Daniele Barros Jardim, Humberto Calloni https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1681 Pistrak e a escola politécnica: contribuições à Educação Ambiental 2020-10-25T19:59:05+00:00 Daniele Barros Jardim danielejardim@furg.br Andressa Queiroz Souza queirozz.andressa@gmail.com Danielle Müller de Andrade danielleca@gmail.com <p>O presente trabalho busca refletir sobre os princípios da construção de uma escola politécnica e suas aproximações com a Educação Ambiental no Ensino Formal, trazendo contribuições do pensamento do pedagogo russo Moisey Pistrak para o enfrentamento dos problemas educacionais atuais. Tal pensamento visava o desenvolvimento de uma ação educativa que, ao considerar a relação entre trabalho, conhecimento e educação sinalizava para uma educação que respondia às demandas produtivas e sociais daquele período. Desta forma, buscamos apontar alguns elementos desta proposta de escola a fim de trazê-las para o campo da Educação Ambiental desenvolvida no âmbito do ensino formal, considerando-as enquanto propostas pedagógicas de cunho transformador da realidade.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Daniele Barros Jardim, Andressa Queiroz Souza, Danielle Müller de Andrade https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1680 A violência contra mulheres em números: o que dizem os dados? 2019-10-26T23:07:57+00:00 Ronaldo Martins Gomes rm.gomes@unesp.br <p>O objeto do presente texto é a violência contra mulheres. O objetivo geral é se constituir como uma contribuição para dar visibilidade às diferentes formas com que práticas de violências contra as mulheres se apresentam no Brasil. As metodologias adotadas foram a revisão bibliográfica e a pesquisa em sites dedicados ao enfrentamento das violências praticadas por agentes contra mulheres. O resultado pretendido é dar uma contribuição para que o enfrentamento deste grave problema social, assim como para que também não haja mais impunidade para este tipo de crime</p><p> </p> Copyright (c) Ronaldo Martins Gomes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1679 A produção de grãos transgênicos: solução ou ameaça? 2020-10-25T19:59:04+00:00 Maria Lúcia Giozza Hernandes mariagiozza@bol.com.br <p> O artigo faz o relato de uma experiência pedagógica com uma turma de alunos do oitavo ano da E.M.E.F.Silvina Gonçalves. Trata-se de uma análise quanto ao uso da transgenia (produtos transgênicos ou organismos geneticamente modificados) na agricultura brasileira e, destacando-se a utilização desta, na atividade agrícola do município de Arroio Grande. Analisando-se, tanto as vantagens, como as desvantagens: riscos à saúde e a biodiversidade; problemas ambientais e socioeconômicos que agregam a essa biotecnologia agrícola, fundamentando-se em Karl Marx e suas teorias sobre a sociedade, economia e política aplicadas a agricultura num sistema capitalista</p><p><strong>Palavras-chave: </strong>Transgenia. Biotecnologia agrícola.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Maria Lúcia Giozza Hernandes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1678 A Educação Ambiental e o Ensino de Química no Estudo da Separação de Misturas 2020-10-25T19:59:04+00:00 Rosangela Inês Matos Uhmann rosangela.uhmann@uffs.edu.br Fernanda Seidel Vorpagel vorpagelfernanda@gmail.com Fabiane de Andrade Leite fabiane.leite@uffs.edu.br <p>Apresentamos neste estudo as vivências que se tornaram experiências de prática docente possibilitadas pelas atividades realizadas durante o Estágio Curricular Supervisionado de Química de um Curso de Licenciatura de uma Universidade pública. Destacamos quatro momentos direcionados para o estudo contextualizado dos processos de separação de misturas em atenção à Educação Ambiental, junto a duas turmas do 1º ano do Ensino Médio durante o processo de constituição docente. O olhar para o processo formativo do ser professor foi registrado por meio das escritas reflexivas realizadas em portfólio, sendo que todo o processo vivenciado permeou pelos aspectos do planejamento, análise, reconstrução e constituição. Enfim, a formação se constitui reflexiva e atenta a Educação Ambiental quando vivenciada na ação docente do professor do ensino de química.</p> 2020-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rosangela Inês Matos Uhmann, Fernanda Seidel Vorpagel, Fabiane de Andrade Leite https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1677 O ESTADO DA ARTE SOBRE A PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA NAS ATAS DO ENPEC E NAS EDIÇÕES DA REMEA 2020-02-26T13:12:32+00:00 Renan de Almeida Barbosa renanabh38@gmail.com José Vicente Lima Robaina joserobaina1326@gmail.com <p>Este trabalho é um resultado parcial de uma pesquisa que procurou analisar a produção acadêmica sobre Educação Ambiental (EA) Crítica no período compreendido de 2009 a 2017, do VII ao XI ENPEC, e de 2005 a 2017, nas edições da REMEA. Para tanto, caracterizou-se como pesquisa do tipo Estado da Arte para levantamento bibliográfico, e para a interpretação dos dados sobre os referenciais teóricos, utilizou-se a Análise Textual Discursiva. Foram encontrados 148 trabalhos nas atas do ENPEC e 59 artigos nas edições da REMEA analisadas. Ainda revela quais autores foram mais citados sobre EA Crítica para as pesquisas publicadas na REMEA. Percebe-se recente aumento da produção na área, sendo pertinente compreender quais referenciais teóricos, conhecimentos e reflexões permeiam estas pesquisas da área.</p> Copyright (c) Renan de Almeida Barbosa, José Vicente Lima Robaina https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1676 Filme: instrumento pedagógico para refletir sobre a Educação Ambiental 2020-05-01T12:55:02+00:00 Laura Souza Flores laurinhasf36@hotmail.com Tailine Penedo Batista tailinepenedo@outlook.com Eliane Gonçalves dos Santos eliane.santos@uffs.edu.br <p>O uso dos filmes no ensino pode servir de suporte ao professor para trabalhar com temáticas importantes e necessárias, como a Educação Ambiental (EA). Este trabalho teve como objetivo identificar a apontar as possibilidades do filme comercial “Os sem florestas”( 2006) para abordar a EA no espaço escolar. O encaminhamento metodológico constituiu em assistir o filme várias vezes, identificando contextos importantes para apresentar e discutir a EA. A análise dos dados deu-se a partir da Análise de Conteúdo. Em suma, o filme traz diferentes contextos que permitem o trabalho pedagógico sobre a EA contribuindo com o debate deste assunto no ambiente escolar.</p> Copyright (c) Laura Souza Flores, Tailine Penedo Batista, Eliane Gonçalves dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1675 Horta Escolar nas Escolas do Campo de São Gabriel/RS 2020-10-25T19:59:04+00:00 Eduardo Pastorio eduardopastorio@hotmail.com <p>Este trabalho busca apresentar o Projeto Horta Escolar nas Escolas do Campo de São Gabriel/RS, que teve como objetivo reativar e transformar a Horta Escolar como espaço educativo formal e não formal nas Escolas do Campo, no desenvolvimento de método de ensino da Educação Ambiental. Justifica-se essa iniciativa como forma de tornar a horta como espaço educativo, apresentando-o como lugar de ações interdisciplinares, socialização da cultura local e do desenvolvimento de conhecimento científico. Essa ação envolve o contexto da comunidade escolar, sendo de responsabilidade da equipe profissional a organização das atividades e, dos pais e alunos, a efetiva participação nas dinâmicas disponibilizadas.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Eduardo Pastorio https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1674 Alimentos orgânicos na perspectiva da educação ambiental crítica: uma pesquisa do entendimento de futuros professores de ciências e biologia 2020-10-25T19:59:04+00:00 Débora Anzolin Valginhak davalginhak@gmail.com Michael Wellington Sene michael_mws03@hotmail.com <p>A formação de docentes aptos a abordar temas de influência no cotidiano, como a produção de alimentos, é importante visto o papel da escola de formar cidadãos com consciência crítica da realidade. Sendo assim, realizou-se uma pesquisa com licenciandos em ciências biológicas da UNICENTRO (Guarapuava-Pr) para verificar se esse tema era tratado no curso, o entendimento dos alunos, o interesse em abordá-lo na prática educativa e o conhecimento dos projetos de extensão em agricultura alternativa da universidade. Os dados foram obtidos por meio de questionários e pesquisa documental, tendo que a temática não está presente nas ementas e que os alunos são basicamente jovens do meio urbano, solteiros e sem filhos que reconhecem a importância do tema, mas apresentam conhecimento superficial e não tem noção das atividades realizadas pela universidade.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Débora Anzolin Valginhak, Michael Wellington Sene https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1671 @@@@@@@@ 2020-01-23T19:25:25+00:00 Rodrigo Lage rodrigo.lage@yahoo.com.br @@@@@@@@@@ Copyright (c) Rodrigo Conçole Lage https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1665 Escuelas rurales 2019-09-25T23:37:25+00:00 Solana González solanagonzalez@gmail.com uruguay Copyright (c) Solana González https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1669 TESTE X EDEA 2019-08-21T19:55:12+00:00 Rocheli Regina Predebon Silveira rochelipredebon@claec.org TESTE. Copyright (c) Rocheli Regina Predebon Silveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1667 A importância do lúdico no ensino aprendizagem da educação infantil: um estudo a partir do contexto de duas escolas municipais de Rio Grande – RS 2020-02-01T16:06:11+00:00 Matilde Martinez matilde_martinez94@hotmail.com <p>Este artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa realizada em duas escolas públicas do município de Rio Grande-RS, bem como enfatizar a importância do lúdico como uma das ferramentas no ensino aprendizagem de educandos da educação infantil. A pesquisa foi realizada pela observação participante no primeiro e segundo semestre letivo do ano de 2017. Percebe-se durante a execução da pesquisa que o lúdico é utilizado de diversas formas por ambas as instituições, mas que é na prática pedagógica que o mesmo é utilizado com intencionalidade.</p> Copyright (c) Matilde Martinez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1666 Expediente 2020-10-25T19:53:50+00:00 RELACult - Comissão Editorial relacult@claec.org 2019-08-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 RELACult - Comissão Editorial https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1664 Arquivos judiciais como fonte de pesquisa e ensino da História e do Meio Ambiente: elaboração de produtos pedagógicos 2020-10-25T19:59:04+00:00 Virgilina E Gularte S. Fidelis Palma Edi Gularte dos Santos Fidelis de Palma ninavirgilina@vetorial.net <p>Com o trabalho <em>Arquivos Judiciais como Fonte de Pesquisa e Ensino de História e Meio Ambiente: elaboração de produtos pedagógicos</em> pretende-se demonstrar que os documentos gerados nos procedimentos judiciais possibilitam a pesquisa e o ensino ao reunir elementos e narrativas que permitem a interpretação social dos fatos narrados, pois servem como prova para a concretização do direito ali postulado. Portanto, esta modalidade de trabalho insere-se no âmbito da pesquisa interdisciplinar. </p><p>O objetivo deste estudo é demonstrar no X Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental produtos pedagógicos, destinados aos educadores do ensino fundamental, em temáticas interdisciplinares, elaborados a partir dos documentos históricos que compõem o Acervo documental do Inventário do Comendador Domingos Faustino Correa.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Virgilina E Gularte S. Fidelis Palma Edi Gularte dos Santos Fidelis de Palma https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1663 A necessidade da oferta de formação superior multicultural a distância pelo Instituto Insikiran da Universidade Federal de Roraima 2020-10-25T19:55:05+00:00 PAULO FERNANDO DE LUCENA BORGES FERREIRA prof.lucenaferreira@gmail.com <p>Esse estudo tem por finalidade compreender novas perspectivas multiculturais linguísticas relacionadas à necessidade de um Curso de Formação Superior em Língua Macuxi na Modalidade a distância que pode ser ofertado pelo Instituto de Formação Superior Indígena Insikiran da UFRR. No interesse de cumprir esse propósito, o aprofundamento teórico se fundamentou e base bibliográfica como Bakhtin (1992), Bobbio (1992), Meliá (1999), McLaren (2000), Canclini (2004), Manzini (2006), <em>Cavalcanti</em> e<em> César </em>2007, Carvalho, Fernandes e Repetto (2009), Baniwa (2010). Após esse momento qualitativo, em trabalho de campo, foram entrevistados dois professores que atuam no Programa de Valorização das Línguas e Cultruras Macuxi e Wapichana, da UFRR. Todos os participantes se submeteram ao TCLA que fora lido de maneira oral por meio de aplicativo de Rede Social WhatsApp, sendo demonstrada de maneira verbalizada a participação voluntária e sem ônus destes participantes. Seguindo aos trabalhos de campo, foram entrevistado por meio de questionário com oito perguntas abertas, 30 alunos do curso de Gestão em Saúde Coletiva do Instituto Insikiran. Com ajuda desses recursos, modelos e instrumentos metodológicos se pôde compreender o interesse e viabilidade de um curso Curso de Formação Superior em Língua Macuxi na Modalidade a distância que pode ser ofertado pelo Instituto de Formação Superior Indígena Insikiran da UFRR.</p><p>Palavras-chave: Formação Superior; Multiculturalismo; Línguas Indígenas.</p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 PAULO FERNANDO DE LUCENA BORGES FERREIRA https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1662 A linguística aplicada (la) e a língua materna na alfabetização de jovens e adultos 2020-01-23T23:11:32+00:00 Daniel da Rocha Silva danieldarochasilva@gmail.com <p>É sabido que a LA, em decorrência de seus últimos estudos, ganhou um caráter transdisciplinar, embora ainda permaneça com sua característica aplicacionista. Nesse sentido, esta pesquisa teve como objetivo aplicar atividades com possibilidade de solucionar problemas linguísticos encontrados na escrita de alunos da alfabetização de jovens e adultos, principalmente a troca do “E” pelo “I” no final de palavras, como em “dente”, por exemplo. Além disso, foi constatado que o contato com as letras do alfabeto impressas resultou em um melhor desempenho quanto ao reconhecimento das mesmas, outrora um problema detectado. Os procedimentos metodológicos se constituem de uma pesquisa qualitativa, de cunho bibliográfico, pois parte de material científico já publicado; e de campo, através de atividades de alfabetização aplicadas espontaneamente, ou seja, sem aviso prévio. A base teórica é constituída por Soares (2004), que define alfabetização e letramento; Rodrigues e Cerutti-Rizzatti (2011), com conceituações acerca da LA; além de outras que agregam a esta discussão. A LA contribui significativamente na alfabetização de jovens e adultos, observado a relação entre o conhecimento já adquirido e o novo, aplicado aos discentes através de atividades próximas de suas realidades cotidianas, ou seja, palavras conhecidas dos mesmos.</p> Copyright (c) Daniel da Rocha Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1659 O descaso da administração pública para com os pescadores artesanais e a importância da Educação Ambiental para oferecer alternativas viáveis à manutenção das suas atividades e qualidade de vida 2020-10-25T19:59:04+00:00 Felipe da Silva Justo felipejusto@furg.br <p>Neste artigo objetivamos tecer considerações sobre as legislações que orientam e regulam a pesca artesanal, no que concerne as autorizações do poder público, a imprescindibilidade da anterior autorização, período de carência para o acesso ao seguro-desemprego em época de defeso, conforme portarias dos órgãos reguladores, confrontando tais burocracias com o desaparelhamento estatal, as restrições legais e com as sanções do poder público. Exsurge a importância da Educação Ambiental, possibilitando uma reintegração destes com o ecossistema regional, bem como para fomentar aos demais cidadãos, a importância da pesca artesanal enquanto atividade financeira e ecológica, já que é possível se alcançar tal objetivo, desde que se proceda com a consciência coletiva de consumo de menor impacto ao ambiente da região e mantenedor das famílias que utilizam meios não agressivos ao ambiente.</p> 2020-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2018 Felipe da Silva Justo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1657 O rap nacional e o caso Djonga: por uma sociologia das ausências e das emergências 2020-10-25T19:55:05+00:00 Rhuann Fernandes rhuannfernandes.uerj@gmail.com <p>Na atualidade tem ocorrido um efervescente debate na Teoria Sociológica por conta das problematizações trazidas pelas Teorias do Sul. Um dos principais apontamentos é identificar as ausências na abordagem sociológica, fazendo emergir atores ocultados e os conhecimentos por eles produzidos, na tentativa de valorizar a diversidade epistemológica do mundo. Dessa forma, este trabalho efetua uma reflexão acerca da dimensão transcultural, política e estética do RAP na produção de saberes emancipatórios e aponta para os possíveis diálogos entre esse gênero musical e os posicionamentos éticos no que tange aos fazeres sociológicos. Analisa-se trechos de composições do rapper Djonga, verificando sua música como instrumento de combate e estratégia de descolonização do cotidiano, a partir de uma análise minuciosa de questões sociais, como a conjuntura político-moral e proposições de possíveis ações de (re)existências. Finaliza-se apontando para o discurso do rapper que expande a noção das questões sociais do país, um artifício utilizado para quebrar o silêncio, ora do legado colonial, ora de seus resultados na construção incessante da sociedade brasileira.</p> 2020-01-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rhuann Fernandes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1656 Resgate do Patrimônio Lúdico de Idosos Institucionalizados da Região do Contestado, Santa Catarina, Brasil 2019-11-12T13:25:38+00:00 Iury de Almeida Accordi iury.accordi@ifsc.edu.br Andréia Ambrósio-Accordi andreiaambrosio5@hotmail.com Andréia Ambrósio-Accordi andreiaambrosio5@hotmail.com <p>Um resgate das memórias lúdicas (o patrimônio lúdico) de idosos institucionalizados pode promover efeitos benéficos nos domínios físico, psicológico e social, contribuindo para a saúde, bem-estar e qualidade de vida, além de contribuir como legado lúdico-cultural para a atual e as futuras gerações de crianças e adolescentes. Objetiva-se com esse trabalho resgatar jogos, brinquedos e brincadeiras vivenciados na infância e adolescência de idosos institucionalizados da região do Vale do Contestado, Santa Catarina. Trata-se de um estudo descritivo utilizando o método de pesquisa-ação. Foram selecionados 14 idosos que responderam a uma entrevista sobre resgate do patrimônio Lúdico. Identificaram-se nove tipos de jogos, dez brinquedos e 13 brincadeiras. Algumas práticas lúdicas que possuem referencial escasso em produções acadêmicas são descritas mais detalhadamente e são narrados os modos como os idosos viviam e como eles brincavam em seus tempos de infância.</p> Copyright (c) Iury de Almeida Accordi, Andréia Ambrósio-Accordi, Andréia Ambrósio-Accordi https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1654 Quebrando Urnas: as formas de silenciamento e apagamento da cultura material e memória utilizadas pelos invasores europeus na Manaus colonial (séc.XVII-XIX) 2020-10-25T19:53:48+00:00 Samuel Lucena de Medeiros samuca_slm@hotmail.com Tatiana de Lima Pedrosa Santos tatixpedrosa@yahoo.com.br <p>A colonização empreendida na Amazônia portuguesa pode ser aqui entendida como um processo multifacetado, onde surgem discussões sobre as imposições de poder e cultura, ao mesmo tempo em que havia uma preocupação em ocupar territórios e os proteger contra invasões de outros europeus. A Coroa portuguesa e a Igreja Católica tomam parte na colonização, assim como os próprios habitantes dos povoados portugueses, que veem no indígena uma fonte fácil de lucro, exploração do trabalho e expurgo. Vê-se a violência como uma forma de oprimir, mas também de reafirmar uma pretendida soberania do branco. É também nas convivências do período colonial na Amazônia, em especial no Lugar da Barra, futura cidade de Manaus, onde se constrói um campo de lutas e tensões entre os colonizadores e os nativos, cada um com seus meios de lidar com o conflito, amenizá-lo ou intensificá-lo. Neste trabalho, através do entrecruzamento de dados históricos e arqueológicos, o silenciamento da memória e o apagamento da cultura material são entendidos como formas de afetar diretamente a identidade e cultura dos povos indígenas no período, inserido na colônia portuguesa, entre os séculos XVII e XIX.</p> 2019-05-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Samuel Lucena de Medeiros, Tatiana de Lima Pedrosa Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1650 resistir e escrever: a construção do romance em Angola 2020-04-06T22:37:03+00:00 Junia Paula Saraiva Silva juniamendes-barbosa@hotmail.com <p>O presente artigo se propõe a construir uma linha temporal, explorando as condições no qual o romance em Angola foi construído, quebrando com as formalidade do cânone literário europeu, a fim de construir um sistema literário cujo objetivo pautava-se no resgate da cultura angolana subjugada a cultura do colonizador. Dessa forma, compreendemos como a palavra literária em Angola tornou-se arma contra o colonizador e material de resistência.</p> Copyright (c) Junia Paula Saraiva Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1649 Balbúrdia: Racismo e Educação no Brasil, século XXI 2020-05-13T17:46:39+00:00 Dayanne da Silva Santos lavignedayanne@gmail.com <p>A educação sempre foi uma pauta importante para a formação/libertação do povo brasileiro. Desconsiderar a trajetória dos muitos e muitas que a fizeram acontecer é um retrocesso que se faz viver em pleno século XXI o tempo do cativeiro com novas formas de escravidão contemporânea. Este trabalho faz um esforço sistemático para refletir sobre a análise dos discursos de alunos, professores e trabalhadores/operários que tomaram as ruas no dia 15 de maio de 2019 contra os cortes na educação brasileira e contra a reforma da previdência. Ao mesmo tempo em que tenciona o uso de educação como sinônimo de escola em um cenário político marcado por retrocessos. Assumimos o risco de falar das margens, para que a rebeldia nos possibilite teorizar na luta contra o epistemicídio. Nesse aspecto, partimos da literatura crítica sobre o racismo social, etnografia da paralisação nacional da luta pela educação, roda de conversa com lideranças indígenas em Porto Alegre, reportagens, sites e jornais para refletir criticamente sobre a situação social e educacional do povo brasileiro em meio a antigas estruturas de opressões. Tencionamos aqui educação como direito e educação como liberdade.</p> Copyright (c) Dayanne das Silva Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1648 Grupo de Maracatu na universidade: práticas culturais juvenis e auto-formação 2020-10-25T19:55:05+00:00 Luís Antonio Groppo luis.groppo@gmail.com Giovana Generoso Monteiro giovanageneroso100@gmail.com <p>Por meio de observação participante e entrevistas semiestruturadas, são analisadas as práticas culturais juvenis e os processos formativos de um grupo percussivo de Maracatu composto por estudantes de uma universidade pública de Minas Gerais. O objetivo é conhecer as práticas de formação política e cultural vividas pelo grupo, via o cultivo de tradições oriundas do Maracatu Nação pernambucano. São debatidos os dilemas enfrentados pelo grupo, diante de questões de gênero e das relações com a tradição e a religiosidade. Os resultados destacam a riqueza das práticas autoformativas e autogestionárias do grupo universitário, as quais constituem processos de subjetivação de grande potência cultural e política.</p> 2020-01-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Luís Antonio Groppo, Giovana Generoso Monteiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1647 Memórias, Identidades e Educação Quilombola: Santa Rosa dos Pretos (MA) como contexto e texto 2020-10-25T19:55:05+00:00 Gleydson de Castro Oliveira gc.pesquisateatro@gmail.com <p>Este artigo tem como objetivo discutir os conceitos de Memórias e Identidades em interface com a Educação Quilombola a partir da experiência no Projeto de Teatro de Bonecos “Histórias e memórias quilombolas em cena”, realizado em 2016 no Território Quilombola Santa Rosa dos Pretos, localizado no município de Itapecuru-Mirim (MA). Além de pensar esse território como contexto e texto (CARRIL, 2017) para a sala de aula.</p> 2020-01-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Gleydson de Castro Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1646 Formação dos profissionais da educação: papéis entrelaçados 2020-12-18T01:44:50+00:00 Eliane Lima Piske e.nanny@hotmail.com Sabrina Meirelles Macedo sabrinameirelles@hotmail.com Angela Adriane S. Bersch angelabersch@gmail.com Pamela Saraiva Miranda ms.pamelasaraiva@gmail.com Lissete Torres Arévalo lissettetorresarevalo@gmail.com Narjara Mendes Garcia narjaramg@gmail.com <p><strong>N</strong>as circunstâncias de incertezas que assolam o país, nós educadores(as) ambientais precisamos lutar-resistir e as rodas dialógicas são ótimas oportunidades para defender nossos direitos. Não podemos esquecer que precisamos estar dispostos a vivenciar sempre o novo e a (re)pensar as velhas ações pela e com a alteração de mudanças que precisam ser e estar entrelaçados aos papéis que são exercidos na educação, sendo os objetivos do artigo. Na conjuntura atual escrever um relato de experiência é um grande desafio, mas não poderíamos deixar de registrar. Já que fomos e somos privilegiadas por contar com uma educação pública, de qualidade e emancipatória, resultados que foram defendidos no artigo. Na presente discussão rompemos com as fragmentações ao apresentar as atuações pelos papéis dos profissionais da educação.</p> 2020-12-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Eliane Lima Piske, Sabrina Meirelles Macedo, Angela Adriane S. Bersch, Pamela Saraiva Miranda, Lissete Torres Arévalo, Narjara Mendes Garcia https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1645 Cultura Material, Organização e História Guarani Nhandeva em Dourados, Mato Grosso do Sul (Brasil): Artes, Artefatos e Cosmologia 2019-07-25T22:55:18+00:00 Rosalvo Ivarra Ortiz rosalvortiz@hotmail.com <p>O presente artigo traz indagações acerca da Aldeia Jaguapirú e Aldeia Bororó- ambas localizadas no município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul (Centro-Oeste do Brasil). A investigação foi desenvolvida no Mestrado em Antropologia da Universidade Federal da Grande Dourados entre os anos de 2017, 2018 e 2019. Dessa forma, perpassamos por questões que envolvem arqueologia, história, organização social, política, econômica até adentrar nas produções de artes, artefatos e objetos sagrados e ritualísticos Guarani Nhandeva. Portanto, o nosso objetivo é realizar uma análise, descrição e posterior interpretação das múltiplas nuances, conceitos ou categorias que envolvem esse coletivo acerca da relação que há entre cultura material e sua cosmovisão, que na atualidade contemporânea encontram-se numa situação extremamente emblemática, sobretudo a envolver o Yvy (terra).</p><p> </p> Copyright (c) Rosalvo Ivarra Ortiz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1644 O ensino de línguas modernas como ferramenta para a integração institucional em uma universidade brasileira bilíngue: O cenário da UNILA por meio de Experiências de Extensão Universitária e Monitoria Acadêmica 2020-10-25T19:57:59+00:00 Roberth Steven Gutiérrez Murillo stevengumu@gmail.com Laura Fortes laura.fortes@unila.edu.br <p>O presente trabalho se objetiva a relatar o processo de ensino-aprendizagem de duas línguas modernas (Português e Inglês), realizado por meio de projetos na Universidade Federal da Integração Latino-Americana, no ano de 2017 e, consequentemente, buscou-se destacar os principais aportes à visão de integração regional proposta pela instituição. A metodologia utilizada foi caracterizada pelo relato de experiência, tipificado pela abordagem qualitativa. Foram realizadas uma ação de monitoria acadêmica em português como língua adicional (PLA) e uma ação de extensão universitária em inglês. Os principais resultados apontam a elaboração e acompanhamento de práticas didático-pedagógicas que permitiram melhorar o ensino-aprendizagem das línguas referidas, especialmente no que concerne aos contextos multilíngues e translíngües vivenciados pela comunidade acadêmica e a comunidade da região tríplice-fronteiriça. Por último, concluiu-se que essas ações podem fortalecer grandemente os processos de democratização dos conhecimentos linguísticos modernos, uma vez que abordam o aprendiz como principal produtor de conhecimentos e modificador de realidades.</p> 2020-05-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Roberth Steven Gutiérrez Murillo, Laura Fortes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1643 Cultura Material, Organização e História Guarani Nhandeva em Dourados, Mato Grosso do Sul (Brasil): Artes, Artefatos e Cosmologia 2020-10-25T19:57:59+00:00 Rosalvo Ivarra Ortiz rosalvortiz@hotmail.com <p>O presente artigo traz indagações acerca da Aldeia Jaguapirú e Aldeia Bororó- ambas localizadas no município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul (Centro-Oeste do Brasil). A investigação foi desenvolvida no Mestrado em Antropologia da Universidade Federal da Grande Dourados entre os anos de 2017, 2018 e 2019. Dessa forma, perpassamos por questões que envolvem arqueologia, história, organização social, política, econômica até adentrar nas produções de artes, artefatos e objetos sagrados e ritualísticos Guarani Nhandeva. Portanto, o nosso objetivo é realizar uma análise, descrição e posterior interpretação das múltiplas nuances, conceitos ou categorias que envolvem esse coletivo acerca da relação que há entre cultura material e sua cosmovisão, que na atualidade contemporânea encontram-se numa situação extremamente emblemática, sobretudo a envolver o Yvy (terra).</p><p> </p> 2020-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Rosalvo Ivarra Ortiz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1642 Inflorescência terminal da bananeira em dois Atlas Linguísticos brasileiros: um estudo comparativo 2020-10-25T19:55:05+00:00 Marcelo Pires Dias mpdias@ufpa.br Marilucia Barros de Oliveira mariluci@ufpa.br <p>Trata o presente artigo da diversidade lexical a partir de dados do Atlas Geossociolinguístico Quilombola do Nordeste do Pará (AGQUINPA) e do Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). Trata-se de um estudo comparativo que tomou como base as respostas mapeadas nos dois atlas referidos para a questão 44 do Questionário Semântico-lexical do ALiB. O ALiB registrou respostas obtidas nas capitais brasileiras e considerou dois níveis de ensino: fundamental e superior. Já o AGQUINPA registrou a diversidade lexical em seis comunidades quilombolas localizadas no Nordeste Paraense e considerou apenas o ensino fundamental. Os resultados apresentados nos dois atlas mostram número alto de variantes para a referida questão a depender da região e apresentam diferenças e semelhanças entre a variedade usada nas capitais brasileiras e nas comunidades quilombolas paraenses. </p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Marcelo Pires Dias, Marilucia Barros de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1641 Expediente 2019-08-20T23:45:25+00:00 RELACult - Comissão Editorial relacult@claec.org 2019-07-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 RELACult - Comissão Editorial https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1640 Apresentação 2019-07-18T15:33:02+00:00 Thais Regina Mantovanelli thaisremantovanelli@gmail.com Stéphanie Tselouiko stephanie.tselouiko@gmail.com Felipe Ferreira Vander Velden felipevelden@yahoo.com.br Apresentação do dossiê. 2019-07-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Thais Regina Mantovanelli, Stéphanie Tselouiko, Felipe Ferreira Vander Velden https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1639 Apresentação 2019-07-18T15:32:54+00:00 Dalila Rosa Hallal dalilahallal@gmail.com Dalila Müller dalilam2011@gmail.com Apresentação do dossiê. 2019-07-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2018 Dalila Rosa Hallal, Dalila Müller https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1638 Apresentação 2019-07-18T15:32:54+00:00 Maria Elisa Rodrigues Moreira elisarmoreira@gmail.com Claudia Cristina Maia maiaclaudia@gmail.com Apresentação do dossiê. 2019-07-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2018 Maria Elisa Rodrigues Moreira, Claudia Cristina Maia https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1637 Apresentação 2019-11-03T18:51:07+00:00 Pedro Luis Navarro Barbosa navarro.pl@gmail.com Carina Merkle Lingnau carinadebeltrao@gmail.com Apresentação do dossiê. 2019-07-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Pedro Luis Navarro Barbosa, Carina Merkle Lingnau https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1636 Apresentação 2019-07-18T15:33:02+00:00 Silvio Antonio Colognese SILVIOCOLOGNESE@IBEST.COM.BR Eric Gustavo Cardin eric_cardin@hotmail.com Apresentação dossiê. 2019-07-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Silvio Antonio Colognese, Eric Gustavo Cardin https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1635 Variação semântico-lexical na fala de Tucuruí e suas contribuições para o ensino de Língua Portuguesa 2020-10-25T19:55:05+00:00 Cecilia Maria Tavares Dias ceciliatavaresdias@gmail.com Eliane Pereira Machado Soares eliane@unifesspa.edu.br <p>Este artigo apresenta um estudo realizado em uma escola pública da cidade de Tucuruí, município do sudeste paraense, sobre a variação lexical na fala de moradores dessa localidade. Para a realização do trabalho, desenvolveu-se um projeto de pesquisa a partir de um projeto de intervenção pedagógica , utilizando-se a metodologia da pesquisa-ação, em que alunos participaram ativamente da coleta de dados com a aplicação de questões do ALiB, com o objetivo de identificar as variações lexicais existentes na fala de antigos moradores. O embasamento teórico remete aos postulados da Sociolinguística. Os resultados obtidos registram a riqueza semântico-lexical da região, a qual é apresentada num glossário, que é o produto do processo da intervenção. Dessa forma, espera-se contribuir para o o reconhecimento da variação linguística no ensino de língua, bem como para o conhecimento e o fortalecimento da formação da identidade cultural do povo dessa região.</p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Cecilia Maria Tavares Dias, Eliane Pereira Machado Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1633 O Vocabulário do Escritor João Brasil 2020-10-25T19:55:05+00:00 ELIANE PEREIRA MACHADO SOARES elianema@unifesspa.edu.br RENAN TORRES DA COSTA torres.renan181@gmail.com <p>Esta produção apresenta uma pesquisa sobre o vocabulário da obra literária do autor memorialista João Brasil Monteiro, da cidade de Marabá, Estado do Pará. O autor, cujas obras são objeto dessa pesquisa, publicou 11 obras não ficcionais, de caráter memorialista que, em sua maioria, retratam a história da referida cidade, desde seus primórdios, abrangendo os mais diversos aspectos de sua existência. O referencial teórico e metodológico remete à análise léxico-semântica de lexias, organizadas em campos lexicais por Coseriu (1981) e aos estudos da Lexicologia, Lexicografia e Terminologia. A composição do <em>corpus</em> se faz com três de suas obras com o qual se elaborará um vocabulário. A organização deste vocabulário é feita por meio de ficha catalográfica, de forma semasiológica, os verbetes são apresentados em ordem alfabética, com as respectivas informações gramaticais, definições e remissivas, para tanto, os dados lexicais serão manipulados por meio do programa computacional <em>Lexique Pro</em>, que permite construir dicionários eletrônicos. Até o momento já foram identificados mais de 300 vocábulos e fraseologismos, representativos do vocabulário do autor e do falar regional.</p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 ELIANE PEREIRA MACHADO SOARES, RENAN TORRES DA COSTA https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1631 Jovens universitários e fatores de risco para infecção pelo HIV: uma revisão de literatura 2020-10-25T19:57:59+00:00 Maria da Graça Corrêa Lopes Wohlgemuth gracaclw13@gmaill.com Larissa Polejack larissapolejack@hotmail.com Eliane Fleury Seidl eliane.seidl@gmail.com <p>Apesar dos esforços realizados no desenvolvimento de estratégias de prevenção pelo vírus HIV, atualmente, a prevalência tem aumentado entre os jovens de 19 a 24 anos, uma realidade que está ocorrendo em vários países e que traz preocupações sobre os impactos possíveis nesta geração. O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão de artigos publicados sobre fatores de riscos e proteção, que estudantes universitários têm quanto à infecção pelo HIV. Foram realizadas pesquisas em três bases de dados; BVS, PubMed, e SciELO, onde foram selecionados artigos com estudos empíricos a partir de 2015. Dos 38 artigos, identificados a partir dos operadores booleanos HIV, adultos jovens, fator de risco e universitários, foram selecionados seis, que se adequavam aos critérios de inclusão. Observou-se que os comportamentos de risco entre estudantes aumentam a probabilidade de contrair o HIV, principalmente se associados ao uso de álcool, drogas ilícitas e comportamentos sexuais de risco, como o não uso de preservativo, e baixo índice de testagem. Concluiu-se acerca da necessidade de que o tema seja amplamente debatido com os estudantes e realizadas ações de promoção da saúde e prevenção de infecções sexualmente transmissíveis no contexto universitário.</p><p> </p> 2020-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Maria da Graça Corrêa Lopes Wohlgemuth, Larissa Polejack, Eliane Fleury Seidl https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1632 Energia como temática no Ensino de Ciências da Natureza: uma abordagem a partir de experimentações virtuais 2020-10-25T19:55:05+00:00 Ticiane da Rosa Osório ticiani_dp@hotmail.com Vitor Garcia Stoll vitorgarciastoll@gmail.com Márcio Marques Martins marsjomm@gmail.com <p>Este artigo apresenta um recorte de uma oficina desenvolvida com um grupo de acadêmicos integrantes do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência (PIBID) de um curso de Licenciatura em Ciências da Natureza de uma universidade federal do sul do Brasil. Objetivou-se abordar a temática Energia por meio de duas experimentações, disponíveis no software PhEt. Metodologicamente esta pesquisa caracteriza-se como qualitativa, tendo como base a experimentação investigativa. Os dados empíricos foram obtidos por meio da aplicação de pré e pós-teste e foram submetidos à Análise de Conteúdo. Os resultados demonstraram que além da autonomia e trabalho em equipe, proporcionadas pelo desenvolvimento da experimentação investigativa, a utilização do aplicativo caracterizou-se como um suporte na abordagem e desenvolvimento do tema Energia aliada ao cotidiano, visto que, geralmente, esse conceito é apresentado de forma abstrata e descontextualizado.</p> 2020-01-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ticiane da Rosa Osório, Vitor Garcia Stoll, Márcio Marques Martins https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1630 Litígios de Sangue: As Guerras Totais e suas consequências para a América Latina 2020-10-25T19:55:05+00:00 Valdir Aragão do Nascimento 33valdir@gmail.com Álvaro Banducci Júnior abanducci@gmail.com <p>O trabalho aqui apresentado objetiva discutir as consequências que as chamadas guerras totais exerceram, e exercem, sobre a história e a realidade sociocultural dos países da América Latina. Tenciona demonstrar que a motivação de grande parte dos conflitos havidos nessa região teve sua gênese na disputa por territórios e a consequente ampliação de fronteiras, deixando claras as ambições e intenções de dominação daqueles que recorreram à guerra como estratégia de expansão. A metodologia utilizada para a confecção do artigo é de caráter bibliográfico, em que se buscou a colaboração de estudiosos interessados na temática em análise. A conclusão a que se chega demonstra que o recurso da guerra nem sempre traz os resultados desejados para aqueles que nela se envolvem, ou são envolvidos. As guerras não terminam nos campos de batalha, onde os conflitos têm a sua face mais perversa; mas se prologam ao longo dos anos através das inúmeras influências e consequências que desencadeiam.</p> 2020-01-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Valdir Aragão do Nascimento, Álvaro Banducci Júnior https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1629 Abóbora ou Jerimum? Um Estudo Semântico Lexical 2020-10-25T19:55:05+00:00 Maria José Nelo gilvansantosg@outlook.com.br Nayara da Silva Queiroz gilvansantosg@outlook.com.br Gilvan Santos Gonçalves gilvansantosg@outlook.com.br <p>Este trabalho de natureza geossociolingüística tem por objetivo investigar, no nível semântico-lexical, o léxico que abrange a questão 32 do questionário fonético-fonológico (QFF) do Projeto Atlas Linguístico do Maranhão do Maranhão. (ALiMA). “Aquele que cede no chão, grande (imita), com uma espessa e amarelada cor vermelha no interior e é cozido para comer, fazer doces? Este estudo justifica-se em vista dessa cucurbitácea, já cultivada por os portugueses durante o século XVI e conhecidos como menina, da Quaresma, porqueira, chilaougila (cf. CASCUDO, s / d.), ocupam um lugar no topo do menu habitual do Brasil, sendo utilizados no preparo de diversos pratos, como doces ( polpas em xaropes, marmeladas e queijadinhas), papas, sopas e guisados, além do uso de suas sementes como um tipo de lanche. Tudo isso é resultado do colono português. Para realizar o estudo, foi necessário um estudo bibliográfico. Pesquisa nas seguintes áreas do conhecimento: lexicologia, geossociolinguística, linguagem e cultura. A pesquisa de corpus, formada pelas respostas de 20 sujeitos de quatro áreas do Maranhão - São Luís, Pinheiro, Araioses e Brejo - selecionados por idade, sexo, escolaridade e local de nascimento, foi obtida a partir do banco de dados do Projeto ALIMA. Em suma, a pesquisa abrange as seguintes etapas: pesquisa bibliográfica, seleção de corpus e análise de dados. Como referencial teórico, buscou-se os trabalhos de Fiorin (2008), Ferreira (2007), Ilari (2008), Tarallo (1986), Câmara Júnior (1972), Oliveira (2001) e Cascudo (s / d.) . Os trabalhos enfocam questões relacionadas ao léxico, às relações linguísticas e culturais e às denominações de abóbora / abóbora. Os resultados mostram a utilização, dentro do estado do Maranhão, das duas variações mais comuns no país: abóbora (e sua variante fonética - abóbra) de origem portuguesa e jerimum (sua variante fonética - jirimum) de origem indígena. Portanto, confirma-se no Maranhão o que Cascudo (s / d.) Postulou: abóbora e jerimum arnossônimos na maior parte do Brasil, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, o que significa que não há mais diferença em relação ao aspecto das cucurbitáceas. A saber, a designação foi utilizada antes para as cucurbitáceas redondas e globulares maiores que os jerimuns, e jerimum para os diversos aspectos de formas longas, cilíndricas e redondas. Ainda segundo Cascudo (s / d.), A abóbora é a denominação característica do sul, enquanto o jerimum é o favorito no norte. Este trabalho visa contribuir para a descrição do português brasileiro em particular, a variedade falada no Maranhão.</p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Gilvan Santos Gonçalves, Maria José Nelo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1628 A formação interdisciplinar dos trabalhadores do campo: a experiencia do Curso de Especialização em Residência Agrária – PRONERA/CED/UFSC 2020-10-25T19:57:59+00:00 Fabiana Fátima Cherobin fcherobin@gmail.com Camila Munarini camila.munarini@ifc.edu.br Elodir Lourenço de Souza elodir.souza@ifc.edu.br <p>O artigo apresenta uma reflexão sobre a experiencia do Curso de Especialização (<em>Lato Sensu</em>) em educação do Campo e Desenvolvimento Sustentável com Base na agroecologia (Residência Agraria), realizado em Santa Catarina, por meio da parceria entre INCRA/PRONERA, UFSC, CNPQ e MST. Tem como objetivo analisar a experiencia desenvolvida no curso que teve como centralidade a formação interdisciplinar. A partir do estudo e análise realizada durante o curso, buscamos refletir sobre os aspectos organizativos, o qual foi desenvolvido a partir da Pedagogia da Alternância; bem como, analisamos a pesquisa como elemento central na formação dos trabalhadores. Por fim, discorremos sobre os limites e possibilidades que a interdisciplinaridade trouxe neste curso para a formação de educadores do campo.<strong></strong></p> 2020-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Fabiana Fátima Cherobin, Camila Munarini, Elodir Lourenço de Souza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1627 Considerações sobre a prática da economia dos termos de parentesco entre ribeirinhos da Amazônia paraense. 2020-10-25T19:55:05+00:00 Leonne Bruno Domingues Alves leonne.alves@ifpa.edu.br O presente estudo buscou compreender de que maneira práticas linguísticas manifestas no léxico local revelam práticas de parentesco entre ribeirinhos da região tocantina paraense. No idioleto da região tocantina é comum léxicos como <em>primo</em>, <em>parente</em> e <em>compadre</em> utilizados para estabelecer e evidenciar relações sociais, que se enquadram dentro das teorias da aliança de parentesco. Antropólogos, Sociólogos e Linguistas vêm mostrando que a cultura é um conjunto de práticas, e ao mesmo tempo, e por isso mesmo, um conjunto de símbolos, “uma teia de significados”. Não obstante, linguistas ja mostraram como a língua, ou seja – e mesmo – o signo linguístico tem a capacidade de serem performáticos, isso quer dizer que, dizer algo para alguém possui o poder de estabelecer relações factuais e pragmáticas. Portanto, sendo o parentesco relações sociais de descendência e/ou filiação de bases reais ou fictícias, e a língua e a linguagem, neste caso, expressões nos seus códigos linguísticos falados, percebo que<em> a l</em>inguagem ribeirinha revela e estabelece as relações de parentesco na região tocantina, principalmente no igarapé Acaputeua, na Amazônia paraense, através de um jogo que se expressa e se faz, entre outras coisas, pelos termos de parentesco. 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Leonne Bruno Domingues Alves https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1495 Homossexualidades negras: corporalidades contra-hegemônicas 2021-01-06T17:41:08+00:00 Vanilda Maria de Oliveira vanildamo@gmail.com <p>Um traço comum das culturas em que predominam o racismo é que nelas negros e negras são evidenciados como sujeitos profundamente sexuais. Esse imaginário construído em torno da sexualidade das mulheres negras e homens negros evidencia a tentativa de localizá-los dentro de um sistema de subordinação racial via exacerbação sexual. Isso se justificaria, nesse discurso racista, pelo fato de eles estarem mais próximos da natureza do que os brancos, cultos e civilizados. As imagens construídas em torno da sexualidade das pessoas negras têm forte caráter simbólico, mas também objetivos práticos, pois sua pressuposta sexualidade exacerbada desembocaria em mais um uso do seu corpo em proveito do dominador branco. Foi importante para o colonizador a hiperssexualização dos corpos negros, o que tinha como pano de fundo também uma hiper-heterossexualização desses sujeitos. Por outro lado, os movimentos e estudos negros, e feministas negros têm contribuído para o questionamento da heterossexualidade compulsória como marcando ainda mais os corpos negros. Atualmente, homens e mulheres negras e indígenas têm visibilizado que, apesar de sua maior vulnerabilidade ou dificuldades, são grupos que também vivenciam relações erótico-amorosas divergentes dos padrões de suas sociedades. O racismo afeta sim, drasticamente, as vidas de homens e mulheres negras, mas suas vidas não são feitas apenas de opressão, mas de várias resistências. Sujeitos como lésbicas negras e gays negros promovem a visibilização de uma identidade que intersecciona diversas categorias identitárias e que é, por isso, capaz de denunciar diversas hegemonias mesmo em setores considerados contra-hegemônicos. Performances de resistências e discursos de resistência têm sido visibilizados por lésbicas negras e gays negros a fim de desmontar e desconstruir os discursos hegemônicos que procuram forjar negritudes, sexualidades, masculinidades e feminilidades hegemônicas.</p> Copyright (c) Vanilda Maria de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1621 Impactos Socioeconômicos da Atividade de Construção Civil no Programa Minha Casa Minha Vida na Cidade de Campo Grande/MS 2019-10-16T17:45:03+00:00 Valdir Aragão do Nascimento 33valdir@gmail.com Breno Dutra de Queiroz breno.queiroz@anhanguera.com Ayron Vinícius Pinheiro de Assunção ayron.assuncao@anhanguera.com Igor Domingos de Souza igor_domingos@anhanguera.com <p>O presente estudo aborda a questão dos impactos socioeconômicos e a sua relação com a construção civil na cidade de Campo Grande/MS, a partir da implementação do Programa Minha Casa Minha Vida. Objetiva-se com a pesquisa avaliar se houve mudanças no setor da construção civil em decorrência da participação do governo federal no projeto de construção de habitação popular, com a finalidade de fortalecer o setor da construção civil. Este setor teve mudanças com a presença do Programa Minha Casa Minha Vida, em face de se apresentar um elevado crescimento do setor imobiliário na cidade de Campo Grande, especialmente em função das demandas de habitação que se apresentam para os segmentos pertencentes aos estratos da classe baixa, média e alta. Adotou-se a pesquisa bibliográfica e documental para a realização do estudo, mediante o uso de fontes informativas de empresas do setor imobiliário que atuam na cidade de Campo Grande. Verifica-se que com a implantação do Programa Minha Casa Minha Vida na cidade de Campo Grande, o setor imobiliário por ter um elevado crescimento, decorrente das demandas, as empresas de construção civil continuam a expandir suas atividades para atender esse segmento social. Com isso, conclui-se que a proposta do governo para fortalecer as empresas de construção civil é atrativa para o setor construir casas e residenciais.</p> Copyright (c) Valdir Aragão do Nascimento, Breno Dutra de Queiroz, Ayron Vinícius Pinheiro de Assunção, Igor Domingos de Souza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1620 MEMÓRIAS SUBMERSAS: análise sobre as memórias coletivas na formação do reservatório de Itaipu 2019-07-18T15:32:59+00:00 Aracelli Bianchin bianchin.aracelli@gmail.com Bruno César Alves Marcelino brunomarcelino@claec.org <p>Este artigo compõe uma investigação inicial que buscou identificar o enquadramento da memória coletiva sobre a formação do Reservatório de Itaipu do lado brasileiro. Trata-se de uma pesquisa composta por revisão bibliográfica, que também utilizou como fonte de dados mídias digitais e visita a dois atrativos turísticos da Usina Hidrelétrica de Itaipu. Conclui-se que o enquadramento da memória sobre o processo de formação do Reservatório Itaipu não inclui toda a história. Embaixo d’água estão as ruínas e muitas memórias de lutas e das comunidades que a história oficial deixou de contar. Mecanismo que representa o impasse entre memória e esquecimento e que exprime, a reconstrução seletiva do passado como estratégia política. As memórias sociais coletivas da região alagada encontram-se submersas.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Aracelli Bianchin, Bruno César Alves Marcelino https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1619 A Produção de Territórios a Partir do Futebol 2019-06-09T21:22:02+00:00 Bruno Martins Vieira bruno.martins.vieira@hotmail.com <p dir="ltr"><span>Esta pesquisa apresenta uma revisão empírica e bibliográfica de como funciona a dinâmica espacial do futebol para além das quatro linhas que demarcam o campo, tendo em vista que sua prática profissional movimenta uma economia expressiva e que de maneira controversa introduz uma prática democrática e acessível a todas as classes sociais. Neste panorama teremos a cidade de Florianópolis como recorte espacial para o desenvolvimento da pesquisa. </span></p><p dir="ltr"><span>Os objetivos buscam compreender as interações humanas no espaço onde a prática do esporte é concebida e como esta influenciou na formação de territórios e; englobar também o processo de elitização do futebol em Florianópolis e suas contradições. O futebol está enraizado na cultura brasileira e na cultura local, refletindo de modo ímpar em cada espaço/tempo onde é estabelecida a sua prática.</span></p><p dir="ltr"><span>Para isso, far-se-á uma contextualização histórica e comparativa da relação de Florianópolis com o futebol de outras cidades, estados e países. Em Florianópolis, o futebol tem como principais representantes o Avaí Futebol Clube (AFC), tendo sua sede, estádio e Centro de Treinamentos (CT) todos localizados no bairro Carianos (região sul da ilha), tornando sua estrutura bem centralizada entre si. Além do Avaí, há o Figueirense Futebol Clube (FFC), que possui suas instalações descentralizadas, o estádio e a sede localizam-se no bairro Estreito, que fica na porção continental da cidade, enquanto o seu CT está firmado em outro município, em Palhoça . Como resultado desta pesquisa espera-se compreender as riquezas culturais, bem como as dinâmicas espaciais que um esporte tão apaixonante é capaz de promover.</span></p><div><span><br /></span></div> Copyright (c) Bruno Martins Vieira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1618 Formação leitora e escritora: sujeitos que leem, contam e encantam na formação inicial e continuada. 2019-06-09T21:06:49+00:00 Isabel Cristina França dos Santos Rodrigues janibel8@yahoo.com.br <p>O trabalho tem como objetivo analisar os dados preliminares de uma pesquisa realizada em escolas públicas da região metropolitana de Belém do Pará pautada nas narrativas e nas produções (performances das práticas de leitura, escrita e de contação de histórias) dos docentes de modo a criarem condições para que também contassem outras versões das respectivas histórias no processo de ensino-aprendizagem nos Anos iniciais. O tipo de pesquisa selecionado foi a Observação participante, posto que se estabeleceu uma parceria com os sujeitos de maneira propositiva. Os principais momentos da pesquisa foram as seguintes: apresentação das diversas possibilidades de histórias a partir do que os docentes já tinham, contavam ou liam para os alunos; observação e filmagem de como eram contados, lidos, apresentados os diferentes objetos de leitura presentes nos contextos; estudos com a equipe a respeito das estratégias de trabalho envolvendo os materiais e como as performances conseguiam potencializar os temas tratados, em especial, do modo como cada profissional conduzia as atividades posteriores aos momentos de leitura e de escrita/reescrita dos textos. As equipes eram divididas sempre na dinâmica das diferentes escolas valorizando a diversidade cultura da Amazônia paraense, os materiais distribuídos pelo MEC (PNAIC) e o cotidiano das escolas. Os resultados preliminares revelam para além do que discutíamos, a articulação das atividades propostas pelo projeto e as práticas já desenvolvidas pelos professores favoreceram: ampliação do repertório das crianças, independentemente, dos níveis de apropriação do sistema de escrita alfabética; os docentes potencializaram ao longo das oficinas e minicursos suas competências leitoras e escritoras (muitos criaram histórias com seus colegas de estudo do projeto). Isso evidenciou o quanto a pesquisa pode favorecer aspectos que também dialoguem com a extensão e com o ensino em espaços formativos que se constituem nas relações com os sujeitos.</p><p><strong>Palavras-chaves: </strong>Formação leitora e escritora. Performance. Alfabetização. Letramento.</p> Copyright (c) Isabel Cristina França dos Santos Rodrigues https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1617 Conceição Evaristo: escrevivências do corpo 2019-06-09T21:01:51+00:00 Viviani Cavalcante de Oliveira Leite vivianicoleite@hotmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com <p>Este trabalho tem por objetivo refletir e teorizar acerca de algumas noções presentes na vida e obra da escritora mineira Conceição Evaristo. A saber, memória (AMARAL, 2000), arquivo (DERRIDA, 2001), sensibilidade (MIGNOLO, 2003) e sensibilidades biográficas (NOLASCO, 2010). Para tanto, valeremo-nos do conto de Evaristo “Macabéa, Flor de Mulungu” a fim de ilustrarmos a reflexão proposta. Dessa maneira, as noções supracitadas serão embasadas nos pressupostos da crítica biográfica e crítica biográfica fronteiriça desenvolvidas respectivamente pelos intelectuais Eneida Maria de Souza e Edgar Cézar Nolasco. Por fim, almejamos considerar em nossa leitura, o bios e o lócus do sujeito bem como sua (in)corporação nas produções literárias e intelectuais, partindo da premissa de que com/no corpo é que se dão as “sensibilidades biográficas”.</p> Copyright (c) Viviani Cavalcante de Oliveira Leite, Edgar Cézar Nolasco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1616 Clarice e Macabéa: representações do bios e da morte 2019-06-09T20:57:34+00:00 Anny Caroline de Souza Marques annymaarques@gmail.com Edgar Nolasco ecnolasco@uol.com.br <p>Este trabalho visa elaborar um perfil ficcional da escritora brasileira Clarice Lispector, fundamentado no recorte epistemológico crítico biográfico fronteiriço (NOLASCO, 2015), teorização cunhada por Edgar Cézar Nolasco no texto “Crítica biográfica fronteiriça”. Para tal, realizaremos uma leitura eminentemente de caráter bibliográfico, relendo <em>A hora da estrela </em>(1997), romance em que Clarice narra, através do escritor Rodrigo S.M., a história de uma jovem nordestina de Alagoas, criada pela tia, na cidade do Rio de Janeiro. Em um primeiro momento, buscaremos abordar a figura da intelectual Clarice à luz dos postulados de Edward Said na obra <em>Representações do intelectual</em> (2005), bem como a política na escritora. Além disso, buscaremos articular esta relação crítica e intelectual com o <em>bios</em> da escritora na esteira das reflexões de Eneida Maria de Souza em <em>Janelas indiscretas</em> (2011). Vale salientar que esta discussão emerge da fronteira-Sul, que é tanto territorial quanto epistemológica, e está atravessada por nossas sensibilidades biográficas (NOLASCO, 2015) enquanto sujeitos que pensam e articulam uma leitura acerca da escritora brasileira a partir deste lugar. Como resultado, espera-se contemplar a figura da intelectual, distanciando-a das imagens atribuídas a ela e à sua obra como “literatura de mulherzinha”. Esse texto respalda-se em teóricos, dentro outros, como Edgar Cézar Nolasco, Eneida Maria de Souza, Walter Mignolo, Edward Said, Silviano Santiago e Nádia Battella Gotlib. Algumas obras que contribuirão para a discussão proposta aqui são: <em>CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS</em>, <em>Crítica cult</em> (2002), <em>Janelas indiscretas</em> (2011), <em>Representações do intelectual </em>(2005), <em>Histórias locais/projetos globais</em> (2003), <em>A louca da casa</em> (2004), <em>Clarice uma vida que se conta</em> (2010).</p> Copyright (c) Anny Caroline de Souza Marques, Edgar Nolasco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1615 Contra-paisajes de la globalización: las imágenes-argumento de Mario Bellatín y Manoel de Barros 2019-07-18T15:32:59+00:00 Analía Yeruti Galván López lgalvananalia@gmail.com Marcelo Marinho biografia@gmail.com <p class="western" style="margin-bottom: 0cm; line-height: 100%;" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times\ New\ Roman, serif;"><span style="font-size: small;">Este estudio desarrolla el análisis de ciertas imágenes que convergen en las obras de Manoel de Barros y Mario Bellatín. En “Materia de poesía” y “Salón de belleza”, los autores construyen un contra-paisaje como crítica al proceso de globalización, que articula imágenes someras en las cuales el ser humano poco se espeja. Tendremos como referencia crítica y teórica los escritos de José Santos, César </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times\ New\ Roman, serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="it-IT">Rendueles, Frédéric Vanderberghe</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times\ New\ Roman, serif;"><span style="font-size: small;">. El análisis se hará con soporte en la imagología (estudio de imágenes), una herramienta interpretativa propia de la literatura comparada. Como resultado, se espera construir una articulación de ciertas imágenes-argumento que se presentarían como una suerte de contra-paisaje ante la globalización que traga y consume a la humanidad en el siglo XXI. Entiéndase por imágenes-argumento a las construcciones verbales que, por medio de los sentidos (visual, auditivo, gustativo, olfativo y tactil), desestabilizan y problematizan los paisajes someros sobre los cuales se sustenta la globalización. Con este trabajo se pretende ver como la poesía puede inducir el lector a un estado de extrañamiento frente a ciertos paisajes globalizados.</span></span></span></p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Analía Yeruti Galván López, Marcelo Marinho https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1614 Glossário de Medicina Natural: garrafadas vendidas na feira da 28 na cidade de Marabá/Pa- 2020-10-25T19:55:05+00:00 Jucileide Barros de Loureiro professorajuciloureiro@gmail.com <p>Este artigo nasceu a partir de um estudo sobre os termos utilizados para nomear as ervas e produtos da medicina natural vendidos na feira da folha 28, localizada no bairro Nova Marabá, na cidade de Marabá, sul do Pará. Dentre os diversos produtos naturais comercializados, podem-se encontrar as famosas garrafadas, que consiste em uma combinação de ervas, que, segundo o conhecimento popular, juntas promovem a prevenção, o tratamento e a cura de algumas enfermidades. Para guiar-nos nessa pesquisa, teremos como base conceitos básicos para os estudos terminológicos, tais como conceitos sobre Lexicologia, Lexicografia, Terminologia, Terminografia e fraseologia. É de grande importância o estudo e a criação de glossários, para que o léxico de diferentes áreas de atuação seja registrado. No caso deste trabalho, serão analisados os termos, que é um subconjunto do léxico. Os Termos são signos linguísticos de uma área de conhecimento especializado, chamado de Língua de Especialidades, e são o objeto de pesquisa e estudo da Terminologia. Após tomar conhecimento sobre essas teorias, será apresentado uma amostra do glossário de medicina natural com alguns exemplos de termos de garrafadas. Por fim será feita a análise da construção morfológica e semântica desses termos. O objetivo deste estudo é analisar a construção de termos de uma prática muito comum no Brasil e que está presente no cotidiano das pessoas; Observar as escolhas lexicais para a criação dos termos que nomeiam as garrafadas, bem como suas motivações semânticas é entender o contexto que cerca esta prática tão habitual na nossa sociedade. Além disso, deixar registrados esses termos provará a importância dos estudos lexicais, uma vez que o glossário poderá ser consultado e analisado em próximos estudos linguístico ou até mesmo da área da botânica e da medicina natural.<strong></strong></p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Jucileide Barros de Loureiro https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1613 A História Oficial e as Narrativas Orais Gravadas sobre os Antepassados da Etnia Guarani-Mbyá 2019-07-18T15:32:59+00:00 Maria Eugênia Rodrigues Luz mariaeugenialuz@yahoo.com.br <p>A etnia Guarani é uma das maiores representações indígenas na América do Sul, suas particularidades quanto ao dialeto e cultura apresentam importância significativa para repensar a memória e identidade atual. Esse artigo objetiva fazer uma análise do documentário "Tava, a casa de Pedra”, de iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), produzido em conjunto com integrantes da etnia <em>Guarani-Mbyá</em>, focalizando o dissenso entre a história oficial sobre os autóctones e as narrativas dessa etnia em relação à sua própria história registrada sobre o Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo do Sul, no Rio Grande do Sul - Brasil. Passada de geração a geração por meio da oralidade, a versão da história dos <em>Guarani-Mbyá</em> que viveram no espaço que hoje denomina-se Ruínas, tem valor ímpar para o patrimônio imaterial, constituindo elemento de legitimação, de identidade, de pertencimento e de alteridade para essa etnia. O vídeo representa o que antes parecia impossível, ao apresentar a importância de considerar a voz dos indígenas na condição de construtores de sua própria história, bem como fixar a memória e identidade de seu povo que foi massacrado e quase totalmente dizimado. Os registros dos relatos podem contribuir para corrigir eventuais lacunas deixadas na história escrita, considerada oficial, em detrimento da oralidade. O método utilizado é a pesquisa qualitativa, com enfoque no estudo bibliográfico de autores especializados sobre a temática memória e identidade. Os resultados da pesquisa demonstraram que a versão apresentada pelos <em>Mbyá</em> possibilita uma versão da história mais heterogênea, quiçá mais próxima da que se apresentou naquele contexto histórico.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Maria Eugênia Rodrigues Luz https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1612 “Patrões”, “pilotos”, “batedores”, “bandeirinhas” y el Estado: un estudio sobre el "contrabando" de cigarrillos en la frontera Paraguay-Brasil. 2019-07-18T15:32:59+00:00 Cíntia Fiorotti Lima cintiafiorotti@hotmail.com Eric Gustavo Cardin eric_cardin@hotmail.com <p>O objetivo desta pesquisa foi analisar as relações entre trabalhadores envolvidos no chamado “contrabando de cigarros” na fronteira Paraguai-Brasil e as tentativas de controle por parte do Estado na fiscalização e criminalização deste trabalho nas duas últimas décadas. A pesquisa ocorreu em algumas cidades do Brasil no oeste do Paraná, localizadas na fronteira com o leste do Paraguai, onde se localizam os departamentos de Alto Paraná e Canindeyú. A atenção é direcionada para as relações estabelecidas nas cidades paraguaias de Ciudad del Este e Salto del Guairá e nas cidades brasileiras de Guaíra e Foz do Iguaçu. As fontes utilizadas foram entrevistas com trabalhadores e empresários envolvidos com o contrabando de cigarros, fiscais da receita federal, matérias de jornais locais, legislações brasileiras e anotações das observações da pesquisa de campo. A análise sobre as relações entre quem realiza o “contrabando” e quem controla foram pensadas partindo de um conjunto de práticas e interesses vividos e disputados em meio ao cotidiano e as realidades locais. Nem tudo aquilo que é pretendido como representação ou função do Estado na repressão e controle sobre o contrabando se constitui da mesma forma nestes ambientes, mas articulam-se com disputas de poder e com o processo de acumulação capitalista.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Cíntia Fiorotti Lima, Eric Gustavo Cardin https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1611 O lixo no discurso jornalístico da cidade de Cáceres-MT: uma questão para análise de discurso. 2020-10-25T19:55:05+00:00 Renata Carneiro Lemes lemes.renata9@gmail.com <p class="Padro">A partir da teoria da análise de discurso, este artigo, procura analisar o discurso ambiental, a partir da temática sobre o lixo, nos jornais de circulação da cidade de Cáceres-MT. O discurso ambiental pode ser analisado a partir de uma multiplicidade de materiais e de práticas de linguagem como leis, publicidade, espaço da cidade, etc. Por outro lado, nesse artigo, utilizamos como corpus de análise os jornais Expressão Notícia, Correio Cacerense, Diário de Cáceres que circularam na cidade de Cáceres, localizada no Estado de Mato- Grosso, com o objetivo de compreender o modo como o discurso sobre o “lixo” nos distintos jornais é atravessado por diferentes formações discursivas.</p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Renata Carneiro Lemes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1605 Foto-diálogos: ensaios sobre o invisível e o inominável em gêneros e sexualidades 2019-07-18T15:32:59+00:00 Dilliany Justino de Lima dillianyjustino@gmail.com <p>O presente trabalho pretende questionar e refletir sobre a beleza, subjetividade e identidade em corpos cotidianamente violentados pelas estruturas de poder vigentes em nossa sociedade. Seja por questões de classe, raça e/ou gênero, padrões estéticos e de comportamento, a normatização da beleza e das identidades atravessa corpos muitas vezes invisibilizados e subjugados na perspectiva do “outro” dominante. Neste trabalho, o objetivo é materializar e instrumentalizar, por meio da fotografia, a visibilidade e a autonomia na escolha de como esses corpos querem ser vistos. Partindo-se da ideia de formação e construção de identidades e subjetividades sob grande influência do olhar do “outro”, a fotografia será utilizada como instrumento de valorização e subversão da ordem heteronormativa, de feminilidades e masculinidades estabelecidas. Numa proposta que poderia ser chamada de foto-diálogo, fotógrafa, fotografados e fotografadas mergulham numa profunda reflexão sobre o quê somos, porquê somos e o quê queremos ser.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Dilliany Justino de Lima https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1610 Deslocamentos de fronteiras: percurso e produção musical de Gonzagão e Gonzaguinha 2019-06-07T02:39:11+00:00 CLAUDIA PEREIRA VASCONCELOS claudia.culturas@gmail.com <p>O presente trabalho pretende discutir de que forma os percursos, permeados por diversas fronteiras que hierarquizam saberes, poderes e enunciados, interferiram na produção artística de dois músicos brasileiros, oriundos de lugares historicamente marginalizados no Brasil, a saber: Luiz Gonzaga do Nascimento (conhecido como Gonzagão), vindo do sertão de Pernambuco para ganhar as paradas de sucesso no Rio de Janeiro nos anos 1940/50 e Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior (o Gonzaguinha), nascido no Morro de São Carlos/Rio de Janeiro, que alcançou grande sucesso entre as décadas de 1970/80. Interessa investigar quais <em>estratégias</em> e <em>táticas</em> cada um desses artistas utilizou para driblar as fronteiras que separam o "centro" e a "periferia" e alcançar o cobiçado panteão da Música Popular Brasileira. Tal discussão é parte da pesquisa de doutorado em Estudos de Cultura (em curso) intitulada: <em>Deslocamentos de fronteiras: percurso e produção musical de Gonzagão e Gonzaguinha na construção das brasilidades, </em>realizada na Universidade de Lisboa. Para compreender a relação entre música, percurso e identidade, assim como para pensar a fronteira como construção simbólica serão tomados como aportes teóricos conceitos e reflexões oriundos do pensamento pós-colonial e decolonial.</p> Copyright (c) CLAUDIA PEREIRA VASCONCELOS https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1609 MEMÓRIA DOS PERSEGUIDOS POLÍTICOS NO BRASIL: o Direito e a Educação em busca de currículos e saberes emancipatórios 2020-04-26T23:17:58+00:00 Yuri Miguel Macedo yurimacedo@id.uff.br Gilsilene Passon Picoretti Francischetto gilsilenepasson@uol.com.br Giovana Aparecida Fazio Zanetti zanettiadv@hotmail.com <p>A luz das memórias dos perseguidos políticos na ditadura no Brasil, o presente texto traz reflexões acerca da importância do resgate da memória por meio da resistência ao regime militar que é um elemento fundamental na construção de um currículo e também um projeto educativo emancipatório. Para tal, é necessário efetivar a justiça transicional em nosso país, o caminho eficaz para visibilidade dessas memórias. Assim, a pergunta que guia o presente artigo é: De que forma um projeto educativo emancipatório utilizaria a memória como fator de potencialização da tomada de consciência dos indivíduos? E para isso, abalizamos nosso estudo em SANTOS (1996,2006,2010) e MACEDO (2006,2017).</p> Copyright (c) Yuri Miguel Macedo, Gilsilene Passon P. Francischetto, Giovana Aparecida Fazio Zanetti https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1608 Muito Além De Wakanda: um estudo acerca dos aspectos cultural e identitário no filme Pantera Negra 2019-07-18T15:32:59+00:00 Wesley Guilherme Idelfoncio Vasconcelos wesleyguilherme1998@gmail.com Adler Freires Sousa adlerssousa@gmail.com Ricardo Rigaud Salmito ricardo.salmito@ufca.edu.br <span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0">O presente artigo tem por objetivo analisar o filme Pantera Negra, do diretor norte-americano Ryan </span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="SpellingError SCXW135321909 BCX0">Coogler</span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0">, que foi lançado no mês de fevereiro ano de 2018 no Brasil pela Marvel </span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="SpellingError SCXW135321909 BCX0">Studios</span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0"> e Walt Disney Pictures. Tal produto audiovisual será examinado no tocante aos aspectos cultural e identitário, sobre a ótica antropológica e cinematográfica. O trabalho, a partir de uma metodologia de cunho bibliográfico, juntamente com a análise do conteúdo da obra, buscará observar relações entre a construção dos personagens e do mundo fictício de </span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="SpellingError SCXW135321909 BCX0">Wakanda</span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0"> tendo com os temas citados acima, bem como suas implicações dentro do mundo ficcional e fora dele a metodologia de análise fílmica é baseada nos estudos da professora Manuela </span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="SpellingError SCXW135321909 BCX0">Penafria</span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0">. Serão abordados conceitos e autores tais como Durval Muniz, Peter Burke e Michel Serres, para que através de seus estudos sobre identidade e cultura este artigo consiga elucidar seus leitores acerca do objeto de estudo selecionado. Além destes temas, o trabalho analisará as relações existentes entre antropologia, cinema e cultura, abordando autores como Walter Benjamin, Roque </span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="SpellingError SCXW135321909 BCX0">Laraia</span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0"> e </span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0">Andréa Barbosa, </span></span><span class="TextRun SCXW135321909 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW135321909 BCX0">visando assim uma melhor construção de sua análise bem como um aprofundamento necessário para o melhor entendimento do seu objeto de estudo.</span></span><span class="EOP SCXW135321909 BCX0" data-ccp-props="{&quot;201341983&quot;:0,&quot;335551550&quot;:6,&quot;335551620&quot;:6,&quot;335559739&quot;:200,&quot;335559740&quot;:240}"> </span> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Wesley Guilherme Idelfoncio Vasconcelos, Adler Freires Sousa, Ricardo Rigaud Salmito https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1607 MÍDIA, MUROS, CERCAS E FRONTEIRAS ENTRE NAÇÕES. 2019-10-26T22:46:30+00:00 Renata Carneiro Lemes lemes.renata9@gmail.com <p> A partir da teoria da análise de discurso, este artigo, procura analisar, discursivamente, recorte de revistas jornalísticas “Veja” que tematizam sobre os muros, com o intuito de compreender o modo como dão visibilidade ao sentido de muro na sua relação com o sujeito. Uma vez que os sentidos em relação aos sujeitos se constituem simultaneamente, e a língua para significar inscreve na história. No percurso deste artigo, as leituras, imersão teórica possibilita compreender o muro nos discursos jornalísticos veiculados pelas revistas Veja é atravessado por distintas posições ideológicas que significa-o distintamente, o sentido de “muro” não se prende ao pré-estabelecido, da literalidade à palavra, varia conforme as distintas posições sujeito que constituem as condições de produção.</p> Copyright (c) Renata Carneiro Lemes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1606 O lixo no discurso jornalístico da cidade de Cáceres-MT: uma questão para análise de discurso. 2019-06-04T18:25:54+00:00 Renata Carneiro Lemes lemes.renata9@gmail.com <p class="Padro">A partir da teoria da análise de discurso, este artigo, procura analisar o discurso ambiental, a partir da temática sobre o lixo, nos jornais de circulação da cidade de Cáceres-MT. O discurso ambiental pode ser analisado a partir de uma multiplicidade de materiais e de práticas de linguagem como leis, publicidade, espaço da cidade, etc. Por outro lado, nesse artigo, utilizamos como corpus de análise os jornais Expressão Notícia, Correio Cacerense, Diário de Cáceres que circularam na cidade de Cáceres, localizada no Estado de Mato- Grosso, com o objetivo de compreender o modo como o discurso sobre o “lixo” nos distintos jornais é atravessado por diferentes formações discursivas.</p> Copyright (c) Renata Carneiro Lemes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1603 Cultural displacements as an affirmation of identity: a brief case study in Brazilian popular music 2019-09-08T23:18:05+00:00 Valterlei Borges Araújo val.borges@gmail.com Júlio César Suzuki jcsuzuki@usp.br <p>From the concepts of identity and difference we intend to broaden our understanding of the relationship between the social construction of identities and their geographical and regional linkage. In order to delimit the conceptual and interpretative use, the research circumscribes the theoretical part to authors related to Cultural Studies. Our goal is to understand how the appropriation and social reproduction of the concepts of identity and difference can help to build an identity. To do so, based on bibliographic research and analysis of audiovisual materials, we sought to point out the use of the concepts in the work and in the artistic trajectory of the composer and musician Vitor Ramil. We intend, from this conceptual application, to contribute with the expansion of the studies on the subjective relation between identity and territory.</p> Copyright (c) Valterlei Borges Araújo, Júlio César Suzuki https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1602 A prática docente Guarani Mbya – liderança, engajamento e luta 2019-07-18T15:32:59+00:00 Janaína Aline dos Santos e Souza janaina.souza@usp.br <p>O presente trabalho apresenta as considerações finais da dissertação de mestrado “A prática docente Guarani Mbya – liderança, engajamento e luta”, que trata sobre como as professoras e professores indígenas guarani mbya entendem sua prática docente. Parte do pressuposto de que a educação escolar indígena começa a ser ressignificada a partir de 1990, quando o Estado reconhece e dá maior respaldo às demandas dos movimentos e organizações indígenas. Assim, reestrutura-se uma instituição tipicamente não-indígena, norteada até então por princípios de catequização, civilização, integração e preservação. Ao se reconstruir junto aos projetos de futuro de cada etnia, a escola indígena se constitui como inovação educacional. A pesquisa de campo verificou qual a visão que docentes indígenas têm de suas práticas, considerando a hipótese de que estas se centram no modo de transmissão dos saberes tradicionais de sua cultura ou na mera reprodução do modelo de ensino escolar predominante, originalmente não-indígena, ainda que se trate oficialmente de uma escola diferenciada. O foco das observações centrou-se na Escola Estadual Indígena Guarani Gwyra Pepo, situada na aldeia Tenonde Porã, em Parelheiros, capital de São Paulo. Foram feitas entrevistas com as professoras e professores guarani. As informações recolhidas foram analisadas com bases teóricas das pesquisas antropológicas sobre a etnia Guarani e sociológicas sobre inovação educacional, bem como pelo recurso às produções da etnologia ameríndia sobre educação escolar indígena. Conclui-se que a prática docente das professoras e professores guarani é entendida como forma de luta, favorecida pelos espaços de discussão sobre educação escolar indígena e pela própria atuação como liderança. É vista tanto como valorização do <em>nhandereko</em> quanto como subsídio para compreender e enfrentar a sociedade não-indígena dominante, sendo modelo de engajamento e luta para reconceituação da educação pública de modo geral.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Janaína Aline dos Santos e Souza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1601 Tradições Alimentares Regionais em uma América Latina Neocolonial: a luta pela manutenção de costumes e da soberania alimentar 2019-07-18T15:32:59+00:00 MARCOS ROBERTO PISARSKI JUNIOR marcos.pisarski@gmail.com <p>A alimentação deve ser compreendida como expressão cultural de um grupo ou sociedade, sendo formada pela relação dialética entre a materialidade do acesso aos alimentos e da subjetividade de crenças, gostos e costumes. Na atual sociedade capitalista, a globalização impõe um modelo global de alimentação diretamente ligado aos interesses da produção alimentar voltada para o mercado, assim transformando alimentos em <em>commodities</em>. Este trabalho tem como objetivo apresentar e analisar as tradições alimentares regionais em contraposição as facetas da globalização nos hábitos alimentares e de suas relações com os modelos de produção de alimentos na América Latina. A metodologia utilizada nesta pesquisa se baseia em uma aprofundada revisão bibliográfica em trabalhos voltados a análise da alimentação como cultura, da globalização, das relações neocoloniais e conceitos de integração cultural da Latino-América, além da experiência do autor no tema de tradições alimentares em produções acadêmicas e na prática com vivências e visitas a grupos tradicionais e de resistência diretamente ligados a produção de alimentos e manutenção de costumes culturais, como: faxinalenses, quilombolas, indígenas e assentados de reforma agrária. Neste trabalho se possibilitou notar relações diretas entre o modelo de produção dos alimentos enquanto <em>commodities</em> no Brasil e demais países da américa latina, e a ameaça que isto representa perante a manutenção das tradições e da soberania alimentar, contribuindo assim à ideia de neocolonialismo, visto a implantação de um modelo de alimentação global. Conclui-se que a manutenção e resistência de tradições alimentares regionais encontra no modelo neocolonialista de produção de alimentos o seu antagonismo, assim transformando esta discussão em um objeto fundamental na defesa da soberania alimentar, costumes populares e do empoderamento de grupos tradicionais e de resistência, demonstrando assim que debates mais aprofundados e o desenvolvimento de políticas públicas são essenciais para a preservação destes elementos que constituem o povo latino-americano.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 MARCOS ROBERTO PISARSKI JUNIOR https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1552 Direitos Indígenas, Território E Resistência: Notas Em Torno De Uma Aldeia Mbyá Guarani No Litoral Do Paraná 2019-07-18T15:32:58+00:00 Alana Pinto Margarida alanamargarida22@gmail.com Patricia Martins patricia.martins@ifpr.edu.br <p>Dentro de um sistema ganancioso onde o principal objetivo é o lucro juntamente com uma conjuntura política que estamos vivenciando em que cada vez mais as minorias são deixadas de lado no litoral paranaense há uma proposta de construção de um porto no município de Pontal do Paraná. O discurso propagado é o de que a construção do porto irá trazer benefícios, sendo um deles a construção de uma rodovia duplicada entre os balneários de Praia de Leste e Pontal do Sul. A aldeia Guaviraty, de população indígena Mbyá Guarani, está localizada na extensão territorial de Mata Atlântica neste mesmo município, o que faz com que esta esteja inserida neste contexto social conflitante, onde tal construção possa de alguma forma afetar a permanência destes indígenas nesta região. Nesse sentido, a intenção deste trabalho é problematizar e dar visibilidade a este assunto, pois quando envolve interesses privados, a tendência é que os acontecimentos ocorram por baixo dos panos, independente dos problemas gerados por tal decisão, e que os agentes públicos responsáveis pelo cumprimento de leis específicas a garantia do direito indígena de existir e sobreviver na plenitude de seus projetos individuais e coletivos de vida atuem de maneira legal.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Alana Pinto Margarida, Patricia Martins https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1600 “¡Es muy difícil! ¡Es muy difícil!” Quando as barreiras linguísticas conduzem à margem: a necessidade de um acolhimento intercultural e de uma formação pedagógica em línguas 2019-06-07T02:50:52+00:00 Simone Beatriz Cordeiro Ribeiro simonebcr@yahoo.com.br Gilvan Müller de Oliveira gmioliz@gmail.com <p style="margin-top: 0.42cm; margin-bottom: 0.21cm; line-height: 100%; page-break-after: avoid;" align="justify"><span style="font-family: Liberation\ Sans, sans-serif;"><span style="font-size: large;"><span style="font-size: small;">As fronteiras são comumente marcadas pelo ir e vir de sujeitos em busca de atrativos, atendimentos, oportunidades e até mesmo moradia. Assim, as pessoas movidas por diferentes motivos transpõem fronteiras frequentemente e, uma vez perpetrado como algo cotidiano, as dificuldades de comunicação são ofuscadas quando está em jogo o emprego de línguas semelhantes, como é o caso da língua portuguesa e da língua espanhola que permeiam a Tríplice Fronteira Brasil, Paraguai e Argentina. Contudo, somente aqueles que precisam se comunicar através de outras línguas compreendem como a falta de conhecimento delas prejudica a interação, principalmente, quando se encontram fora do seu país de origem. Diante disso, objetiva-se refletir sobre a maneira como ocorre a recepção e alocação de estudantes estrangeiros nas instituições de ensino municipal de Foz do Iguaçu, no Ensino Fundamental I, cuja língua materna não é o português, e se há ou não a necessidade de uma educação em línguas com foco no ensino de segunda língua. Para tanto, foram realizadas entrevistas com professores que já tiveram ou têm alunos estrangeiros e com a equipe pedagógica das escolas, procurando refletir sobre as práticas pedagógicas empregadas ou que contribuiriam de maneira mais adequada quando em contato com crianças estrangeiras falantes de outras línguas. Desse modo, empregam-se pressupostos teóricos concernentes às Políticas Linguísticas (OLIVEIRA, 2013; VON BORSTEL, 2013, OLIVEIRA e SILVA, 2-17), Acolhimento Intercultural e Ensino de Línguas (RIBEIRO, 2018), e Ensino de Línguas para crianças (FERREIRA, 2013; FERREIRA e SANTOS, 2010). </span></span></span></p> Copyright (c) Simone Beatriz Cordeiro Ribeiro, Gilvan Müller de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1599 Escola e docência: a necessidade de uma práxis enquanto pedagogia engajada 2019-07-18T15:32:59+00:00 Pillar Alves Paladini pillarpaladini@hotmail.com <p>O presente trabalho tem como propósito apresentar as atividades pedagógicas realizadas com as turmas de 5º ano no Colégio Pedro II. Abordando os conteúdos através de uma prática decolonizadora, antirracista e libertadora, coloca-se a formação docente no centro deste processo como parte essencial para uma pedagogia transgressora. Procurando entrelaçar as questões estruturais sociais e seus reflexos nos sujeitos que estão incluídos no processo educacional, o texto discorre acerca da conscientização das intencionalidades da prática educativa. Observando a escola enquanto instituição social e, portanto, dotada de objetivos e características que visam atender a uma demanda social, o texto aborda como a mesma pode ser um importante local para quebra de paradigmas e/ou de perpetuação de estigmas e discriminações. </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Pillar Alves Paladini https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1598 Entre o pensar e o fazer: narrativas através das fotografias de quem vive a periferia 2019-07-18T15:32:59+00:00 Pillar Alves Paladini pillarpaladini@hotmail.com <p>O presente trabalho visa apresentar a pesquisa de mestrado, em andamento, sobre narrativas das periferias. Utilizando a fotografia enquanto ferramenta de pesquisa e dispositivo para reflexão, ambiciona-se promover esta linguagem como meio de expressão e experimentação na comunicação social, tornando-a assim um instrumento social. Na perspectiva da Antropologia compartilhada, estudantes do Ensino Fundamental II, de escolas situadas em regiões periféricas da cidade do Rio de Janeiro, produzirão fotografias que trarão um olhar de quem vive estas fronteiras. A cidade, as imagens e a vida serão os temas que nutrirão a pesquisa, focando em territórios periféricos por compreender que se faz necessário deslocar o olhar do centro em direção às fronteiras, ao marginalizado. A fotografia é explorada aqui como possibilidade de um terreno fértil, laborativo, colaborativo e libertador, compreendendo o potencial único do visual enquanto forma de intervenção social e antropológica. A ideia é suscitar, através do uso de tecnologias DIY (<em>Do It Yourself</em>), questões que vão além da esfera biologicamente vital, isto é, do ir e vir cotidiano. A linguagem escolhida foi a fotografia por conter em si mesma a eficácia das formas visuais enquanto linguagem dialógica. Nos convida a considerar mais a sério o quanto o visual pode ser antropologicamente informado. É educar o olhar para atos que envolvem o observar, o refletir e o produzir, de modo que a transitividade da consciência perpasse a inserção, integração e representações diversas da realidade.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Pillar Alves Paladini https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1597 Do bambu ao macaco: Análise da violência contra as práticas culturais Guarani na contemporaneidade 2019-07-18T15:32:59+00:00 Osmarina de Oliveira osmarina66@gmail.com <p>O presente artigo tem por objetivo, tratar sobre dois casos de violências contra os povos indígenas no tempo presente. O primeiro caso foi registrado em Santa Helena, oeste do Paraná e levado a cabo pela Polícia Ambiental. Os Guarani foram presos por dois dias na sede da Polícia Federal no município de Foz do Iguaçu e estão em cárcere domiciliar há mais de um ano, e foram indiciados pela Polícia Federal, pelo MPF e pelo juiz da 5ª Vara Federal de Foz do Iguaçu, pelo corte de um bambu para a utilização em um ritual religioso tradicional. O segundo caso foi registrado em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, efetivado pela Guarda Municipal daquele município que apreendeu uma indígena com os seus dois filhos que vendiam artesanato no “Brique da Redenção” por ela estar com um macaquinho da espécie bugio, como bicho de estimação de seus filhos. Em ambos os casos os Guarani sofreram violência por agentes públicos, por praticarem atos de natureza tradicional. Buscaremos compreender a tipificação desses atos como criminosos pela justiça brasileira e de natureza tradicionais relacionado a práticas milenares pela população Guarani. Quando o direito de uns se sobrepõe ao dos outros e como práticas criminosas contra o meio ambiente são toleradas em nome do progresso e do desenvolvimento.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Osmarina de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1596 A produção ritualística de tambores no Samba de Cacete: conhecimentos ancestrais e prática cultural em Cametá - Pará/Brasil 2019-07-18T15:32:58+00:00 Elisabete de Fátima Farias Silva lisafariasgeografia@gmail.com <p>Relato de experiência do trabalho campo realizado na cidade paraense de Cametá, no Norte brasileiro, com mestres artesão produtores do “tamboro”, grande e robusto tambor tocado na manifestação cultural Samba de Cacete, em julho de 2017. Esse e outros trabalhos de campos compõem uma investigação geográfica de doutorado em desenvolvimento acerca da ritualística do <em>saber-fazer</em> tambores que envolve conhecimentos ancestrais e um modo de <em>ser-com</em> a terra. O conhecimento ancestral dos mestres que produzem tambores é a grande fonte dessa pesquisa, eles são a voz, as mãos, a memória, a vontade de fazer, eles são os corpos que não estão registrados nos livros e que nos contam uma Geografia-Sul situada de uma cartografia latino-americana marcada no corpo-tambor.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Elisabete de Fátima Farias Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1595 Identidades e Vivências: cotidiano em ambiente escolar de Foz do Iguaçu 2019-06-09T21:28:44+00:00 Aline Josiane Acordi Mertz Peixoto aline_mertz@hotmail.com O espaço escolar representa o mundo recortado num espaço social em que a diversidade e as diferenças afloram. Este artigo que é parte integrante da dissertação de Mestrado: Identidade e Fronteiras: vivências e cotidiano em ambiente escolar do Foz do Iguaçu, e tem como objetivo demonstrar como se manifesta a diversidade cultural em uma escola de fronteira entre Brasil e Paraguai. Para tanto, realizou-se visitas a escola para coletar informações junto aos personagens deste espaço escolar, alunos, familiares, professores e equipe pedagógica, buscando dados desta vivência, tendo em vista o conhecimento da real situação do ensino no município quanto a esse atendimento. A Escola em cidade de fronteira adquire identidade e características próprias que podem ser evidenciadas quando comparadas e analisadas frente a outras instituições educacionais de outras localidades. Em todos as relações humanas se encontra cultura, são as interferências pessoais, realizadas nos contextos sociais onde estão inseridos, é o que permeia as identidades nas vivências e contatos de relações da sociedade. Isto é visivelmente presenciado na escola de fronteira que recebe alunos estrangeiros, pois se trata de um espaço de interação humana, existe nas ações da escola, processos de constituição de identidade, de cultura e de conhecimento, que resultam na formulação da pessoa e de sua vivência social. Este artigo tem a intensão de despertar no leitor o olhar para a diversidade cultural vivida na escola na região em questão. Copyright (c) Aline Josiane Acordi Mertz Peixoto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1594 Aprendizagens e desaprendizagens sobre direitos sexuais e reprodutivos perante as experiências de saúde das mulheres negras rurais maranhenses 2019-07-18T15:32:58+00:00 Rosangela Sousa Veras rosangelaveras@ifma.edu.br <p>O trabalho apresenta as questões preliminares do estudo sobre saúde sexual e reprodutiva de mulheres negras de comunidades rurais do interior maranhense. Para elas a única política pública de saúde disponível é o Programa Saúde da Família. Quando elas precisam fazer um pré-natal têm que se descolar até a unidade básica de atenção primária, localizada na sede do município, ou mais de 20 km até o Hospital Geral; caso elas precisem de um parto na rede hospitalar somente encontrarão maternidade nos municípios vizinhos, distantes mais de 30 km. Com estes casos, este artigo quer dar ênfase a outras vivências e práticas de saúde sexual e reprodutiva ainda não contempladas por política públicas universais. Aponta críticas à pretensão universalista dos direitos sexuais e reprodutivos conquistados pelo movimento feminista nas conferências da ONU, na cidade do Cairo em 1994 e em Pequim no ano de 1995. A luta por estes direitos tem sido marcada por reivindicações do livre exercício do corpo, principalmente por mulheres de classes médias. Fato que desperta indagações se todas as mulheres têm a percepção ou a reivindicação do seu corpo como uma propriedade individual? E quais forças sociais bloqueiam o avanço desses direitos a todas as mulheres? Os direitos sexuais e reprodutivos são entendidos como teóricos e utópicos visto que são idealizados como universais sem levar em conta as diferenças e contradições socioculturais. Falar de saúde sexual e reprodutiva de mulheres sem marcar suas pluralidades e sua as fronteiras das desigualdades, faz com que somente uma parte delas seja atendida. Portanto, este estudo reflete criticamente sobre o lugar do outro e a interação de suas múltiplas opressões. Para tanto, se apoia nas teorias interseccionais e nos estudos descoloniais.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Rosangela Sousa Veras https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1593 Fronteira Etnocultural entre Kadiwéu e Terena: A Representação Social da Educação Ambiental dos Povos Indígenas da Região do Pantanal Sul 2019-07-18T15:32:58+00:00 Edson Pereira de Souza edson.souza1984@gmail.com Antonio Hilario Aguilera Urquiza hilarioaguilera@gmail.com Victor Ferri Mauro victorfmauro@gmail.com Icléia Albuquerque de Vargas icleiavargas12@gmail.com <p>No Brasil, literaturas e mídias denunciam ameaças à biodiversidade, decorrentes, sobretudo, pelo desenvolvimento populacional (desordenado) e pelas atividades produtivas sem estudos prévios. Tais situações geram danos ambientais nos biomas, como a deterioração do solo, o assoreamento, a contaminação dos corpos d’água, o desmatamento e outros, somados aos efeitos provocados pela exclusão social e índice de pobreza das populações indígenas, os quais interferem na produção de conhecimentos de tais grupos sociais. Considerando essa realidade, desenvolveu-se este trabalho em duas escolas distintas, com etnias Kadiwéu e Terena como predominantes, foi definido o seguinte problema de pesquisa: como a Educação Ambiental, a partir das territorialidades indígenas, configura-se por meio das representações sociais para as etnias Kadiwéu e Terena na região do Pantanal Sul? Estabeleceu-se, portanto, como objetivo geral, compreender a interface entre os grupos étnicos Kadiwéu e Terena, relacionados à(s) territorialidade(s) de representação(ões) social(is) sobre Educação Ambiental na Região do Pantanal Sul. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, de cunho exploratório, longitudinal, caracterizando-se como um estudo de caso etnográfico. No entanto, a partir das territorialidades evidenciadas nas representações sociais, se percebe a existência da fronteira etnocultural. Acredita-se, então, que os saberes tradicionais possam promover o uso sustentável e a manutenção de boas práticas de Educação Ambiental. Ademais, esses saberes tradicionais devem, também, ser considerados nos momentos empíricos relativos à Educação Ambiental na comunidade. Afinal, ao se buscar os conhecimentos com ferramentas geo-pedagógicas, torna-se possível contribuir para o processo educativo, utilizando práticas e reflexões em Educação Ambiental.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Edson Pereira de Souza, Antonio Hilario Aguilera Urquiza, Victor Ferri Mauro, Icléia Albuquerque de Vargas https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1591 Tramas na Formação de Professoras Migrantes: Significados, Trânsitos e Teias em Histórias de Vida 2019-07-18T15:32:58+00:00 Ilca Pena Baia Sarraf ilcasarraf@yahoo.com.br <p>Neste trabalho, analiso tramas nas histórias de formação docente, vividas por Raimunda Wilma Corrêa Vilar Brasil, Maria Dilma Corrêa, Rosiete Corrêa Siqueira, Jurema do Socorro Pacheco Viegas e Maria de Fátima Rodrigues Alves, mulheres migrantes que se fizeram professoras em Melgaço, município do arquipélago de Marajó, no Pará, entre as décadas de 1980 a 2010. Baseada no campo teoricometodológico da História de Vida, discuto trajetórias da formação docente à luz da legislação, da historiografia da educação e, especialmente, das narrativas das professoras migrantes. Por esse enredo, a questão que procuro responder ao longo da pesquisa é com que formação acadêmica essas professoras iniciaram a profissão docente em Melgaço e de que modo trilharam os caminhos da formação continuada? Para isso, o texto está dividido em três partes. Na primeira, “Escolha pela docência e significados da profissão”<em>, </em>enfoco os desejos profissionais e os sonhos vividos ou abandonados no exercício do Magistério pelas professoras migrantes. Em seguida, em “Nos trânsitos da Formação”<em>, </em>mapeio cursos e percursos vivenciados na prática da qualificação profissional e, por último, em “Múltiplas Teias na Vida das Professoras”<em>, </em>aponto limites e avanços no processo metodológico e relacional entre professor-aluno e demais agentes sociais que conformavam a realidade melgacense nas duas últimas décadas do século XX e primeira década do século XXI. Por fim, o estudo demonstra que investigar histórias de vida permite mergulhos em percursos pessoais, profissionais e práticas vividas em coletividade, mas apreendidos a partir da ótica e subjetividades das próprias professoras migrantes.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Ilca Pena Baia Sarraf https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1590 Aprendizagens e desaprendizagens sobre direitos sexuais e reprodutivos perante as experiências de saúde das mulheres negras rurais maranhenses 2019-06-07T02:29:21+00:00 Rosangela Sousa Veras rosangelaveras@ifma.edu.br O trabalho apresenta as questões preliminares do estudo sobre saúde sexual e reprodutiva de mulheres negras de comunidades rurais do interior maranhense. Para elas a única política pública de saúde disponível é o Programa Saúde da Família. Quando elas precisam fazer um pré-natal têm que se descolar até a unidade básica de atenção primária, localizada na sede do município, ou mais de 20 km até o Hospital Geral; caso elas precisem de um parto na rede hospitalar somente encontrarão maternidade nos municípios vizinhos, distantes mais de 30 km. Com estes casos, este artigo quer dar ênfase a outras vivências e práticas de saúde sexual e reprodutiva ainda não contempladas por política públicas universais. Aponta críticas à pretensão universalista dos direitos sexuais e reprodutivos conquistados pelo movimento feminista nas conferências da ONU, na cidade do Cairo em 1994 e em Pequim no ano de 1995. A luta por estes direitos tem sido marcada por reivindicações do livre exercício do corpo, principalmente por mulheres de classes médias. Fato que desperta indagações se todas as mulheres têm a percepção ou a reivindicação do seu corpo como uma propriedade individual? E quais forças sociais bloqueiam o avanço desses direitos a todas as mulheres? Os direitos sexuais e reprodutivos são entendidos como teóricos e utópicos visto que são idealizados como universais sem levar em conta as diferenças e contradições socioculturais. Falar de saúde sexual e reprodutiva de mulheres sem marcar suas pluralidades e sua as fronteiras das desigualdades, faz com que somente uma parte delas seja atendida. Portanto, este estudo reflete criticamente sobre o lugar do outro e a interação de suas múltiplas opressões. Para tanto, se apoia nas teorias interseccionais e nos estudos decoloniais. 2019-06-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) Rosangela Sousa Veras https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1589 Repertórios de Saberes e Crenças Afroindígenas em Dalcídio Jurandir 2019-07-18T15:32:58+00:00 Agenor Sarraf Pacheco sarrafagenor@gmail.com Jerônimo da Silva e Silva jero1978@unifesspa.edu.br <p>O complexo sistema religioso que constitui e orienta vivências, “sensibilidades de mundo (MIGNOLO, 2017)” e posicionamentos sociopolíticos de instituições, grupos e pessoas em territórios amazônicos revela fenômenos de crenças desafiadores para análises monolíticas e monoculturais. Desde o período colonial, os primeiros padres que se estabeleceram na região sentiram embaraços para enquadrar indígenas e depois africanos na ritualística do catolicismo português. Regidos pela incorporação seletiva (WILLIAMS, 1976; CERTEAU, 1998; MARTÍN-BARBERO, 2001; HALL, 2003), indígenas e africanos misturaram com maestria elementos de suas religiões com elementos da religião colonizadora. Nessas zonas de contato (PRATT, 2009), para além das formas de estranhamento e violência, emergiram traduções culturais em práticas de afetamento de lá e de cá, sociabilidades e complementaridades, gestando repertórios de religiões de matriz afroindígena em territórios da diferença colonial (MIGNOLO, 2013) que desestabilizaram padrões e normas da teologia cristã ocidental. Neste trabalho, mergulhamos em experiências religiosas interculturais comungadas por indígenas e africanos em zonas de contato na Amazônia sob o olhar da produção literária do romancista paraense e marajoara, Dalcídio Jurandir (19091979). Procuramos cartografar em romance deste literato, repertórios de saberes, fazeres e crenças afroindígenas para reconstituir complexas tramas do fenômeno religioso em nossa densa e extensa região. Para o alcance da proposta, embarcaremos na canoa dos Estudos Culturais, Pós-Coloniais e Decoloniais por intermédio da Cartografia para repertoriar essas práticas culturais nas interfaces de teorias e metodologias nômades que combatem convenções do pensamento moderno que separou ciência de religião, sagrado de profano, natureza de cultura, oral de escrito, entre outras abissalidades e formas de vida e de luta que não são puras, pois tradições são sempre reinventadas e etnicidades historicamente misturadas. </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Agenor Sarraf Pacheco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1588 Aprendizagens e desaprendizagens sobre direitos sexuais e reprodutivos perante as experiências de saúde das mulheres negras rurais maranhenses 2019-06-07T02:20:16+00:00 Rosangela Sousa Veras rosangelaveras@ifma.edu.br O trabalho apresenta as questões preliminares do estudo sobre saúde sexual e reprodutiva de mulheres negras de comunidades rurais do interior maranhense. Para elas a única política pública de saúde disponível é o Programa Saúde da Família. Quando elas precisam fazer um pré-natal têm que se descolar até a unidade básica de atenção primária, localizada na sede do município, ou mais de 20 km até o Hospital Geral; caso elas precisem de um parto na rede hospitalar somente encontrarão maternidade nos municípios vizinhos, distantes mais de 30 km. Com estes casos, este artigo quer dar ênfase a outras vivências e práticas de saúde sexual e reprodutiva ainda não contempladas por política públicas universais. Aponta críticas à pretensão universalista dos direitos sexuais e reprodutivos conquistados pelo movimento feminista nas conferências da ONU, na cidade do Cairo em 1994 e em Pequim no ano de 1995. A luta por estes direitos tem sido marcada por reivindicações do livre exercício do corpo, principalmente por mulheres de classes médias. Fato que desperta indagações se todas as mulheres têm a percepção ou a reivindicação do seu corpo como uma propriedade individual? E quais forças sociais bloqueiam o avanço desses direitos a todas as mulheres? Os direitos sexuais e reprodutivos são entendidos como teóricos e utópicos visto que são idealizados como universais sem levar em conta as diferenças e contradições socioculturais. Falar de saúde sexual e reprodutiva de mulheres sem marcar suas pluralidades e sua as fronteiras das desigualdades, faz com que somente uma parte delas seja atendida. Portanto, este estudo reflete criticamente sobre o lugar do outro e a interação de suas múltiplas opressões. Para tanto, se apoia nas teorias interseccionais e também busca referências nos estudos decoloniais. 2019-06-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) Rosangela Sousa Veras https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1586 Portuguarañol: língua de conhecimento e tradução da fronteira, em Xirú de Damián Cabrera 2019-07-18T15:32:58+00:00 Damaris Pereira Santana Lima dpslbrasil@gmail.com <p>Este trabalho é o resultado de leitura e análise da obra do escritor paraguaio Damián Cabrera. A narrativa do referido autor, apresentada neste texto, é o romance <em>Xirú</em>. Nessa obra, Cabrera apresenta um mundo fronteiriço como protagonista do romance. A narrativa de Cabrera aborda o cenário fronteiriço do Alto Paraná, onde as culturas se misturam, pois, dentre muitas das peculiaridades, as pessoas que povoam esse espaço são denominadas “brasiguayos” (brasileiros/paraguaios), que falam uma língua denominada “portuguarañol” (português/ guarani/ espanhol). Além de apresentar mais esta obra da literatura hispano-americana, este trabalho tem o objetivo de lançar luz sobre diversos conceitos como: crítica biográfica fronteiriça, literaturas de fronteira, estéticas periféricas e especialmente sobre o “plurilinguajeo” que ocorre neste <em>lócus. </em>Ressalte-se que neste resultado apresentado aqui, o tema foi delimitado nas questões linguísticas da/na tríplice fronteira: Brasil, Paraguai e Argentina, com base nas proposições de Walter Mignolo, sobre o “plurilinguajeo”.</p><p><em> </em></p><p>Palavras-Chave: Damián Cabrera; fronteira; literatura paraguaia; plurilinguajeo.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Damaris Pereira Santana Lima https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1587 Identidade Quilombola: Trajetória de um Conceito 2020-10-25T19:55:05+00:00 Lusinaide Cordeiro de Sales Lima Marques lusinaidecordeiro@gmail.com CELIOMAR Emídio MartinS celiomarga@hotmail.com Uhenia Caetano Pereira uhenea@hotmail.com Marlon Cristhian Bellé Duarte profmarloncristhian@gmail.com Maria Margareth de Sousa dos Anjos margasousa203@gmail.com <p>Neste artigo faz-se a contextualização da formação histórica e social dos quilombos no Brasil. Apresentamos ainda, as trajetórias dos negros escravizados e a construção da cultura e identidade dos quilombos em Goiás, bem como, as características de comunidades tradicionais. Aspectos como a expressão cultural e as particularidades da religiosidade quilombola são analisados de forma qualitativa como fenômenos sociais que contribuem para formação identitária desses povos. Historicamente, após recorrentes tentativas de exploração dos indígenas para obtenção de mão de obra, os colonizadores portugueses optaram por escravizar os africanos trazendo-os para o Brasil com o objetivo de utilizar a força braçal dos negros na aquisição de riquezas. Esses escravos não eram escolhidos aleatoriamente, mas sim por terem habilidades que interessavam aos colonizadores. Contudo, apesar de disporem de uma estrutura social bem organizada, eles eram levados como cativos mesmo possuindo habilidades políticas e organizacionais. Uma significativa quantidade de negros viveram no Estado de Goiás durante o sistema escravista, estima-se que em 1750 havia cerca de 20 mil escravos em Goiás que, mesmo sendo submetidos à exploração e castigos diversos, trabalhavam principalmente nas minas contribuindo com a economia daquele período. Em algumas ocasiões até mesmo a acomodação era uma maneira de resistir e muitos escravos viviam de maneira “amigável” com seus senhores, podendo trabalhar, juntar riquezas, comprar alforrias, e até mesmo adquirir escravos.</p><p> </p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Lusinaide Cordeiro de Sales Lima Marques https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1585 Os múltiplos extermínios dos corpos negros pela violência de linguagem: Uma reflexão das Fake News sobre Marielle Franco 2019-07-18T15:32:58+00:00 Ludmila Pereira de Almeida ludmilaletras@gmail.com <p>A militância política, atualmente, tenta encontrar seu discurso na reivindicação, no desafio da injustiça e, talvez, na enunciação das minorias, tomando seu lugar nas interações políticas atuantes. Nesse sentido, a atuação de Marielle Franco marcou uma posição de enunciação (BENVENISTE, 2006), isto é, o discurso-ato apropriou-se de um corpo politicamente ativo e falou por si, mesmo sendo nomeada de radical, por espaços e discursos dominantes. Seus enunciados tencionaram a conduta social do bom convívio e da cordialidade dos “cidadãos do bem”, os mostrando manifestantes de discursos de ódio. Com o assassinato de Franco ficou claro que, para sobreviver, pelo menos, a enunciação não pode ser um ato discursivo completo e, por conseguinte, não deve passar de um discurso generalizado ou esquivo da realidade. Após o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, o seu lugar de enunciação tentou ser contradito pela ideologia textual <em>Fake News</em>. As <em>Fake News</em> recortam questões reais para fazer enunciados infundamentados, com “seriedade informativa”, uma contra enunciação bem planejada e sustentada pela desinformação séria. Nessa perspectiva, nosso trabalho visa discutir os parâmetros discursivos das <em>Fake News</em> sobre Marielle Franco, considerando não só o seu ativismo, mas também o que o seu corpo simboliza face à estrutura social-racial brasileira (DJAMILA, 2015). Assim, propomos um olhar interseccional (CRENSHAW, 2002) sobre o corpo negro e as práticas de linguagem sobre ele que desembocam em contra enunciações, tensões e ideologias linguísticas que organizam o que é considerado “verdade”, e até quem pode/deve viver e morrer. Tanto que tal caso não é isolado, coincidentemente o homicídio de mulheres negras<em> </em>aumentou (MAPA DA VIOLÊNCIA, 2015) junto ao surgimento de movimentos sociais feministas e suas várias necessidades. Portanto, observamos o quanto as múltiplas execuções de um corpo-símbolo de esperança contra–hegemônica é projetado na mídia dominante, de forma que a construção colonial de uma memória, de um corpo físico e simbólico, passa a ser a representação de todo o grupo do qual faz parte.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Ludmila Pereira de Almeida https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1582 Performances de gênero: masculinidades no cinema a partir de dois filmes latino-americanos - Boi neon (2015) e Fango (2012) 2019-07-18T15:32:58+00:00 Joelma Ferreira Santos fsantos.joelma@gmail.com <p>As obras cinematográficas, como outras formas de expressão artística, constituem <em>locus</em> privilegiado para colocar em relevo aspectos da sociedade que são transformados em temas incômodos ou passíveis de ser invisibilizados pelos setores conservadores em determinados contextos históricos. É o caso, por exemplo, das múltiplas formas de “performar” o gênero ou ainda de exercer a sexualidade. Tema de grande relevância na atualidade, a relação sexo/gênero, assim como seu caráter biológico ou cultural, desperta debates calorosos, mas também conflitos e disputas ideológicas importantes, sobretudo nos últimos anos. O presente trabalho é fruto da análise preliminar de dois filmes latino-americanos da atualidade, cujas abordagens trazem pontos de reflexão acerca das representações de gênero. O objetivo principal é discutir, a partir dos filmes <em>Boi neon</em> (Direção Gabriel Mascaro, Brasil, 2015) e <em>Fango</em> (Direção José Celestino Campusano, Argentina, 2012), a relação sexo/sexualidade/gênero/identidade(s) através de personagens masculinos cujas <em>performances</em> se distanciam do perfil de masculinidade tradicional e de personagens femininos que “performam” masculinidades. Judith Butler (2002; 2003), Thomas Laqueur (2001), R. Connell (2015) e Joan Scott (1995), são os principais referenciais teóricos. </p><p> </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Joelma Ferreira Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1581 Estudos pós-coloniais e educação: diálogos com o currículo escolar e as relações étnico-raciais 2019-07-18T15:32:58+00:00 Cledinea Carvalho Santos keucarvalho@yahoo.com.br Wesley Santos de Matos wesleyxdmattos@hotmail.com Benedito Eugenio dodoeugenio@gmail.com <p>O século XX foi cenário de transformações políticas, econômicas e social em todo o planeta. Essas mudanças culminaram na fragmentação e dissipação das culturas no âmbito do multiculturalismo e a multipolarização do mundo. Isto surge na contramão do imperialismo bipolar eurocêntrico até então vigente. As mudanças emergentes muito têm a ver com a descolonização da África e Ásia, seguido da migração e diáspora destes povos após a Segunda Guerra Mundial. Este fato resultou em mudanças drásticas no cenário internacional e ficou conhecido como período pós-colonial. Tais acontecimentos propiciaram produções teóricas voltadas para o novo contexto e análises críticas ao velho modelo colonial. Isto tomou forma dando origem a nova corrente teórica, o Pós-colonialisimo. Para os teóricos dessa corrente, o Pós-colonialismo propõe descolonizar o pensamento a partir da crítica ao modelo imperialista eurocentrado numa nova concepção de produção epistemológica do Sul para O sul. Nesse sentido, o Pós-colonialismo, ao considerar como relevante os saberes subalternos, contribui para problematizarmos a hierarquização de saberes presentes no currículo escolar, tanto o prescrito quanto o praticado. O estudo da História e Cultura Afro-brasileira e indígena na escola ainda tem se constituído como um desafio, pois as Leis 10.639/03 e 11.645/08 questionam a lógica hegemônica de uma cultura comum e impõem a necessidade de questionamento das práticas pedagógicas e curriculares que silenciam saberes de diferentes grupos presentes no interior da escola. Este artigo aborda as discussões acerca das possibilidades trazidas pelas teorias pós-coloniais para pensarmos a educação das relações étnico-raciais e a educação escolar indígena. Tomamos como base, para isso, as contribuições de Boaventura Santos, Anibal Quijano, Catherine Waslh, Vera Candau. Procuramos apontar de que maneira essas teorias contribuem para a pesquisa em currículo e a diversidade étnica, tal como proposto pelas Leis 10639/03 e 11645/08.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Cledinea Carvalho Santos, Wesley Santos de Matos, Benedito Eugenio https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1579 América Latina por trás das Fotos: a Vivência com Povos e Comunidades Latino-americanas como Instrumento de Formação Social e Profissional 2019-07-18T15:32:58+00:00 Danilo de Santana Cardoso danilocardosoemail@gmail.com <span id="docs-internal-guid-24de3599-7fff-b69f-127c-a856edee0aa3"><span>Este artigo traz reflexões sobre um conjunto de vivências acadêmicas que percorreram povos e comunidades no Brasil e outros países latino-americanos. A partir de uma experiência pessoal, registros fotográficos e diálogos com os nativos, tenta-se romper com a polarização existente entre saber científico e o popular, através de uma interpretação friccional destes. O compromisso social e profissional entram em discussão ao se analisar o papel do pesquisador durante esse processo formativo, destaca-se, também, a aproximação dos povos e comunidades nativas com a possibilidade de disseminação de suas práticas, saberes e a chance de (re)interpretá-los, rompendo com as antigas barreiras que limitavam essas e outras discussões ao espaço acadêmico. Consequentemente, a viagem, a presença e os diálogos garantiram a ampliação da visão da América Latina na América Latina. </span></span> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Danilo de Santana Cardoso https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1580 A tonada Palhaço: comicidade ritual presente na Danza de Tijeras da Sequia Tusuy, em Puquio – Peru 2019-07-18T15:32:58+00:00 Ana Carolina Fialho Abreu anacarolinaabreu1886@gmail.com <p>Neste artigo, resultado de uma pesquisa exploratória que faz parte do meu período de doutorado co-tutela no Peru, no curso de Antropologia da <em>Universidad Nacional Mayor de San Marcos</em> busco sensivelmente revelar um espírito, dialogar com outra cultura, descrever com esmero algumas sequências da tonada Palhaço, presente no extenso repertório das (os) <em>Danzantes de Tijeras</em>, que no povoado de Puquio, nos Andes de Ayacucho competem representando a um <em>ayllu</em> (bairro) ou a uma família quechua. A <em>Sequia Tusuy</em> (Festa da Água) acontece no mês de agosto e setembro. Este momento do ano marca a subida dos <em>Auquis </em>(velhos sábios sacerdotes indígenas) até o ponto mais alto da cordilheira, nas <em>huacas</em> ou lugares sagrados para trazer a “água nova”. Nesta festa os <em>Danzantes de Tijeras</em> realizam o chamado <em>atipanakuy</em>, repertório completo de sua dança. A tonada Palhaço é um momento cômico desta jornada ritual em dança. Trata-se de “jogos” divertidos onde o público se torna protagonista. Conclui-se que mesmo sendo a <em>Danza de Tijeras</em> considerada em 2010 pela UNESCO como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, seus músicos e suas (seus) <em>danzantes</em>,<em> </em>em sua grande maioria vivem em duras condições na capital e em outras cidades do Peru.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Ana Carolina Fialho Abreu https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1551 A Produção de Territórios a Partir do Futebol 2019-06-09T20:39:34+00:00 Bruno Martins Vieira bruno.martins.vieira@hotmail.com <p>Esta pesquisa apresenta uma revisão empírica e bibliográfica de como funciona a dinâmica espacial do futebol para além das quatro linhas que demarcam o campo, tendo em vista que sua prática profissional movimenta uma economia expressiva e que de maneira controversa introduz uma prática democrática e acessível a todas as classes sociais. Neste panorama teremos a cidade de Florianópolis como recorte espacial para o desenvolvimento da pesquisa.</p><p>Os objetivos buscam compreender as interações humanas no espaço onde a prática do esporte é concebida e como esta influenciou na formação de territórios e; englobar também o processo de elitização do futebol em Florianópolis e suas contradições. O futebol está enraizado na cultura brasileira e na cultura local, refletindo de modo ímpar em cada espaço/tempo onde é estabelecida a sua prática.</p><p>Para isso, far-se-á uma contextualização histórica e comparativa da relação de Florianópolis com o futebol de outras cidades, estados e países. Em Florianópolis, o futebol tem como principais representantes o Avaí Futebol Clube (AFC), tendo sua sede, estádio e Centro de Treinamentos (CT) todos localizados no bairro Carianos (região sul da ilha), tornando sua estrutura bem centralizada entre si. Além do Avaí, há o Figueirense Futebol Clube (FFC), que possui suas instalações descentralizadas, o estádio e a sede localizam-se no bairro Estreito, que fica na porção continental da cidade, enquanto o seu CT está firmado em outro município, em Palhoça . Como resultado desta pesquisa espera-se compreender as riquezas culturais, bem como as dinâmicas espaciais que um esporte tão apaixonante é capaz de promover.</p> Copyright (c) Bruno Martins Vieira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1576 Batuques por negros e brancos 2019-07-18T15:32:58+00:00 Elisabete de Fátima Farias Silva lisafariasgeografia@gmail.com <p>Produto da diáspora, os Batuques acontecem entre as comunidades de tambor que têm na ancestralidade sua episteme própria. A partir dos relatos de batuqueiros e das experiências em Batuques no interior paulista, pretendemos pensar a relação étnico-racial entre negros e brancos nos Batuques, desvelando o com-viver pelos tambores (SILVA, 2016) que se realiza nas negociações a nível do corpo, enquanto intersecção existencial, com enfoque na dimensão geográfica (COSTA, 2017; RATTS, 2004) dessa relação.</p><p> </p><p> </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Elisabete de Fátima Farias Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1575 A poética do ator e o encantamento na capoeira 2019-07-18T15:32:58+00:00 Mateus Schimith Batista mateus.sba@gmail.com <p>Pela perspectiva da poética do ator, este estudo aborda a influência sonora na capoeira, refletindo sua concepção ritualística em aproximação com a prática cênica. Para isso, busca compreender a noção de estados corporais do ator em afinidade com a expressão <em>transe capoeirano</em>, cunhada pelo mestre de capoeira Decanio (2002), que a considera como um momento em que o jogador extrapola sua consciência como indivíduo, percebendo-se como integrante do ambiente no qual está inserido. Acredita-se, desse modo, que a musicalidade presente no jogo de capoeira seja o elemento fundamental para estabelecer o estado de corpo semelhante ao transe, o que permite investigar como essa relação pode ser determinante para entendimento dos estados de corpo na poética do ator. </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Mateus Schimith Batista https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1573 Cobertura jornalística e mobilização das emoções: as mortes de Luis Alberto Spinetta e Gustavo Cerati nas páginas de Clarín e Página/12 2019-07-18T15:32:58+00:00 Karin Helena Antunes de Moraes karin.helena@gmail.com <p class="western" align="justify"><strong><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times new roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><span><span>Este artigo tem como objetivo observar as formas de construção narrativa utilizadas pelas versões digitais dos diários </span></span></span></span></span></span></span></strong><strong><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times new roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><em><span>Clarín </span></em></span></span></span></span></span></strong><strong><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times new roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><span><span>e </span></span></span></span></span></span></span></strong><strong><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times new roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><em><span>Página/12 </span></em></span></span></span></span></span></strong><strong><span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times new roman', serif;"><span style="font-size: small;"><span><span><span>no anúncio das mortes de dois dos principais roqueiros argentinos: Luis Alberto Spinetta e Gustavo Cerati, dois eventos recentes que marcam a sensibilidade dos fãs do rock nacional. O rock nacional, um dos gêneros mais populares e representativos das culturas urbanas têm experimentado ao longo dos últimos 30 anos um processo de popularização na Argentina, processo este que desemboca em uma maior inserção deste tipo de produção musical em filmes, novelas, séries, jornais e revistas, além de uma vasta produção bibliográfica e acadêmica. Pretende-se observar de que forma os diários inserem estes personagens no campo da música popular e como são construídas as narrativas a respeito da morte dos dois músicos. Serão considerados os elementos utilizados pelas publicações e as formas de articular emoções com notícias. A proposta é realizar uma análise comparativa entre os dois diários para observar diferenças e semelhanças na cobertura destes acontecimentos.</span></span></span></span></span></span></span></strong></p><p class="western" align="justify"> </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Karin Helena Antunes de Moraes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1572 Memória Coletiva e Objetos Biográficos: estudo dos oratórios em Minas Gerais/Brasil do período colonial 2019-07-18T15:32:58+00:00 Nadja Maria Mourão nadjamourao@gmail.com Ana Célia Carneiro Oliveira anaceliadesign@gmail.com <p>O cotidiano da sociedade emerge das tradições de um povo e do seu convívio com o entorno. Alguns objetos recebem uma carga emotiva da vida humana e podem se transformar em objetos biográficos - que representam a cultura de uma sociedade. A memória coletiva é o conjunto de fatos escolhidos por um grupo social, com significados que constituem sua identidade, seus hábitos, sua cultura e tradições. Este trabalho apresenta o estudo dos oratórios, objetos biográficos oriundos da cultura portuguesa, identificados pela memória coletiva, de comunidades do Estado de Minas Gerais, desde o período colonial. A metodologia se realiza pela pesquisa bibliográfica de contextos temáticos e históricos. Em definição, oratório é um nicho ou armário, como uma capela doméstica. Essa pequena capela surgiu na Idade Média, como local para orações e reflexões, para o rei dedicado às práticas religiosas. Os oratórios são objetos que se estabeleceram na cultura mineira, sendo encontrados desde os grandes casarões até em senzalas, desde os tempos do Brasil Colônia. Há registros destes altares nas famílias devotas, que tem o desejo de guardar as relíquias e os objetos de piedade, em atitudes de intimidade com o mundo do sagrado. Os oratórios eram passados de mãe para filha, que guardavam os objetos de devoção em seus quartos e, quando se casavam, eles eram conduzidos para a nova família. Alguns oratórios são bem rebuscados, com entalhes, pinturas e diversos ornamentos. Outros oratórios são simples, como se fossem apenas pequenos armários. Os diversos materiais, tamanhos e estilos mostram hábitos e tradições. Além da influência da cultura portuguesa e seus artistas, são encontrados registros de entalhes de artistas espanhóis e franceses, que ajudaram a manter a herança da religiosidade nas famílias brasileiras. Contudo, esses objetos se constituem na diversidade da cultura mineira, oriundas da memória coletiva de seu povo.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Nadja Maria Mourão, Ana Célia Carneiro Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1540 Diversidade Cultural e Tecnologias Sociais: estudos para incentivar a autogestão de comunidades do Brasil e Argentina 2019-07-18T15:32:58+00:00 Nadja Maria Mourão nadjamourao@gmail.com Rita de Castro Engler rita.engler@gmail.com Ana Célia Carneiro Oliveira anaceliadesign@gmail.com Em tempos atuais, para combater as constantes crises que assolam as nações em todos os continentes, os padrões pré-estabelecidos não mais atendem as questões vivenciadas pela humanidade. Há uma busca constante por novos modelos de gestão, em todas as áreas e setores que demandam o desenvolvimento. Nesse estudo, apresentam-se dois estudos em comunidades na América Latina (Brasil e Argentina) que constroem experiências participativas para incentivo a autogestão. Acredita-se que as tecnologias sociais, oriundas de ações governamentais e não-governamentais, quase sempre apoiadas em políticas públicas, podem gerar possibilidades empreendedoras sociais, reafirmando suas especificidades identitárias. Pelo método da análise bibliográfica realiza-se uma busca de temáticas que possibilitem uma abrangência de conteúdos e exemplos que atendam aos objetivos da pesquisa. O evento “Encontro dos Povos do Grande Sertão Veredas” é realizado em Chapada Gaúcha, em Minas Gerais/Brasil. evento reúne pessoas de outros municípios, estados e países. Em meio aos festejos, realizam-se a comercialização de produtos locais por meio da moeda social - Veredas. Na Argentina, na periferia da cidade de Buenos Aires, a plataforma “Caminhos da Favela” busca soluções para problemas estruturais das comunidades, que participam da identificação desses problemas e promovem a integração entre os membros. Percebe-se que as tecnologias sociais além de solucionarem problemas pontuais reafirmam a cultura e a identidade das comunidades gestoras. São caminhos percorridos que se transformam em fatores diferenciais para possibilidades de desenvolvimento econômico. Os exemplos da diversidade cultural e modelos de tecnologias sociais em comunidades no Brasil e na Argentina apontam resultados efetivos. O diferencial dos exemplos se constitui no esforço para assegurar a identidade das comunidades e na abordagem da qualidade de vida em geração de renda. 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Nadja Maria Mourão, Rita de Castro Engler, Ana Célia Carneiro Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1571 Notas sobre estudar homens e masculinidades desde as teorias feministas e de género em Nossa América 2019-06-06T22:47:51+00:00 Nelson Soutero Coutinho Neto nelsonscneto@gmail.com <p>O presente trabalho tem como proposta reflexionar sobre como é possível estudar homens e masculinidades a partir das teorias feministas e de gênero, sobretudo a partir de Nossa América. Este artigo faz parte de um estudo maior de mestrado que busca, a partir da leitura de autobiografias de homens analisar as percepções de masculinidades e a construção do sujeito homem. Para tanto, são trazidas ao debate teóricas feministas e de gênero que desafiam os homens a (re)pensar suas formas de habitar o gênero e como eles próprio reproduzem desigualdades não sobrem frente as mulheres, mas a eles mesmos.</p> Copyright (c) Nelson Soutero Coutinho Neto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1493 MULHERES E RAÇA: UMA REFLEXÃO SOBRE POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL 2019-07-18T15:32:58+00:00 Victória Santos de Azevedo vics.azevedo@gmail.com Ana Carolina Einsfeld Mattos anamattos50@gmail.com <p>Durante o período colonial mulheres e homens negros foram tratados como propriedade privada pelo sistema escravista, o que produziu algumas características comportamentais que ainda refletem na atualidade, fazendo com que a população negra seja socialmente marginalizada. As mulheres negras, por sua vez, sofrem uma dupla marginalização, o que as deixa socialmente mais vulneráveis. O presente trabalho, construído a partir da coleta de dados bibliográficos e documentais tem como objetivo refletir acerca de políticas públicas e ações afirmativas que envolvem gênero e raça no Brasil, uma vez que diversas pessoas que se enquadram nesta intersecção têm suas vidas marcadas por programas sociais, os quais precisam ser elaborados partindo de abordagens sensíveis, ou seja, que partem das demandas levantadas pelos grupos.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Victória Santos de Azevedo, Ana Carolina Einsfeld Mattos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1570 Espaço Público em Sítios Históricos Urbanos no Processo de Formação Territorial na América Latina 2019-07-18T15:32:58+00:00 Rosalina Burgos rburgos.ufscar@gmail.com <p>O processo de formação territorial dos países latino-americanos envolve a gênese dos primeiros núcleos urbanos, num percurso de transformações socioespaciais e consolidação de um conjunto de sítios históricos urbanos na contemporaneidade. Apresentam-se como <em>lócus </em>para estudos sobre memória, identidade e patrimônio para diversas áreas do conhecimento. A partir da questão sobre a gênese, transformação e devir do espaço público, analisou-se o caso da cidade de Iguape no litoral sul paulista, região do Vale do Ribeira que possui territórios indígenas e quilombolas. Para um estudo comparativo no contexto do cone sul latino-americano, analisou-se a cidade de Colônia do Sacramento (Uruguai) bem como o território de fronteira das missões jesuíticas guaranis entre Brasil, Paraguai e Argentina. Caracterizam-se pela gênese num contexto de disputas territoriais no período colonial e por se constituírem na atualidade como patrimônios históricos, revelando ainda hoje conflitos na apropriação de seus espaços públicos em diferentes níveis que incidem sobre o cotidiano. Neste processo, a noção de espaço público subjaz à racionalidade eurocêntrica presente na concepção dos planos urbanísticos e nos padrões de sociabilidade impostos. Há, neste sentido, um hiato que separa uma concepção hegemônica de ver e compreender o mundo em detrimento daquelas que sucumbiram sob a força da violência no decurso da colonização portuguesa e espanhola. Entende-se que os espaços públicos abrigam uma densidade histórica que expressa a sobreposição de conflitos nos diferentes períodos da formação territorial desde o período colonial, apresentando-se como importante campo de investigação para compreensão do devir.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Rosalina Burgos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1569 Mayaelo: “Construir Comunidad Tejiendo Sensibilidades” Prácticas Y Resistencias Decoloniales 2019-07-18T15:32:58+00:00 Yuli Andrea Ruiz Aguilar yar.aguilar.2018@aluno.unila.edu.br <p>Se pretende exponer los resultados de la investigación titulada: ‘Mayaelo: Construir comunidad Tejiendo sensibilidades. Prácticas y resistencias decoloniales’, realizado durante el año 2016. Dicha investigación recupera experiencias de jóvenes que han transformado sus trayectorias personales a partir del vínculo con el Colectivo Casa Mayaelo<a title="" href="file:///C:/Users/Andrea%20Ruiz/Documents/BACKUP%2006-10-2018/DOCUMENTOS%2006-10-2018/ANDREA%202018/Documentos/Andrea/Eventos%20Ac%C3%A1demicos/Layout%20Artigos%20-%20Com%20identifica%C3%A7%C3%A3o%20REVISTA%20ESPECIAL%20SEMLACUT%202019.doc#_ftn1">[1]</a>, el cual desarrolla sus acciones en Bogotá, Colombia en el barrio periférico Arborizadora Alta, en este sentido se establece una discusión que buscó visualizar procesos sensibles desde los cuales se han establecido relaciones horizontales, formas de organización y creación comunitarias generando prácticas sociales para una transformación social y estética desde lo periférico. Este análisis se enmarca en la base teórica de la perspectiva decolonial contemplando el carácter fundamental de los lenguajes del arte y su contundencia en el diálogo con los saberes, pensamientos y prácticas subalternas o ‘subalternizados’. Con esto se pretende evidenciar formas de resistencia presentes en las historias y estructuras del saber y sentir local de las periferias urbanas latinoamericanas.</p><div><br clear="all" /><hr align="left" size="1" width="33%" /><div><p><a title="" href="file:///C:/Users/Andrea%20Ruiz/Documents/BACKUP%2006-10-2018/DOCUMENTOS%2006-10-2018/ANDREA%202018/Documentos/Andrea/Eventos%20Ac%C3%A1demicos/Layout%20Artigos%20-%20Com%20identifica%C3%A7%C3%A3o%20REVISTA%20ESPECIAL%20SEMLACUT%202019.doc#_ftnref1">[1]</a> Casa Mayaelo es un colectivo de jóvenes que inicia en 2007, han realizado diversas iniciativas a través de procesos que se encuentran en órbita con la apropiación de los lenguajes y herramientas del arte y la cultura.</p><p> </p></div></div> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Yuli Andrea Ruiz Aguilar https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1560 Iberescena: reflexões sobre uma ferramenta de fomento 2019-07-18T15:32:58+00:00 Anderson Albérico Ferreira andersonfolks@gmail.com Dayenny Neves Miranda dayenny@hotmail.com <p>O presente trabalho pretende trazer uma breve reflexão e um exercício de ambientação ao programa de fomento às artes cênicas, denCominado Iberescena, que atualmente, pouco mais de dez anos após sua criação, beneficiou 518 projetos e movimentou cerca de cinco bilhões de euros com o financiamento dos projetos aprovados. Logo, tal programa se caracteriza como um dos principais artífices de fomento ao setor cultural, no âmbito ibero-americano. O objetivo central que se busca com esta pesquisa, é fomentar o estudo e as discussões acerca dessa ferramenta de fomento que tem ganhado cada vez mais destaque. Desta forma, o trabalho é centrado em dois esforços básicos: em linhas gerais, o primeiro consiste em apresentar o programa, abordando sobre sua criação e circunstâncias motes de sua criação; no segundo, busca-se problematizar e provocar questões sobre suas metodologias e operação.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Anderson Albérico Ferreira, Dayenny Neves Miranda https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1564 Carreras de pre-grado: una oportunidad para fortalecer la política pública de territorialización de la Universidad Nacional de Entre Ríos (Argentina) 2019-07-18T15:32:58+00:00 Armando B Brizuela armando.brizuela@gmail.com César Augusto Aguirre cesaraguirredalotto@gmail.com Guillermo Rondán grondan035.gr@gmail.com Leandro Ezequiel Kinderknetcht kinderknechtleandro1@gmail.com <p>La Universidad Nacional de Entre Ríos, en Argentina, inicia en el año 2013 un plan de mejora académica sobre la base de la creación de carreras cortas vinculadas con el desarrollo territorial. Propone abrir un espacio de diálogo que permita identificar aquellas necesidades y demandas locales en las que la universidad pueda acompañar propuestas de formación profesional. También, bajo la premisa de la universidad integrada a la sociedad, se exploran nuevos caminos con ofertas académicas de pre-grado que pueden concretarse en aquellos espacios geográficos urbano-rurales – que la Universidad no cubre – y donde también el gobierno provincial promete acompañar a los municipios en las estrategias de desarrollo territorial. En este trabajo se reflexiona sobre el desarrollo territorial en cuanto se refiere a mejoras educativas en espacios geográficos que la Universidad puede cubrir y que constituyen una oportunidad para fortalecer su política pública de territorialización en la provincia de Entre Ríos. En la etapa de diagnóstico se procesan y analizan una gran cantidad de datos y variables, de censos o de encuestas, para lo cual los sistemas de información geográfica son especialmente adecuados. Aquí se muestra la aplicación de un SIG para analizar variables del Censo de población 2010 y de la base de datos del Plan de Desarrollo Territorial 2016 ambos de nuestro país. Se propone un procedimiento para completar bases de datos, obtener estadísticas e informes y representar los resultados en mapas y gráficos que son necesarios durante el diagnóstico e instrumentación de las nuevas carreras.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Armando B Brizuela, César Augusto Aguirre, Guillermo Rondán, Leandro Ezequiel Kinderknetcht https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1568 Educação Integral como política pública de acesso à Educação Ambiental Patrimonial 2019-07-18T15:32:58+00:00 Célia Souza da Costa celia.amapa@hotmail.com <p>A educação integral é uma política pública que aos poucos vem sendo incorporada na educação brasileira, o que gera transformações nas práticas pedagógicas, no currículo escolar e nos espaços de ensino e aprendizagem. Neste cenário, a escola abre possibilidades, para que além das disciplinas obrigatórias, também sejam oferecidas aos alunos oportunidades de conhecer, discutir e refletir sobre diversas temáticas, dentre elas está a Educação Ambiental Patrimonial. Portanto, o objetivo deste trabalho é discutir como a educação integral possibilita o desenvolvimento paradigmático e prático da educação ambiental patrimonial. Deste modo, a metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico, documental exploratório e de análise reflexiva. Para conceituar e refletir sobre a educação ambiental patrimonial foram eleitos os autores Marchette (2016), Florêncio et al. (2014), Florêncio (2015) e Riffel (2017). No âmbito da educação integral, analisamos documentos oficiais do Ministério da Educação e Cultura (MEC) e contextualizamos essas informações com o aporte teórico apresentado por Pestana (2014) e Pinho e Peixoto (2017). Ademais, a pesquisa ressalta a importância da educação ambiental patrimonial no contexto escolar que exerce um papel fundamental na construção de um indivíduo social e ambiental, pois é por meio de atividades específicas da educação ambiental patrimonial que o discente aprimora a sua identidade cultural, as questões de pertencimento, do cuidado, de conservação e de preservação dos bens materiais e imateriais que se constituem enquanto patrimônio cultural.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Célia Souza da Costa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1567 Escavar, descobrir e aprender: a arqueologia no processo de ensino-aprendizagem na Educação Básica 2019-07-18T15:32:58+00:00 Washington Kuklinski Pereira prof.washington.kuklinski@gmail.com <p>A disciplina História, na Educação Básica, tem como objetivo a análise das relações humanas desde o período da Pré-História até o período da decadência do Império Romano. O estudo sobre a Pré-História e a Antiguidade dos povos da Mesopotâmia, Egito, Grécia e Roma é distante cronologicamente e geograficamente da realidade dos estudantes brasileiros. Por este motivo, é um grande desafio para os professores de História o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem dessas temáticas. Por estes motivos, o objetivo deste trabalho é investigar e apresentar práticas docentes que, apesar do excesso de abstração para o desenvolvimento dos estudos históricos, que explorem em sala de aula projetos, atividades e práticas pedagógicas que auxiliem o conhecimento histórico sobre a pré-história e a antiguidade, tendo como base as experiências arqueológicas e a multiculturalidade no processo de aprendizagem.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Washington Kuklinski Pereira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1565 Educação Ambiental Patrimonial: um conceito em construção 2019-07-18T15:32:58+00:00 Célia Souza da Costa celia.amapa@hotmail.com <p>A Educação Ambiental Patrimonial é mais conhecida como Educação Patrimonial. Trata-se de um conceito que está em evolução, especialmente no Brasil podendo ser utilizada nos âmbitos formais, informais e não formais educativos. Epistemologicamente é um termo em construção que necessita ser difundido. No Brasil, a maior parte das obras acerca do patrimônio cultural são fomentadas por publicações do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) que adere ao termo Educação Patrimonial. O Brasil, assim como em outros países da América Latina possuem culturas e tradições específicas que necessitam ser cuidadas, protegidas, preservadas e conservadas por meio da Educação Ambiental Patrimonial (EAP), pois as intervenções e ações patrimoniais estão voltadas para o gerenciamento dos bens culturais materiais e imateriais, portanto do patrimônio cultural. O objetivo deste trabalho é discutir a importância da educação ambiental patrimonial enquanto conceito teórico. Para isso, utilizou-se como metodologia, a pesquisa qualitativa de cunho teórico bibliográfico por meio da leitura analítica e interpretativa. Dentre os autores que embasam a discussão acerca da educação ambiental patrimonial estão Marchette (2016), Paes (2013), Florêncio (2014/2015), Riffel (2017), Scifoni (2017) e Tolentino (2018). Já em relação à educação formal, informal e não formal destaca-se Maria da Glória Gohn (2006/2014). No viés da educação ambiental embasam a educação ambiental crítica Carvalho (2017) e Loureiro (2012); e Fiorillo (2015) sobre o meio ambiental cultural. Todos estes teóricos contribuem para a formação da concepção epistemológica da Educação Ambiental Patrimonial (EAP).</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Célia Souza da Costa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1566 Conceição Evaristo: escrevivências do corpo 2019-07-18T15:32:58+00:00 Viviani Cavalcante de Oliveira Leite vivianicoleite@hotmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com <p>Este trabalho tem por objetivo refletir e teorizar acerca de algumas noções presentes na vida e obra da escritora mineira Conceição Evaristo. A saber, memória (AMARAL, 2000), arquivo (DERRIDA, 2001), sensibilidade (MIGNOLO, 2003) e sensibilidades biográficas (NOLASCO, 2010). Para tanto, valeremo-nos do conto de Evaristo “Macabéa, Flor de Mulungu” a fim de ilustrarmos a reflexão proposta. Dessa maneira, as noções supracitadas serão embasadas nos pressupostos da crítica biográfica e crítica biográfica fronteiriça desenvolvidas respectivamente pelos intelectuais Eneida Maria de Souza e Edgar Cézar Nolasco. Por fim, almejamos considerar em nossa leitura, o bios e o lócus do sujeito bem como sua (in)corporação nas produções literárias e intelectuais, partindo da premissa de que com/no corpo é que se dão as “sensibilidades biográficas”.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Viviani Cavalcante de Oliveira Leite https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1562 Com o Pano em Mãos, Meu Nome é África: a Culminância da Experiência “Desfile de Turbantes” 2019-07-18T15:32:58+00:00 Gilmara de Souza de Brito profgilmarabrito@hotmail.com Marcos Antônio Bessa-Oliveira marcosbessa2001@gmail.com <p>Este relato de experiência é o resultado de um projeto interdisciplinar que aconteceu no Colégio Militar de Campo Grande-MS, durante os meses de junho a setembro de 2017, envolvendo as disciplinas de Língua Portuguesa e História nas turmas de 8º ano do ensino fundamental. O projeto buscou tratar do estudo das culturas africana e afro-brasileira e baseou-se em leituras, apresentações de vídeos, debates, discussões, tutoriais e oficinas sobre amarrações de turbantes, tendo em vista que o turbante dentro das culturas mencionadas foi utilizado como objeto de estudo durante toda a realização do projeto. No ano de 2017, o inicio e decorrer do projeto foi apresentado no “XXVII Congresso Nacional da Federação de Arte/Educadores do Brasil / V Congresso Internacional dos Arte/Educadores / II Seminário de Cultura e Educação de Mato Grosso do Sul – “Enquanto esse velho trem atravessa...”” que foi realizado durante os dias 14 a 18 de novembro daquele ano, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Porém, como o projeto ainda estava em andamento, não foi possível apresentar a sua finalização. Desta forma, este relato de experiência vem apresentar a culminância e os resultados deste trabalho, nos quais alunos e professoras se envolveram em busca de transpor a visão deturpada que ainda encontramos em nossa sociedade em relação às culturas africana e afro-brasileira, bem como os significados da utilização dos turbantes por sujeitos destas e de outras tantas culturas pelo mundo a partir das perspectivas dos Estudos Culturais.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Gilmara de Souza de Brito, Marcos Antônio Bessa-Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1561 Leituras e escritas de si e do outro: a sala de aula como ambiente multicultural 2019-07-18T15:32:58+00:00 Alessandra Fontes Carvalho da Rocha profa.alessandra.fontes@gmail.com <p>O presente trabalho busca discutir as decorrentes consequências da invasão de atitudes e opiniões leigas e do olhar “voyerísta” e massificado em relação às diferentes culturas que se relacionam, particularmente, nas salas de aula e em outros espaços escolares. Procurei analisar como o trabalho com a literatura e outras artes poderia servir para ajudar o homem a falar do homem - de si e do outro. Explicitei algumas possibilidades de prática docente que estimulam a construção de narrativas a partir da leitura contextualizada de textos pré-selecionados que dessem conta de dados culturais, a fim de promover a alteridade no ambiente escolar. O ponto central de minha preocupação está voltado para as possibilidades de articular o material selecionado para o trabalho feito em sala de aula com a perspectiva do pensamento antropológico junto à prática docente, pretendendo ajudar a delimitar materiais que contribuam para a alteridade e, por decorrência, o conhecimento dos elementos culturais e sociais de diferentes grupos humanos, e aplicá-lo ao trabalho do educador não só com os alunos, mas com si próprio, ajudando-o a desnaturalizar olhares e desvelar a polifonia existente nos espaços escolares.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Alessandra Fontes Carvalho da Rocha https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1559 Possibilidades Outras para (re)Pensarmos a Representação do Imaginário Sobre o Sujeito Negro no Ensino Brasileiro 2019-07-18T15:32:58+00:00 Gilmara de Souza de Brito profgilmarabrito@hotmail.com Marcos Antônio Bessa-Oliveira marcosbessa2001@gmail.com <p>Este trabalho trata-se de um resumo expandido da pesquisa que está sendo desenvolvida como dissertação para o Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Educação/PROFEDUC/UEMS-UUCG, pesquisa na qual estamos tomando a partir dos Estudos Pós-Coloniais, Estudos Subalternos, Estudos Culturais e Estudos de Cultura para questionarmos a Lei 10.639/2003 que torna obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio em nosso país, para (re)pensarmos a representação do imaginário sobre o sujeito negro no ensino brasileiro. Tomaremos de nosso lócus enunciativo para fazermos emergir possibilidades<em> outras</em> para (re)pensarmos esse imaginário, pois, vivemos em uma sociedade que sofreu processo de colonização e, de acordo com o pensamento Moderno/Colonial que se emergiu nesse contexto histórico, fomos relegados à marginalização e à subalternidade, cabendo para nós a (im)posição de “resto” do mundo nas fronteiras que dividem os centros de poder (Europa e Estados Unidos) do “fim do mundo” (América Latina). A nossa proposta não é trazer novas metodologias ou “ensinar” professores a lecionarem suas aulas, pois cansamos destas perspectivas que querem, através de metodologias, apontarem como “fazer” educação em nosso país. Queremos fazer emergir a tomada de consciência, para (re)pensarmos o nosso local nesse projeto global instaurado hoje em nossa sociedade, que nada mais é que uma neocolonização, que tem como modelo sociedades europeias e norte americanas, para que possamos (re)pensar possibilidades <em>outras</em> de posição no mundo. E, a partir destas perspectivas, faremos discussões bibliográficas embasadas em Bessa-Oliveira, Bhabha, Canclini, Freire, Hall, Hissa, Mignolo, Spivak e tantos outros, que se debruçam nas perspectivas teóricas apontadas e que emergem dos locais que sofreram tal processo histórico e que se “encaixam” dentro destas perspectivas como o “resto” do mundo.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Gilmara de Souza de Brito, Marcos Antônio Bessa-Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1543 Que política cultural é essa? Reflexões sobre a gestão pública da cultura nas universidades estaduais do Brasil 2019-07-18T15:32:58+00:00 Juan Ignacio Brizuela juanbrizuela.gpc@gmail.com Simonne Teixeira simonne@pq.cnpq.br <p>Para os estudiosos das políticas culturais é um grande desafio pensar em como se elabora a política cultural de uma universidade e, especialmente, como se materializa e se torna efetiva em seu território. Quem define as linhas estratégicas e as diretrizes de ação culturais em uma universidade? O dirigente municipal, estadual ou federal da pasta de educação e/ou cultura do governo ou o diretor do equipamento cultural universitário, geralmente associado à extensão? Poderia ser, ainda, o pró-reitor de extensão e, em algumas instituições de ensino superior, o pró-reitor de cultura que assume esse papel? Acaso não seria o próprio reitor o verdadeiro gestor cultural, com capital político e simbólico suficiente para orientar o desenvolvimento cultural da universidade? Nesse sentido, questionamos ainda: qual o papel dos centros, faculdades e laboratórios? Dos professores, estudantes, funcionários técnicos e trabalhadores comunitários? E em relação ao restante da comunidade e grupos artísticos, que influência exercem nas ações (e omissões) da universidade no campo cultural? Buscamos neste artigo esboçar algumas respostas a essas questões, não apenas considerando a noção de cultura acionada (seja sociológica ou antropológica), mas também discutindo a própria definição de política cultural e, consequentemente, as teorias e metodologias utilizadas para delimitar o escopo e abrangência do objeto de pesquisa. No caso das universidades estaduais, buscamos compreender as particularidades da gestão pública da cultura universitária e os processos de elaboração de políticas culturais nessas instituições de ensino superior do Brasil.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Juan Ignacio Brizuela, Simonne Teixeira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1558 Diálogos entre a América Latina e o Curdistão: aproximação entre movimentos anticoloniais do Sul Político 2019-07-18T15:32:58+00:00 Guilherme Borges Almeida guilherme.borgesalmeida@gmail.com Laura Marquesan Eschberger laura.marquesan@gmail.com <div class="page" title="Page 1"><div class="section"><div class="section"><div class="layoutArea"><div class="column"><p><span>O presente estudo busca estabelecer um diálogo entre os movimentos anticoloniais do Sul Político, tendo como base o movimento de Rojava e os movimentos latino-americanos explicitados pela Teoria Decolonial. Primeiramente, objetiva-se identificar como a Teoria Decolonial cria instrumentos para pensar o movimento curdo como sendo uma iniciativa questionadora da modernidade. Ademais, o trabalho tem o intuito de ressaltar a</span></p></div></div></div><div class="section"><div class="layoutArea"><div class="column"><p><span>importância de não restringir as lutas anticoloniais no ideário do Estado -nação, assim como enfatizar as estratégias práticas desenvolvidas por estes movimentos no processo de socialização do poder, sendo esta uma das críticas mais substanciais à modernidade/colonialidade. Em suma, o cerne do trabalho reside em apontar como esses movimentos se articularam em uma tentativa de ressignificar o discurso hegemônico tendo como base</span></p></div></div></div><div class="section"><div class="layoutArea"><div class="column"><p><span>epistemologias e cosmologia locais não-ocidentalizadas.</span></p></div></div></div></div></div> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Guilherme Borges Almeida, Laura Marquesan Eschberger https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1541 Diálogos entre a América Latina e o Curdistão: aproximação entre movimentos anticoloniais do Sul Político 2019-06-06T20:01:29+00:00 Guilherme Borges Almeida guilherme.borgesalmeida@gmail.com Laura Marquesan Eschberger laura.marquesan@gmail.com <p><span>O presente estudo busca estabelecer um diálogo entre os movimentos anticoloniais do Sul Político, tendo como base o movimento de Rojava e os movimentos latino-americanos explicitados pela Teoria Decolonial. Primeiramente, objetiva-se identificar como a Teoria Decolonial cria instrumentos para pensar o movimento curdo como sendo uma iniciativa questionadora da modernidade. Ademais, o trabalho tem o intuito de ressaltar a importância de não restringir as lutas anticoloniais no ideário do Estado-nação, assim como enfatizar as estratégias práticas desenvolvidas por estes movimentos no processo de socialização do poder, sendo esta uma das críticas mais substanciais à modernidade/colonialidade. Em suma, o cerne do trabalho reside em apontar como esses movimentos se articularam em uma tentativa de ressignificar o discurso hegemônico tendo como base epistemologias e cosmologia locais não-ocidentalizadas.</span></p> Copyright (c) Guilherme Borges Almeida, Laura Marquesan Eschberger https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1557 As representações femininas na obra Desonra de J.M. Coetzee 2019-07-18T15:32:58+00:00 Alyne Sousa Jardim alyne.jardim@mail.uft.edu.br <p>Este trabalho pretende analisar a representação da condição feminina no romance sul-africano Desonra (1999) do escritor J.M. Coetzee. Traduzido por José Rubens Siqueira e publicado pela editora Companhia das Letras. O romance retrata como pano de fundo, o contexto social pós-colonial na África do Sul e a perda da hegemonia branca. Especificamente o período pós-apartheid marcado por intensos conflitos inter-raciais, sociopolíticos e o medo advindo de duras leis segregacionistas e longos anos de dominação colonial. Período em que foram ceifadas riquezas naturais, culturais, e até mesmo os corpos e vidas dos Sul Africanos. Metaforicamente, a dominação dos corpos femininos corresponde ao ato de colonizar a terra, possuí-la. A obra revisita os acontecimentos históricos, denuncia a violência contra povos nativos e as disputas por território por um viés pouco aprofundado pelas Literaturas pós-coloniais. Através da visão e ação do protagonista David Lurie enfatiza a mudança de posições sociais e inversão de poder que ocorreram nesse período. Explorou o medo sentido em relação à violência do revide histórico, sentiu-se deslocado sem alternativas. Coetzee trabalha todos estes tópicos literariamente para alcançar uma maior ressonância artística. A análise teórica do estudo partirá dos conceitos sobre dominação feminina discutidos por Bourdieu (2002), estudos pós-coloniais e resistência discutidos por Bonnici (2012), Fanon(1968) e Bhabha (2003). Esta abordagem promove um constante diálogo entre a cultura e o imperialismo para a compreensão de aspectos políticos e culturais em momentos de descolonização com o intuito de favorecer os marginalizados e oprimidos resgatando sua história, sua autonomia, além de promover uma abertura democrática do debate acadêmico.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Alyne Sousa Jardim https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1556 Do encantado da floresta ao fantástico da escola: cosmologia Ticuna e as árvores das crianças 2019-07-18T15:32:58+00:00 Clarissa Lopes Suzuki clarissasuzuki@usp.br Eliene de Oliveira Aleixo elieneoliveiraaleixo@gmail.com <p>Este texto é um relato de experiências vivenciadas em um trabalho realizado no ano de 2014, na EMEF Desembargador Amorim Lima, escola da rede municipal da cidade de São Paulo. O projeto “Árvores e outras plantas do Amorim” foi desenvolvido com crianças de 6 e 7 anos, como parte dos estudos da Festa da Cultura, que tinha como tema “Os Povos Originários do Brasil”. Em consonância com a Lei 11.645/08, que altera a LDB 9394/96, tendo em vista uma aprendizagem significativa, o cuidado fundamental na realização do trabalho era não reproduzir estereótipos conservadores, que generalizam saberes e fazeres de culturas diversas e historicamente homogeneizadas, como aqueles encontrados nos livros didáticos estruturados pela lógica ocidental moderna. Nesse sentido, os contos Ticuna de <em>O</em> <em>Livro das Árvores</em>, organizado pelos Professores Ticuna Bilingues do Amazonas, que apresenta a cosmologia da etnia, inspirou o projeto, cujo objeto era reconhecer as árvores da escola, componentes essenciais nas brincadeiras diárias das crianças, disparando, dessa forma, a construção de um percurso de aprendizagem que não separa a razão da emoção. Para isso, em diálogo com as relações afetivas estabelecidas entre as crianças e as árvores da escola, foram experienciadas práticas de observação, nomeação e criação do povo Ticuna, o que desencadeou estudos de etnobotânica em tupi, cartografias das árvores, desenhos de observação, produções oral, visual e escrita e, por fim, a composição de um livro registrando todo o processo de aprendizagem. A experiência permitiu conhecer a complexidade da cosmologia Ticuna, desconstruindo a ideia do colonizador, quando afirma que “índio é tudo igual”, ao mesmo tempo que promove a valorização do conhecimento que se estrutura a partir das vivências cotidianas das crianças.</p><p> </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Clarissa Lopes Suzuki, Eliene de Oliveira Aleixo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1555 FESTIVAL DE PARINTINS – A EPOPEIA CABOCLA E A SEMIOSE LINGUÍSTICA E CULTURAL 2019-07-18T15:32:58+00:00 Djane Silva Sena lisblanc_am@hotmail.com Priscila De Oliveira Pinto Maisel priscilapinto@gmail.com <p>Estamos acostumados a valorizar a arte contida em telas e esculturas tudo o que mais aprendemos dentro dos padrões tradicionais. A obra só pode ser vista a partir de sua inserção como agente da história, portanto, uma história especial que, por sua vez, opera num campo específico e tem metodologias próprias, mas que, ao final, enquadra-se na história geral da cultura, explicando como será a cultura elaborada e construída pela arte. No contexto da cultura artística contemporânea, temos o Festival de Parintins. No meio da imensidão da floresta e dos rios da Amazônia, acontece um espetáculo a céu aberto, onde os Bois Garantido e Caprichoso enfrentam-se para o deleite de cerca de 80 mil turistas. Tal como em um teatro, assistimos a uma epopeia cabocla numa grande semiose linguística e cultural, mítica e histórica. Personagens e elementos imaginários como fontes de ligação e origem através do mito que nada mais é do que a encenação poética da linguagem. En esta investigación, buscamos compreender a importância da cultura do boi-bumbá para a região amazônica e como esta cultura se (re)constrói simbolicamente. Como metodologia, utilizamos a pesquisa qualitativa com abordagem descritiva. Como resultados, identificam-se simbolicamente sujeitos e histórias comuns a outras que se revelam memórias de temas correlatos à cultura indígena, cabocla e religiosidade, narrativas simbólicas, transmitidas de geração a geração.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Djane Silva Sena, Priscila De Oliveira Pinto Maisel https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1553 Os direitos do outro sob uma óptica pós-colonial de interculturalidade 2019-07-18T15:32:58+00:00 Thaís Maciel de Oliveira adv.thaismaciel@gmail.com <p>O paradigma eurocêntrico dos direitos humanos apregoa o discurso da heterogeneidade cultural, sem todavia esvaziar-se das bases ideológicas de poder e dominação. Dessa forma, o presente resumo rompe com a lógica colonial hegemônica e excludente, e propõe uma dialética ético-política da interculturalidade, problematizando as dinâmicas das relações culturais de gênero na atualidade. O objetivo do resumo caracteriza-se por propor a interculturalidade como resposta a uma perspectiva colonial ocidental de direitos humanos. Desse modo, instiga-se através da interculturalidade promover e impulsionar a diferença nas estruturas coloniais de poder, edificando novas compreensões, convivências, colaborações e alteridade. Portanto, essa lógica pós-colonial não tolera, nem incorpora o diferente dentro dos limites de um padrão pré-estabelecido de indivíduo. A lógica pós-colonial, nesse aspecto, vem criticar a visão multicultural de direitos humanos, a qual mantém e convive com a desigualdade social. Logo, através de um modo de raciocínio dedutivo, pesquisa qualitativa e bibliográfica, o estudo propõe o diálogo intercultural que torne visível a diferença e problematize a colonialidade do poder. Por conseguinte, a interculturalidade oferece o outro como paradigma para possibilitar a compreensão do pensar a partir do outro. Nesse sentido, a interculturalidade ultrapassa o discurso representando uma lógica, construída a partir da diferença. Com efeito, a pesquisa busca instigar a luta por reconhecimento das mais variadas identidades sob a perspectiva de gênero. Principalmente, diante das complexidades existentes nas relações sociais e das pluralidades de identidades, é necessário fomentar um diálogo que instigue o reconhecimento pelo outro, que proponha a alteridade e aceitação, para que não se torne apenas mais um discurso hegemônico reminiscente.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Thaís Maciel de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1550 Reflexões sobre a aplicação da Lei 10.639/03 em escolas da zona oeste do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense 2019-07-18T15:32:58+00:00 Monica Regina Miranda pesquisadoramonicamiranda@gmail.com <p>Essa abordagem visa evidenciar as especificidades e problemáticas geradas na implementação da Lei Federal 10.639/03, que versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana no currículo oficial da rede de ensino brasileira, em sua prática cotidiana. Neste contexto, o presente trabalho procura dar concretude ao problema de pesquisa sobre: a valorização da educação e os obstáculos de aplicação da lei 10.639/03 no sistema educacional básico, sendo a etnografia feita em quatro CIEP’s (Centros Integrados de Escolas Públicas) da Zona Oeste do Rio de Janeiro e da Baixada Fluminense, no ano de 2014/15. A partir da realização de entrevistas e da prática da observação participante, verificou-se que a aplicabilidade efetiva da lei em questão está diretamente relacionada com uma série de fatores existentes nas práticas dos atores presentes na esfera educacional (professores, diretores, pedagogos etc.) e de seus posicionamentos em relação à contribuição do negro à cultura afro-brasileira. Neste sentido, as relações étnico-raciais foram demarcadores primordiais para a compreensão, não somente das análises, mas como do objeto de estudo em si.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Monica Regina Miranda https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1549 A presença de haitianos no oeste catarinense: o encontro com a branquitude 2019-07-18T15:32:58+00:00 Claudete Gomes Soares claudetesoares@gmail.com <p>O objetivo desse artigo é evidenciar os significados atribuídos por estudantes universitários haitianos de uma universidade brasileira às suas experiências no Oeste Catarinense, seja como moradores da cidade de Chapecó e/ou região, seja como estudantes da UFFS (Universidade Federal da Fronteira Sul). Trata-se dos resultados de uma pesquisa sobre a integração haitiana no Oeste Catarinense em andamento, financiada pela FAPESC (Chamada pública 07/2015), que tem como objetivo investigar a presença negra, por meio da imigração haitiana, em uma região do país que constrói a sua identidade a partir da afirmação da branquitude, construída no marco de uma origem europeia sempre reivindicada em oposição aos povos racializados: indígenas e caboclos. Será explorado como os estudantes haitianos, a partir de suas experiências, têm significado, percebido e reagido a esse encontro com a branquitude. Os estudantes haitianos em suas narrativas sobre as relações que estabelecem com a cidade e com a universidade percebem e evidenciam relações de poder construídas por meio do sistema de representação racial? A tendência desses estudantes seria enfatizar ou minimizar o impacto do elemento racial como condiciontante de suas experiências na cidade de Chapecó e região? Existe a percepção por esses estudantes de que ocupam o lugar de <em>outsiders </em>na região Oeste Catarinense? Foram realizadas quinze entrevistas semiestruturadas com estudantes universitários haitianos. Para a análise dos dados coletados, tem-se utilizado os estudos sobre branquitude, as contribuições de Stuart Hall, Frantz Fanon, Norbert Elias e John Scotson, autores que nos possibilitam pensar a relação entre identidades e as estruturas de poder constituídas no marco da experiência colonial e da escravidão.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Claudete Gomes Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1545 Aisthesis e a Fruição Estética 2019-07-18T15:32:58+00:00 Gabriel Pereira Faria gabrieldelook@yahoo.com.br Jordan Antonio de Souza jordanbiblio@gmail.com Ludmila de Lima Brandão ludbran@terra.com.br <p>Pretende-se, neste trabalho, apresentar uma abordagem sobre a estética e a fruição que dela ocorre. Esta discussão torna-se central na arte contemporânea, uma vez que a estética se encontra sob suspeita aos olhos dos especialistas. Para pensar a fruição do expectador diante da obra de arte, coloca-se em voga a questão da estética e a retomada da sua origem semântica, aisthesis, para traçar um percurso sobre a estética que pretenda dialogar com a arte contemporânea. A arte atual dilui os limites entre arte e não arte, não há diferença entre um evento cotidiano e o acontecimento artístico. A arte está sendo feita, o artista está inventado, está em processo de criação e a estética está presa as suas definições tradicionais. Abordamos na origem do termo estética não apenas a aisthesis, como também, <em>poiésis</em> e <em>aisthetikôs</em> na tentativa de expor o fenômeno e a recepção do fenômeno integrante a esta discussão. A estética apresenta-se como o tecido sensível para pensar a arte no ocidente. O texto traz uma abordagem de Rancière sobre o regime estético da arte como uma forma específica de experiência estética.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Gabriel Pereira Faria, Jordan Antonio de Souza, Ludmila de Lima Brandão https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1547 Maracatu do Baque Virado: Da extensão ao diálogo 2019-07-18T15:32:58+00:00 Carlos Eduardo Amaral Paiva epaiva.ufmt@gmail.com Jessica Helena Silva jessicahelena.cp@gmail.com <p>Este artigo relata o projeto de extensão Ritmos e Elementos do Maracatu de Baque Virado, desenvolvido na Universidade Federal de Alfenas nos anos de 2016/2017. A partir da condição de coordenador do projeto e discente extensionista realizamos uma observação participativa e a comparação da prática do Maracatu dentro da Universidade com outros grupos tradicionais. Com isso buscamos problematizar a relação da universidade com as práticas da cultura popular, enfatizando as formas de organização, a transmissão dos saberes e a relação entre a cultura acadêmica e a cultura popular. Chegamos à conclusão que a prática de uma cultura popular dentro da universidade pode se configurar como um importante passo na democratização do espaço acadêmico não apenas no sentido de acesso, mas principalmente no sentido de convivência de diferentes organizações e práticas culturais.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Carlos Eduardo Amaral Paiva, Jessica Helena Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1544 Identidade, memória e cultura material: uma etnografia em torno do artesanato indígena Mbya Guarani no litoral do Paraná1 2019-07-18T15:32:58+00:00 Kassia da Cunha Antunes Coelho kassiadacunha@gmail.com Francieli Lisboa de Almeida francieli.almeida@ifpr.edu.br <p><span style="font-family: Times New Roman;">O presente trabalho discorre e busca fazer uma reflexão acerca do artesanato indígena produzido por um dos grupos Guaranis da família linguística Tupi-Guarani, do tronco Tupi: os Mbya Guarani que estão presentes por toda extensão do litoral do Paraná, do qual buscou-se compreender as possíveis dimensões dadas ao artesanato através da exposição “<em>Nhande Mbya Reko</em>: Nosso jeito de ser guarani<em>”, </em>realizada no Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade Federal do Paraná (MAE-UFPR). Este trabalho foi produzido através de um projeto de iniciação científica e tem como objetivo central, a observação analítica e investigativa acerca das várias atividades que estão presentes no artesanato produzido pelos indígenas em questão. Procurou-se também compreender a importância sociocultural e econômica do artesanato para a comunidade, envolvendo a concepção de identidade, memória e cultura material; compreendendo a forma singular de relação com cada um dos processos que envolvem a concepção dos objetos por eles produzidos, e por fim refletir as possíveis relações com os não-índios em sua fase final de troca ou venda dos artefatos produzidos. É importante destacar que o litoral paranaense conta com sete aldeias indígenas com forte presença dos Mbya Guarani, e que a manutenção e valorização desses artesanatos é também um meio de resistência local. Neste sentido, durante a exposição ficou claro que a equipe do MAE buscou-se dialogar com a realidade por eles vivida, através de saídas de campo e reuniões realizadas com os representantes das comunidades, afim de construir a exposição por meio de uma curadoria compartilhada, percebendo com maior sensibilidade as nuances existentes nos aspectos citados anteriormente.</span></p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Kassia da Cunha Antunes Coelho, Francieli Lisboa de Almeida https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1542 Clarice e Macabéa: representações do bios e da morte 2019-07-18T15:32:58+00:00 Anny Caroline de Souza Marques annymaarques@gmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com.br <p>Este trabalho visa elaborar um perfil ficcional da escritora brasileira Clarice Lispector, fundamentado no recorte epistemológico crítico biográfico fronteiriço (NOLASCO, 2015), teorização cunhada por Edgar Cézar Nolasco no texto “Crítica biográfica fronteiriça”. Para tal, realizaremos uma leitura eminentemente de caráter bibliográfico, relendo <em>A hora da estrela </em>(1997), romance em que Clarice narra, através do escritor Rodrigo S.M., a história de uma jovem nordestina de Alagoas, criada pela tia, na cidade do Rio de Janeiro. Em um primeiro momento, buscaremos abordar a figura da intelectual Clarice à luz dos postulados de Edward Said na obra <em>Representações do intelectual</em> (2005), bem como a política na escritora. Além disso, buscaremos articular esta relação crítica e intelectual com o <em>bios</em> da escritora na esteira das reflexões de Eneida Maria de Souza em <em>Janelas indiscretas</em> (2011). Vale salientar que esta discussão emerge da fronteira-Sul, que é tanto territorial quanto epistemológica, e está atravessada por nossas sensibilidades biográficas (NOLASCO, 2015) enquanto sujeitos que pensam e articulam uma leitura acerca da escritora brasileira a partir deste lugar. Como resultado, espera-se contemplar a figura da intelectual, distanciando-a das imagens atribuídas a ela e à sua obra como “literatura de mulherzinha”. Esse texto respalda-se em teóricos, dentro outros, como Edgar Cézar Nolasco, Eneida Maria de Souza, Walter Mignolo, Edward Said, Silviano Santiago e Nádia Battella Gotlib. Algumas obras que contribuirão para a discussão proposta aqui são: <em>CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS</em>, <em>Crítica cult</em> (2002), <em>Janelas indiscretas</em> (2011), <em>Representações do intelectual </em>(2005), <em>Histórias locais/projetos globais</em> (2003), <em>A louca da casa</em> (2004), <em>Clarice uma vida que se conta</em> (2010).</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Anny Caroline de Souza Marques, Edgar Cézar Nolasco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1539 Direito e Literatura: repensando a diversidade de gênero através de uma perspectiva literária 2019-07-18T15:32:58+00:00 Thaís Maciel de Oliveira adv.thaismaciel@gmail.com <p>Por meio de uma interpretação literária, este estudo tem por escopo problematizar a delimitação de estereótipos no meio social. Dessa forma, contextualizando as imposições morais e comportamentais com os personagens literários do romance <em>Senhora,</em> de José de Alencar, objetiva-se propiciar uma dialética <em>queer</em> de reconhecimento da diversidade de gênero. Portanto, a representação feminina personificada em Aurélia apresenta quebra de estereótipos, quando esta assume, no romance, comportamentos específicos ao gênero masculino. Nesse aspecto, o meio social e cultural também são problematizados como delimitadores do comportamento do indivíduo. O caminho utilizado para produção do presente trabalho foi o método de raciocínio dedutivo, e o método de procedimento escolhido foi o qualitativo. Desse modo, contextualizando as ideologias e posicionamentos sociais do século XIX com a sociedade do século XXI, há possiblidades de construir uma narrativa epistemológica <em>queer</em> voltada para o reconhecimento da diversidade. Logo, o romance <em>Senhora</em> fornece subsídios para uma discussão sobre os papéis normativos do gênero masculino e feminino, assim como os conflitos morais e sociais que giram em torno do indivíduo na sociedade pós-moderna.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Thaís Maciel de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1494 Memória Cultural: uma experiência em comunidades de Minas Gerais/Brasil 2019-07-18T15:32:58+00:00 Ana Célia Carneiro Oliveira anaceliadesign@gmail.com Nadja Maria Mourão nadjamourao@gmail.com Rita de Castro Engler rita.engler@gmail.com <p>Esta atividade é parte do estudo sobre a memória e cultura dos objetos residenciais no Brasil, que analisa os hábitos e os costumes estabelecidos na relação com objetos de desejo. Investiga-se a história destes objetos nas casas brasileiras e seu contexto social. Relata-se sobre um projeto social que envolve questões relacionadas à memória de objetos de vivências. Este projeto, de ação extensionista, teve o objetivo de oportunizar o fortalecimento das relações de pertencimento junto às comunidades da região da capital mineira, por meio de oficinas de memória. As oficinas (workshops) são instrumentos metodológicos que possibilitam maior espontaneidade e expressividade com o objetivo de refletir e reviver a memória cultural, pelo design social. A metodologia consiste na realização de oficinas e debates com a comunidade por meio do lúdico em espaços inusitados. As oficinas foram executadas em dois grupos: no Palácio da Cultura em Matozinhos/MG e Gráfica O Lutador, em Belo Horizonte/MG tendo como público alvo alunos da comunidade que participavam de cursos de artesanato ofertados por estas instituições. Nas análises das oficinas, percebe-se que muitos objetos foram usados em épocas passadas e até hoje existem com funções muito semelhantes às iniciais. Todos são objetos que marcaram gerações, porém existem até hoje e pouca coisa foi modificada desde seu surgimento. Um objeto para ser memorável ou afetivo não precisa estar associado a valores monetários e sim aos acontecimentos e as sensações que existiu quando o utilizava. As emoções afloram e os vínculos se restabelecem. As memórias trazem o imaginário, o senso coletivo de um tempo vivido no âmbito individual, familiar e também em sociedade. Fortalecem os vínculos com o território e com a cultura local em possíveis intergerações.<strong></strong></p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Ana Célia Carneiro Oliveira, Nadja Maria Mourão, Rita de Castro Engler https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1534 Estudos para incentivar soluções sociocriativas por meio de tecnologias sociais na America Latina 2019-07-18T15:32:58+00:00 Rita de Castro Engler rita.engler@gmail.com Nadja Maria Mourão nadjamourao@gmail.com <p>No mundo atual, as tecnologias sociais se tornaram alternativas para solução de problemas estruturais da sociedade, de forma simples, de baixo custo, replicáveis e apoiadas por instituições. Elas estão fundamentas em duas bases para sua propagação: a participação de pessoas das comunidades que as desenvolvem, e a sustentabilidade nas soluções apresentadas. No Brasil e países vizinhos, são encontrados exemplos de tecnologias sociais, certificadas pela Fundação Banco do Brasil, que geram soluções sociocriativas. Pelo perfil associativo e solidário, essas tecnologias sociais são mecanismos que promovem a autogestão, fator relevante, em tempos de crise econômica. O objetivo dessa pesquisa é analisar o desenvolvimento dos projetos de tecnologias sociais, de forma que possam ser replicados em outras comunidades da América Latina, em soluções sociocriativas. A metodologia compreende pesquisa bibliográfica de contextos temáticos. As questões das comunidades de fronteiras podem ser compreendidas pela semelhança das dificuldades territoriais, que são abrandadas por fatores culturais. É analisado o potencial de compartilhamento das tecnologias sociais em inteligência sociocriativa. Esta pesquisa é um estudo das possibilidades de gerar soluções em conjunto, em um mundo onde, as opiniões diferentes de questões políticas e culturais, geram conflitos e exclusão. A inteligência sociocriativa propõe a conexão da diversidade de olhares e pensamentos, inclusive opostos, para criar realidades mais inclusivas e sustentáveis. Modelos de tecnologias sociais podem promover o diálogo entre comunidades, inclusive entre fronteiras, em experiências semelhantes. Um dos exemplos é o projeto "10caminhos" que propõe solução em geração de renda para as populações em situação de vulnerabilidade econômica ao crime. Tem como objetivo organizar o primeiro distrito criativo na tríplice fronteira Brasil, Argentina e Paraguai. Assim, em Foz do Iguaçu/Brasil, foi criado o primeiro núcleo na comunidade da Vila C - uma tecnologia social em modelo sociocriativo. Espera-se que este se torne um distrito criativo, um referencial da tríplice fronteira Latina Americana.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Rita de Castro Engler, Nadja Maria Mourão https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1537 Moisés Bertoni: Ciência e Estado-Nação (1890-1929) 2019-07-18T15:32:58+00:00 Wagner Henrique Neres Fiuza wagnerunicentro@hotmail.com <p>Poderia ser a ciência uma forma de afirmar, consolidar ou estremecer relações internacionais? Em que medida a ciência se produziu nesta relação entre nacional e internacional na América Latina no início do século XX? Estas perguntas surgiram na pesquisa sobre a obra de Moisés Bertoni durante o período em que viveu e publicou na República do Paraguai (1890-1929). Nascido na Europa, Bertoni escolheu o Paraguai para trabalhar e findar seus dias. Ali, empreendeu enorme trabalho científico de campo e fundou sua própria editora, a Ex Sylvis. A partir dali, publicava seus resultados e também recebia publicações do mundo todo. O financiamento estatal, mesmo que precário, estabeleceu estreitas relações entre o Estado e a produção intelectual de Bertoni. Não sem razão, ele e sua família representavam o Paraguai em congressos científicos internacionais, estabelecendo contatos e buscando afirmar um lugar para ele no circuito científico e para aquele país no concerto das nações. Em fase inicial, a pesquisa aponta a relação entre o esforço científico de perseguir leis e regras universais, e a delimitação dessas práticas em fronteiras nacionais. Neste sentido, o cientista Bertoni é co-participante da construção do estado-nação paraguaio, de suas significações identitárias e da fixação de suas fronteiras simbólicas.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Wagner Henrique Neres Fiuza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1536 Moisés Bertoni e o Povoamento da América: primeiras questões 2019-07-18T15:32:58+00:00 Wagner Henrique Neres Fiuza wagnerunicentro@hotmail.com Qual a origem dos povos que habitavam a América quando da chegada dos europeus? Entre as mais diferentes respostas já construídas nos últimos séculos, a obra <em>La Civilización Guarani</em> (1922) foi escrita a partir de relatos da América colonial e de análises da antropologia linguística do cientista suíço-paraguaio Moisés Bertoni. Nela, Bertoni objetivou localizar a origem dos povos guaranis como sinônimo da origem humana na América. Neste percurso, motivado pela crença na ideia de uma ciência universal, sua pesquisa procurou estabelecer hipóteses sobre o povoamento da América do Sul. Imerso em um vasto campo de experimentação científica e intenso confronto entre empiria e teoria, os debates de que participou sobre a origem dos povos americanos pode ter como efeito colateral a discussão sobre a origem, a identidade e o lugar social das populações indígenas no estado-nação moderno. Até este momento da pesquisa, pode-se afirmar que a ciência produzida por Bertoni insere-se numa rede de (re)significação do passado colonial e indígena. 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Wagner Henrique Neres Fiuza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1535 O Problema do Colonialismo na Era dos Museus Hiperconectados 2019-07-18T15:32:58+00:00 Lucas Monteiro de Araujo araujo_lucas@outlook.com Agenor Sarraf Pacheco sarrafagenor@gmail.com <p>As últimas décadas presenciaram mudanças ligeiras e exponenciais no campo tecnológico e comunicacional, com destaque para a criação da internet que ampliou e facilitou o acesso a informações em níveis globais. Frente a estas novas reconfigurações, os museus viram surgir uma ferramenta nova e aliada à disseminação de conhecimentos e interação com o público. Atualmente são poucas as instituições museológicas que não possuem website, as antigas cartas deram lugar a e-mails, catálogos deram lugar a coleções online, visitas virtuais, softwares de interação em tempo real, tudo possível de ser acessado em qualquer parte do mundo. O fato é que vivemos em uma era de museus hiperconectados – o próprio Conselho Internacional de Museus escolheu a hiperconectividade como temática para o dia dos Museus de 2018. Contudo, juntamente com estas novas perspectivas, também surgiram novos desafios e problemáticas, valendo destacar aqui a necessidade cada vez mais crescente de informações disponibilizadas pelas instituições museológicas. Este trabalho situa-se dentro deste debate, buscando problematizar o conteúdo veiculados por museus em suas plataformas digitais. Para tanto, tomamos para estudo o caso de coleções marajoaras digitalizadas e disponibilizadas nos sites de museus internacionais. Estas coleções são formadas principalmente por fragmentos cerâmicos, além de espécimes zoológicos e botânicos, cujas informações disponibilizadas se limitam a dados eminentemente técnico. Nossa compreensão é que esta forma de exposição revela um caráter colonialista dos museus, pois além de obscurecerem a “vida social” destes objetos, ainda reduz à cosmovisão dos grupos ali representados a números e medidas.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Lucas Monteiro de Araujo, Agenor Sarraf Pacheco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1533 Marias que contam histórias: a escrita da vida e as marcas de uma escrita negra em três autoras brasileiras 2019-07-18T15:32:58+00:00 Maria de Nazaré Barreto TRindade moaraufpa@hotmail.com <p>Este artigo pretende fazer uma discussão sobre a produção literária de três autoras negras, diaspóricas e que até bem pouco tempo estavam ausentes das rodas de conversas, das discussões acadêmicas e das referências de autores considerados como os grandes críticos da literatura brasileira, entre eles Alfredo Bosi e Antonio Candido. Três mulheres, mil histórias - mil formas de se contar: a escrita de Maria Firmina, Carolina de Jesus e Conceição Evaristo compõem a busca de se construir outro cânone literário ou pelo menos de assegurar o lugar de fala e de escrita de escritores (as) negros (as) postos no completo anonimato. Alguém incomodada com a forma estrutural como a literatura organiza os seus lugares, penso que é necessário se construir outro, um que traga das margens, os inominados, os ausentes, aqueles que tendo nome foram apagados, aqueles que assim mesmo teimaram em escrever no tecido de dias e noites sua história, suas angústias e esperanças, suas palavras, suas coisas, seus diários, seus dizeres, suas dores e lamentos, sua vida, em papéis catados no lixo, em noites mal dormidas por dificuldades de uma vida inteira. Enfim, a tarefa central é estudar e produzir conhecimento sobre a literatura de um grupo subalternizado pela história de escravização, pelas diásporas. É uma escolha ideológica também trazer para a superfície do papel a escrita de mulheres que ousaram falar a partir do seu espaço de pertencimento, a partir das suas lutas que deixam de ser individuais para se tornarem lutas de um povo, de um coletivo social.<strong></strong></p><p>Palavras-Chave: Diáspora; Literatura negra; Mulheres; Subalternos; Interseccionalidade</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Maria de Nazaré Barreto TRindade https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1530 Educação e cultura em debate para o ensino de arte subalterno 2019-06-09T21:29:54+00:00 Joelma Pereira de Souza jsouza89@hotmail.com <p>Este estudo originou a partir da disciplina de “Arte, Cultura e Educação na Formação Docente com perspectivas dos Estudos de Culturas”, do Mestrado Profissional em Educação, na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) na Unidade Universitária de Campo Grande (UUCG). O qual objetiva a partir de narrativas e ensaio crítico-biográfico sobre o entendimento de Arte, Cultura e Educação, desmitificar o pensamento moderno europeu como saber científico universal, embasadas em Souza (2002), Hissa (2001) e Hall (2016). E presentar uma possibilidade de ensino e aprendizagem em arte, considerando a cultura local como fonte de conhecimento, e desse modo analisar o Referencial Curricular da Rede Municipal de Ensino de (REME - 2008), em específico as ementas curriculares de Artes Visuais, da cidade de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul (MS) e as reformulações apresentadas na Base Nacional Curricular Comum (BNCC). E que após reflexões bibliográficas consideramos que o ensino de arte está formulado no pensamento moderno europeu, mas que a partir de novas epistemologias, a produção local também torna-se saber científico, uma vez que este considera as especificidades culturais a qual está inserido.</p> Copyright (c) Joelma Pereira de Souza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1531 Pontes e Viadutos e a Cidade Contemporânea: Pontes ou zonas Fronteiriças na Cidade? 2019-07-18T15:32:58+00:00 FABIANE KROLOW fabianekrolow@gmail.com José Serafim Bertoloto serafim.bertoloto@gmail.com <p>Diferenças e concepções de fronteiras, em zonas fronteiriças urbanas. A interconexão entre terrestre e águas, a problemática entre fronteiras, espaços semelhantes, diferentes e miscigeno. As ligações possíveis em Cuiabá Mato Grosso através <strong>da Ponte Júlio Muller</strong>. O presente artigo propõe uma análise em relação aos diferentes <strong>processos de reterritorialização e ressignificação nos espaços criados na cidade</strong> com a construção de <strong>Pontes</strong> e Viadutos, buscando entender a efetiva <strong>criação de “pontes” culturais na cidade</strong>. A análise realizada no artigo tem como objeto de estudo da principal Ponte de Cuiabá, na região metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, que une as cidades de Cuiabá e Várzea Grande.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 FABIANE KROLOW, José Serafim Bertoloto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1529 FORMAÇÃO LEITORA E ESCRITORA: sujeitos que leem, contam e encantam na Formação inicial e Continuada. 2019-07-18T15:32:58+00:00 Isabel Cristina França dos Santos Rodrigues janibel8@yahoo.com.br <p>O trabalho tem como objetivo analisar os dados preliminares de uma pesquisa realizada em escolas públicas da região metropolitana de Belém do Pará pautada nas narrativas e nas produções (performances das práticas de leitura, escrita e de contação de histórias) dos docentes de modo a criarem condições para que também contassem outras versões das respectivas histórias no processo de ensino-aprendizagem nos Anos iniciais. O tipo de pesquisa selecionado foi a Observação participante, posto que se estabeleceu uma parceria com os sujeitos de maneira propositiva. Os principais momentos da pesquisa foram as seguintes: apresentação das diversas possibilidades de histórias a partir do que os docentes já tinham, contavam ou liam para os alunos; observação e filmagem de como eram contados, lidos, apresentados os diferentes objetos de leitura presentes nos contextos; estudos com a equipe a respeito das estratégias de trabalho envolvendo os materiais e como as performances conseguiam potencializavam os temas tratados, em especial, do modo como cada profissional conduzia as atividades posteriores aos momentos de leitura e de escrita/reescrita dos textos. As equipes eram divididas sempre na dinâmica das diferentes escolas valorizando a diversidade cultura da Amazônia paraense, os materiais distribuídos pelo MEC (PNAIC) e o cotidiano das escolas. Os resultados preliminares revelam para além do que discutíamos, a articulação das atividades propostas pelo projeto e as práticas já desenvolvidas pelos professores favoreceram: ampliação do repertório das crianças, independentemente, dos níveis de apropriação do sistema de escrita alfabética; os docentes potencializaram ao longo das oficinas e minicursos suas competências leitoras e escritoras (muitos criaram histórias com seus colegas de estudo do projeto). Isso evidenciou o quanto a pesquisa pode favorecer aspectos que também dialoguem com a extensão e com o ensino em espaços formativos que se constituem nas relações com os sujeitos.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Isabel Cristina França dos Santos Rodrigues https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1507 O CRAM Rejane Marisa dal Bó e sua importância para o enfrentamento da violência contra a mulher 2019-07-18T15:32:58+00:00 Ana Luisa Hickmann contato.analuisahickmann@gmail.com Lorena Rodrigues de Freitas lorenadefreitas@gmail.com <p>A presente pesquisa, ainda em andamento, visa realizar um apanhado histórico sobre a violência contra a mulher, os tipos de violência que sofrem as mulheres, e tem como objetivo também descrever o serviço ofertado pelo Centro de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência (CRAM) Rejane Marisa dal Bó, que atua no município de Foz do Iguaçu, prestando acolhimento e acompanhamento a mulheres que estão ou já estiveram em situações de violência. Neste trabalho, irei discorrer sobre alguns pontos fundamentais para tratar do tema da violência contra as mulheres, debatendo sobre os conceitos que envolvem o assunto, que ainda é tratado como tabu.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Ana Luisa Hickmann, Lorena Rodrigues de Freitas https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1526 Essay on Decolonial Aesthetics in Latin America 2019-07-18T15:32:58+00:00 Paula Luciano pomaricopaula@gmail.com <p>This essay aims to trace an overview of the decolonial aesthetics through the analysis of artistic expressions that occurred in Latin American territory. This analysis will allow us to enhance the cultural and artistic practices within its plurality and the typical spatial archetypes within its temporal resignification. The necessity of creation and the search for new epistemological fields translate the historical movements of the Latin-American cultural <em>mouvance</em> and the juxtaposition of temporalities, practices and the confluence of knowledge. We can find a stage of resistance and socio-historical borders subverted, mainly in the context of artistic and cultural manifestations and its capacity of invention and relativization. This essay aims to bring a reflection on the construction of cultural spaces and the dismantling of a single hegemonic perspective to define the artistic practices. The analysis and the epistemological questioning of the Latin-American trans-historical movement delineates an overview of the history of artistic productions that came out of practices and every-day life inventions and the elaboration of temporary spaces of claim and contestation through exhibitions, performances, festivals, and so forth. The idea of subverting a geopolitical imaginary and a cartography of the world (even if initially in local dynamics) consists of a central focus of this work.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Paula Luciano https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1528 Eu, nós, eles, aqui e acolá: conjugações da invenção do outro 2019-06-06T19:25:40+00:00 Geni Daniela Núñez Longhini geninunez@gmail.com Mara Coelho Lago maralago7@gmail.com <p>O artigo visa problematizar a noção de diferença no contexto de definição do “outro”. Para além da diferença como ponto de partida estanque, buscamos, à luz de pensadores/as pós-coloniais e decoloniais, bem como de contribuições acerca do antropoceno, questionar e visibilizar a construção das ficções que concebem determinado “outro” como depositário do resto colonial. Em um segundo momento, procuramos discutir como a noção de diferença colonial atua em uma agenda cartesiana de pensamento, na qual o binário se engendra como naturalização da diferença como desigualdade. Por fim, em diálogo com as teorias decoloniais, fazemos apostas teórico-políticas em outras formas possíveis de nos havermos com a diferença não como dado inquestionável, mas como entranhada em reciprocidades constitutivas e alocada em redes de partilha horizontalizadas e comunitárias.</p><p> </p> Copyright (c) Geni Daniela Núñez Longhini, Mara Coelho Lago https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1527 Moisés Bertoni: Ciência e Estado-Nação (1890-1929) 2019-06-09T21:23:36+00:00 Wagner Henrique Neres Fiuza wagnerunicentro@hotmail.com <p>Poderia ser a ciência uma forma de afirmar, consolidar ou estremecer relações internacionais? Em que medida a ciência se produziu nesta relação entre nacional e internacional na América Latina no início do século XX? Estas perguntas surgiram na pesquisa sobre a obra de Moisés Bertoni durante o período em que viveu e publicou na República do Paraguai (1890-1929). Nascido na Europa, Bertoni escolheu o Paraguai para trabalhar e findar seus dias. Ali, empreendeu enorme trabalho científico de campo e fundou sua própria editora, a Ex Sylvis. A partir dali, publicava seus resultados e também recebia publicações do mundo todo. O financiamento estatal, mesmo que precário, estabeleceu estreitas relações entre o Estado e a produção intelectual de Bertoni. Não sem razão, ele e sua família representavam o Paraguai em congressos científicos internacionais, estabelecendo contatos e buscando afirmar um lugar para ele no circuito científico e para aquele país no concerto das nações. Em fase inicial, a pesquisa aponta a relação entre o esforço científico de perseguir leis e regras universais, e a delimitação dessas práticas em fronteiras nacionais. Neste sentido, o cientista Bertoni é co-participante da construção do estado-nação paraguaio, de suas significações identitárias e da fixação de suas fronteiras simbólicas.</p> Copyright (c) Wagner Henrique Neres Fiuza https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1525 Deslocamentos de fronteiras: percurso e produção musical de Gonzagão e Gonzaguinha 2019-07-18T15:32:58+00:00 CLAUDIA PEREIRA VASCONCELOS claudia.culturas@gmail.com <p align="center"><strong> </strong></p><p>O presente trabalho pretende discutir de que forma os percursos, permeados por diversas fronteiras que hierarquizam saberes, poderes e enunciados, interferiram na produção artística de dois músicos brasileiros, oriundos de lugares historicamente marginalizados no Brasil, a saber: Luiz Gonzaga do Nascimento (conhecido como Gonzagão), vindo do sertão de Pernambuco para ganhar as paradas de sucesso no Rio de Janeiro nos anos 1940/50 e Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior (o Gonzaguinha), nascido no Morro de São Carlos/Rio de Janeiro, que alcançou grande sucesso entre as décadas de 1970/80. Interessa investigar quais <em>estratégias</em> e <em>táticas</em> cada um desses artistas utilizou para driblar as fronteiras que separam o "centro" e a "periferia" e alcançar o cobiçado panteão da Música Popular Brasileira. Tal discussão é parte da pesquisa de doutorado em Estudos de Cultura (em curso) intitulada: <em>Deslocamentos de fronteiras: percurso e produção musical de Gonzagão e Gonzaguinha na construção das brasilidades, </em>realizada na Universidade de Lisboa. Para compreender a relação entre música, percurso e identidade, assim como para pensar a fronteira como construção simbólica serão tomados como aportes teóricos conceitos e reflexões oriundos do pensamento pós-colonial e decolonial.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 CLAUDIA PEREIRA VASCONCELOS https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1496 A (de)colonialidade do patrimônio na América Latina: lugares do negro e do indígena no caso brasileiro e argentino 2019-07-18T15:32:58+00:00 Loudmia Amicia Pierre Louis amiciiia@yahoo.com Bárbara Ferreira de Lima brb.flima@gmail.com Félix Ceneviva Eid felix.eid@unila.edu.br <p>Este trabalho pretende analisar a conformação do campo patrimonial no Brasil e na Argentina, durante os séculos XIX e XX, no conjunto de representações e práticas que o definem na América Latina. Delineia-se o panorama de reivindicações sócio-políticas dos movimentos de luta negros e indígenas que reconfiguram, a partir de uma perspectiva (de)colonial da história, tais políticas patrimoniais no século XXI. A invenção dos Estados-Nação e a conformação do campo patrimonial são correlatos. A patrimonialização é instrumento de criação de narrativas nacionais enunciadas pelo poder público. Dessa forma salienta-se os conceitos civilizatórios, trazidos pela modernidade eurocêntrica, presentes nos estatutos do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), posteriormente sucedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), para o caso brasileiro, e da <em>Comisión Nacional de Museos y Monumentos y Lugares Históricos</em> (CNMMYLH) para o caso argentino. São estes os órgãos estatais responsáveis pela institucionalização do silenciamento de memórias sociais e identidades coletivas, em detrimento da construção de uma única, a branca cristã. Observando, neste sentido, as dinâmicas de (re) apropriação e transformação no tempo das práticas culturais e como organizações em movimentos sociais, estes grupos subalternizados demandam novas concepções de cultura e patrimônio imaterial, mostrando, como resultado, a pluralidade cultural. As massas e as manifestações populares, esses setores historicamente excluídos, são valorizados e passaram a ser simbolicamente representados nestas nações.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Loudmia Amicia Pierre Louis, Bárbara Ferreira de Lima, Félix Ceneviva Eid https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1523 Carreras de pre-grado: una oportunidad para fortalecer la política pública de territorialización de la Universidad Nacional de Entre Ríos (Argentina) 2019-05-20T15:04:34+00:00 Armando B Brizuela armando.brizuela@gmail.com César Augusto Aguirre cesaraguirredalotto@gmail.com Guillermo Rondán grondan035.gr@gmail.com Leandro Ezequiel Kinderknetcht kinderknechtleandro1@gmail.com <p>La Universidad Nacional de Entre Ríos, en Argentina, inicia en el año 2013 un plan de mejora académica sobre la base de la creación de carreras cortas vinculadas con el desarrollo territorial. Propone abrir un espacio de diálogo que permita identificar aquellas necesidades y demandas locales en las que la universidad pueda acompañar propuestas de formación profesional. También, bajo la premisa de la universidad integrada a la sociedad, se exploran nuevos caminos con ofertas académicas de pre-grado que pueden concretarse en aquellos espacios geográficos urbano-rurales – que la Universidad no cubre – y donde también el gobierno provincial promete acompañar a los municipios en las estrategias de desarrollo territorial. En este trabajo se reflexiona sobre el desarrollo territorial en cuanto se refiere a mejoras educativas en espacios geográficos que la Universidad puede cubrir y que constituyen una oportunidad para fortalecer su política pública de territorialización en la provincia de Entre Ríos. En la etapa de diagnóstico se procesan y analizan una gran cantidad de datos y variables, de censos o de encuestas, para lo cual los sistemas de información geográfica son especialmente adecuados. Aquí se muestra la aplicación de un SIG para analizar variables del Censo de población 2010 y de la base de datos del Plan de Desarrollo Territorial 2016 ambos de nuestro país. Se propone un procedimiento para completar bases de datos, obtener estadísticas e informes y representar los resultados en mapas y gráficos que son necesarios durante el diagnóstico e instrumentación de las nuevas carreras.</p> Copyright (c) Armando B Brizuela, César Augusto Aguirre, Guillermo Rondán, Leandro Ezequiel Kinderknetcht https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1522 Um outro olhar: as experiências oleiras das comunidades das margens do rio Itacuruçá, em Abaetetuba-PA 2019-07-18T15:32:58+00:00 Maria Luiza Ávila meloeavilaadv@hotmail.com <p>Nesse artigo levanta-se a premissa de que a produção jurídica estabelecida no plano internacional sobre dignidade da pessoa humana, direitos humanos, proteção integral da criança e a concepção de trabalho infantil é fruto de uma racionalidade hegemônica geradora de universalidades e indivisibilidades, iniciada com o descobrimento das Américas, que invisibiliza saberes e tradições locais como as vivenciadas na região amazônica pelas comunidades oleiras das margens do Rio Itacuruçá em Abaetetuba-Pa. Como estratégia de superação dessa invisibilidade se adota a opção decolonial como <em>outro olhar,</em> e nesse viés<em> </em> se buscará o diálogo teórico fomentado pela crítica pós-colonial, tendo por base o repertório de pesquisas inaugurado na América Latina pelo Grupo Modernidade/Colonialidade/Descolonialidade (M/C/D), mormente os difundidos por Walter Mignolo uma das principais figuras do Pensamento Decolonial, visando evidenciar a resistência cultural dos povos ribeirinhos insertos no cenário amazônico.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Maria Luiza Ávila https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1520 Sentidos sobre as línguas em contextos multilíngues a partir do discurso político-educacional 2019-07-18T15:32:58+00:00 Laura Fortes laurafortes@yahoo.com Liz Leticia Martinez Ramirez lizlemar04@gmail.com <p>Este artigo apresenta os resultados de pesquisa realizada como parte de uma etapa do projeto Sentidos de línguas em contextos multilingues do discurso político e educacional. Como parte da metodologia escolhida, constituiu-se um arquivo que inclui leis e instrumentos normativos cujos conteúdos são relevantes tanto em termos de educação, quanto em termos político-linguísticos. Os documentos foram selecionados e analisados discursivamente, a fim de compreender os sentidos que constituem as relações entre as línguas no Paraguai, especificamente no campo educacional. Teorias com enfoque em uma abordagem translíngue foram mobilizadas para o estudo de práticas e políticas linguísticas a partir de uma visão crítica às orientações denominadas monolíngues. Discute-se como a construção dos sentidos sobre bilinguismo é instituída oficialmente, como se estabelecem as relações desses sentidos com orientações monolíngues e como estas afetam o âmbito político-educacional.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Laura Fortes, Liz Leticia Martinez Ramirez https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1521 Uma análise sobre o público frequentador de museus e centros culturais: estudo de caso a partir do Centro Cultural Justiça Federal 2019-07-18T15:32:58+00:00 Julyana Maia Corrêa julyana.mcorrea@gmail.com <p>O presente artigo busca averiguar o quantitativo de público de museus e centros culturais, a fim de realizar uma análise de seus consumidores. Pretende-se expor os motivos pelos quais essas instituições atingem apenas a um determinado grupo social, não sendo distribuída espacialmente de forma equânime, sendo visível a maneira desigual da distribuição de equipamentos culturais pela cidade do Rio de Janeiro. O meu interesse por esse tema de pesquisa é demonstrar, através do entrecruzamento entre a fundamentação teórica e dos dados obtidos na pesquisa de campo, a necessidade da democratização do acesso a bens culturais, principalmente públicos. Para tanto, tomarei como objeto de estudo o Centro Cultural Justiça Federal (CCJF), instalado em um edifício histórico, de arquitetura imponente, na região central do Rio de Janeiro, atraindo olhares e o turismo para a instituição.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Julyana Maia Corrêa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1519 Deslocamento Na Fronteira: Possibilidades E Limites De Construções Identitárias 2019-07-18T15:32:58+00:00 Maria Cristina Lobregat cristina.lobregat@gmail.com <p>Este artigo tenciona refletir sobre a construção da identidade dos brasileiros, conhecidos como “brasiguaios”, que se deslocaram para o Paraguai há mais de três décadas e que, na atualidade, seguem o movimento de retorno. No mesmo caminho, será feita a discussão sobre as memórias individuais e as coletivas que marcam o conflito por terra, intensificado em 2008 e iniciado ainda nos anos de 1980, diante de duas mudanças políticas que envolveram os dois países (ditadura militar e governo democrático), colocando em reflexão o lugar político do Estado Nação. Para contextualizar os acontecimentos serão chamados dois nomes de pesquisadores como Lindomar Albuquerque e Celso Amorim Salim, que se dedicaram às temáticas de migração e imigração na fronteira Brasil/Paraguai e alinhavaram o contexto histórico dos fatos. A abordagem tem como objetivo pensar a construção da memória como representação a partir dos registros de textos (notícias em jornais locais e nacionais) que procuram interpretar, de um modo singular, os acontecimentos e marcar a construção de identidade dos brasileiros de forma significativa nos contextos de memória coletiva. No almejo da conclusão, é possível sinalizar uma disputa étnica em torno de um conflito por terra, sendo a dialética entre memoria individual e coletiva um dos pontos mais importantes para a fabricação de sentidos dos textos jornalísticos e no imaginário fronteiriço.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Maria Cristina Lobregat https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1517 Marambiré como Patrimônio Cultural e Instrumento de Resistência do Quilombo do Pacoval/Pará 2019-07-18T15:32:58+00:00 Andréa Simone Rente Leão asgrente@yahoo.com.br Girlian Silva de Sousa gyr_gil@yahoo.com.br Edilmar de Santana Quaresma edquaresma@globo.com Joice Eliane Vasconcelos de Oliveira joiceelianevasconcelos12@gmail.com O presente ensaio introdutório tem o propósito de apresentar a dança do Marambiré como patrimônio cultural e de resistência do Quilombo do Pacoval e, portanto, um exemplo de organização cultural e social amazônica. A representação da dança do Marambiré é tida pelos quilombolas do Pacoval como a perpetuação da história de seus ancestrais, ao mesmo tempo, forma de manter viva sua cultura e origem. A origem das informações sobre o Quilombo do Pacoval, vem de autores locais, nacionais e entrevistas realizadas com os membros da dança do Marambiré – coordenação e componentes. Desta forma, conclui-se reafirmando que a ancestralidade negra, religiosidade, (re)existência cultural afro às intolerâncias sofridas e horizontalidade comunitária são características facilmente identificáveis nos comunitários do Quilombo do Pacoval, local onde a musicalidade se funde com a religião, expressando através da dança do Marambiré toda sua história de resistência cultural, social e política. 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Andréa Simone Rente Leão, Girlian Silva de Sousa, Edilmar de Santana Quaresma, Joice Eliane Vasconcelos de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1514 Biblioteca Parque de Manguinhos: afetos, resistências e políticas no cenário cultural carioca 2019-07-18T15:32:58+00:00 KAREN KRISTIEN SILVA DOS SANTOS karenkristien@gmail.com <p>Situada no Complexo de Manguinhos, um conjunto composto por 09 favelas e um dos polos de cultura do subúrbio do Rio de Janeiro, a Biblioteca Parque de Manguinhos (BPM), batizada como Biblioteca Marielle Franco, é fruto de um conjunto de políticas públicas voltadas para combate à violência em espaços periféricos. A biblioteca é integrante de uma rede composta por outras 04 unidades, 03 instaladas no município do Rio de Janeiro e uma em Niterói, através de parcerias entre as esferas de governo cujo formato foi inspirado no modelo adotado pelas cidades de Medellín e Bogotá na Colômbia (2006). A BPM figurou como centro de cultura, composto por teatro, cinema, ludoteca, midiateca e salas de leitura; e tornou-se referência no que se trata de oferta e fruição cultural na região onde foi implementada. Também recepcionou diferentes iniciativas ligadas a esporte, lazer, artes e educação oriundas do poder público, do terceiro setor e da sociedade civil. Entretanto, ao longo de sua existência, as bibliotecas parque foram vítimas da descontinuidade que assola os programas culturais no Rio de Janeiro. Em dezembro de 2016 as bibliotecas encerraram suas atividades pela inexistência de verbas para sua manutenção. Foram reabertas em 2018 após disputas pela gestão dos espaços entre o poder público e a iniciativa privada. Este relato debate este percurso histórico a partir da vivência de uma agente cultural formada na Biblioteca Parque de Manguinhos que acompanha a trajetória deste espaço que faz parte de suas relações pessoais e profissionais. O trabalho aborda a função social das bibliotecas públicas relacionado ao acesso à informação e cultura, e propõe a discussão a respeito do desenho de políticas públicas para territórios populares, suas interrupções e os impactos de políticas que deveriam ser de estado, porém são configuradas enquanto políticas de governo.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 KAREN KRISTIEN SILVA DOS SANTOS https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1515 Mulheres negras em situação de refúgio no Brasil: as múltiplas lutas em face da superação das desigualdades 2019-07-18T15:32:58+00:00 Verônica Teixeira Marques veronica_marques@set.edu.br Grasielle Borges Vieira de Carvalho Borges Vieira Carvalho grasiellevieirac@gmail.com Ronaldo Alves Marinho da Silva Marinho Silva ronaldo_marinho@outlook.com.br Samyle Regina Matos Oliveira Matos Oliveira samyle.adv@gmail.com Juliana Vital Rosendo Vital Rosendo julianavrosendo@hotmail.com <p>O deslocamento de muitas mulheres de seus países de origem para outros pode estar relacionado a conflitos de guerra, perseguições, situações de extrema pobreza, em que, as mulheres são as maiores vítimas e por muitas vezes, duplamente violadas, pois as violências persistem até mesmo durante o deslocamento forçado, em que se tornam ou voltam a ser vítimas de violência sexual, agressões, assédio, dentre outras violações. Mas tal situação torna-se ainda mais grave quando voltamos o olhar para as mulheres negras, que passam a dispor de diversos fatores contrários à sua inserção no meio social, dentre os quais podemos citar: a questão de gênero, o <em>status</em> de “refugiada”, além da raça. Segundo estudos realizados, dentre as vítimas do refúgio, as meninas e mulheres representam as parcelas com o menor índice de acesso ao sistema educacional; e no que diz respeito à parcela da população negra, esse índice é ainda menor, o que acaba por refletir consequentemente na futura inserção no mercado de trabalho. Dessa forma, entendemos que é indispensável uma atuação efetiva por parte do Estado e bem como da sociedade civil no que condiz ao investimento em políticas de inserção dessas mulheres nos campos educacionais e trabalhistas, como forma de emponderá-las e tornar possível a superação da situação de vulnerabilidade em que se encontram. O trabalho tem como principal finalidade<span style="text-decoration: line-through;">,</span> discutir os instrumentos que devem ser implementados como meio de possibilitar a inserção dessas mulheres no meio social, a fim de lhes proporcionar uma vida digna, de efetivação dos seus direitos, superação das violências sofridas e rompimento com as desigualdades.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Verônica Teixeira Marques, Grasielle Borges Vieira de Carvalho Borges Vieira Carvalho, Ronaldo Alves Marinho da Silva Marinho Silva, Samyle Regina Matos Oliveira Matos Oliveira, Juliana Vital Rosendo Vital Rosendo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1512 La Experimentación y su Integración en el proceso Enseñanza Aprendizaje de la Física en la Educación Media 2020-10-25T19:55:04+00:00 Jesús Briceño jesusrbb@gmail.com Yasmelis Rivas rivasyasmelis@gmail.com Hebert Lobo helobos.brasil@gmail.com <p>Esta investigación fundamentada en una metodología de tipo mixto, pues en la misma participan componentes de tipo documental y de campo, además de cualicuantitativa pues usa elementos considerados exclusivamente cuantitativos pero apreciados desde una visión interpretativa, con la aplicación de un método sustentado en la hermenéutica dialéctica-interpretativa, donde la información fue obtenida implementando tres instrumentos tipo test que fueron aplicados a profesores, estudiantes y directivos de las Instituciones más representativas en cuanto a número de estudiantes, número de profesores, cantidad de secciones, historia y vivencias de las mismas en el marco del contexto socio cultural del estado Trujillo (Venezuela), durante el año 2018. También se usó como herramienta la entrevista semiestructurada con algunos de los personajes antes mencionados y las anotaciones en el trabajo de campo realizadas mediante la observación de la dinámica funcional y condiciones estructurales y de equipamiento de cada una de las Instituciones mencionadas, pudiendo de esta manera triangular y validar la información aportada. El análisis e interpretación de la misma, llevo a configurar un panorama poco alentador en lo que respecta la asimilación de un conocimiento integral de parte de los estudiantes en la enseñanza de esta ciencia, la experimentación esencialmente está ausente de la práctica docente, por otra parte en la mayoría de las instituciones no existe un laboratorio en cuanto tal y en las que lo tienen, las horas destinadas para su realización son usadas con fines diversos a los establecidos, aun los experimentos de tipo demostrativo son realmente escasos concluyéndose que las practicas instruccionales han permeado el currículo promoviendo con ello solo el aprendizaje de tipo memorístico. Convirtiendo de esta manera una ciencia que intenta interpretar la realidad de nuestro entorno, en la memorización de algunas expresiones en la pretensión que manipuladas adecuadamente permiten resolver algunos problemas típicos, desconectados del contexto vivencial del estudiante.</p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Jesús Briceño, Yasmelis Rivas, Hebert Lobo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1513 Corpo e Presença: experiências dentro e fora da sala de aula 2019-07-18T15:32:58+00:00 Rosane Tesch de Oliveira rosanetesch@gmail.com Em novembro de 2016, a professora Lúcia promoveu, em uma turma de Educação Infantil, uma exposição e uma apresentação de dança intituladas <em>Ubuntu!</em> e as atividades foram observadas e filmadas para análise, considerando as pesquisas com os cotidianos. Durante a análise, as intersecções entre o aqui e agora, o tempo real e o tempo virtual se apresentaram para além de qualquer configuração pré-concebida ou planejamento que pudesse prever uma <em>experienciação</em>. São os resultados dessa experiência estética, que toca o sujeito na pausa, na interrupção, no perigo e no estranhamento que movem esse texto em que são produzidos apontamentos sobre experiências que envolvem <em>corpo </em>e <em>presença</em> dentro e fora da sala de aula. 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Rosane Tesch de Oliveira https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1511 Produção de Sentido em O Continente: Movimentos do Tempo e do Vento 2019-07-18T15:32:58+00:00 Ana Cristina Agnoletto ana_agn@unochapeco.edu.br Márcia De Souza marcias@unochapeco.edu.br <p>Este artigo tem como objetivo destacar sentidos do romance <em>O Continente, </em>primeira parte da trilogia <em>O Tempo e o Vento, </em>do escritor Erico Verissimo. Os objetivos específicos buscam perceber o envolvimento dos fatores históricos e familiares no romance, identificar as características da linguagem literária utilizada por Erico Verissimo na composição do texto e significar o título da obra e da trilogia correlacionando à história, à linguagem e à passagem das gerações. A partir da epígrafe da obra, que foi retirada do texto de Eclesiastes, registram-se colocações sobre os termos tempo e vento com base no que foi exposto por críticos literários. A pesquisa é de caráter qualitativo porque se imbui de aprofundamento temático centrando-se na compreensão, e, justifica-se a análise devido ao amplo arcabouço histórico e cultural propiciado pelo romance em relação à formação do povo rio-grandense, é uma obra literária que tem forte representatividade no cenário literário brasileiro. Para alcançar os objetivos, a pesquisa contempla as seguintes abordagens: o aspecto social das obras no período literário que corresponde à criação do romance; o ambiente de criação, características e inspirações de Erico Verissimo; dimensões de sentidos como os dos elementos tem­­­­po e vento. Narrando 150 anos da História do Rio Grande do Sul, <em>O Continente</em> é dividido em dois volumes e treze capítulos em que se intercalam referências ao contexto histórico, no entanto, o autor põe em primeiro plano o destino dos personagens, ou seja, evidencia questões inerentes à vida e à morte, à força e à fraqueza e às paixões e às aflições das pessoas. A pesquisa atinge os objetivos ao perceber sentidos do romance e ao verificar que o tempo e o vento são significativos do início ao fim do romance, as gerações agem e repetem ações no tempo e o vento faz-se presente nos acontecimentos.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Ana Cristina Agnoletto https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1510 Olhar comum às visões plurais: os Festivais de Cinema Indígena no Brasil 2019-07-18T15:32:58+00:00 Luciana Freitas lucianastk@hotmail.com <p>Nos últimos dez anos, o número de Festivais de Cinema voltados exclusivamente à temática Indígena cresceu em território latino-americano. Este trabalho pretende mapear a existência desses Festivais no Brasil e, para tal, reflete de que forma o contexto de globalização e sua íntima relação com o aparato audiovisual gera mecanismos de produções outras, que, neste caso, refere-se à produção protagonizada por indígenas. De modo que também analisaremos aspectos imagéticos através de uma perspectiva ameríndia e multinaturalista. E por fim, a investigação sobre os festivais de cinema, sua presença no Brasil e na América Latina. <strong></strong></p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Luciana Freitas https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1506 Cerâmica Tupiguarani de contato: relações interculturais às margens do Rio Ivaí-PR 2019-07-18T15:32:58+00:00 Renata de Oliveira Manfio renataomanfio@gmail.com <p>Este trabalho resulta de uma experiência de salvamento arqueológico em um sítio situado às margens do rio Ivaí no estado do Paraná. Realizo uma breve discussão em relação às relações interculturais, enfatizando a população Guarani mais precisamente na influência do outro (europeu) em relação à suas técnicas de confecção de vasilhas de cerâmica a partir de alguns dados coletados no sítio arqueológico PR-FL29 Dois Palmito. Com base nesses dados, são propostas algumas hipóteses para se entender grande parte da dizimação dos mesmos nesta região.</p><p><strong> </strong></p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Renata de Oliveira Manfio https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1504 Irunditia: as narrativas de viagem do toánucê Murillo de Campos nas expedições da comissão de Rondon 2019-07-18T15:32:58+00:00 Tiago Penteado Bomfim tiago-1910@hotmail.com <p align="justify"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;">Este texto pretende investigar e analisar, a atuação do médico e higienista do exército brasileiro Murillo de Souza Campos, como produtor e um dos divulgadores do conhecimento científico da área da saúde desta instituição, entre os anos de 1910 a 1950. A participação de Murillo de Campos no cenário nacional foi materializada em diversas publicações como jornais, periódicos, entre outros. Para este trabalho daremos ênfase na obra “Interior do Brasil: Notas médicas e etnográficas”, publicado em 1936. Neste livro Murillo de Campos descreve as viagens que realizou ao interior do Brasil no período das expedições científicas da comitiva do Candido Mariano da Silva Rondon, mais conhecido como Marechal Rondon. Nesta obra Murillo de Campos descreve suas atividades na região Nordeste de Mato Grosso, partindo do Rio de Janeiro a Cuiabá, através de Goias. Divido por regiões forjadas por este médico militar, o livro apresenta uma discussão de antropologia física e etnografia. O que nos chama atenção nesta obra e que vou explorar ao longo deste texto são as notas de tradução deste médico. Ao fim de cada capítulo Murillo de Campos apresentou um dicionário sobre os principais termos usados pelos indígenas que encontrou em sua expedição. Desta forma nossa preocupação é contextualizar este médico no campo intelectual do período e utilizando do conceito de tradução, aqui compreendo este conceito tanto no sentido da tradução como parte do processo de compreensão, por parte do receptor, da mensagem emitida por um emissor, quanto no que diz respeito às traduções de uma língua para outra. Assim sendo meu objetivo é perceber Murillo de Campos como sendo um “tradutor do mundo” que vivenciou enquanto passava pelas regiões do Brasil enquanto médico militar no início do século XX.</span></span></p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Tiago Penteado Bomfim https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1503 Memórias do Trabalho da Leveza: as Experiências dos Mestres e Mestras nas Artes de Miriti (Abaetetuba-PA) 2019-07-18T15:32:58+00:00 CLAUDETE DO SOCORRO QUARESMA DA SILVA claudasilva21@gmail.com <p>O presente trabalho analisa experiências vividas em memórias construídas e narradas por mestres e mestras da artesania do miriti do município de Abaetetuba, no Pará, os quais transformam partes da folha e do fruto da palmeira <em>Mauritia flexuosa, </em>popular miritizeiro, em brinquedos, cestarias, bijuterias, chapéus e outros objetos artísticos e artesanais. Detentores de saberes de um ofício tradicional na Amazônia Brasileira, homens e mulheres em circuitos de tradições orais e culturais reproduzem e traduzem cotidianamente relações de trabalho, sociabilidades, conflitos e disputas nas diversas esferas da vida. Abaetetuba emerge como lócus da pesquisa porque a história da cidade se confunde com a própria história da produção, comercialização e circulação dos famosos brinquedos de miriti. Ali se constituiu um dos centros de produção dos brinquedos de miriti mais conhecidos da Amazônia Oriental, registrado como patrimônio cultural do Estado do Pará. Neste texto, cruzando a Etnografia com a História Oral enfatizam-se análises a respeito das relações constituídas entre os mestres e mestras da arte em miriti e o ente público Municipal, Estadual e Federal percebidas nas interpretações do vivido narradas pelos (as) mestres (as). Visa construir interlocuções entre as narrativas dos (as) artesãos (ãs) e a proposta epistemológica dos estudos culturais e pós-coloniais no que tange a dialética da luta cultural e a leitura do processo histórico a partir da experiência cotidiana dos diferentes agentes e suas relações de confrontações, entrelaçamentos, negociações e empréstimos recíprocos. Por fim, assinala a importância de se compreender que na cultura a experiência dos diferentes sujeitos, ou grupos sociais, ou instituições onde estes agentes se encontram, travam relações de troca e sociabilidade, força e poder no âmbito das práticas sociais construídas no dia a dia por homens e mulheres que fazem a história acontecer e movimentam o processo histórico local e regional.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 CLAUDETE DO SOCORRO QUARESMA DA SILVA https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1502 Poéticas da América Latina e a casa: o corpo em delírio 2019-07-18T15:32:58+00:00 Anelise de Freitas anelisedefreitas@gmail.com <p>A partir de uma pesquisa sobre a casa nas poéticas contemporâneas da América Latina e de um mapeamento de poéticas que se relacionam com esse espaço, observei que lidava majoritariamente com um corpo delimitado por mulheres. Na dúvida da relevância dessa estatística – esse dado poderia refletir apenas um fator pessoal de leitura – optei por levá-la em consideração. Se a casa também representa um lugar imposto às mulheres, talvez seja oportuno e necessário refletir sobre esse lócus na produção da escrita feita por essas mesmas mulheres. Assim, nessas poéticas contemporâneas, o corpo apresenta-se como um lugar na construção das textualidades porque também é ele que tenta dar conta daquilo que a linguagem não supre, sem reduzi-lo ao lugar do significante, o corpo é a metáfora de reflexão sobre a casa. Ampliando a mirada para uma ideia de perspectivismo multiculturalista latino-americano e observando pelo viés histórico, não comprovamos as várias formas de contenção que foram impostas às mulheres, mas são esses aspectos que nos mostram como os tsunamis das teorias feministas européias chegaram até nós como marolas, como ainda é necessária uma visão interseccional sobre a América Latina. O espaço da casa, quando convertido em cerceamento, busca invisibilizar esse corpo e mantê-lo sob tutela, buscando sua domesticação. Por isso, trago à baila a temática da loucura e a casa manicomial dentro das textualidades poéticas da América Latina produzidas por mulheres. Nesse recorte, procuro pensar o corpo-casa que se apresenta nas poéticas de Stela do Patrocínio, Maria Isabel Abad Londoño e Alejandra Pizarnik.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Anelise de Freitas https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1501 Cartografias afetivas e a ressignificação dos espaços e sensibilidades na urbe 2019-07-18T15:32:58+00:00 Lucas Pereira Barros lpbarros93@gmail.com Este trabalho faz um breve histórico de como a revolução industrial e comunicacional na modernidade resultou numa perda de experiência autêntica e declínio da narrativa tradicional, como definidos por Walter Benjamin. Apresenta como o urbanismo surge enquanto prática e ganha protagonismo como forma de ação modificadora da estrutura das sociedades urbanas emergentes a partir do século XIX e analisa as experiências das diferentes errâncias urbanas que, concomitantemente, desejam pensar este novo espaço urbano moderno, desde as vanguardas históricas do início do século XX até as experiências de letristas e situacionistas nos anos cinquenta e sessenta. Munido destas referências históricas e teóricas, o trabalho busca no projeto de cartografias do cotidiano da associação <em>The Worst Tours</em> na cidade do Porto em Portugal uma das muitas vivências “neossituacionistas”, capazes de oferecer experiências baseadas na arte do diálogo e da interação, inscritas na cotidianidade dos participantes. São tours não-turísticos pela cidade que revelam zonas fora dos guias tradicionais e proporcionam aproximações, trocas e descobertas, ativando dinâmicas coletivas e formas descentralizadas de experienciar o espaço urbano, a história e o presente de um povo. Conclui ressaltando a importância do espaço urbano enquanto espaço de troca e construção de novas formas de narratividade e rememoração a partir de um “tempo de agora”, possível no exterior rugoso<em> </em>que é a cidade contemporânea. 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Lucas Pereira Barros https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1500 Gastronomia e Turismo Reflexões Sobre a Preservação da Culinária Tradicional na Cidade de Caldas Novas (Go) 2019-07-18T15:32:58+00:00 Adriana Roveri das Neves dricarov@gmail.com <p>A cidade de Caldas Novas, polo turístico encravado no interior do estado de Goiás e com importância econômica crescente, não só regional como nacional, é o ponto de partida para o objetivo de refletir sobre a importância da história e da cultura regionais para uma renovada percepção do turismo em todas as suas vertentes. Apesar de faltarem dados científicos sobre tal afirmação, sabe-se que os locais onde há recuperação e preservação histórica são os mais visitados em escala internacional, não só em termos de patrimônios visíveis ou materiais (arquitetura, arte, vestuário etc.), mas também outras características inerentes à cultura, como as festas, a dança e a gastronomia, que constituem, em sua composição, o patrimônio intangível de uma sociedade ou destino turístico. Neste sentido, incita-se a preservação do patrimônio cultural em um local de atração turística como um fator de contribuição para o desenvolvimento local em uma perspectiva sustentável. Para que isto ocorra, é necessário que a população local se envolva com este patrimônio histórico, consolidando o valor e o sentido histórico e até mesmo emocional deste para esta população. Há no turismo, e no desenvolvimento do mesmo, uma necessidade cada vez mais premente de se estudar e caracterizar não só os impactos econômicos envolvidos, mas também os impactos ambientais, sociais, psicológicos, geográficos, antropológicos e históricos, apesar do enfoque financeiro ainda ser em grande parte o norteador dos demais estudos. Nesta perspectiva, desenvolveu-se este artigo buscando refletir sobre a possibilidade de reencontrar a identidade histórico-cultural a partir das receitas que caracterizam este polo turístico nacional que é Caldas Novas, tendo como objetivos não apenas compreender a importância da preservação do patrimônio cultural imaterial para o desenvolvimento do turismo, mas também deste como mediador da recuperação e preservação do patrimônio cultural de uma localidade.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Adriana Roveri das Neves https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1497 Na construção de uma imagem, o passado se faz presente 2019-07-18T15:32:58+00:00 Juliana de Sá França julianadesa@gmail.com <p>Sabe-se que a língua não é neutra e que povos, lugares e, até mesmo, o status de uma língua estrangeira são constituídos <em>no</em> e <em>pelo</em> discurso. A partir da memória discursiva, que se apresenta permeada pela ideologia, os sujeitos significam o mundo por meio da linguagem ao mesmo tempo em que são interpretados por seus interlocutores. Assim, a abordagem de determinados temas selecionados pelos livros didáticos pode reforçar ou romper com sentidos que permeiam o imaginário dos sujeitos envolvidos no processo de ensino-aprendizagem. Tendo por base os fundamentos da Análise de Discurso de linha francesa, em especial a noção de memória, este trabalho objetiva refletir sobre efeitos de sentido relacionados à América Latina em uma unidade sobre diversidade cultural, presente em um livro didático de Língua Espanhola aprovado pelo Programa Nacional do Livro Didático. Para tanto, em um primeiro momento, apresenta-se um panorama sobre o ensino de línguas estrangeiras segundo a perspectiva discursiva, contemplando, também, o que preconizam documentos norteadores do ensino no Brasil em relação à diversidade cultural dos povos de fala hispana. Por fim, num gesto interpretativo, são apresentados efeitos de sentido sobre a América Latina a partir da materialidade discursiva analisada, observando se houve a superação de uma prática de ensino na Língua Espanhola que, durante muito tempo, pareceu mover-se em uma só direção: da Europa para os demais países.<em> </em>Entende-se que a língua não é um instrumento dócil e manejável, mas uma materialidade em que são tecidos discursos, sujeitos e memórias, o que possibilita questionamentos em torno dos discursos mobilizados no processo de ensino-aprendizagem.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Juliana de Sá França https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1466 Questão racial e formação profissional em Serviço Social 2019-07-18T15:32:58+00:00 Luana Fernandes Pereira multiluana@gmail.com Vanessa Bezerra de Souza vsouza76@gmail.com Marco Antonio da Silva Santos marcosilva.nave@gmail.com Bernardo dos Santos Gomes de Oliveira oliveirabsg@gmail.com Angela Carvalho de Almeida Coelho acacangela@gmail.com <p>Racismo é a crença na existência das raças naturalmente hierarquizadas pela relação intrínseca entre o físico e o moral, o físico e o intelecto, o físico e o cultural. No Brasil - país colonizado, tendo escravizado a mão de obra negra por 354 anos - tem enraizado em sua estrutura social o racismo. A partir dos anos 1930, houve um investimento ideológico no sentido de romantizar a miscigenação, originando o chamado mito da democracia racial. Contudo, a população negra continuou à margem de qualquer iniciativa estatal no sentido de garantir acesso ao trabalho, à educação e à infraestrutura básica. A Questão Social - base de fundamentação da existência do Serviço Social - é entendida como o conjunto de problemas econômicos, sociais, políticos, culturais e ideológicos que cerca o surgimento da classe trabalhadora como sujeito sócio-político no marco da sociedade capitalista, classe trabalhadora essa que no Brasil é majoritariamente negra. O projeto ético-político do Serviço Social vincula-se a um projeto societário que privilegia a centralidade das determinações de classe, gênero, e etnia, que se propõe à construção de uma nova ordem social, à defesa intransigente dos direitos humanos e à recusa do arbítrio e dos preconceitos. Compõe ainda esse projeto o compromisso com a “competência” profissional, demandando uma formação acadêmica qualificada, que tenha por base concepções teórico-metodológicas sólidas e críticas que viabilizem uma análise concreta da realidade social. Deve-se, portanto, investir no âmbito da formação profissional em pesquisas acerca da questão racial no Brasil para contribuir com a superação do racismo.</p><p> </p><p>Palavras-Chave: Formação Profissional; Questão Social; Racismo; Serviço Social</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Luana Fernandes Pereira, Vanessa Bezerra de Souza, Marco Antonio da Silva Santos, Bernardo dos Santos Gomes de Oliveira, Angela Carvalho de Almeida Coelho https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1492 Vocabulário do escritor Antônio Juraci Siqueira 2020-10-25T19:55:04+00:00 Francisca Claudia Borges Fernandes fclaudiabf@gmail.com Eliane Pereira Machado Soares eliane@unifesspa.edu.br <p>Este trabalho resulta de uma pesquisa sobre o vocabulário da obra literária do autor Antônio Juraci Siqueira, que reside na cidade de Belém, Estado do Pará, com o objetivo de estabelecer relações entre língua e memória, evidenciando os vocábulos que configuram o imaginário popular e a identidade coletiva da comunidade amazônida (pescadores, ribeirinhos, seringueiros). A criação literária de Siqueira, como representação da língua é, ao mesmo tempo, de caráter inovador e transgressor, seja na poesia ou na prosa, compartilha expressões, vocábulos utilizados pelos falantes de uma comunidade. Conforme Biderman (2001) o leitor, em diálogo com o texto poético, dever-se-á confrontar com a visão de mundo do artista e a significatividade daquela obra. O conjunto lexical empregado por um escritor demonstra a compreensão de sua competência para com a língua. A escolha do falante/escrevente, é a operação da aplicação do léxico de sua língua em escala subjetiva ao discurso. Os verbetes apresentados representam um recorte da pesquisa, fundamentado na Lexicologia, Terminologia, Socioterminologia, evidenciando a relação que a terminologia estabelece com a sociolinguística. Para elaboração do glossário nos pautamos nas orientações de Faulstich (2001), para quem o glossário é um inventário terminológico, de caráter seletivo que tem como escopo registrar e deliberar termos de domínios científicos, técnicos ou culturais, independente do suporte material em que se apresenta. O vocabulário é formatado a partir do uso da ferramenta computacional Lexique Pro e será organizado em ordem alfabética e apresentará os campos semânticos, com as respectivas informações gramaticais, definições e remissivas.</p> 2019-09-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Francisca Claudia Borges Fernandes, Eliane Pereira Machado Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1490 A(s) voz(es) de Ellen Oléria: multiplicidade, interseccionalidade e resistência em uma carreira musical 2019-07-18T15:32:58+00:00 Adelia de Souza Procopio adeliasprocopio@hotmail.com Mara Coelho de Souza Lago maralago7@gmail.com Vânia Beatriz Müller vabem@yahoo.com.br <p class="Standard">Neste trabalho, discutimos como se dão as dinâmicas identitárias na construção da carreira, no discurso musical e declarações públicas da cantora, compositora, instrumentista, apresentadora e atriz Ellen Oléria. A artista tem sido reconhecida por sua postura afirmativa como mulher, negra, lésbica, gorda, latina e vegana e por seu discurso antidiscriminatório. Procuramos analisar alguns posicionamentos políticos no discurso de Ellen Oléria em seus pronunciamentos públicos, bem como a forma como suas canções abordam questões de gênero, raça, sexualidade e classe. A pesquisa foi informada por epistemologias feministas. Além disso, propusemos uma abordagem interdisciplinar, integrando referenciais teóricos e metodológicos de disciplinas das ciências humanas. Em termos metodológicos, nos utilizamos da Análise do Discurso (AD), de orientação da escola francesa – em especial Michel Pêcheux e na leitura de sua obra feita por Eni Orlandi – e também de teorizações de Michel Foucault acerca do funcionamento do discurso e de sua abordagem. No texto, inicialmente, apresentamos uma discussão teórica acerca das identidades e abordamos as afirmações sobre múltiplas identidades culturais de Oléria. Em seguida, enfocamos os posicionamentos sobre raça e racismo da cantora, utilizando teorias sobre interseccionalidades para a compreensão de como diversos marcadores sociais, como raça, gênero, classe e sexualidade, se inter-relacionam na vivência e produção de Ellen. Após isso, abordamos a obra de Ellen Oléria como uma forma de afirmação, ou seja, como música identitária e como esta pode atuar como uma “voz” que “representa” grupos subalternizados e, ao mesmo tempo, constrói uma autorrepresentação da cantora. Por fim, discutimos como as intersecções dos múltiplos processos discriminatórios experimentados por Oléria representam também possibilidades de resistência e de transformação da ordem social por meio de sua música.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Adelia de Souza Procopio, Mara Coelho de Souza Lago, Vânia Beatriz Müller https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1489 Projeto de Extensão Pedagógica do Ilê Aiyê: uma proposta decolonial de educação 2019-07-18T15:32:58+00:00 Daniele Santos Santana dany.zunder@gmail.com <p>O presente estudo tem por objetivo investigar os projetos educacionais desenvolvidos pelo bloco afro Ilê Aiyê, tendo em vista sua importância na valorização da cultura afro-brasileira, a fim de destacar as principais atividades artístico-pedagógicas desenvolvidas pelo Bloco Carnavalesco para a promoção do debate sobre as questões étnico-raciais. Para tanto, faz-se uma pesquisa histórica da trajetória do bloco em questão, desde a sua criação, em 1974, na cidade de Salvador, Bahia, depois pela sua consolidação enquanto instituição de ensino formal com projetos de cunho pedagógico até o alcance dos Projetos de Extensão Pedagógica – fruto das ideologias ali defendidas, a saber: Banda Erê, Escola Mãe Hilda, Escola Profissionalizante e os Cadernos de Educação.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Daniele Santos Santana https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1488 A Marca Como Elemento Cultural – A Moda Ecológica de Flavia Aranha 2019-07-18T15:32:58+00:00 Lana de Araújo Gomides contatolanagomides@gmail.com <p>Atualmente as marcas podem ser reconhecidas como um elemento cultural de novo gênero, uma vez que promovem sua imagem através de um universo estético. Nesse contexto, as instituições saem em defesa de grandes causas com o intuito de gerar sentido e valores para engajar seu público. Afinal, a hipercultura revela consumidores que almejam um suplemento que possa ajudá-los na construção de suas identidades – e essas têm sido embasadas em princípios estéticos. Assim, o artigo propõe uma análise desse contexto a partir da marca latino-americana “Flavia Aranha” a fim de verificar as relações entre marca e cultura, tendo em vista a valorização de uma arte que leve em consideração saberes não institucionalizados, contrariando uma noção hegemônica de cultura.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Lana de Araújo Gomides https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1487 A concentração espacial do Programa Cultura Viva no município do Rio de Janeiro 2019-07-18T15:32:58+00:00 Bruno Costa Guimaraes bruno.costag@gmail.com <p>A lei 8.313 de 1991, Lei Rouanet, é a principal forma de promoção de projetos culturais no Brasil. Sua criação, no contexto da reabertura democrática do país após a ditadura militar, teve como um de seus objetivos diminuir a centralidade do papel do Estado na cultura e ampliar o poder de decisão do mercado privado. Para esse fim, os empresários decidiram quais projetos financiariam, sendo recompensados com isenções de impostos. Naturalmente, esse processo levou à centralidade dos projetos culturais nas grandes idades, notadamente na região Sudeste. Para contrabalançar isso, em 2004, o governo do Partido dos Trabalhadores estabeleceu um programa que reintroduziu o papel decisório do governo na cultura, o Programa Cultura Viva, com o objetivo de descentralizar geograficamente projetos culturais. A observação, no entanto, é que dentro do Estado do Rio de Janeiro, a capital ainda tem grande poder de centralização.</p><p> </p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Bruno Costa Guimaraes https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1486 Plurilinguismo e Pluriculturalidade: abordagem humanística 2019-07-18T15:32:58+00:00 Millene Sousa millene.guimaraes@ifpr.edu.br <p>Esta proposta de trabalho fundamenta-se no projeto de pesquisa em vigência no Instituto Federal do Paraná, Campus Avançado Quedas do Iguaçu, no qual atuo como coordenadora, intitulado “Plurilinguismo e Pluriculturalidade: viver, experienciar e ser”. Esse projeto surge da percepção da importância de práticas pedagógicas nas aulas de línguas, materna e estrangeira, voltadas à promoção do saber-fazer e saber-ser do discente em que ele se situe em seu próprio mundo e nos espaços sociais, políticos e culturais de forma crítica e significativa. Os conceitos plurilinguismo e pluriculturalidade convivem no mesmo espaço, principalmente, quando se lança o olhar à realidade escolar heterogêneo, no que tange ao ambiente cultural e linguístico. Ratifica-se a relevância do desenvolvimento de ações que toquem na questão da pluralidade, seja ela cultural, linguística, socioeconômica, étnica, racial, sexual ou política, para que o aprendizado das línguas se torne eficaz, promovendo para um ambiente solidário e democrático. Assim, esse projeto contempla a temática língua, no viés teórico da pluralidade, a fim de que o discente compreenda o conceito língua como uma esfera social, cultural, política, contribuindo para sua vivência, experiência e formação identitária e cidadã na compreensão da sua realidade linguística-cultural materna e variedades, assim como, a realidade linguística cultural de línguas estrangeiras. Este texto apresenta um relato de experiência nos primeiros passos de implementação do projeto com uma proposta relacionada à política para mulheres, desenvolvida no projeto citado, em que o diálogo plural, o respeito à diversidade e a promoção de práticas que proporcione a criticidade do aluno são pilares dessa experiência vivenciada.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Millene Sousa https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1485 Práticas de racismo e xenofobia contra universitários caribenhos em Belém do Pará 2019-07-18T15:32:58+00:00 Felipe Carlos Damasceno e Silva felipedamasceno33@gmail.com <p>Este trabalho nasceu a partir da produção de uma pesquisa de iniciação científica na qual se pode verificar, através do processo reflexivo, a demanda de investigar mais a fundo as relações cotidianas do/as interlocutores/as participantes. A princípio, se pretendia pesquisar sobre as relações de gênero existentes entre universitários/as haitianos/as no contexto da cidade de Belém do Pará. No entanto, através das primeiras entrevistas semiestruturadas realizadas no âmbito da referida pesquisa, foram identificados relatos de racismo e xenofobia sofridos pelos/as já mencionados/as estudantes. Diante do exposto se julgou pertinente alterar as categorias analíticas da pesquisa, estendê-la a uma monografia de conclusão da graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará, e, além de haitianos/as, expandir os/as sujeitos/as pesquisados/as para universitários/as oriundos/as dos demais países caribenhos. Esta pesquisa está dividida em três partes. Na primeira parte apresento um levantamento bibliográfico acerca da literatura sobre racismo e xenofobia buscando sinalizar as contribuições mais importantes sobre estas categorias em distintos contextos geográficos. Na segunda parte, ao realizar entrevistas semiestruturadas, busco identificar práticas de racismo e xenofobia no dia-a- dia de universitários/as oriundos/as de países caribenhos em Belém do Pará, e em seguida analisar seus impactos. Ao finalizar, faz-se um debate visando instigar novas pesquisas que contribuam para a luta antirracista.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Felipe Carlos Damasceno e Silva https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1484 Inventário virtual artístico: um projeto educativo de resgate da memória histórico-cultural da cidade de Jaguariaíva/PR 2019-07-18T15:32:58+00:00 Cely Kaori Hirata cely.hirata@ifpr.edu.br Pedro Francisco Cataneli pedro.cataneli@ifpr.edu.br O presente artigo tem por finalidade divulgar as ações desenvolvidas pelo grupo de pesquisa: "Inventário das artes plásticas da cidade de Jaguariaíva" do Instituto Federal do Paraná, Campus Jaguariaíva. Com o intuito de contribuir para com o processo educativo de conscientização da arte, cultura e história da cidade de Jaguariaíva, a equipe propõe a criação de um inventário artístico em formato de hipertexto, ou seja, uma plataforma digital contendo informações de obras artísticas que fazem referência à cultura local e que pode ser acessada pela rede mundial de computadores, potencializando a comunicação e conferindo a autonomia no caminho que o internauta deseja percorrer pelo sítio eletrônico. O inventário virtual vincula-se ao projeto de pesquisa que busca refletir e analisar os cruzamentos entre identidade e memória, matéria e forma, criador e sua obra. Objetivou-se com este trabalho a ação educativa popular para a valorização, preservação e divulgação de artistas populares locais que expressam em suas criações plásticas as representações do contexto histórico e cultural da cidade. 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Cely Kaori Hirata, Pedro Francisco Cataneli https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1483 A Cultura Alimentar e os Reflexos de um Aprisionamento da Condição Social 2019-07-18T15:32:58+00:00 Ana Carolina Einsfeld Mattos anamattos50@gmail.com Victória Santos de Azevedo vics.azevedo@gmail.com <p>Primeiramente: Comer é um ato político! Mas somente para quem pode escolher o que comer! Segundo, a alimentação é um direito humano. Comer é uma atividade humana central, porque cedo se torna a esfera onde se permite alguma escolha. O pensamento antropológico da alimentação diz que o comportamento relativo à comida revela repetidamente a cultura. Comer! Comer é natural, é cotidiano. O que, como e quando comemos caracteriza respostas culturais a contextos sociais, políticos, econômicos, étnicos, ambientais e morais. A globalização respinga uma nova forma de constituir alimentação. Os <em>fast- foods</em> acompanhado do marketing das grandes empresas transnacionais tem contribuído para essa mudança nas estruturas alimentares. O fio condutor entre alimentação e cultura parece limitar-se ao nível biológico, que coloca o alimento com foco nos nutrientes, porém um enfoque nas ciências sociais amplia o olhar para a relação do alimento enquanto componente de vida e do viver em sociedade. Assim, os hábitos e práticas alimentares produzidos historicamente se transformam em hábitos culturais que integram o viver coletivo. Considera-se também que existem hábitos e práticas alimentares advindas de um sistema capitalista e que por tanto não constituem um caráter homogêneo. Há diferentes modos de estabelecer a alimentação e a comida, a estratificação da mesa e do gosto produz efeitos sobre a condição social da pessoa que reduz a possibilidade de escolha alimentar em uma espécie de aprisionamento da condição social. A preferência alimentar transmite mais que a utilização do alimento, um estabelecimento de uma preparação culinária, temperada, saboreada, estabelece identidade social. Alimenta-se e alimentar ao próximo é uma das maiores riquezas quando pensamos em constituição de relações sociais. O guia Alimentar para a população Brasileira constitui uma das estratégias para promoção da alimentação adequada, visa o resgate da cultura alimentar e faz parte da Política Nacional de Alimentação e Nutrição.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Ana Carolina Einsfeld Mattos, Victória Santos de Azevedo https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1482 A Produção de Produtos Orgânicos e Agroecológicos no Sudoeste do Paraná 2019-07-18T15:32:58+00:00 Tiago Arcanjo Orben tiagoaorben@gmail.com <p>Esse trabalho procura refletir sobre a produção de produtos orgânicos e agroecológicos na região Sudoeste do Paraná, mais especificamente no município de Verê. Local onde fica localizada a Cooperativa dos Produtores Orgânicos e Agroecológicos do Sudoeste do Paraná – Coopervereda. A atenção dada a essa região e a esse município se deve por estar relacionada ao assunto abordado em meu projeto de Doutorado em História, o qual procura questionar a estrutura agrária e fundiária da região Sudoeste do Paraná. Assim, nos primeiros levantamentos constatou-se a significativa atuação, tanto, de cooperativas agrícolas e de crédito, que incentivam a produção de monoculturas, quanto, de centros de apoio e promoção da produção orgânica e agroecológica, como a Coopervereda. Deste modo, utilizando-se da metodologia oral, este trabalho expõe para debate as formas de atuação desta Cooperativa no município de Verê, com atenção especial para seu trabalho junto aos agricultores da região. Para tanto, será utilizada uma entrevista realizada com o agricultor Décio Cagnine, que produz em sua propriedade alimentos orgânicos, além de prestar assessoria a outros agricultores da região. A partir deste contexto, se sobrepõe para discussão as políticas públicas, que não só dão sustentação a tais agricultores, como também regram a inserção de práticas orgânicas e agroecológicas entre os pequenos proprietários desta região.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Tiago Arcanjo Orben https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1481 O Ensino das Artes na Escola Indígena Wakõmēkwa: diálogo entre os agentes sociais e a cultura tradicional 2019-07-18T15:32:58+00:00 Raquel Castilho Souza raquelcastilho@uft.edu.br Adriana dos Reis Martins adrianaarte@mail.uft.edu.br Karylleila Santos Andrade karylleila@gmail.com <p>Esse estudo é resultado de uma pesquisa que está sendo realizada na Escola Indígena Wakõmēkwa, da comunidade Riozinho Kakumhu, localizado no estado do Tocantins, por meio de procedimentos metodológicos da observação participante, de cunho etnográfico. Após observações <em>in loco</em>, verificou-se que o grupo de professores almeja ter atividades de capacitação e de formação continuada, no sentido de (re)vitalizar a cultura do povo Xerente na comunidade, objetivando a ressignificação da identidade. Assim, essa pesquisa tem como objetivo desenvolver o Ensino de Arte em uma dimensão educativa, de modo que possa contribuir para um diálogo intercultural, pluriétnico e plurilíngue, a partir da experiência artística como prática social na Escola Estadual Indígena Wakõmēkwa. Acreditamos que os alunos, por meio de uma experiência artística, podem ser protagonistas e criadores de um trabalho que estabeleça um diálogo entre Arte e Cultura. Os autores que sustentam as discussões teóricas perpassam pelos estudos de Aguirre (2009), Lagrou (2009), Moreira e Candau (2014), bem como os documentos oficiais que regulamentam a Educação Escolar Indígena. Desse modo, pretendemos auxiliar os professores da escola em suas práticas educativas, por meio de produção de materiais didáticos-pedagógicos e oficinas, para o estímulo da revitalização da cultura Xerente.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Raquel Castilho Souza, Adriana dos Reis Martins, Karylleila Santos Andrade https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1480 A Escola Indígena Wakõmēkwa e seus processos de ensino e aprendizagem na perspectiva da Interculturalidade: Um relato de experiência 2019-07-18T15:32:58+00:00 Raquel Castilho Souza raquelcastilho@uft.edu.br Karylleila Santos Andrade karylleila@gmail.com <p>Esse trabalho apresenta reflexões de uma pesquisa em andamento referentes às experiências de campo das atividades do Curso de Doutorado em Artes que são realizadas na Escola Indígena Wakõmēkwa, da Aldeia Riozinho Kakumhu, localizada no estado do Tocantins, Brasil. Esta pesquisa é de natureza qualitativa, fundamentada na perspectiva etnográfica, com utilização de procedimentos metodológicos da observação participante. Os autores que sustentam as discussões teóricas e metodológicas perpassam pelos estudos de Bourdieu (1989), Fleuri (2003), Henriques et al. (2007), além dos documentos oficiais que regulamentam a Educação Escolar Indígena. Como resultados preliminares da pesquisa <em>in loco</em>, percebeu-se a manutenção do currículo oficial da educação do estado e a prevalência do uso de material didático em língua portuguesa. Para a comunidade, a escola tem o papel de pertencimento e de aproximação à cultura Xerente. Para eles, a aprendizagem é contínua e diária na aldeia. Ela, como uma “fruta”, como consta registrado na fala dos professores, pode espalhar sementes entre os povos indígenas a partir do conhecimento de mundo. Sendo assim, as reflexões realizadas, até o momento, nos permitem concluir que é preciso compreender melhor as práticas pedagógicas, os dispositivos simbólicos e os movimentos identitários presentes na escola Wakõmẽkwa para que a democratização do ensino indígena seja realmente algo significativo para o grupo no seu processo de formação, em busca de uma educação emancipadora e intercultural.</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Raquel Castilho Souza, Karylleila Santos Andrade https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1479 Luta e resistência dos Avá-Guarani no Oeste do Paraná 2019-07-18T15:32:58+00:00 Rosangela Daiana dos Santos rossantos104@gmail.com Marcos Rodrigues Barreto marcosriodejaneiro@gmail.com Rafael Fonseca Gomes Dantas de Melo rfgddemelo@gmail.com Este artigo tem como proposta a análise dos processos históricos que resultaram na espoliação dos povos indígenas na Região Oeste do Paraná. Neste trabalho serão apresentadas as motivações do deslocamento dos indígenas para o Paraguai e outros dilemas que vêm sendo enfrentado com o regresso ao território tradicional no Oeste Paranaense. Centraremos-nos na organização indígena, luta e resistência dos Avá-Guarani, que diariamente encaram problemas com a ausência de terras, preconceitos junto à população não indígena e conflitos com ruralistas da região. A espoliação do território indígena é o eixo central desta análise, buscando examinar o percurso histórico das relações de conflito na região, o contexto político, os agentes envolvidos, como a remoção ocorreu e, fundamentalmente, como foi abordada pelos meios de comunicação. Além disso, apresentaremos neste trabalho como os acontecimentos influenciam nos dias atuais. 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Rosangela Daiana dos Santos https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1478 A desconstrução do discurso religioso sobre o corpo e a sexualidade na Igreja da Comunidade Metropolitana de São Paulo 2019-07-18T15:32:58+00:00 Evanway Sellberg Soares evanways@yahoo.com.br <p><span>Esse artigo aborda a questão da luta discursiva religiosa sobre o corpo e sexualidade no espaço público. Para tanto recorre a pesquisa empírica qualitativa na Igreja da Comunidade Metropolitana, criada no contexto da tensão entre as esferas da sexualidade e religiosa. E utiliza como meio de análise a gramática moral habermasiana. Ao final do argumento é possível perceber a ação comunicativa em um espaço público construído democraticamente para o favorecimento da emancipação das minorias religiosas de gênero e sexualidade.</span></p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Evanway Sellberg Soares https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1477 Clarice Lispector e o direito de punir no livro A maçã no escuro: uma leitura crítico-biográfica fronteiriça 2019-07-18T15:32:58+00:00 Bárbara Artuzo Simabuco bsimabuco@gmail.com Edgar Cézar Nolasco ecnolasco@uol.com.br <p>A proposta do presente trabalho é contextualizar a relação entre Clarice Lispector e o Direito construindo uma aproximação metafórica entre a estudante de Direito e a escritora, adotando como base as considerações feitas pela autora no texto “Observações sobre o direito de punir” (2005) e o livro <em>A maçã no escuro</em> (1999), além de elementos biográficos (constantes em entrevistas e na biografia da autora). A pesquisa se fundamenta na crítica biográfica fronteiriça, termo cunhado por Edgar Cézar Nolasco, possibilitando a criação de uma fronteira epistemológica na qual a escritora e a estudante se aproximam. A metodologia utilizada é essencialmente bibliográfica. A sustentação crítica será embasada por meio de teóricos e biógrafos como: Edgar Cézar Nolasco, Eneida Maria de Souza, Silviano Santiago e Nádia Gotlib. Algumas das obras utilizadas, dentre outras mais que dialogam com a nossa epistemologia, são: <em>CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS</em>, <em>Janelas indiscretas</em>: ensaios de crítica biográfica (2001), <em>Crítica cult</em> (2007), <em>Claric</em>e: uma vida que se conta (1995), <em>Com Clarice</em> (2013) e <em>Outros escritos</em> (2005).</p> 2019-05-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Bárbara Artuzo Simabuco, Edgar Cézar Nolasco https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1476 Apresentação 2019-07-18T15:32:46+00:00 Tânia Regina Zimmermann tania22@uems.br Márcia Maria de Medeiros maeve35@hotmail.com Apresentação dossiê. 2019-05-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2018 Tânia Regina Zimmermann https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1475 Sou Diáspora: Construção Social e Mobilidade através da Memória de Haitianos no Brasil 2019-07-18T15:32:58+00:00 Taíse Staudt taisesta@gmail.com O objetivo da pesquisa é a análise de lembranças de haitianos que atualmente residem no Brasil. Este trabalho é uma versão reduzida da pesquisa de conclusão de curso para graduação de História pela Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Chapecó. A pesquisa realiza-se a partir de entrevistas de História de Vida, dentro da metodologia de História Oral. As entrevistas foram realizadas com três imigrantes haitianos que residem no oeste de Santa Catarina, com diferenciações em gênero e idade, sendo posteriormente transcritas e transformadas em texto. A partir dos temas que se destacam nessas narrativas, são analisados alguns fatores determinantes para a formação social e cultural haitiana, da construção da característica de mobilidade e das experiências dos indivíduos na trajetória e no Brasil. Para além, são realizadas reflexões sobre o que foi dito e não dito nas narrativas e a fórmula do sucesso que envolve a saída do Haiti. Os resultados demonstram a carga da violência colonial nas experiências desses indivíduos e da estruturação de uma sociedade diáspora. Revelam a ligação indiss