Objetos de memória como referência da diversidade cultural

Rita de Castro Engler, Ana Célia Carneiro Oliveira, Nadja Maria Mourão, Rosilene Conceição Maciel

Resumo


Os objetos, de um modo geral, são capazes de despertar lembranças e aguçar a memória. São importantes elementos de estudo para a identificação de laços culturais entre diferentes povos e culturas. Os objetos são carregados de simbolismos culturais, atravessam fronteiras e moldam-se aos costumes, materiais e modos de viver de um povo. Atravessam também o tempo, submetidos a constantes ressignificações passando do artesanal às incorporações do mundo tecnológico, industrial. Novas maneiras de brincar. Neste trabalho os brinquedos que atravessam fronteiras e se fazem presentes em diferentes culturas serão tomados como objeto de estudo.  A narrativa procurou tratar o brinquedo como objetos de memória e fonte de estudos, na medida em que refletem aspectos socioculturais e econômicos. A pesquisa bibliográfica, de caráter exploratório, buscou um aprofundamento no tema e aprimoramento de ideias a respeito da potencialidade lúdica e educativa do brinquedo.  Como resultado, buscou-se consolidar conhecimentos acerca do brinquedo, como objeto de memória, como subsídio para propostas educacionais no estudo da diversidade cultural da América Latina. Os dados registrados podem contribuir com novos métodos educacionais, em formação de redes que fortaleçam o conhecimento de origens e uso dos objetos de memória como recurso didático e de qualidade de vida.

Palavras-chave: Brinquedos infantis; diversidade cultural; objetos de memória; povos nativos; educação.

 


Palavras-chave


Ciências Sociais; Cultura; Ciências Humanas

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, J. Universo dos brinquedos populares. 2. ed. Coimbra: Quarteto, 2007.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Ed. 70, 1995.

CABANNE, J. I. Brinquedo, memória de uma sociedade. In Comunicação e Educação: Revista do Departamento de Comunicação e Artes da ECA/USP. v. 17, n. 1 (2012). Disponível em http://www.revistas.usp.br/comueduc/issue/view/3626 Acesso em 08 de julho de 2017.

CARNEIRO, M. A. B. A infância e as brincadeiras nas diferentes culturas. PUC/SP. 2009. Disponível em http://www.pucsp.br/educacao/brinquedoteca/downloads/OMEP%20-%20Campo%20Grande.pdf. Acesso em 08 de julho de 2017.

CASCUDO, Câmera. Dicionário do folclore brasileiro. 11ª ed. São Paulo: Global, 2001. _____. Superstição no Brasil. 4ª ed. São Paulo: Global, 2001. _____. Literatura oral no Brasil. 3ª ed. São Paulo: Itatiaia, 1984.

CONSOLO, C. Design e memória. In: Anatomia do Design. São Paulo: Blucher, 2009.

CUNHA, A. G. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 4ª Ed. São Paulo: Lexikon Editorial, 2010.

DOHME, V. Jogando: o valor educacional dos jogos. São Paulo: Informal Editora, 2003.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa (3a ed., J. E. Costa, Trad.). São Paulo: Artmed, 2009.

GUSSO, S. F. K.; SCHUARTZ, M. A. A criança e o lúdico: a importância do “brincar”. In: Anais Educare - PUC, 2005. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2017.

HORTA, M. L. P. Fundamentos da educação patrimonial. Ciências & Letras: revista da faculdade de Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras (FAPA). n. 27, jan. /Jun. 2000, Porto Alegre: FAPA, p. 25-35.

KISHIMOTO, Tizuka Morchida. Jogos Infantis; O jogo, a criança e a educação. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

LE GOFF, J. História e memória. 5. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 2003.

NORA, P. Entre Memória e História A problemática de lugares. Projeto História - revista do programa de estudos pós-graduandos em História e do Departamento de História PUC/SP. n. 10, dez/93, São Paulo: PUC/SP, p. 7-28.

MANSON, Michel. História do brinquedo e dos jogos – brincar através dos tempos. Lisboa: Editorial Teorema, 2002.

MEIRELLES, R. Giramundo. São Paulo: Terceiro Nome, 2007.

MELLO, S. A. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico cultural. Perspectiva. Revista do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. V. 25, n. 1. Jan./jun., 2007.

MELO, V. Folclore Infantil. Rio de Janeiro: Cátedra Brasília; INL, 1981.

OLIVEIRA, Z. R. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

PEREIRA, Nilton M.; MARQUES, Diego Souza. Narrativa do estranhamento: Ensino De História entre a Identidade e diferença. Plures, Humanidades, Ribeirão Preto, v. 14, p. 83 - 102, 2014.

PETERSEN, Sílvia Regina Ferraz. Introdução ao estudo da História: temas e textos - Porto Alegre: Edição das autoras, UFRGS, 2013.

PERROTTI, E. A criança e a produção cultural. Apontamentos sobre o lugar da criança na cultura. In: Recebido em: dez/2004. Aprovado em: fev/2005.

PORTO, Í. M. R. Brincar é coisa séria?: um estudo do brinquedo na cultura da modernidade. Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Belém, 2007.

REIS, Maria Amélia. Etnoconhecimento para um EtnoREconhecimento: a importância da educação diferenciada e intercultural na/para a escola pública com qualidade social. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCACIÓN INTERCULTURAL “RETOS INTERNACIONALES ANTE LA INTERCULTURALIDAD”, 4., 2009. Almeria, Espanha: Anais... Almeria, Espanha: Universidade Nacional de Almeria, 2009. No prelo.

UNESCO. Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais: Artigo 4. Paris: UNESCO, 2005. 32 p. CONFERÊNCIA GERAL DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA, Paris, 03 a 21 de outubro de 2005. Texto oficial ratificado pelo Brasil por meio do Decreto Legislativo 485/2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v3i3.472

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Rita de Castro Engler, Ana Célia Carneiro Oliveira, Nadja Maria Mourão, Rosilene Conceição Maciel

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade

e-ISSN: 2525-7870

Facebook - Twitter - Instagram

Endereço eletrônico: relacult@claec.org


Qualis CAPES: B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

Responsável Editorial:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

www.claec.org/editora

Endereço eletrônico: editora@claec.org