A Presença Indígena no Telejornal Liberal: Redes de Memória e Identidade

Douglas Junio Fernandes Assumpção, Analaura Corradi, Karen dos Santos Correa

Resumo


Desde o início da colonização, nas primeiras cartas enviadas à Europa, os povos indígenas passaram a ser descritos pelo olhar estrangeiro. A interação com os colonizadores propiciou para que as práticas indígenas sofressem alterações e as legitimações discursivas sobre eles começassem a se constituírem. Tomando a análise do discurso como uma referência teórico-metodológica, este artigo se propõe analisar um vídeo, de 7 minutos e 51 segundos, referente a uma matéria sobre protestos realizados pelos indígenas da etnia Munduruku na cidade Jacareacanga – estado Pará, veiculado no telejornal Liberal 1ª edição – afiliada da Rede Globo, no dia 3 de julho de 2012. Essa análise se fundamenta nas discussões teóricas dos estudos culturais envolvendo redes de memória e identidade sendo atravessadas pela perspectiva discursiva foucaultiana, e estudos sobre identidade, discurso e mídia, usando a análise do discurso para compreender como as produções discursivas midiáticas estão permeadas de relações de poder, regimes de verdade e procedimentos de controle que legitimam discursos sobre os indígenas brasileiros.  Neste, o discurso veiculado sobre os indígenas mostra o que é ser indígena no Brasil: agressivo e selvagem. Depara-se, com isso, que a matéria televisiva coloca em circulação enunciados que se inscrevem em uma rede de memórias estabelecendo um indígena selvagem e perigoso

Palavras-chave


Análise do discurso. Telejornal. Sociedades Indígenas. Redes de Memória. Identidade

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

COSTA, V.M.T. “À sombra da floresta”: os sujeitos amazônicos entre estereótipo, invisibilidade, colonialidade no telejornalismo da Rede Globo. Tese de doutorado defendida no Instituto de Artes e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense, 2011.

COURTINE, J. Discursos sólidos, discursos líquidos: a mutação das discursividades contemporâneas. In: SARGENTINI, V.; GREGOLIN, M. R. (Org.). Análise do discurso: heranças, métodos e objetos. São Carlos: Editora Claraluz, 2008a. p. 11-19.

COUTINHO, I.M.S. Dramaturgia no telejornalismo: a narrativa da informação em rede e nas emissoras de televisão de Juiz de Fora-MG. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

FOUCAULT, M. A arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, M. A Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, 2007.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2006.

GREGOLIN, M.R. Identidade: objeto ainda não identificado? Estudos da Língua (gem) (Impresso), v. 04, p. 23-36, 2008.

GREGOLIN, M.R. A mídia e a espetacularização da cultura. In: Discurso e mídia: a cultura do espetáculo. Organizado por Maria do Rosário Gregolin. São Carlos-SP: Claraluz, 2003.

GREGOLIN, M.R. Courtine e as metamorfoses da análise do discurso. In: SARGENTINI, V.; GREGOLIN, M.R. (Org.). Analise do Discurso: herança, métodos, objetos. Análise do Discurso: herança, métodos, objetos. 01 ed. São Carlos, SP: Claraluz, 2009.

GREGOLIN, M.R.. Análise do Discurso e mídia: a reprodução das identidades.

HALBWACHS, Maurice. Memória Coletiva. Tradução Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro. Editora, 2006.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 7ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

KELLNER, Douglas. A cultura da Mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2001.

NEVES, Ivânia dos Santos. A Invenção do Índio e as Narrativas Orais Tupi. Tese de Doutorado em Análise do Discurso. Campinas, SP: UNICAMP, 2009.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos,Rio de Janeiro, vol.2, n. 3, 1989, p. 3-15. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/download/2278/1417. Acesso em março de 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SOUSA SANTOS, B. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2000




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v3i3.467

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Douglas Junio Fernandes Assumpção, Analaura Corradi, Karen dos Santos Correa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Qualis CAPES (2013-2016):

B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

e-ISSN 2016/Atual: 2525-7870 | e-ISSN 2015/2016: 2447-018X

Facebook - Twitter - Instagram

Realização:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

Endereço Eletrônico: relacult@claec.org


Contador disponível desde 05/2016.

universidades e ensino superior
contador de visitas